domingo, 31 de outubro de 2010

Por que temos cãibra?


Trata-se de uma contração muscular forte, prolongada e parcialmente involuntária. Tudo começa quando o cérebro envia impulsos elétricos para um músculo se contrair. Quando o músculo está relaxado, há uma diferença de potencial elétrico entre o exterior e o interior das fibras musculares. Essa diferença se deve à presença de sódio no lado de fora e de potássio na superfície. Com a chegada do impulso elétrico, porém, tudo muda: abre-se uma série de receptores na membrana que reveste as fibras musculares. Os receptores são como portões, pelos quais o sódio consegue entrar. Essa substância ocupa o espaço do potássio, que acaba saindo. A troca de lugares excita as partículas de cálcio situadas numa região mais profunda e elas, por sua vez, provocam movimentação dos filamentos musculares, ocasionando a contração. "O problema costuma ocorrer quando alguém toma muito diurético ou realiza exercícios físicos intensos", afirma o fisiologista Renato Fraga Moreira Lotufo, da Escola Paulista de Medicina.

Fonte: Revista Mundo Estranho

sábado, 30 de outubro de 2010

Como rezam as diferentes religiões do mundo?


A prece é um elemento universal da espiritualidade humana, encontrada em todas as tradições religiosas. Cada uma delas segue seus próprios rituais, mas o objetivo é o mesmo: comunicar-se com a divindade, em uma atitude de devoção e máximo respeito. "Antes mesmo de existirem sistemas de crença constituídos, o ser humano proferia palavras de apelo ao Criador, sempre com o sentido mágico de obter paz interior e alívio para o sofrimento", diz a antropóloga Liana Maria Sálvia Trindade, da Universidade de São Paulo (USP), especializada no estudo das religiões. Conforme a doutrina, o rito pode incluir ainda adereços especiais. No Judaísmo, por exemplo, é obrigatório o uso do solidéu.

"O homem tem que ser humilde diante de Deus, jamais pode mostrar a cabeça dentro da sinagoga ou quando reza", diz o rabino Yekuda Busquila, da Congregação Israelita de São Paulo. Os muçulmanos, por sua vez, pedem graças ao Criador depois de rezar, ato que, entre eles, obedece a uma série de regras. O fiel tem que orar sempre voltado para a Meca, cidade da Arábia Saudita onde está seu principal santuário. Além disso, só é permitido rezar em locais limpos, daí a utilização de um pequeno tapete. "Ele pode ser carregado para qualquer parte e é uma garantia de que se está rezando sobre um local puro, já que o dono do tapete sabe que ele está limpo", explica o xeique Ali Abdune, presidente da Assembléia Mundial da Juventude Islâmica. Já no Catolicismo, o ritual pode ser feito tanto em particular quanto na igreja, durante a missa. Ao final da prece, é obrigatório fazer o sinal da cruz. "Jesus Cristo ensinou assim e por isso devemos seguir esse preceito", afirma o padre Eduardo Coelho, da Arquidiocese de São Paulo.

No Budismo, a oração busca não só aproximar o homem de uma realidade superior, como ajudar o praticante a desenvolver qualidades típicas do Buda como a calma, a alegria e o amor. "É uma forma de trazer bênçãos protetoras para o dia-a-dia, apesar de nem todas as vertentes do Budismo adotarem a prece", diz Peter Harvey, professor de Estudos Budistas da Universidade de Sunderland, na Inglaterra.

Sua religião-mãe, o Hinduísmo, também não prevê uma forma única de orar. Para eles, a prece é importante, mas não obrigatória. "Nessa conversa mental com a divindade, o hindu fecha os olhos para que todos os seus sentidos fiquem voltados para seu mundo interior. Assim, ele pode ascender a patamares mentais superiores", afirma Swami Nirmalatmananda, presidente do templo Hama Krishna Vedanta, em São Paulo.

Apelo ao divino

Os principais sistemas de crença fazem da oração uma reverência

BUDISTAS
Tanto em casa quanto no templo, a prece é feita diante de um relicário com a imagem de Buda, cercado de velas, incenso e flores. Para rezar, o budista junta as mãos, se ajoelha e se curva três vezes diante da imagem. Depois, faz as oferendas (flores, velas e alimentos), que simbolizam o ciclo da vida, a luz dos ensinamentos e a gratidão.

CATÓLICOS
A religião contém duas orações básicas; o Pai Nosso e a Ave Maria. Muitas vezes, o fiel reza com o rosário de 165 contas, correspondente a 15 vezes a primeira prece e 150 a segunda. Ao terminar, faz o sinal da cruz. O católico geralmente reza ajoelhado, com as mãos unidas.

JUDEUS
As preces estão na chamada Torá, o livro sagrado do Judaísmo, e podem ser seguidas pelo pedido de perdão, feito diretamente a Deus, sem intermediários. Sentado no banco da sinagoga, cada fiel tem seu próprio livro de orações. Conforme a seqüência de preces, ele alternadamente levanta-se e se ajoelha, depois volta a sentar. Os homens têm de usar uma pequena touca, o solidéu, em sinal de respeito a Deus.

HINDUÍSTAS
Não existem regras no Hinduísmo, mas em geral o devoto reza sentado sobre uma almofada na famosa posição de lótus: com as pernas cruzadas e a coluna e a cabeça eretas. Antes de iniciar a prece, ele fecha os olhos e coloca as mãos sobre as pernas. Alguns usam um rosário de 108 contas.

MUÇULMANO
O fiel deve rezar todo dia em cinco horários: 5:00, 12:30, 16:00, 18:30 e 20:00. Para isso, ele entra na mesquita sem sapatos e se encaminha à Sala de Oração, que ocupa a ala de um jardim aberto. No centro do jardim, fica o poço de purificação, para ele se lavar antes da prece. No muro que dá para Meca há um nicho, o mihab, que indica a direção para a qual se deve rezar. Durante a oração, o fiel se inclina para a frente, prostrado no chão, em sinal de respeito ao Criador. A testa toca o tapete especial para esse ritual (cada um deve ter o seu e cuidar de mantê-lo sempre bem limpo).

Fonte: Revista Mundo Estranho

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

LOCAIS DE PROVA DO ENEM 2010


Candidatos já podem consultar locais de prova do ENEM.

Prazo para receber o cartão de inscrição terminou na última segunda-feira, 25. Provas ocorrem nos dias 6 e 7 de novembro.

Os 4,6 milhões de inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2010 já podem consultar os locais onde farão as provas nos dias 6 e 7 de novembro. A consulta foi aberta na última segunda-feira, 25, na página do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), www.inep.gov.br

Para conferir o local das provas, o candidato deve digitar o número do seu CPF e a senha de inscrição. Até então o prazo é o mesmo para que Inep para que os candidatos recebam em seus endereços o cartão de inscrição.

O cartão traz o número da inscrição, o CPF, o número da carteira de identidade, a hora e o local da prova, com endereço completo. Dúvidas também podem ser esclarecidas pelo telefone gratuito do MEC 0800 616161, inclusive nos finais de semana e feriados, até o dia das provas.

No dia do exame, o estudante deve levar caneta esferográfica de tinta preta, documento original com foto e o cartão de confirmação da inscrição.

As provas serão aplicadas em dois dias. No sábado, 6 de novembro, haverá as provas de ciências da natureza e humanas, com 45 questões cada; no domingo, 7, as provas de matemática e linguagens, cada uma com 45 questões, e uma redação.

Com informações do MEC

Fonte: Itnet

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Insônia: acabe com esse problema!


Problemas para cair na cama e ter uma noite tranquila? Confira dicas infalíveis para dormir bem

● Não cochile durante o dia.

● Dormir e acordar sempre no mesmo horário facilita a chegada do sono.

● Vá para a cama apenas quando estiver mesmo sonolenta.

● Comer alimentos pesados à noite dificulta a digestão e, portanto, o sono. Prefira um lanche com carboidrato, como pão. Esse tipo de alimento é digerido rapidamente pelo organismo. Para acompanhar, leite puro.

● Álcool e cigarro causam insônia. Tente fumar ou beber, no máximo, seis horas antes de cair na cama.

● Praticar atividade física libera adrenalina e mantém o corpo desperto. Então, tente exercitar-se de quatro a seis horas antes de encarar as cobertas.

● Fuja de café, chá, chocolate, refrigerantes à base de cola e antiinflamatórios quatro horas antes de se deitar. Todos eles têm cafeína na composição e são, portanto, estimulantes.

● Não leve problemas para a cama. Quatro horas antes de se deitar, escreva todas as suas tensões e preocupações em um papel.

● Duas horas antes do "boa-noite" vale a pena tomar um banho quente de 15 a 20 minutos.

● O quarto é lugar para relaxar. Então, nada de assistir TV, ler ou trabalhar nesse ambiente.

● Durante a noite, os pés devem estar sempre aquecidos. Dessa forma, seu corpo entenderá que você está pronta para descansar.

● Deitou há 30 minutos e não pregou os olhos? Levante-se e vá se distrair fora do quarto.

Fonte: Revista Viva Mais

Na era digital, estudantes se apegam aos livros de papel



Eles mandam mensagens de texto para seus amigos todos os dias. À noite, pesquisam para os trabalhos de conclusão de curso em seus laptops e conversam com seus pais no Skype. Mas enquanto seguem seu caminho no Hamilton College, uma faculdade de artes exemplar e liberal nessa cidade ao norte do Estado de Nova York, os alunos ainda carregam pelo campus pesados e antigos livros didáticos – e adoram isso.
“A tela não apaga”, diz Faton Begolli, estudante do segundo ano de Boston. “Não tem vírus. Não seria o mesmo sem livros. Eles definiram a 'academia' por mil anos.”
Embora o mundo impresso esteja diminuindo diante de uma onda de livros digitais, blogs e outros sites, uma geração de estudantes universitários influenciada pela tecnologia parece continuar aderindo aos livros tradicionais. A lealdade tem um preço. Os livros são caros – para um ano inteiro, podem custar de US$ 700 a US$ 900 (R$ 1.187 a R$ 1.526) – e as frustrações dos estudantes com a despesa, assim como o surgimento de novas tecnologias, produziram uma variedade confusa de alternativas para obtê-los.
Lojas na internet como a Amazon e Textbooks.com vendem livros novos e usados. Surgiram vários outros serviços na internet que alugam livros para estudantes por semestre. Cerca de 1.500 livrarias universitárias também oferecem aluguel neste semestre, 300 a mais do que no ano passado. Em Hamilton, os alunos este ano têm uma nova forma para evitar os intermediários: um site sem fins lucrativos, criado pelo Clube de Empreendedores da faculdade, que permite que eles vendam livros usados uns para os outros.
A explosão de lojas e formatos – incluindo livros digitais, que estão rapidamente se tornando mais sofisticados – deixaram alguns estudantes confusos. Depois de passar pela difícil seleção de curso, eles são obrigados a avaliar a relação entre o custo e a conveniência, analisar seus próprios hábitos de estudo e imaginar quais textos eles desejarão ter durante anos e quais não farão falta.
“Depende da matéria”, diz Victoria Adesoba, aluna do curso preparatório para medicina na Universidade de Nova York, que estava do lado de fora da livraria da escola, com uma bolsa azul clara cheia de livros pendurada no ombro. “No último semestre, aluguei livros de psicologia, e foi barato. Mas para matérias como química orgânica, preciso ter o livro. Os livros na internet são bons, mas é tentador entrar no Facebook, e isso pode cansar a vista.”
Apesar de tudo o que é dito sobre sua geração ser a mais adepta à tecnologia da história, os livros de papel não parecem destinados ao esquecimento tão cedo.
De acordo com a Associação Nacional de Livrarias Universitárias, os livros digitais representam apenas 3% das vendas de livros didáticos, embora a associação espere que este número aumente para 10% a 15% em 2012 à medida que mais títulos se tornam disponíveis em formato digital.
Em dois estudos recentes – um feito pela associação e outro por Grupos de Pesquisas de Interesse Público Estudantil – três quartos dos alunos entrevistados disseram que ainda preferem um livro de papel à versão digital.
Muitos estudantes relutam em abrir mão da possibilidade de folhear rapidamente entre os capítulos, escrever nas margens e grifar passagens, embora novos aplicativos permitam que os alunos usem os livros digitais dessa forma.
“Os estudantes cresceram com livros impressos”, diz Nicole Allen, diretora da campanha de livros didáticos para os grupos de pesquisa, “então, à medida que passam para o ensino superior, não surpreende que levem consigo uma preferência pelo formato com o qual estão mais acostumados.”
De fato, muitos alunos de Hamilton falaram de forma apaixonada sobre os pesados tomos que ainda carregam do quarto para a sala de leituras e para a biblioteca, mesmo enquanto checam compulsivamente mensagens de texto e e-mails em seus smart phones.
“Acredito que o codex é uma das melhores invenções da humanidade”, diz Jonathan Piskor, aluno do segundo ano na Carolina do Norte, usando o termo latino para livro.
Essa paixão pode ser a razão pela qual as Livrarias Universitárias da Barnes & Noble estejam trabalhando duro para divulgar seu novo aplicativo, o NOOKstudy, que permite que os alunos naveguem em livros digitais em Macs e Pcs. A companhia, que opera 636 livrarias em campi universitários do país, incluindo uma em Hamilton, ofereceu inscrições gratuitas no verão passado na esperança de persuadir mais estudantes a comprarem seus livros eletrônicos.
“O verdadeiro obstáculo é fazer com que eles experimentem”, diz Tracey Weber, vice-presidente executiva da companhia para livros didáticos e educação digital.
A companhia está oferecendo gratuitamente “Kits de Introdução Universitários” para alunos que baixarem o NOOKstudy neste semestre, com receitas de macarrão instantâneo e uma dúzia de livros eletrônicos clássicos como “The Canterbury Tales” e “The Scarlet Letter”. O CourseSmart, um consórcio de grandes editoras de livros didáticos, permite que os estudantes experimentem qualquer livro didático eletrônico gratuitamente por duas semanas.
Mas nem todo livro didático está disponível em formato digital ou para alugar. Em Hamilton, por exemplo, cerca de apenas um quinto dos títulos são vendidos no formato eletrônico neste semestre. Uma caminhada pela loja do campus revelou a diferença de preço. Um livro sobre legislação constitucional, por exemplo, custava US$ 189,85 (R$ 321) novo, US$ 142,40 (R$ 241,51) usado, e US$ 85,45 (R$ 144,9) para alugar. (Normalmente, um livro eletrônico é mais barato do que um livro usado, embora mais caro do que um para aluguel.)
O gasto com livros didáticos universitários, que estima-se tenha aumentado quatro vezes mais que o valor da inflação nos últimos anos, tornou-se uma preocupação e uma causa para alguns políticos. No mês passado, o senador Charles E. Schumer de Nova York pediu que mais livrarias universitárias alugassem livros, depois que uma pesquisa realizada em 38 livrarias de campi da Cidade de Nova York e Long Island por seu gabinete descobriu que 16 delas não ofereciam esta opção.
Na quinta-feira, os alunos de mais de 40 faculdades de todo o país estão planejando um dia de ação em prol de livros didáticos mais acessíveis, organizado pelos Grupos de Pesquisa de Interesse Público Estudantil, para encorajar membros das faculdades a indicarem textos mais baratos, ou que sejam oferecidos gratuitamente online.
Por enquanto, comprar livros da forma antiga – novos ou usados – ainda é o mais comum. Charles Schmidt, porta-voz da Associação Nacional de Livrarias Universitárias, disse que se uma livraria de um campus vende um livro novo por US$ 100, ela normalmente compra o livro de volta por US$ 50 no final do semestre e o vende para o próximo aluno por US$ 75.
O preço que as livrarias pagam costuma cair, entretanto, se o professor retira o livro (ou a edição) do programa ou se a livraria comprou livros suficientes para atender à demanda. Quando Louis Boguchwal, um calouro de Hamilton que está se especializando em economia e matemática, tentou vender um livro de álgebra linear de US$ 100 para a livraria da faculdade, recebeu uma oferta de US$ 15.
“Foi um insulto”, disse ele. “Eles não pagam praticamente nada.”
Então Hamilton criou um site sem fins lucrativos chamado getmytexbooks.org [algo como “fique com meus livros”]. Até agora, as visitas não foram muitas: apenas 70 livros foram vendidos nesse semestre. Mas Jason Mariasis, presidente do Clube de Empreendedores, disse que espera que as vendas aumentem à medida que o site ficar mais conhecido. O site também lista centenas de outras faculdades.
Begolli, um membro do clube, vendeu recentemente três romances alemães por US$ 17 (R$ 28,8) no site. “Se eu tivesse vendido para a livraria, eu teria recebido US$ 7 ou US$ 8 (R$ 11,8 ou R$ 13,5)”, diz ele. “A livraria reina no que diz respeito às vendas de livros didáticos. Nós achamos que deveria haver uma coisa para os estudantes, feita pelos estudantes.”
Mas alguns estudantes precisam se virar. Rosemary Rocha, 26, aluna de hotelaria e turismo na NYU, somou o preço de suas leituras obrigatórias para o semestre: US$ 600 (R$ 1.017). “É pesado”, diz ela. “Estou recebendo seguro desemprego, então não é possível.”
Em vez disso, ela espera para emprestar as poucas cópias que os professores deixam reservadas na biblioteca, ou depende da gentileza de seus colegas de classe. “Meus amigos me emprestam seus livros em troca de um café ou um pedaço de pizza”, diz. “Raramente compro livros, mas sempre fico meio perdida.”

The New York Times - Lisa W. Foderaro
Tradução: Eloise De Vylder
Fonte: UOL

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Ano em que surgiram os principais clubes do Brasil


Flamengo..........................1895

Vasco.............................1898

Fluminense........................1902

Grêmio............................1903

Botafogo..........................1904

Atlético Mineiro..................1908

Internacional.....................1909

Coritiba..........................1909

Corinthians.......................1910

Santos............................1912

Palmeiras.........................1914

Cruzeiro..........................1921

Bahia.............................1931

São Paulo.........................1935

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Como se preparar para o ENEM


Veja como organizar sua rotina de estudos para se preparar para o Enem 2010

A poucos dias do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2010, os estudantes que querem se preparar melhor para o exame devem organizar um cronograma de estudos, separando os horários e os assuntos que devem ser estudados. "É importante que ele se prepare para lidar com a situação de forma eficiente", diz Ana Maria Rossi, presidente da International Stress Management Association no Brasil. A organização na preparação, segundo ela, além de ajudar nos estudos, também dá mais confiança tanto a quem vai fazer o Enem quanto a quem pretende prestar vestibular.

Um cronograma, a compreensão dos pais, metas razoáveis, alimentação saudável, atividades físicas e descanso são elementos que devem fazer parte da vida do jovem que está se preparando para o Enem. "A pessoa tem que ser flexível, se organizar e saber balancear os estudos e as horas de lazer", diz Ana Maria. "[Mas] Não tem uma receita: é uma questão de a pessoa se conhecer, observar o que é bom para ela, em quais momentos ela rende mais", diz.

Cronograma
O cronograma de estudos deve priorizar as matérias em que o estudante vá gastar mais tempo - aquelas em que ele tem mais dificuldade. Segundo o professor Joe Landsberger, que tem um site com dicas de estudos em 35 idiomas, essa é uma boa estratégia: no começo, o candidato estará mais "fresco", com mais energia para a tarefa. No entanto, o estudante ao Enem não deve deixar de estudar nenhuma disciplina, já que todas serão cobradas.
De acordo com Covey, uma maneira de definir as prioridades é dividir nossos afazeres entre urgentes e importantes. Os urgentes são aqueles que se colocam na nossa frente e para os quais não conseguimos dizer não. Já os importantes são aqueles que realmente fazem diferença.

Estudo e intervalo
Após definir os assuntos a serem estudados, deve-se alternar blocos de estudo, com duração máxima de uma hora, e pequenos intervalos - para um lanche ou um copo de água. "Só não se pode esquecer de voltar para os estudos depois. O intervalo é uma oportunidade para se alimentar, relaxar e ganhar energia para a próxima etapa de estudos", diz Landsberger.
"Quando estuda, o jovem tem que ser realista: nossa atenção não dura 6 horas, não adianta ficar na frente dos livros quando já não estamos prestando atenção. A pausa relaxa e ajuda a focalizar novamente naquilo em que temos que nos concentrar", explica Ana Maria.
Resumos e revisões semanais também são uma boa estratégia para fixar conteúdos, segundo o professor Landsberger. O estudante pode reservar um horário por semana só para isso, adaptando as atividades de acordo com as prioridades - provas, caso o jovem ainda esteja no ensino médio. Identificar fontes que possam ajudá-lo a estudar, como pesquisas na internet ou um amigo que domine mais a matéria, é outra forma de ajuda.

Preparação e trabalho
E se o estudante também trabalhar? Os especialistas ouvidos pelo UOL Vestibular recomendam que esses jovens utilizem o tempo de forma inteligente, aproveitando o período que têm livre durante o transporte, ou durante o almoço, além dos fins de semana e feriados.
"Para quem trabalha é mais difícil, mas ninguém morre de estudar", diz o professor Alberto Francisco do Nascimento, coordenador do curso Anglo. Ele ressalta que a preparação tem que começar na primeira série do ensino médio. "O problema é que a maioria não estuda para aprender, estuda apenas para passar, e todo mundo fica apavorado depois. O melhor é sentar e estudar", diz.
Ele recomenda treinar com as questões dos anos anteriores e simulados, bem como fazer anotações das aulas. "O aluno não deve só ler a matéria, deve ler, absorver e interpretar, não é só 'leitura de jornal'", afirma.

Fonte: UOL Educação

domingo, 24 de outubro de 2010

Superando desafios

A equipe de futsal categoria A masculino do Colégio O Saber, ficou em 3º lugar entre as 07 escolas participantes dos Jogos das Escolas Particulares de Itabaiana-JEPI, obtendo os seguintes resultados: 04 a 03 Colégio Monteiro Lobato; 05 a 02 Colégio Opção; 02 a 03 Colégio Magnus, na semifinal e 04 a 00 Colégio Monteiro Lobato, na disputa do 3º e 4º lugar.


Equipe 3º lugar no Futsal dos JEPI: Elenilson, Caniggia, Ycáro, Iuri, Gutierys, Fellipe, Rodrigo, Válber, Evandro, Rayan, Emerson e o Professor José Costa.

Em 30 anos de trabalho, já ganhei mais de duzentas medalhas com meus alunos dos Colégios Murilo Braga, Graccho, Salesiano e Dom Bosco. Todas tiveram um significado especial na minha carreira profissional, como a primeira medalha em cada colégio que ensinei ou em cada competição que disputei. Mas algumas marcaram mais que outras, principalmente a primeira em cada esporte que ensinei como: em 1981, a medalha de Ouro no Basquete dos Jogos da Primavera com a categoria A feminino do Colégio Estadual Murilo Braga; em 1999, a medalha de Bronze no Voleibol dos Jogos das Crianças de Sergipe com a categoria mirim feminino do Colégio Dom Bosco; em 2008, a medalha de Ouro no Handebol da Seletiva dos Jogos da Primavera-Olimpíadas Escolares, com a categoria A masculino do Colégio Dom Bosco e agora, em 2010, com a medalha de Bronze no Futsal dos Jogos das Escolas Particulares de Itabaiana, com o Colégio O Saber.

Ao longo dos anos, o que vem me motivando a continuar trabalhando como quando iniciei em 1980, é a disposição de superar desafios em cada escola que trabalho ou em cada esporte que ensino, seja no basquete, voleibol, handebol e agora com o futsal. É através do esporte, na educação física, que espero estar contribuindo na formação integral dos meus alunos, inspirado na frase de Dom Bosco de “formar bons cristãos e honestos cidadãos”.

Por Professor José Costa

sábado, 23 de outubro de 2010

Cada um dá o que tem de melhor


Um rico resolve presentear um pobre por seu aniversário e ironicamente manda preparar uma bandeja cheia de lixo e sujeiras. Na presença de todos, manda entregar o presente, que é recebido com alegria pelo aniversariante, que gentilmente agradece e pede que lhe aguarde um instante, pois gostaria de poder retribuir a gentileza. Então, aquele humilde senhor, vai até sua casa, joga fora o lixo, lava e desinfeta a bandeja, enche-a de flores, e devolve-a com um cartão, onde está escrito a seguinte a frase:

"Cada um dá o que tem de melhor..."

Por isso, não se entristeça com a "ignorância" das pessoas, não perca sua serenidade. A raiva faz mal à saúde, o rancor estraga sua alma e a mágoa envenena o coração. Domine suas reações emotivas… Principalmente as negativas, que não darão fruto algum.

Seja dono de si mesmo. Não jogue lenha no fogo de seu aborrecimento. Não perca sua calma. Pense, antes de falar, e não ceda à sua impulsividade.

"Guardar ressentimentos é como tomar veneno e esperar que outra pessoa morra"

Autor desconhecido

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Fácil e difícil


Falar é completamente fácil, quando se têm palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer...

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros...

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ela deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso...

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo lhe deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece...

Fácil é viver sem ter que se preocupar com o amanhã.
Difícil é questionar e tentar melhorar suas atitudes impulsivas e às vezes impetuosas, a cada dia que passa...

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração...

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto...
Fácil é brincar como um tolo.
Difícil é ter que ser sério...

Fácil é dizer "oi", ou "como vai ?".
Difícil é dizer "adeus"...

Fácil é abraçar, apertar a mão.
Difícil é sentir a energia que é transmitida...

Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só...

Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência...

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta...

Fácil é querer ser o que quiser.
Difícil é ter certeza do que realmente és...

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar (ou vice-versa)...

Fácil é beijar.
Difícil é entregar a alma...

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém...

Fácil é ferir quem nos ama.
Difícil é tentar curar esta ferida...

Fácil é ditar regras.
Difícil é segui-las...

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho...

Fácil é exibir sua vitória a todos.
Difícil é assumir a sua derrota com dignidade...

Fácil é admirar uma lua cheia.
Difícil é enxergar sua outra face...

Fácil é viver o presente.
Difícil é se desvencilhar do passado...

Fácil é saber que está rodeado pôr pessoas queridas.
Difícil é saber que está se sentindo só no meio delas...

Fácil é tropeçar em uma pedra.
Difícil é levantar de uma queda, com ferimentos...

Fácil é desfrutar a vida a cada dia.
Difícil é dar o verdadeiro valor a ela...

Fácil é rezar todas as noites.
Difícil é encontrar Deus nas pequenas coisas...

Carlos Drumond de Andrade

Jogos das Escolas Particulares de Itabaiana


Escolas particulares de Itabaiana promovem jogos estudantis

Hoje, a partir das 19h no Ginásio de Esportes do SESI, acontecerá a abertura dos Jogos Das Escolas Particulares de Itabaiana,JEPI. De iniciativa das escolas particulares de nosso município, mais de 500 alunos irão viver o esporte em quatro dias de prática desportiva.

Alunos dos Colégios Alternativo, Arco-Íris, Dom Bosco, Magnus, Monteiro Lobato, Opção e O Saber participam de dez modalidades esportivas, buscando a integração entre os mesmos e o exercício da prática desportiva que se encontra adormecida em nosso município. As modalidades escolhidas são: Vôlei, Basquete, Natação, Futsal, Handebol, Xadrez, Dama, Queimado, Judô e Karatê.

A comissão organizadora estipulou premiação de medalhas e troféus para os alunos e escolas campeãs nas modalidades, mas não haverá uma escola campeã, pois o objetivo é tão somente o exercício do desporto.

Sendo assim, convidamos todos para se fazerem presentes no Ginásio do SESI na noite de hoje, para prestigiarem a abertura desses jogos. E durante os próximos dias, até domingo, visitar as praças onde serão desenvolvidas as atividades: O próprio Ginásio do SESI, a quadra do Colégio Dom Bosco e a AAI (Associação Atlética de Itabaiana).

PROGRAMAÇÃO:

Quinta-feira, 21-10-2010
Tarde - Judô e Karatê, na Associação Atlética.
Noite: Solenidade de Abertura, no Ginásio do SESI.

Sexta-feira, 22-10-2010
Manhã - Natação, Xadrez e Dama, no Colégio Dom Bosco.
Tarde - Basquete e Voleibol, no Colégio Dom Bosco.
Tarde - Handebol e Futsal feminino, no ginásio do SESI.

Sábado, 23-10-2010
Manhã - Futsal masculino infantil, no Colégio Dom Bosco.
Manhã - Futsal masculino categoria A e B, no Ginásio do SESI.
Tarde - Futsal masculino infantil, no Colégio Dom Bosco.
Tarde - Futsal masculino categoria A e B, no Ginásio do SESI.

Domingo, 24-10-2010
Manhã - Queimado feminino e Semi-finais do Futsal categoria A masculino, no Ginásio do SESI.
Tarde - Finais do Futsal categoria A e B masculino e Solenidade de Encerramento, no Ginásio do SESI.

Comissão Organizadora

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Curiosidades dos esportes


A invenção do basquete
O basquete, um dos esportes mais populares em todo o mundo, foi criado em 1891 por James Naismith, um canadense que dava aulas de educação física em Springfield, Massachusetts (EUA). Para a primeira partida, jogada por um grupo de alunos, Naismith improvisou cestas de pêssegos penduradas em uma sacada, desafiando os garotos a acertarem uma bola de futebol dentro dela. Os aros de metal das cestas foram introduzidos em 1893 e, apenas depois disso, a bola de futebol foi aposentada e substituída por outra, específica para o esporte.

O karatê veio da Índia
Ao contrário do que indica a crença geral, o caratê não é uma arte marcial japonesa. Sua origem deu-se na Índia muitos séculos atrás. Seus ensinamentos foram aos poucos se espalhando pela Ásia e chegaram ao Japão apenas muito tempo depois.

Fraude da máfia americana fez de boxeador italiano campeão mundial invicto
O maior "conto" da história do boxe foi aplicado pela máfia americana. Graças a uma série de lutas fraudadas, sem que ele próprio soubesse, fizeram do italiano Primo Carnera campeão mundial invicto em 1933. Favorito nas apostas, Carnera foi facilmente derrotado na primeira defesa do título, menos de um ano depois, porque sequer sabia lutar. A máfia faturou lucros elevados com o blefe.

Por que chamam os buscadores de bola de gandulas
Gandulla era o nome de um argentino que fazia parte da equipe do Vasco da Gama na década de 40. Ele era tão ruim que nunca conseguia entrar nos jogos. Ficava uniformizado na beira do campo e sempre corria pra pegar a bola que saía na lateral ou na linha de fundo. A torcida passou a se familiarizar com o "Gandulla" e, a partir de então, todos que cumprem o ofício de "repositor de bolas" passaram a ser conhecidos como gandulas.

Cão torcedor
Em 1978, uma partida de futebol na Alemanha, entre o Neumkirchen (2) e o Sarrbruecken (1), foi anulada porque no segundo tempo um cão entrou no campo e mordeu o centro-avante do Sarrbruecken, tirando-o jogo. Naquele tempo jogadores não eram substituídos e ficou provado que o cão pertencia a um torcedor do Neumkirchen.

A mais longa corrida já realizada durou 79 dias
A mais longa corrida até hoje realizada no mundo foi a transcontinental, de Nova York a Los Angeles, em 1929. O finlandês Johnny Salo venceu o percurso de 5.898 quilômetros em 79 dias (525h 57min 20seg), de 31 de março a 18 de junho. Chegou com apenas 2 min 47 à frente do inglês Pietro "Peter" Gavuzzi.

O goleiro que mais marcou gols
O goleiro campeão de gols no mundo é o paraguaio José Luis Chilavert, jogador do Vélez Sarsfield, da Argentina, e da seleção do Paraguai. O jogador, campeão dos pênaltis e faltas, marcou seu 50º gol em 24 de agosto de 2000, em uma partida entre Vélez e Colón. Fora dos campos, Chilavert também é bastante famoso. O goleiro é conhecido por seus comentários e atos ofensivos, como a cusparada dada em Roberto Carlos (o jogador, não o Rei) após o jogo entre Brasil e Paraguai no dia 15 de agosto pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2002. A reação pouco diplomática de Chilavert lhe rendeu uma suspensão por quatro jogos.

Dois americanos dividem o recorde de mais longa carreira no boxe
Os boxeadores que mais tempo lutaram, sem interrupções, foram os norte-americanos Bob Fitzsimmons e Jack Johnson. Ambos atuaram no ringue durante longos 31 anos. A carreira de Bob Fitzsimmons desdobrou-se de 1883 a 1914. A de Johnson, de 1897 a 1928. Fitzsimmons tinha 52 anos quando parou, Johnson, 50.

Tênis de mesa ou ping-pong?
Os primeiros registros do tênis de mesa datam da segunda metade do século XIX, na Inglaterra, período em que era conhecido por diferentes nomes. Já no final do século, James Gibb, um maratonista inglês aposentado, introduziu ao jogo bolas de celulóide recém-adquiridas nos EUA. Ao ouvir as bolinhas batendo em raquetes ocas de pele de carneiro, Gibb associou o som à palavra "ping-pong", que tornou-se seu apelido mais popular até os dias de hoje. Porém em 1921-22, na tentativa de fundar uma associação de ping-pong que registrasse as regras oficiais do esporte no País de Gales, seus organizadores foram legalmente impedidos, pois "ping-pong" já era uma marca registrada. Assim, a nomenclatura "tênis de mesa" voltou a ser adotada. Poucos anos depois, as regras inglesas foram aceitas internacionalmente, caminhando à unificação do esporte. O tênis de mesa foi elevado a condição de esporte olímpico em 1988.

Corridas de pombos-correio fanatizam japoneses
Corridas de pombos-correio, apesar de relegadas a segundo plano no Brasil, ainda fanatizam os japoneses. Eles apostam grandes quantias e são capazes de pagar muito dinheiro por um bom espécime. Recentemente compraram de criadores holandeses um macho, Henk, por nada menos que 175 mil dólares.

A primeira partida de futebol no Brasil
O primeiro jogo de futebol do Brasil foi realizado na Várzea do Carmo, em São Paulo, em 14 de abril de 1895. As equipes envolvidas na disputa, São Paulo Railway e Companhia de Gás, eram formadas por ingleses radicados na capital paulista. Charles Miller, considerado o pai do futebol no Brasil, fazia parte do primeiro time, que venceu a partida por 4 x 2. Miller trouxe as duas primeiras bolas de futebol para o Brasil em 9 de junho 1894 e as deixou trancadas em um armário por 10 meses, até a primeira partida.

A história do skate
A história do skate começa ainda nos anos 30, quando crianças começaram a montar seus próprios "carrinhos" com rodas de patins colocadas sob pedaços de metal ou madeira. Os surfistas da Califórnia também adotaram o objeto no início dos anos 50, usando-o como um método de treino quando o mar não oferecia boas ondas ou em cidades sem praia. O esporte foi chamado inicialmente de sidewalk surfing (surf de calçada) ou terra surfing. O skateboard, no entanto, demorou muito para virar febre. Foi apenas em 1973 que as rodinhas de uretano foram criadas pelo americano Frank Naswortly, o que melhorou muito sua tração e possibilitou manobras mais radicais.

A origem do futebol de salão
Duas versões contam a origem do futebol de salão. Uma delas diz que o jogo foi criado por volta de 1940 na Associação Cristã de Moços em São Paulo. O esporte foi transferido para as quadras cobertas de basquete e hóquei devido à dificuldade de encontrar campos livres para a prática. Inicialmente, as equipes eram compostas por seis ou sete jogadores e as bolas eram de serragem, crina vegetal, ou de cortiça granulada. Porém, já que quicavam muito, tiveram seu tamanho reduzido e o peso aumentado, motivo pelo qual chamava-se o jogo de "esporte da bola pesada". A outra possível origem remonta a 1943, na Associação Cristã de Moços de Montevidéu, no Uruguai, onde o esporte foi chamado de indoor-foot-ball.

Os pombos atletas
Corridas de pombos são realizadas em várias partes do mundo, como na Grã-Bretanha, Holanda, França, Canadá e EUA. Elas foram criadas na Bélgica, na época em que os telégrafos começaram a substituir os pombos correio e muitos bichos ficaram "desempregados". A corrida começa no mesmo ponto de partida para todos os competidores, mas encerra em lugares diferentes para cada um deles. Isso ocorre porque os pombos são ensinados a voltar para casa. Para saber quem ganhou, mede-se o tempo que levam para retornar ao lar, dividindo a distância percorrida pelo tempo gasto, assim se obtém a velocidade média desenvolvida. Dentre todos os animais atletas (como cavalos, cachorros greyhound e camelos), o pombo é o mais rápido, podendo chegar à velocidade de 177km/h.

Exame com 15 jogadores de futebol constatou que 11 tinham cicatrizes no cérebro
Em 1997, especialistas em neurologia da Universidade de Helsinque, Finlândia, submeteram 15 jogadores de futebol a exames de ressonância magnética. Constaram que onze - mais de 73% - tinham cicatrizes no cérebro, cuja origem pode estar em cotoveladas e cabeçadas trocadas durante os jogos.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

COMO O CÉREBRO GUARDA RECORDAÇÕES


O armazém das memórias: como o cérebro guarda recordações

O que memorizamos melhor? Por que esquecemos os últimos momentos antes de um acidente? Tudo o que lembramos é real? A resposta a todas essas perguntas está no hipocampo, justo na parte do cérebro onde as vivências permanecem à espera de serem recuperadas.

Como um filme desenhado pela mente onde as coisas importantes sobrevivem ao tempo e as supérfluas se distorcem para desaparecer na exibição. Assim trabalha a memória, influenciada sempre pela emoção que um fato nos desperta e sob o olhar atento do esquecimento, que em ocasiões aparece para molestar e, em outras, para aliviar aquele que sofre. Ambos se encaixam como peças de um quebra-cabeça para configurar a identidade e a história de uma vida, que cada um recupera como quer e pode.

Os especialistas calculam que se conheça apenas 10% do cérebro, o resto praticamente se mantém oculto. Pablo Martínez-Lage, coordenador do Grupo de Estudo de Conduta e Demência da Sociedade Espanhola de Neurologia, assegura que os médicos conheceram por surpresa as partes do cérebro que participavam da memória quando, há 40 anos, operaram um menino que sofria crises graves de epilepsia. “Testaram todo tipo de medicamento e quando viram que não dava resultado, decidiram eliminar o foco epiléptico que se encontrava nos lobos temporais. O paciente H. M. foi curado de sua doença, mas a partir desse momento não conseguiu mais armazenar novas memórias nem recuperar as vivências dos últimos dois anos, embora se recordasse com perfeição do que acontecera antes.”

As melhores memórias

Bhanddanta Vivittabi Vumsa (Myanmar) Demonstrou possuir uma das melhores memórias do mundo quando, em 1974, foi capaz de recitar 16 mil páginas de textos canônicos budistas.
Gon Yangling (China) Recitou mais de 15 mil números de telefone depois de estudar técnicas mnemônicas.
Dominic O'Brien (Inglaterra) Foi oito vezes campeão mundial de memória. Pode lembrar a ordem de cartas de um baralho em 45 segundos e memoriza a ordem exata de 54 maços de cartas em 12 horas.
Akira Haraguchi (Japão) É conhecido por bater o recorde mundial de memorização de dígitos do número pi várias vezes. Sua marca pessoal está em 100 mil dígitos.
Daniel Tammet (Inglaterra) Ostenta o recorde europeu em recitar o número pi e tem uma capacidade assombrosa para o aprendizado de idiomas. Fala 11 línguas e criou uma nova, o mänti, uma mistura de finlandês e estônio.
Carlos Blanco (Espanha) Tem a memória mais prodigiosa da Espanha. Nasceu em Madri em 1986 e começou a falar aos sete meses. Agora domina 14 idiomas, entre eles o egípcio clássico e o hebreu bíblico. É licenciado em Filosofia, Ciências Químicas e Estudos Eclesiásticos.

Isso permitiu saber que a informação que é enviada ao hipocampo se mantém flutuando no circuito da memória até que o cérebro decida armazená-la. Em alguns casos, como demonstrou a história de H. M., isso pode durar até dois anos, o que explica porque ele não conseguia se lembrar de coisas que haviam acontecido nesse tempo.

O cérebro, segundo Martínez-Lage, amadurece durante os primeiros 20 - e até mesmo 30 anos de nossa vida; tudo o que se assimila antes dessa idade é feito sem esforço, nas palavras do neurologista. Mas, a partir dos 40 anos, é mais difícil para o cérebro guardar coisas na memória. A infância é o período da vida em que se retém mais facilmente. As doenças neuronais que afetam a memória por um acidente ou um problema físico muitas vezes transportam os doentes à sua infância, porque as recordações são mais sólidas. Assim, o filme fica preso numa cena que o afetado revive vez ou outra.

Charo Figueres compartilhou com sua mãe o mesmo capítulo todos os dias até o final de seu Alzheimer. Ela acreditava que ainda era criança e perguntava sem cessar por seu irmão. A mãe de Charo se olhava no espelho e falava com “uma senhora mais velha muito simpática” que aparecia no reflexo. Ela lembrava e pedia para sair e confundia sua filha mais velha com sua mãe, “a mãe mais bonita do mundo”, repetia. Suas filhas acham que sua mãe foi feliz, embora tenha vivido todos os dias a mesma história, um conto que para ela era completamente novo e que Charo relata com perfeição, nove anos depois da morte de sua progenitora.

A neuropsicóloga da Associação Nacional de Alzheimer, Virginia Silva, compara esta doença com um vírus que entra no sistema de um computador e arrasa o que encontra, deixando o disco rígido vazio. “O pior de tudo é que o doente perde o que é e o que foi; a memória é identidade e, se é apagada, desaparecemos com ela”, diz Silva.

Outras das regras básicas da Neurologia é que existe uma estreita relação entre as recordações mais permanentes e seus significados emocionais. Assim como um cineasta recorre à música e aos planos curtos para destacar as cenas dramáticas, o cérebro estimula a memória para que armazene aquilo que sentimos com mais força. Martínez-Lage afirma que esta conexão entre o circuito da memória e o emocional se explica também do ponto de vista físico, já que estão ligados anatômica e funcionalmente. “Quem não se lembra do que estava fazendo quando aconteceu o atentado nas Torres Gêmeas?”, pergunta o neurologista. Silva luta contra o esquecimento devastador que acaba pouco a pouco com a identidade de seus pacientes, mas não hesita em agradecer à existência do conhecido “despiste” por seu trabalho de descarga num cérebro “superexplorado”.

“O esquecimento em sua forma habitual é benéfico e ajuda a superar alguns traumas”, diz ele. Segundo a neuropsicóloga, o cérebro podem apagar momentos terríveis como os estupros ou agressões, difíceis de assumir para quem os sofre, de tal forma que a pessoa nunca se lembre deles. Trata-se de um recurso físico contra uma dor emocional que não se pode aceitar.

No lado oposto das recordações ligadas às emoçõe, se encontram as mais recentes, caracterizadas por serem mais efêmeras. Elas se perdem se, em meia hora, o cérebro não for capaz de armazená-los como memória a longo prazo. Os instantes anteriores a um acidente de trânsito não se fixam e em sua maioria são irrecuperáveis. Rosa de las Heras, de 70 anos, não consegue continuar um dos capítulos mais trágicos de seu filme. Ela acordou, vestiu-se e apareceu num hospital, e não se lembra de nada que acontece entre uma coisa e outra. Ela e seu marido viajavam de carro quando este saiu da estrada e bateu contra um muro. Ela ficou duas semanas em coma.

Os neurologistas determinaram em seu diagnóstico que ela padecia de uma síndrome confusional. Rosa se recuperou quase por completo, mas ainda não entende como pode falar durante horas em um italiano perfeito. Foi guia turística durante um tempo na Itália, quarenta anos antes do acidente, mas reconhece que não estava consciente de que se lembrava até que apareceu de forma espontânea. “Dizem que eu falava como um papagaio em italiano e inglês, mas nos últimos anos eu só havia praticado o inglês”, assegura. Martínez-Lage afirma que os idiomas são armazenados na parte esquerda do cérebro e não fazem parte do circuito da memória. “Este caso aconteceu porque durante uma lesão cerebral, o órgão coloca em funcionamento os mecanismos para recuperar seu funcionamento o mais rápido possível, de forma que se potencializou esta parte, trazendo à tona os idiomas aprendidos.”

Outra capacidade é a de memorizar elementos que não estão relacionados pelos fios emocionais. Foi comprovado que o primeiro elemento e o último de toda uma série são facilmente retidos, assim como aquilo que é estranho ou novidade, ou o que se repete de uma forma lógica. Os neurologistas afirmam que a memória é uma das capacidades intelectuais mais apreciadas, mas poucos dedicam tempo para utilizá-la. “Colocamos nosso corpo em forma, vamos à academia e queremos chegar à velhice em bom estado de saúde, mas nunca pensamos que a memória necessita do mesmo tempo e dedicação”, diz Silva.

Surgiram muitos cientistas especializados no estudo da memória desde que, em 1870, o psicólogo alemão Hermann Ebbinghaus decidiu abrir o caminho da investigação da memória. Seus herdeiros reconhecem que existem tantas lacunas nas ciências neurológicas como as que existem na operação neurocognitiva, objeto de estudo.

Martínez-Lage define duas linhas de atuação neste momento: a ciência básica tenta conhecer as mudanças que acontecem dentro de um neurônio e entre neurônios, quando uma memória é fixada. A neurociência avança para novas técnicas, como a ressonância magnética funcional, que mede a quantidade de sangue que se desloca para determinadas áreas do cérebro num processo de fixação da memória.

Assim, os especialistas podem saber que áreas se ativam e em que momento. Martínez-Lage faz parte da Funcação Cita Alzheimer, que investiga as vantagens dessas técnicas para conhecer como as áreas cerebrais começam a se alterar quando aparecem os primeiros sintomas da doenças: “Se estudamos as pessoas dez anos antes que apareça o problema, poderemos ver os esforços do órgão para compensar as perdas de memória e assim poderemos estimular este processo de compensação.”

Os filmes que o cérebro humano cria têm omissões voluntárias e forçadas, ficam presos num ponto e às vezes voltam ao início. São fotogramas que, unidos em cadeia, dão forma a uma história inacabada que soma vivências a cada minuto, em troca de renunciar a outras. A memória é um balaio de gatos que espera um sentido que só o dono pode oferecer. Em suas emoções está o poder de decidir que recordações quer conservar à espera de que nenhum vírus entre em seu sistema e arrase com o quem você é e com quem foi.

Isso eu já vivi
Mais de 80% dos seres humanos têm um déjà vu ao longo da vida, especialmente nas idades entre os 15 e 25 anos, segundo as pesquisas sobre este fenômeno. Trata-se de uma desordem que consiste na ilusão de viver algo pela segunda vez e lembrar uma situação que na realidade é nova. As causas dessas paramnésias ainda não estão claras, mas os especialistas tentam explicá-las por diferentes pontos de vista. Para os psicanalistas, é uma filtração do inconsciente.

O déjà vu estaria relacionado com as memórias “encobridoras”, instaladas na memória de forma inconsciente e que escondem sensações negativas. Tereza Muñoz pertencem à Assocaição Nacional de Psicanálise e explica esta desordem como uma operação que escapou do inconsciente e se encontra entre este e o pré-consciente, de forma que se faz presente.

Uma hipótese deste campo de estudo assegura que quando uma pessoa sente uma déjà vu, costuma substituir com rostos e situações desejadas uma realidade que lhe causa angústia. Outra teoria mais tradicional diz que este fenômeno se deve ao fato de que as imagens que o olho envia para o cérebro se superpõem, dando lugar a uma sensação de repetição, mas esta análise foi descartada ao comprovar-se que os cegos experimentam paramnésias através do olfato e do som. Para os neurologistas, é uma falha no cérebro que armazena algo de forma repetida.

Tradução: Eloise De Vylder

Fonte: UOL –

O HOMEM ESTÁ ACABANDO COM A VIDA NA TERRA


O homem está acabando com a vida na Terra, alerta diretor da ONU

Conferência da ONU discute alternativas para reduzir perda de biodiversidade

Na abertura da décima edição da Conferência das Partes sobre Biodiversidade (COP-10), o diretor do programa para meio ambiente das Nações Unidas (ONU), Achim Steiner, foi enfático ao afirmar que o homem está acabando com a vida na Terra.
"Este é o único planeta no universo em que sabemos que existe vida como a nossa e estamos destruindo as bases que a sustentam", alertou.

O encontro começou nesta segunda-feira em Nagoya, no Japão, e termina no dia 29 de outubro. Durante estas próximas duas semanas, representantes de 193 países vão avaliar as metas de preservação ambiental assumidas para este ano e definir quais serão os próximos objetivos até 2020.

O tom pessimista pôde ser observado ainda nos discursos de outras autoridades e especialistas da área ambiental, que chegaram a afirmar que o mundo está caminhando para uma fase de extinção na mesma proporção do período em que os dinossauros desapareceram da Terra.

Para eles, a destruição da natureza tem afetado diretamente a sociedade e a economia. A ONU estima que a perda da biodiversidade custa ao mundo entre US$ 2 trilhões (R$ 3,2 trilhões) e US$ 5 trilhões (R$ 8 trilhões) por ano, principalmente nas partes mais pobres.

"(O monge budista) Teitaro Suzuki disse que 'o problema da natureza é um problema da vida humana'. Hoje, infelizmente, a vida humana é um problema para a natureza", disse o ministro do Meio Ambiente do Japão, Ryo Matsumoto.

"Temos de ter coragem de olhar nos olhos das nossas crianças e admitir que nós falhamos, individualmente e coletivamente, no cumprimento das metas prometidas no encontro de Johanesburgo (em 2002)", completou o ministro.

Matsumoto lembrou ainda que a perda da biodiversidade pode chegar a um ponto irreversível se não for freada a tempo.

"Toda a vida na Terra existe graças aos benefícios da biodiversidade, na forma de terra fértil e água e ar limpos. Mas estamos agora próximos de perder o controle se não fizemos grandes esforços para conservar a biodiversidade", disse.
Sinais de esperança
Jane Smart, chefe do programa de espécies da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), disse que, apesar do problema ser grande e complexo, existem alguns sinais de esperança.

"A boa notícia é que quando nós promovemos a conservação, ela realmente funciona; gradativamente estamos descobrindo o que fazer, e quando nós fazemos, as coisas dão muito certo", disse a pesquisadora à BBC News.

"Precisamos fazer muito mais para conservar, como proteger áreas, particularmente o mar. Temos de salvar vastas áreas do oceano e os cardumes de peixes. Isso não significa que devemos parar de comer peixes, mas comer de uma forma sustentável", afirmou Jane.

O Brasil também participa do encontro e vai pressionar os países ricos para obter recursos em torno de US$ 1 bilhão (R$ 1,6 bilhão) por ano para a preservação ambiental, além de exigir metas globais mais específicas contra a perda da biodiversidade.

Outro ponto defendido pela comissão brasileira é a cobrança de royalties pelo uso de recursos vegetais e animais. A ideia é que empresas que utilizam matérias-primas provenientes de nações em desenvolvimento repassem uma parte do dinheiro às comunidades locais.

Fonte: BBC Brasil

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Partir...Caminhar...


Partir é, antes de tudo, sair de si, romper a crosta de egoísmo que tende a aprisionar-nos no próprio eu.

Partir é não rodar, permanentemente, em torno de si, numa atitude de quem, na prática, se constitui no centro do mundo e da vida.

Partir não é rodar apenas em volta dos problemas das instituições a que se pertence. Por mais importantes que elas sejam, maior é a humanidade, a que nos cabe servir.

Partir, mais do que devorar estradas, cruzar mares ou atingir velocidades supersônicas, é abrir-se aos outros, descobri-los, ir-lhes ao encontro.

Abrir-se às ideias, inclusive contrárias às próprias, demonstra fôlego de bom companheiro.

Feliz de quem entende e vive este pensamento. "Se discordas de mim, tu me enriqueces."

Ter ao próprio lado quem só sabe dizer amém, quem concorda sempre, de antemão e incondicionalmente, não é ter um companheiro, mas, sim, uma sombra de si mesmo. Desde que a discordância não seja sistemática e proposital, que seja fruto de visão diferente, a partir de ângulos novos, importa de fato em enriquecimento.

É possível caminhar sozinho. Mas o bom viajor sabe que a grande caminhada é a vida e esta supõe companheiros. Companheiro, etimologicamente, é quem come o mesmo pão.

Feliz de quem se sente em perene caminhada e de quem vê no próximo um eventual e desejável companheiro.

O bom companheiro preocupa-se com os companheiros desencorajados, sem ânimo, sem esperança...Adivinha o instante em que se acham a um palmo do desespero. Apanha-os onde se encontram. Deixa que desabafem e, com inteligência, com habilidade, sobretudo, com amor, leva-os a recobrar ânimo e voltar a ter gosto pela caminhada.

Marchar por marchar não é ainda verdadeiramente caminhar.

Caminhar é ir em busca de metas, é prever um fim, uma chegada, um desembarque.
Mas há caminhada e caminhada.

Para as Minorias Abraâmicas, partir, caminhar, significa mover-se e ajudar muitos outros a moverem-se no sentido de tudo fazer por um mundo mais justo e mais humano.

D. HÉLDER CÂMARA, O DESERTO É FÉRTIL

Banhos de sol podem ajudar a prevenir a doença de parkinson


Estudo sugere que banhos de sol podem ajudar a prevenir doença de Parkinson

Tomar banhos de sol regulares - em horários adequados, é claro - pode ajudar as pessoas na prevenção à doença de Parkinson - condição degenerativa marcada por tremores e espasmos musculares. Esse é uma das possíveis conclusões de um estudo publicado na edição de julho da revista científica Archives of Neurology, que sugere que pessoas com maiores níveis de vitamina D - produzida pelo organismo quando somos expostos ao sol - parecem ter menores riscos de desenvolver a doença.

Acompanhando, por quase 30 anos, mais de 3 mil finlandeses com idades entre 50 e 79 anos e que, inicialmente, não tinham doença de Parkinson, os pesquisadores descobriram que os participantes com maiores níveis de vitamina D no sangue tinham 67% menos chances de desenvolver a doença, comparados àqueles com as piores concentrações do nutriente no organismo. E foi observada uma relação dose-resposta entre a vitamina e a doença, ou seja, quanto maiores os níveis do nutriente, menores os riscos.

Segundo os autores, a vitamina D cumpre importante papel na saúde óssea, e é associada, por muitas pesquisas, ao risco de câncer, doença cardíaca e diabetes tipo 2. Porém, seus mecanismos contra a doença de Parkinson ainda são desconhecidos, embora se especule que o nutriente tenha propriedades antioxidantes no cérebro, regula os níveis de cálcio e ajuda na modulação do sistema imunológico, além de melhorar a condução elétrica entre os neurônios. “De acordo com o mecanismo biológico sugerido, a doença de Parkinson pode ser causada pelo contínuo nível inadequado de vitamina D, levando à perda crônica de neurônios dopaminérgicos no cérebro”, explicaram.

Entretanto, mais estudos são necessários para confirmação e para verificar se a suplementação da vitamina pode ajudar a reduzir os riscos da doença.

Fonte: Revista Saúde

domingo, 17 de outubro de 2010

SAÚDE E SEUS PORQUÊS

SAÚDE E SEUS PORQUÊS


A prática de exercícios físicos em exagero prejudica a fertilidade?

O excesso de exercícios, no homem, pode gerar problemas relacionados à diminuição da produção de espermatozoides e, na mulher, afetar seriamente a ovulação. Os pesos e as barras livres são normalmente recomendados para quem já tem familiaridade com musculação, porque exigem mais coordenação entre os músculos trabalhados. Os iniciantes devem tomar cuidado com os exageros no início de seus treinos, logo, é aconselhável que nas duas primeiras semanas executem-se atividades três vezes, evoluindo para quatro, cinco e seis vezes por semana. As recomendações aplicam-se a ambos os sexos. O praticante deve procurar orientação e respeitar seus limites para evitar lesões e complicações posteriores.
Quem responde: Márcio Coslovsky, diretor do Huntington, Centro de Medicina Reprodutiva

A falta de sono afeta o crescimento de uma criança?

Sim, pois dormir não é apenas uma pausa para o descanso. Uma boa noite de sono interfere direta e positivamente tanto no crescimento quanto no aprendizado e nas funções cognitivas da criança. O organismo produz alguns hormônios durante o sono, sendo o principal deles o GH - da sigla em inglês Growth Hormone. Ele é extremamente importante, pois atua diretamente no aumento dos ossos e músculos. Até o fi nal da adolescência, o corpo ainda está se desenvolvendo e se benefi ciando ao máximo dessas funções. Por isso, dormir bem é fundamental.
Quem responde: Sylvio Renan, pediatra da MBA Pediatria

O que são os pontos brancos nas unhas?

Os pontos brancos nas unhas podem ter diversas causas, sendo a mais frequente os traumas. Um exemplo é quando se retira a cutícula com o alicate e acaba traumatizando a lâmina ungueal muito próxima da matriz. Conforme a unha vai crescendo, os pontos brancos vão aparecendo. Outra causa são as carências nutricionais, especialmente da vitamina B12. Dentre as doenças dermatológicas, que podem causar pontos brancos, estão psoríase e líquen. O ideal seria procurar um dermatologista, para fazer o diagnóstico correto e optar pelo melhor tratamento.
Quem responde: Fernanda Casagrande, dermatologista

Por que aparecem queloides na pele?

Queloide é uma cicatriz grossa, vermelha, endurecida, dolorosa e pruriginosa que surge por uma resposta exagerada das células formadoras de colágeno. Ocorre, principalmente, em negros, orientais e mestiços. São frequentes na orelha, face, ombros e tronco superior. É impossível ao médico prever o problema. Contudo, o profi ssional pode ter condutas que reduzam essa possibilidade. Por isso, é fundamental informar ao médico caso haja histórico familiar do problema antes de uma cirurgia. Exemplos de causas são espinhas, piercings, cicatriz de cirurgia, cistos ou pintas, pelo encravado e foliculite queloidiana da nuca.

Quem responde: Aldo Toschi, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

O que faz o bom aluno

sábado, 16 de outubro de 2010

Como ficar livre do ronco


13 respostas para ficar livre do ronco

Se você ronca ou conhece alguém que não deixa ninguém dormir direito por causa do barulho, procure um especialista. O sintoma precisa ser tratado, pois pode desencadear um grave problema de saúde

Ninguém se preocupa com o ronco como deveria. Todos os especialistas ouvidos pela VivaSaúde são categóricos ao afirmar que o ronco é banalizado pela população. Claro, o ruído incomoda quem vive com o roncador e, às vezes, até acorda a pessoa que tem, mas as pessoas não encaram esse transtorno como uma doença. Se antigamente o ronco era sinal de sono profundo, agora ganhou status de alerta. Pode até parecer exagero, mas não é. Como você vai ver nas próximas páginas, o ronco poder ser sinal de um problema mais grave, como a apneia do sono, causar problemas de formação da mandíbula e até provocar distúrbios do sono no companheiro da pessoa que tem o problema.
Os médicos estimam que pelo menos 50% da população brasileira ronque eventualmente, e 20% tornam-se roncadores habituais após os 40 anos de idade. Muitos especialistas dizem que é um problema de saúde pública. “Não é uma doença nova e não é encarada com a seriedade necessária. Ela se mantém por muito tempo e, quando não tratada, leva a outras doenças piores. Toda pessoa que ronca precisa se consultar com um médico”, afirma José Antonio Pinto, otorrinolaringologista do departamento de Medicina do Sono da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia e chefe dessa área no Hospital São Camilo (SP). Se você conhece alguém nessas condições ou se é você quem ronca, não perca mais tempo, marque uma consulta já. Aproveite para saber o que o ronco pode provocar e como se livrar dele, pelo bem da sua saúde e da do seu companheiro também.

1 Por que algumas pessoas roncam?
É um sinal de que existe uma dificuldade na passagem do ar pelas vias aéreas. Os motivos são vários, como flacidez na musculatura do nariz à garganta, malformação congênita (como queixo para trás), idade avançada (é mais comum a partir dos 40 anos), desvio do septo nasal, rinites, hipotireoidismo (aumenta o volume da língua e, assim, reduz o espaço da passagem do ar), etc. Acontece mais durante a inspiração do que na expiração. Quando há obstrução, os músculos da região torácica relaxam, e aí abrimos a boca para respirar. Ali o ar tem muita dificuldade para passar — ele tem pela frente a língua, a úvula e as amídalas. E aí há vibração e... o ronco. O grau de estreitamento da passagem do ar influencia a musculatura da região. Quanto mais flácida, mais alto pode ficar.

2 Pode causar problemas de sono?
Em geral, quem ronca regularmente não tem um bom sono. A pessoa sofre de mau humor matinal, sente cansaço o dia todo e aquela tremenda vontade de descansar. Pode afetar também o rendimento no trabalho. Você já não ouviu falar de alguém que parece estar sempre esgotado? Essa pessoa pode sofrer com o problema. Se você sente esses sintomas e mora sozinho (e nunca acordou com o próprio ronco) procure um otorrinolaringologista para fazer uma avaliação mais detalhada.

3 Qual a melhor posição na hora de dormir?
De lado, exceto os bebês, que, segundo as orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria, devem dormir de barriga para cima. Para os adultos a regra é outra. Quando descansamos de barriga para cima, nossa língua relaxa, cede para baixo e obstrui parcialmente a passagem do ar, e aí o ronco aparece. Uma solução é colocar a cabeceira da cama para cima, literalmente, e não apenas usando mais um travesseiro ou uma almofada antirronco, vendida em lojas especializadas.

4 Crianças podem ter o problema?
Podem sim, mas não é tão comum como em adultos. A via aérea dos pequenos pode ser mais estreita porque os tecidos da garganta aumentam muito de volume. Quando ela está com uma infecção, como gripe, esses tecidos ficam maiores para proteger o organismo. Nesses casos, é indicado tratar com descongestionantes. Outro diagnóstico comum é adenoide e amídalas grandes. Às vezes a solução é a cirurgia, um procedimento simples. A criança fica apenas algumas horas no hospital e volta para casa no mesmo dia. “Quando não tratada, há alterações no crescimento da face, o que favorece o aparecimento da apneia”, afirma Fernando Tochine, otorrinolaringologista responsável por esse setor no Hospital São Luiz (SP).

5 O ronco pode provocar uma doença grave?
Pode sim. A mais conhecida é a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (Saos). É uma doença crônica, em que a pessoa para de respirar por alguns instantes e, depois, acorda, como se estivesse assustada. Essa reação é causada pelo nosso cérebro, que alerta para a falta de oxigênio. A apneia está relacionada a outras complicações, como hipertensão, infarto, alterações cardiovasculares, déficit de atenção e até perda de libido. “Ela reduz o tempo de vida das pessoas”, diz Pedro Luiz Mangabeira Albernaz, otorrinolaringologista do Hospital Albert Einstein (SP) e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Se a parada respiratória for maior de 10 segundos, pode trazer consequências graves. Em alguns casos elas alcançam ou ultrapassam 60 segundos, e aí pode ser fatal. Nem todos que roncam vão ter apneia. Acontece com mais frequência em obesos e pessoas de meia-idade.

6 Com qual médico devo me tratar?
Assim que a suspeita aparecer, procure um otorrinolaringologista — encare esse problema como se fosse um machucado muito grave ou uma doença que precisa ser tratada com urgência. A dona de casa Aparecida Alvez Tecchini, 62 anos, não via o ronco como algo grave, até o médico dizer que ela poderia sofrer de parada respiratória. Aí ela não perdeu mais tempo. “Toda a família sabia quando estava dormindo. Tinha trauma de dormir na causa de alguém por medo de roncar e acordar todo mundo. Hoje estou bem melhor, mais disposta”, diz. Na consulta, o médico vai avaliar suas vias respiratórias e preencher um questionário, o Epworth, para levantar dados sobre seus hábitos e verificar se há evidências de que você tenha algum distúrbio do sono. Você vai ouvir perguntas como: “Acorda cansado?”, “Dorme no cinema?”, “Já cochilou enquanto dirigia?”. Cada questão tem um determinado valor numérico. Se a soma total dos pontos for superior a dez, há uma suspeita muito forte de que você tenha dificuldades para dormir e relaxar durante o sono. Aí podem ser pedidos exames mais específicos.

7 Quais tipos de exames são pedidos?
Vai depender de cada caso. Não há uma regra. O especialista pode pedir uma endoscopia das vias aéreas superiores para verificar a existência de alguma obstrução. Outro teste pedido é a polissonografia, aquele exame em que você dorme no laboratório por um dia. É feita uma espécie de mapeamento do seu sono. Ela mede, dentre outras coisas, a atividade respiratória, se há ou não paradas enquanto você dorme (a chamada apneia) e a intensidade do ronco para fazer o diagnóstico final. Eletrodos colocados na sua cabeça passam essas informações para um computador, onde os dados são avaliados. Em alguns casos, pode ser indicada uma cirurgia. Mas fique tranquilo, pois os tratamentos cirúrgicos evoluíram muito e o paciente volta para casa rapidinho.

8 Dormir de boca aberta é um sinal ruim?
Sim, pois o ronco pode aparecer. Além disso, ficar de boca aberta durante o sono prejudica a formação da mandíbula e o lábio inferior fica caído. A face fica mais alongada e muda a dinâmica da respiração. É preciso investigar o porquê da condição — que pode ser desde uma rinite alérgica até o desvio de septo — e tratar o quanto antes. Ter um acompanhamento com um fonoaudiólogo ajuda a mudar o hábito. O profissional pode indicar exercícios com a língua, dentre outros.

9 Obesidade atrapalha?
Você deve saber de cor pelo menos cinco malefícios provocados pelo excesso de peso. Agora vai conhecer mais um. A obesidade pode causar ronco — e 50% da população brasileira, divulgou recentemente o Ministério da Saúde, sofre com os quilos a mais. A deposição de gordura na região da garganta favorece o seu estreitamento. Nos homens é mais comum que nas mulheres. Como o ronco interfere na qualidade do sono, e a pessoa se sente naturalmente mais indisposta, ela não tem vontade (nem ânimo) de praticar alguma atividade física. E aí o ciclo se mantém.

10 Qual é a influência da idade?
A partir dos 40 anos a musculatura da garganta fica mais flácida e o problema aparece. A aposentada Danunzia Victoria, 84 anos, procurou um especialista muito tarde, depois dos 65, porque não acreditava que roncava. Ela tem uma obstrução nas vias superiores, mas, devido à idade avançada, a cirurgia foi descartada. Como o ronco é muito alto, toda vez que viaja com a família precisa ficar em um quarto só para ela. Outro problema comum que afeta as mulheres é a chegada da menopausa. Não, ela não provoca ronco. Mas quando a mulher entra nessa fase, deixa de produzir estrogênio na mesma quantidade que não permitia que a musculatura cedesse.

11 É capaz de atrapalhar as relações sociais?
Em alguns casos, dizem os especialistas, há casais que contam que já não dividem o mesmo quarto. “O ideal é que o companheiro do paciente seja entrevistado também durante a consulta. Ele sabe tudo, até se a pessoa tem apneia ou não”, diz Carlos Alberto de Barros, chefe do serviço de Pneumologia da Casa de Saúde São José (RJ). O ronco atrapalha o sono do companheiro e pode até provocar distúrbios do sono na outra pessoa, já que ela não consegue descansar.

12 Bebidas alcoólicas e fumo provocam ronco?
Acredite: isso acontece, sim. O álcool sabidamente é capaz de relaxar o corpo, e o mesmo efeito se estende para a musculatura da garganta. O resultado você conhece... Com o fumo a história é bem parecida. Uma pesquisa australiana de 2008 com 110 pessoas, homens e mulheres de 45 a 80 anos, que eram fumantes e tinham colesterol alterado, mostrou que o estreitamento arterial era maior nos que roncavam mais intensamente. Apesar de ser um estudo inicial, os pesquisadores disseram que há um indício forte de que esse grupo teria mais chances de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC).

13 Existe algum aparelho que reduza o ruído?
Sim. Os mais simples são os ortodônticos. São placas usadas na boca durante o sono. Elas são reguladas para que a parte da frente empurre a mandíbula e, assim, amplia a passagem da via aérea. Outro se chama CPAP e é um modelo eletrônico. Ele não permite que o pulmão esvazie por completo, o que acontece quando dormimos, e assim evita o ronco. Você pode comprar ou alugar, desde que haja indicação médica. Geralmente é indicado para roncadores extremos. São vários os modelos — quanto menor, em geral, mais caro é. Para quem viaja bastante, por exemplo, o pequeno é o indicado.

Fonte: Revista Viva Saúde - Thais Siqueira

Oi, Jesus, Eu Sou o Zé


Cada dia, ao meio dia, um pobre velho entrava na igreja e, poucos minutos depois, saía. Um dia, o sacristão lhe perguntou o que fazia, pois havia objetos de valor na igreja.

Venho rezar, respondeu o velho.

Mas é estranho, disse o sacristão, que você consiga rezar tão depressa.

Bem, retrucou o velho, eu não sei rezar aquelas orações compridas. Mas todo dia, ao meio dia, eu entro na igreja e falo: "Oi, Jesus, eu sou o Zé, vim Lhe visitar".

Num minuto, já estou de saída. É só uma oraçãozinha, mas tenho certeza que Ele me ouve.

Alguns dias depois, Zé sofreu um acidente e foi internado num hospital. Na enfermaria, passou a exercer grande influência sobre todos.

Os doentes mais tristes tornaram-se alegres e, naquele ambiente onde antes só se ouviam lamentos, agora muitos risos passaram a ser ouvidos.

Um dia, a freira responsável pela enfermaria aproximou-se do Zé e comentou: os outros doentes dizem que você está sempre tão alegre, Zé...

O pobre enfermo respondeu prontamente: é verdade, irmã. Estou sempre muito alegre! E digo-lhe que é por causa daquela visita que recebo todos os dias. Ela me faz imensamente feliz.

A irmã ficou intrigada. Já tinha notado que a cadeira encostada na cama do Zé estava sempre vazia. Aquele velho era um solitário, sem ninguém.

Quem o visita? E a que horas? Perguntou-lhe.

Bem, irmã, todos os dias, ao meio dia, ele vem ficar ao pé da cama por alguns minutos, talvez segundos... Quando olho para Ele, Ele sorri e me diz: "Oi, Zé, eu sou Jesus, vim te visitar".

Autor: José Tralha 

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Orgulho de ser professor


Convicto da importância do professor na educação de crianças e jovens, não apenas em 15 de outubro, mas em todos os dias do ano, gostaria de relatar em poucas palavras a minha trajetória como professor de educação física, do início aos dias atuais e a missão incansável de educar.

Em 1976, quando estudava a 8ª série e praticava basquete no Colégio Estadual Murilo Braga, resolvi que iria fazer o vestibular para Educação Física e ser professor.

Em janeiro de 1980, fiz o vestibular e fui aprovado. Era o início da concretização do sonho de ser professor. No mês de abril do mesmo ano, tive a oportunidade de ingressar no serviço público e, assim, dar aulas de Educação Física no CEMB. Já são 30 anos e 6 meses de ensino, período este no qual abracei o basquete em particular.

Em 1988, insastifeito com apenas um emprego, resolvi procurar o ex-colega da universidade e Vice-diretor do Colégio Graccho, Neto. Solicitei a ele um emprego como professor de basquete, o qual fui prontamente atendido. Dediquei 22 anos de minha vida aos alunos e a instituição, a qual sou eternamente grato pela acolhida.

Em 1989, recebi o convite para trabalhar no Colégio Salesiano, pelo coordenador Pedagógico Jairton (Cobrinha), que conhecia o meu trabalho através do CEMB e do Graccho. Trabalhei 21 anos e aprendi muito como educador com o sistema preventivo de Dom Bosco.

Tenho orgulho de ter trabalhado em dois dos melhores colégios do Estado, Graccho e Salesiano. Em ambos pedi para ser demitido por motivos pessoais e fica aqui o meu agradecimento pelo respeito ao meu trabalho por mais de duas décadas.

Em 1993, a Irmã Auxiliadora me fez o convite para lecionar no Colégio Dom Bosco. Inicialmente o basquete, e depois o voleibol, que continuo até os dias atuais.

Com a minha saída do Graccho e do Salesiano, fiquei com alguns horários disponíveis. Foi quando em março deste ano o Diretor do Colégio O Saber, Everton, ex-aluno do basquete do CEMB, me convidou para dar aulas de educação física e prontamente aceitei este novo desafio na minha vida profissional.

Que Deus, na sua infinita bondade, me dê muita saúde e disposição para continuar trabalhando e contribuindo na formação integral dos alunos, como estou fazendo a mais de 30 anos. Trabalho esse realizado com respeito, dedicação e compromisso a eles e às instituições de ensino, sempre com orgulho de ser professor.

Por Professor José Costa

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

EU PRECISO DE VOCÊ


Bom dia... Boa tarde... Boa noite...

EU PRECISO DE VOCÊ


Quando você se levantou, pela manhã, eu já havia preparado o sol para aquecer o seu dia e o alimento para sua nutrição. Sim, eu providenciei tudo isto enquanto vigiava e guardava seu sono, a sua família e a sua casa. Esperei pelo seu "Bom Dia", mas você se esqueceu... Bem, você parecia ter tanta pressa que perdoei.

O sol apareceu, as flores deram seu perfume, a brisa da manhã o acompanhou, e você nem pensou que eu havia preparado tudo para você. Seus familiares sorriram, seus colegas o saudaram, você trabalhou, viajou, realizou negócios, alcançou vitórias, mas você não percebeu que eu estava cooperando com você, e mais, teria ajudado se você tivesse me dado uma chance. Eu sei, você corre tanto... Eu perdoei.

Você leu bastante, ouviu muita coisa, viu mais ainda e não teve tempo de ler e ouvir minha palavra. Eu quis falar, mas você não parou para me ouvir. Eu quis até lhe aconselhar, mas você nem pensou nesta possibilidade. Seus olhos, seus pensamentos, seus lábios seriam melhores. O mal seria menor e o bem seria muito maior em sua vida.

A chuva que caiu a tarde foram minhas lágrimas por sua ingratidão, mas foi também, a minha bênção sobre a terra, para que não lhe falte o pão e a água. Você trabalhou, ganhou dinheiro, que não foi mais porque você não me deixou ajudar. Mais uma vez você se esqueceu, que eu desejo sua participação no meu reino com sua vida, seu tempo e seus talentos. Findou o seu dia. Você voltou para a casa. Mandei a lua e as estrelas tornarem a noite mais bonita para lembrar-lhe o meu amor por você. “Certamente, agora, você vai dizer um “Obrigado” e uma Boa Noite”. Psiu... Está me ouvindo? Já dormiu! Que pena! Boa Noite... Durma bem... Eu fico velando por você...
JESUS

Autor desconhecido

10 pistas que anunciam um derrame


Você e seu médico podem formar uma dupla de detetives e investigar os fatores de risco que culminam em um acidente vascular cerebral. Eles acabam de ser mapeados em um novíssimo estudo, conduzido em 22 países. Chegou o momento de denunciá-los e agir a tempo para prevenir um golpe avassalador sobre a massa cinzenta.

O jogo que iremos propor a você nesta página tem consequências reais sobre a sua qualidade de vida e oferece como recompensa a chance de escapar, no futuro, de um dos maiores assassinos da humanidade. Popularmente chamado de derrame, o acidente vascular cerebral, ou AVC, é a causa de morte número 1 no Brasil — são mais de 90 mil por ano. Quando não concede um ponto final à existência de alguém, ele se vinga e deixa sequelas. Para formar uma rede de proteção contra a ameaça, cientistas do mundo inteiro avaliaram 6 mil pessoas — metade saudável e o restante vítima de um AVC — e apuraram os indícios que antecedem o ataque.

O resultado desse trabalho, batizado de Interstroke e publicado na revista científica The Lancet, são pistas preciosas que estão ligadas a uma probabilidade 90% maior de um derrame, seja ele isquêmico, seja hemorrágico. “O estudo reforça, com dados de populações de origens diferentes, quais são os fatores de risco para o problema”, analisa o neurologista Jefferson Fernandes, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. Agora, é a sua vez de entrar no jogo, identificando e corrigindo os erros que permitem ao bandido continuar à solta.

1 Pressão alta
A hipertensão é o tipo de pista impossível de ver a olho nu e que fica na surdina durante anos. É o principal fator de risco para o derrame. Patrocina a versão isquêmica, marcada pelo entupimento de uma pequena artéria, e ainda mais a hemorrágica, quando o vaso estoura e o sangue extravasa. “A pressão alta tem um impacto maior sobre o cérebro do que sobre o coração”, alerta Jefferson Fernandes. “Os vasos finos que irrigam a massa cinzenta têm uma menor resistência e, assim, são mais comprometidos”, afirma o cardiologista Fernando Nobre, presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão. Como a doença é silenciosa, precisa ser flagrada antes de soar o alarme. “É recomendável medir a pressão pelo menos uma vez por ano”, diz Nobre. Além disso, praticar atividade física e não ingerir mais do que 5 gramas de sal por dia ajuda a controlá-la.

2 Cigarro
Eis um velho criminoso que serve de combustível para uma autêntica pane cerebral. “O fumo tem cerca de 4 mil substâncias nocivas à saúde e favorece o aumento da pressão e dos níveis de colesterol”, alerta o neurologista Alexandre Maulaz, do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. “Ele ainda ataca o endotélio, a camada mais íntima do vaso, contribuindo com a sua obstrução.” Esses estragos explicam por que as baforadas sopram a favor de um bloqueio na passagem do sangue pela artéria. “O estudo mostra, porém, que mesmo após alguns meses sem o cigarro há uma diminuição do risco de derrame”, conta o neurologista Gabriel Rodriguez de Freitas, coordenador do Departamento de Doenças Cerebrovasculares da Academia Brasileira de Neurologia. O clichê recebe o carimbo da ciência: nunca é tarde para abandonar o vício.

3 Falta de atividade física
É preciso correr atrás dessa pista, quer dizer, correr contra esse fator de risco, o sedentarismo. Também vale caminhar, nadar ou exibir seus dotes de atleta. O importante é sair de casa e se movimentar no parque ou na academia, realizando um exercício aeróbico entre três e cinco vezes por semana. Seu cérebro irá agradecer tanto suor por dois motivos. O primeiro é fechar o cerco à obesidade. “O excesso de peso colabora com a hipertensão e o aparecimento do derrame”, alerta Alexandre Maulaz. O segundo item diz respeito aos serviços prestados diretamente aos vasos. A corrida e a caminhada derrubam as taxas de colesterol ruim, o LDL, e ajudam a alavancar a fração do bem, o HDL. As artérias cerebrais ganham pontos, ainda, nos quesitos integridade e elasticidade, tornando-se mais imunes às condições propícias aos AVCs.

4 Níveis elevados de certas proteínas
Segundo o Interstroke, moléculas de nome estranho — as apolipoproteínas — requerem cada vez mais atenção. As do tipo A1 e B podem ser dosadas em uma amostra de sangue para indicar maior ou menor propensão a um infarto ou derrame. Não são tão famosas quanto o colesterol, mas ganham espaço entre os marcadores de risco à medida que seu papel é decifrado. Elas ajudariam a delatar se as tubulações por onde trafega o sangue estão sujeitas a entupimentos. “O problema é que ainda não sabemos o que fazer com as apolipoproteínas”, diz Gabriel de Freitas. “Por enquanto, não há um remédio capaz de controlá-las”, acrescenta Jefferson Fernandes. É diferente do colesterol, que pode ser baixado com um comprimido e a prática de atividade física. De qualquer forma, se um teste acusá-las, aumente a vigilância.

5 Gordura abdominal
Dá para comparar a barriga a um tanque de guerra, que, quando dispara, atinge o alvo a uma distância considerável. O alvo, no caso, é a cabeça. A pesquisa realizada em escala global prova a conexão entre a pança e a maior incidência de AVCs. Tudo culpa da gordura que se acumula abdômen adentro. Ela funciona, com o perdão de outra comparação, como uma usina. “Esse tecido fabrica substâncias inflamatórias”, aponta Freitas. Elas, por sua vez, têm acesso livre à circulação e, assim, estimulam a formação das placas que sufocam as artérias. Imagine se um vaso um pouco mais grosso do que um fio de cabelo fica refém do incêndio... É derrame na certa. Medir a circunferência do ventre fornece o valor exato dessa pista, que, cá entre nós, pode ser vista de longe. Os homens não devem ultrapassar a marca dos 102 centímetros. Entre as mulheres, o limite para a silhueta é 88 centímentros.

6 Diabete
A sobrecarga de açúcar no sangue também enferruja a rede de encanamento que vasculariza os quatro cantos do corpo. Por essas e outras, diabéticos enfrentam mais problemas circulatórios, que afetam os pés, os olhos, o coração e... sempre ele, o cérebro. “O distúrbio danifica tanto as artérias maiores quanto as menores”, afirma Maulaz. Com relação às carótidas, vasos de grande calibre situados no pescoço, níveis elevados de glicose fomentam a construção das temíveis placas de gordura, boicotando o abastecimento cerebral. “No caso das artérias minúsculas, ocorrem lesões na camada de células que reveste o interior dos vasos”, completa o neurologista. Assim, os vasinhos que regam a massa cinzenta deixam de fornecer oxigênio e nutrientes e os neurônios ficam à mercê da sorte.

7 Dieta desequilibrada
Tudo passa pelo prato, inclusive a longevidade do cérebro. Um cardápio desregrado alimenta as alterações vasculares que semeiam o derrame. “A primeira recomendação é maneirar no sódio e investir no cálcio dos derivados do leite e nos vegetais ricos em potássio para ajudar a regular a pressão”, já adianta a nutricionista Isabela Pimentel Mota, do Hospital do Coração, em São Paulo. Além de recorrer ao leite e ao queijo magro, à couve e à banana, convide à mesa fontes de ômega-3, como o salmão, a sardinha, o atum e a linhaça, que garantem flexibilidade às artérias. “Já a aveia e a soja têm componentes que auxiliam a evitar as placas de gordura”, diz Isabela. Redutos de antioxidantes, o café e o chocolate amargo reduzem o processo oxidativo que dá pontapé inicial ao arruinamento do vaso. “Também é importante maneirar nas gorduras saturada, presente na carne vermelha, e trans, dos produtos industrializados”, orienta Isabela.

8 Doenças do coração
Em termos de fatores de risco, o órgão que bombeia o sangue é praticamente um irmão gêmeo do cérebro. E quando o músculo cardíaco não funciona direito ou já pifou alguma vez a massa cinzenta pode sofrer retaliações. “Alguns tipos de arritmia ocasionam a formação de coágulos que podem chegar até a cabeça e obstruir uma artéria, provocando um AVC”, conta Fernandes. Indivíduos que já tiveram um infarto carecem igualmente de mais atenção. Neles, uma área do coração costuma deixar de se contrair a contento e o sangue estaciona ali, financiando coágulos que viajam até a cachola. Por isso, é crucial passar por checkups cardiológicos anuais e, se já tiver um problema cardíaco, seguir o tratamento aliado a um estilo de vida saudável.

9 Álcool em excesso
Meu bem, meu mal: podemos pegar o refrão emprestado na hora de rotular a bebida alcoólica em matéria de saúde cardiovascular. Há uma porção de pesquisas indicando o efeito protetor de uma ou duas doses etílicas — o vinho, por também ostentar substâncias antioxidantes, recebe a maior parte das honrarias. No entanto, o abuso demole as vantagens e ainda prejudica as artérias. No estudo Interstroke, pessoas que consumiam mais de 30 drinques por mês ou protagonizavam bebedeiras frequentes estiveram na linha de frente dos derrames. “O risco aumenta ainda mais para o AVC hemorrágico”, destaca Gabriel de Freitas. Seria um efeito rebote? Ainda não há explicações exatas, mas uma das hipóteses é a de que álcool em demasia faça a pressão subir.

10 Estresse e depressão
Um comandante equilibrado organiza melhor as suas tropas e evita um ataque-surpresa. Com o cérebro não é diferente. O trabalho intercontinental atesta o elo entre AVCs, estresse e depressão. Sabe-se que a tensão diária empurra a pressão arterial para cima. “Já os deprimidos não tratados acabam se cuidando menos e praticando pouca atividade física”, pontua Freitas. Suspeita-se também que um organismo sob estresse ou depressão fique mais sujeito a processos inflamatórios. A ordem é balancear a tensão, distraindo-se com algo prazeroso, e procurar um médico quando o desânimo não some. Além de fresca, a cuca deve permanecer ativa. “Quem treina os sentidos e o intelecto e, mesmo assim, sofre um derrame se recupera melhor”, diz Pinto. Agora que você conhece as regras do jogo, sabe o que fazer para seu cérebro sair como vencedor.
Entre o entupimento e a explosão

Entenda o que acontece nas duas principais versões do derrame

Isquêmico
É o acidente vascular cerebral mais comum, correspondendo a oito em cada dez casos. A origem do problema está na obstrução de um vaso, geralmente muito pequeno, que irriga a massa cinzenta. Ele pode ser vitimado por uma placa formada no próprio local. “Ou, então, é entupido por um coágulo que se desprende de uma placa situada em uma artéria maior”, conta Jefferson Fernandes. O desfecho dessa história é que uma região do cérebro deixa de ser abastecida e, com isso, vários neurônios morrem sem receber oxigênio e nutrientes.

Hemorrágico
Intimamente relacionado à hipertensão, esse tipo abrange cerca de 20% dos episódios de AVC. “Com o aumento da pressão dentro dos vasos, formam-se balõezinhos na parede das pequenas artérias. Eles, então, incham e estouram”, descreve Fernandes. “Aí, ocorre um sangramento dentro do cérebro, capaz de distorcer sua anatomia”, explica o neurocirurgião Fernando Campos Gomes Pinto, do Hospital das Clínicas de São Paulo. A versão hemorrágica é a mais letal. “Mais de 30% das vítimas acabam morrendo”, lamenta Pinto.

A hora do ataque
Conheça os indícios que prenunciam o derrame e como os médicos o contêm

Os sinais
“Tanto o AVC isquêmico quanto o hemorrágico podem começar com os mesmos sintomas”, conta o neurologista Antônio Cezar Galvão, do Hospital Nove de Julho, em São Paulo. São eles: paralisia ou dormência de um lado do corpo, dificuldade para falar ou enxergar e problemas de coordenação motora. “Dores de cabeça súbitas e violentas também indicam o problema, sobretudo o hemorrágico”, diz Galvão. Há vítimas que entram em coma logo depois do golpe.

O atendimento
Quanto mais cedo ele é feito, melhor — estão em jogo a vida e a dimensão das lesões e das sequelas. Chame o resgate ou leve o indivíduo a um hospital com serviço de neurologia. “O paciente com AVC é sempre prioridade absoluta”, diz a neurologista Gisele Sampaio Silva, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. “Ele será submetido a exames como a tomografia de crânio, que aponta qual é o tipo de derrame.”

O tratamento
A versão isquêmica tem de ser remediada em cerca de quatro horas. “Injetamos uma substância capaz de dissolver o coágulo que está entupindo a artéria no cérebro”, explica Galvão. “Mas, depois de quatro horas, o medicamento pode induzir sangramentos.” Já o AVC hemorrágico costuma cobrar cirurgia. “A intenção é remover o hematoma e criar espaço para o tecido cerebral que estava comprimido”, conta Fernando Pinto.

Fonte: Revista Saúde - por Diogo Sponchiato