segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Por que balançamos os braços ao caminhar?


Por que balançamos os braços ao caminhar?

Porque, dessa forma, poupamos energia quando nos deslocamos, o que é uma vantagem fisiológica. Essa é a conclusão de um estudo feito por biomédicos da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e da Universidade de Tecnologia de Delft, na Holanda. O grupo de biomédicos criou um modelo mecânico para avaliar a dinâmica do balançar dos braços e fez vários testes com dez voluntários (veja ao lado). A economia de energia do nosso andar também aparece em relação a outros bípedes - um estudo feito na Universidade de Washington revelou que o caminhar humano é cerca de 75% menos dispendioso do que o caminhar bípede ou quadrúpede dos chimpanzés. Esse traço humano é antigo: o homem é bípede e anda ereto há 4,5 milhões de anos.
4x4
Os animais quadrúpedes, como cavalos, leões e elefantes, possuem uma marcha cruzada - similar à nossa
É para a frente que se anda
E com os braços em posições alternadas às das pernas
SENTIDO!
Andar com os braços segurados, como na posição de sentido dos soldados, exige 12% mais gasto metabólico do que andar normalmente. Controlando os braços ao andar, o corpo exige maior gasto energético dos músculos dos ombros para mantê-los fixos

DO MESMO LADO
A caminhada anti-balanço - com o movimento sincronizado, ou seja, braço direito com perna direita e braço esquerdo com perna esquerda - consome 26% mais energia, pois os músculos se esforçam mais para manter esse movimento

PRA LÁ E PRA CÁ
Quando andamos, a movimentação das pernas produz um deslocamento giratório, que é contrabalançado pelo movimento alternado de braços e pernas. Além disso, caminhar alternando o movimento de braços e pernas suaviza a passada, reduzindo o gasto energético dos músculos

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Yuri Vasconcelos

domingo, 30 de janeiro de 2011

Volta às Aulas: Organizar o local de estudos estimula a criança a estudar


VOLTA ÀS AULAS: ORGANIZAR O LOCAL DE ESTUDOS ESTIMULA A CRIANÇA A ESTUDAR

Um bom local de estudos pode deixar as crianças mais dispostas a fazer as lições. É o que sugere o professor de ergonomia da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) Antônio Renato Pereira Moro. "Muitas vezes a criança não para quieta na cadeira porque está desconfortável", explica.

Alguns cuidados ajudam a tornar o canto de estudos adequado à faixa etária do filho e com menos chance de causar problemas de má postura.

É importante prestar atenção ao mobiliário. "Se o móvel for mal projetado, induzirá à má postura", diz Moro. Se a mesa for muito baixa, a pessoa é forçada a se debruçar. Se muito alta, o braço fica mais afastado do tronco, tencionando os músculos da escápula (osso que compõe a articulação do ombro).

Para fazer lição de casa, o ideal é uma mesa com tampo regulável (levemente levantado a 10º). "Cada grau que ele é levantado corresponde a um grau a menos que a coluna tem de se inclinar", comenta o ergonomista. A altura da mesa deve ser igual à do antebraço, quando o cotovelo está dobrado a 90º.

A fisioterapeuta Flora Maria Gomide Vezza, da Universidade Metodista de São Paulo, lembra que a profundidade da mesa deve ser suficiente para servir de apoio aos antebraços. Isso é importante para descarregar o peso dos braços e pescoço. "Não se deve ficar só com os punhos apoiados para escrever ou digitar. Isso pode causar uma série de distúrbios", alerta.

Escolher uma cadeira regulável é uma boa saída - ela poderá acompanhar o crescimento da criança. Segundo Vezza, os pés têm de ficar bem apoiados no chão e o assento não pode ser muito profundo.

"Se o joelho bate no assento, a criança joga o bumbum para frente e fica em uma posição que sobrecarrega demais as estruturas da coluna e acentua o esforço dos músculos do pescoço", explica. O assento da cadeira depende muito do que cada um considera confortável, mas os especialistas sugerem o revestimento de espuma, que ajuda a distribuir o peso do corpo.

É essencial que a região lombar fique bem apoiada no encosto. "Não adianta ficar muito no alto, porque não é a região que mais precisa de apoio", afirma Moro.

Alguns cuidados para quem usa computador também são importantes. Segundo Vezza e Moro, o topo do monitor deve ficar na altura dos olhos. É melhor olhar um pouco mais para baixo do que para cima. Vezza sugere que as crianças aprendam a não depender tanto do mouse: "Ele é prejudicial porque exige muita precisão de movimentos e essa estabilidade é conseguida à custa de muito esforço muscular".

Os especialistas são unânimes ao dizer que o corpo precisa de equilíbrio e variação de movimentos. "Qualquer atividade que tensione apenas uma parte do corpo é ruim", sentencia Vezza.

Para organizar bem o momento de fazer lição de casa, os pais podem combinar com as crianças para intercalar posições sentadas e de pé e horário de estudos com atividades físicas.

Fonte: UOL

Sergipe: o paraíso é aqui


Modéstia Sergipana!

Estava um amigo num passeio em Roma quando, ao visitar a Catedral de São Pedro ficou abismado ao ver uma coluna de mármore com um telefone de ouro em cima.

Vendo um jovem padre que passava pelo local foi perguntar razão daquela ostentação.

O padre então lhe disse que aquele telefone estava ligado a uma linha direta com o paraíso e que se ele quisesse fazer uma ligação teria de pagar 100 dólares.

Ficou tentado porém declinou da oferta.

Continuando a viagem pela Itália encontrou outras igrejas com o mesmo telefone de ouro na coluna de mármore. Em cada uma das ocasiões perguntou a razão da existência e a resposta era sempre a mesma:

Linha direta com o paraíso ao custo de 100 dólares a ligação.

Depois da Itália, chegando ao Brasil, foi direto para Aracaju. Ao visitar a nossa gloriosa Catedral, no Parque Teófilo Dantas, ficou surpreso ao ver novamente a mesma cena: uma coluna de mármore com um telefone de ouro.

Sob o telefone um cartaz que dizia: LINHA DIRETA COM O
PARAÍSO - PREÇO POR LIGAÇÃO = R$ 0,25 ( vinte e cinco centavos ).

Não aguentou e lascou....

Padre, disse-lhe, viajei por toda a Itália e em todas as catedrais que visitei vi telefones exatamente iguais a este, mas o preço da chamada era 100 dólares. Por que aqui é somente R$ 25 centavos?

O Padre sorriu e disse ao meu amigo, você está em Sergipe. Aqui a ligação é local.

O PARAÍSO É AQUI.....







Autor desconhecido

Mundial de Handebol Masculino 2011


França vence Dinamarca na final do mundial e confirma hegemonia no handebol

A França teve muito trabalho, mas venceu a seleção da Dinamarca por 37 a 35 na final do Mundial de handebol da Suécia, neste domingo, confirmando sua posição hegemônica na modalidade. Com o resultado, os franceses conquistam o bicampeonato mundial e somam mais um título à lista que também inclui o ouro olímpico Pequim-2008 e o europeu de 2010.

Antes da final, aconteceu a disputa da medalha de bronze do Mundial. A Espanha superou a pressão da torcida local e venceu a anfitriã Suécia por 24 a 23, em uma partida decidida nos últimos minutos.

Apesar do domínio recente no handebol, a final esteve longe de ser um jogo fácil para a França. A Dinamarca, que no início da competição não fazia parte da lista de favoritos ao título, fez um excelente mundial e vendeu caro a derrota para o adversário, levando a decisão para a prorrogação.

Personalidades importantes da política de ambos os países compareceram à decisão do handebol. A ministra dos esportes francês, Chantal Jouanno, e o príncipe da Dinamarca estiveram no ginásio em Malmo, uma prova da popularidade do esporte nos dois países. A torcida sueca, que permaneceu no ginásio depois da derrota de sua seleção na disputa da medalha de bronze, apoiou claramente os vizinhos escandinavos e coloriu as arquibancadas de vermelho.

Ao longo do confronto, as duas equipes se apoiaram em seus principais jogadores na decisão do campeonato mundial. Os franceses contaram com uma excelente atuação do MVP da competição Nikola Karabatic, enquanto os dinamarqueses centravam suas ações ofensivas em Mikkel Hansen, também eleito para a seleção do torneio.

O equilíbrio marcou a final do Mundial de handebol. Os franceses, apesar de liderarem o placar pela maior parte da partida, não conseguiram abrir uma diferença confortável no marcador.

Os últimos minutos da partida foram emocionantes. A Dinamarca, que esteve atrás do marcador boa parte da partida, igualou o jogo com quatro minutos para o final. Com pouco mais de 40 segundos para o fim da partida, Karabatic colocou a França um ponto na frente.

Com apenas um ataque para definir o jogo, a Dinamarca pressionou, mas encontrava dificuldades de superar a defesa física francesa. Na última chance do tempo regulamentar, entretanto, Bo Spellerberg anotou o gol de empate com um arremesso de 9metros para levar a final para a prorrogação.

No tempo extra, contudo, prevaleceu a experiência e o controle emocional dos jogadores franceses. Mesmo saindo atrás no marcador, o time conseguiu reassumir a liderança no placar e soube valorizar a diferença de dois gols nos minutos finais da decisão.

Fonte: UOL

sábado, 29 de janeiro de 2011

Como evitar acidentes domésticos com as crianças


Acidentes na Infância: Saiba Como Evitar


Os acidentes na infância, principalmente os domésticos, são muito comuns e merecem uma atenção especial dos pais que devem saber como proceder nos momentos de dificuldades. Mais de 90% dos casos entre choques, quedas, asfixias frequentes entre 0 e 6 anos poderiam se evitados.

Queimaduras

Entre 0 e 1 ano é comum a queimadura com mamadeira, água de banho, e pelo sol. Para evitar basta colocar uma gotinha do leite no dorso da mão, experimentar a água do banho usando o cotovelo e expor a criança ao sol somente antes das 10 horas e após as 15 horas. Em caso de queimaduras, os primeiros socorros são lavar o local com água e sabão e encaminhá-la ao médico.

Entre 1 e 6 anos são comuns acidentes com panelas. As crianças costumam puxar as panelas do fogão. Para evitar basta não deixar as panelas com os cabos voltados para fora. Também é importante manter longe do alcance das crianças torradeiras, cafeteiras, ferros elétricos, fósforos e isqueiros.

Intoxicação

É comum a criança ingerir plantas venenosas, produtos de limpeza e medicamentos, desde que estejam ao seu alcance. A primeira providência caso isto ocorra é ligar para um médico com a embalagem do produto nas mãos. Caso não o encontre, leve a criança ao hospital com a embalagem nas mãos.

Quedas

Nas crianças pequenas, a queda é comum de um trocador, sofá, banco de carro e cama. Para prevenir coloque a criança em locais adequados, berço e cercadinho, evitando expô-la ao perigo. Entre 1 e 6 anos as quedas ocorrem das janelas, escadas, muros e playgrounds. Para evitar coloque grades nas janelas e portões nas escadas. Além disso, redobre a atenção em locais de brincadeira.

Asfixia

Existe uma grande probabilidade de acontecer este tipo de problema com crianças entre 0 e 1 ano de idade. Normalmente isto acontece com cordões, sacos plásticos, fios, madeira, colchão e cobertor. O importante é manter estes objetos longe da criança, nunca deixá-la mamando sozinha e não use cordões no pescoço para prender a chupeta. Evite colocar a criança na mesma cama para dormir com os pais.

Choque Elétrico

A partir dos 6 meses até 6 anos, a criança desloca-se pela casa com curiosidade. As tomadas são um alvo fácil, e também os fios. A prevenção de possíveis choques pode ser feita com um protetor especial para as tomadas e escondendo-se os fios. Mas caso o choque aconteça, desligue a chave geral, solte a criança do que está segurando e leve-a ao médico.

Afogamento

Até 1 ano de idade é importante não deixar a criança sozinha no banho, em piscina ou em área de serviço onde há baldes de água. Quando a criança começa a crescer o problema aumenta pois continua a atração pela água. Evite deixar a criança sozinha em piscinas, tranque a porta do banheiro e da área de serviço e em áreas de lazer como lagos e praia, leve sempre um objeto flutuante e não a deixe fora do alcance. As bóias devem suportar o peso da criança com facilidade.

Engolir objetos

De 0 a 1 ano crianças levam tudo à boca, como peças de brinquedos, botões, bicos de chupetas e outros. Para evitar que as crianças engulam objetos, procure brinquedos grandes, resistentes sem pontas finas e salientes. Evite roupas com botões e teste sempre as chupetas, paras verificar se não se soltam.

Quando a criança começar a crescer o problema passa a ser chicletes, pipocas, balas, caroços, pirulitos e moedas. Para evitar é só guardar as guloseimas longe do alcance e trancadas, e manter as moedas fora de circulação.

Alerta

Estes são apenas alguns exemplos entre os vários acidentes que podem acontecer com crianças. A palavra de ordem é manter uma atenção redobrada e, no caso de acontecer algum acidente, além do socorro imediato, procure sempre um hospital ou centro de saúde.

Fonte: Revista Boa Saúde

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Escrever a mão é importante para o processo de aprendizado


Escrever a mão é importante para o processo de aprendizado

Ao rever sistematicamente diversos estudos, Anne Mangen (da Universidade de Stavanger, Suécia) e o neurofisiologista Jean-Luc Velay (Universidade de Marselha, França) concluíram que as diferenças entre digitar e escrever são grandes. O estudo sugere que partes diferentes do cérebro são ativadas quando cartas escritas à mão são lidas.

De acordo com Mangen, o processo de aprendizado pode sofrer dano quando é realizado através de computadores e digitação. Ela diz que “Nossos corpos são projetados para interagir com o mundo que nos rodeia. Nós somos criaturas vivas adequadas para usar objetos físicos – seja um livro, teclado ou caneta – para performar certas tarefas”. Ela também afirma que escrever usando a mão dá um maior retorno das ações motoras.

A descoberta foi publicada no Advances in Haptics, especializado em percepções relacionadas à sensores tácteis e uso das mãos e dedos na comunicação.

Fonte: Blog da Saúde

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Treine seu cérebro


Treine seu cérebro

Deixar a mente em ponto de bala é questão de prática. Porém, acima de tudo, é questão de saber exatamente o que praticar. Da música à alimentação, descubra como impulsionar o raciocínio, a memória, a atenção…
Quem nunca se perguntou como a cabeça, embora compacta, consegue armazenar, assimilar e processar tantas informações que queime o primeiro neurônio. Mas a notícia positiva é que essa questão pode ser respondida de maneira simples: a massa cinzenta utiliza cada uma de suas áreas para várias funções. Ou melhor, para tarefas genéricas que estão sempre presentes no nosso dia a dia, como raciocinar, expressar-se, movimentar-se e por aí vai. Em outras palavras, se você ativa uma dessas regiões, vai desenvolvê-la e, consequentemente, patrocinará todas as atividades influenciadas por ela.

O problema, no entanto, é saber quais atitudes podem culminar em melhoras significativas dentro do crânio. Afinal, nem tudo o que fazemos turbina a mente (veja o quadro à direita). Uma das coisas que vêm mais chamando a atenção dos cientistas é a música. Em uma revisão de artigos da Northwestern University, nos Estados Unidos, pesquisadores chegaram à conclusão de que tocar um instrumento aperfeiçoa a habilidade de guardar memórias e de conseguir permanecer atento por um bom período. “Manipular sons altera profundamente as conexões cerebrais”, reforça a SAÚDE! a neurobióloga Nina Kraus, uma das que assinam o trabalho. “Músicos também desenvolvem muito a área comunicativa, a capacidade de leitura e até o potencial para aprender uma língua estrangeira”, acrescenta.

Como se isso fosse pouco, quando você dedilha as cordas de um violão, por exemplo, está mexendo com a região motora primária, localizada no lado esquerdo da cachola. Então, contribuirá para aprimorar sua coordenação motora em diversos exercícios diários que exigem precisão. Por outro lado, o fato de conseguir tocar acordes na hora certa — ou saber usar uma baqueta para emitir sons com uma bateria — aprimora o que chamamos de ritmo. “Isso mexe com uma estrutura mais analítica do encéfalo, responsável também pelo pensamento lógico”, ensina Mauro Muszkat, neurologista da Universidade Federal de São Paulo, a Unifesp.

Muitos pesquisadores afirmam que, para afiar as células neuronais, o melhor a fazer é realizar atividades, como tocar flauta, em vez de deixar passivamente que o estímulo — a melodia de uma composição, por exemplo — chegue até o cérebro. Mesmo assim, o ato de ouvir uma canção, comprovam estudos e mais estudos, também dá um gás às habilidades cognitivas. “A música pré-ativa várias áreas cerebrais. Com isso, ela pode facilitar o processamento de uma segunda tarefa”, revela Muszkat, da Unifesp. Isso quer dizer que fica mais fácil se concentrar e ralar a valer logo após se deleitar com uma bela harmonia. Hoje, é bastante comum ver gente trabalhando com o fone de ouvido o dia inteiro. Essa atitude, todavia, não é para todos. “Quem se envolve demais com uma melodia pode perder a atenção”, contrapõe Renato Sabbatini, neurocientista da Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista.

“FULANO ESTÁ ILUMINADO!”

Todo mundo já ouviu a expressão acima. E estar iluminado realmente dá um empurrão aos afazeres que envolvem o intelecto. Por mais incrível que pareça, estudos ao redor do mundo vêm provando que a luz é capaz de nos manter alertas. “Ela ativa o sistema nervoso como um todo”, esclarece o neurocientista Fernando Louzada, da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba. Esse efeito, no entanto, é transitório. Não vale se expor ao sol e, após algumas horas, achar que vai resolver rapidamente um complexo enigma em qualquer ambiente. Aqui, ainda devemos abrir espaço para outra ressalva: algumas pessoas lançam mão da claridade para driblar o sono. Aí, o tiro sai pela culatra. Afinal, uma das coisas mais importantes para manter o cérebro funcionando a todo vapor é passar tempo suficiente debaixo dos lençóis. “Quem dorme pouco tem dificuldade para guardar recordações e resolver problemas lógicos”, atesta Louzada.

E já que estamos falando de lógica, uma boa maneira de financiá-la é por meio das palavras que não pertencem ao vocabulário português. Pode soar estranho, mas alguns dos neurônios responsáveis pelo aprendizado de uma língua estrangeira também atuam quando buscamos solucionar uma equação. “A matemática e as linguagens são baseadas em preceitos básicos similares”, arremata Sabbatini, da Unicamp.

Só que não adianta achar que, ao falar francês, alemão ou japonês, qualquer um, como num passe de mágica, se tornaria um novo Albert Einstein (1879- 1955). “É preciso treinar matemática para saber fazer contas”, diz, botando os pingos nos “is”, Ricardo Mario Arida, neurofisiologista da Unifesp.

Para funcionar direito, o cérebro precisa ser abastecido. Até pouco tempo atrás, um dos combustíveis mais venerados pela ciência era o ômega-3, um tipo de gordura que forma grande parte das estruturas localizadas dentro da cuca. Acontece que pesquisas recentes sugerem que o tal ácido graxo, presente em peixes de água salgada, promove benesses predominantemente durante os estágios iniciais de formação do cérebro. Para ficar bem claro: uma gestante teria que comer salmão ou bacalhau para que seu filho fosse realmente beneficiado. Agora a esperança recai sobre os fl avonoides da uva, do vinho, do chocolate amargo, do morango e do mirtilo. Esse último fruto, aliás, foi tema de um experimento de Jeremy Spencer, da Universidade de Reading, na Inglaterra. O neurocientista incluiu o pequeno alimento azul no cardápio de voluntários e descobriu que eles apresentavam uma melhora na atenção. “Uma dieta rica em flavonoides ainda aumenta a capacidade da memória e pode ajudar quem sofre com transtornos cognitivos leves”, avalia Spencer para a SAÚDE!.

Os motivos por trás desse efeito não estão completamente elucidados. Uma das teorias é que o nutriente em questão catapulta os níveis do fator neurotrófico derivado do cérebro. Essa substância de nome complicado tem o poder de estimular a ramificação dos axônios, os braços dos neurônios. E isso ajuda na comunicação entre essas células. Resultado: mais rapidez e eficiência para incorporar lições e histórias. De qualquer jeito, está mais do que comprovado que os flavonoides baixam a pressão arterial e deixam os vasos elásticos. Dessa forma, o sangue fl ui sem nenhum obstáculo na extremidade superior do corpo. Daí, abastece toda a região adequadamente, elevando a performance mental. Aliás, outra prática que potencializa a vascularização é a atividade física. Entretanto, ela não para por aí. “Os exercícios aeróbicos, se praticados com regularidade, podem inclusive gerar novas células nervosas no hipocampo, contribuindo para a memória e a atenção”, garante Arida. Existem até levantamentos preliminares indicando que uma simples caminhada diária ajuda em funções como planejar e pensar de forma abstrata. Apesar de ser ainda incerto, está fundamentado pela ciência que correr, nadar ou andar de bicicleta torna o aprendizado mais natural, especialmente durante a infância e a adolescência.

A MEDITAÇÃO

Essa prática milenar já foi tida como uma das estratégias mais certeiras para manter o encéfalo funcionando a contento. Hoje, ela é vista como uma auxiliar nesse processo. “A meditação prepara o cérebro para o aprendizado por ser relaxante”, relata Sabbatini, da Unicamp. Na verdade, seu efeito é temporário — pesquisas apontam resultados superiores apenas em tarefas cognitivas feitas logo após a sessão zen. Aventurarse em partituras, numa língua nova ou mesmo na prática de uma atividade física depende muito da força de vontade do indivíduo. Bastar querer e, claro, suar os neurônios para ter, por que não?, uma mente brilhante.

O QUE NÃO DÁ CERTO

Cientistas já desenvolveram programas de computador que potencializariam nossos neurônios. Ao solucionar problemas apresentados pelo software, a pessoa ficaria com a cabeça em forma. Infelizmente, pesquisas provaram que essa atitude não traz resultados. “O indivíduo incrementa sua performance só naquilo. E em nada mais”, explica Sonia Brucki, neurologista da Academia Brasileira de Neurologia, em São Paulo. O simples ato de decorar números de telefone e nomes tem o mesmo efeito. Ou seja, a pessoa passa a memorizar com mais facilidade, contudo não explora seu raciocínio ou qualquer outra coisa.

UM É POUCO, DOIS É BOM

Revezar-se entre livros distintos pode auxiliar, e muito, a memória. “Recordar-se de dois enredos exige bastante do hipocampo”, constata o neurocientista Renato Sabbatini. E esse pedaço da massa cinzenta está encarregado exatamente do processamento das lembranças. Ao dar trabalho a ele, o espaço para estocar fatos se amplia. O único senão é que alguns indivíduos simplesmente não conseguem dar conta de Machado de Assis e Guimarães Rosa ao mesmo tempo. “É essencial armazenar as informações. Se essa simultaneidade está gerando confusão excessiva, talvez seja mais produtivo ler apenas um romance”, adverte Mauro Muszkat, neurologista da Unifesp.

O LADO POSITIVO DA MENTIRA

Para inventar uma história — e não ser pego com a boca na botija —, é necessário montar uma verdadeira estratégia de guerra. Uma pessoa não pode saber determinada versão, outra precisa conhecer somente um pedaço da narrativa... E para se lembrar de tudo então?! Todo esse exercício intelectual explica por que ludibriar os outros serve como treino para o sistema nervoso. “Alguns artigos apontam que a mentira pode, sim, aumentar a plasticidade neuronal”, revela o neurofisiologista Ricardo Mario Arida. Longe de nós querer incentivar atos desonestos. Para conquistar essa benesse sem prejudicar terceiros, invista em jogos que envolvem enganação, como detetive, truco e pôquer.

UM CHOQUE DO BEM

Por meio de eletrodos na cabeça, impulsos elétricos atingem áreas específicas da massa cinzenta. A técnica descrita atende pela alcunha de estimulação transcraniana e, de acordo com um artigo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, consegue incrementar nossas habilidades intelectuais. “Sua aplicação é só para fins terapêuticos. Pacientes com alguns tipos de demência talvez possam ser beneficiados com o procedimento”, afirma Sonia Brucki, da Academia Brasileira de Neurologia.

SÓ COM PRESCRIÇÃO

Recomendado inicialmente para indivíduos com déficit de atenção e hiperatividade, o metilfenidato acabou caindo na boca de estudantes que iam atrás de uma forcinha artificial para memorizar fórmulas, eventos históricos e tabelas químicas. Acontece que esse medicamento traz efeitos colaterais, inclusive para os neurônios. Além de viciante, ele pode provocar surtos psicóticos.

Fonte: Revista Saúde - por THEO RUPRECHT

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Como prevenir e tratar as principais doenças tropicais


Dengue

Contágio: Através da picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti.

Prevenção: Combater os focos de criação do mosquito transmissor da doença, principalmente a água que fica parada em recipientes como copos plásticos, pneus velhos, vasos de plantas etc.

Tratamento: O tratamento é sintomático, principalmente com remédios à base de dipirona e paracetamol. Não devem ser utilizados medicamentos à base de ácido acetilsalicílico. Deve-se ingerir bastante líquido. Não existem vacinas contra a dengue.

Cólera

Contágio: Através da ingestão de água contaminada por fezes ou vômito de portador da doença. Ocorre ainda pelo consumo de alimentos contaminados.

Prevenção: A principal forma de evitar a doença é a ampliação do sistema sanitário. Na ausência de tratamento adequado, é preciso ferver ou clorar a água e lavar muito bem os alimentos crus.

Tratamento: Em casos de contaminação, é importante que se inicie a hidratação o mais rápido possível, por via oral e endovenosa (aplicação na veia). O tratamento consiste no uso de antibióticos, que matam a bactéria. As vacinas existentes têm baixa eficácia e a imunização é pouco duradoura.

Doença de Chagas

Contágio: Através do contato das fezes do Trypanossoma Cruzi (ou "barbeiro") com a pele ferida ou com a mucosa do olho. Ou, ainda, pela ingestão de alimentos contaminados. A transmissão pode ocorrer também pela transfusão de sangue ou transplante de órgãos de portadores da doença.

Prevenção: Usar telas, repelentes e mosquiteiros nas residências. Lavar bem os alimentos antes de consumi-los.

Tratamento: O remédio Benzonidazol é fornecido gratuitamente pelas Secretarias Estaduais de Saúde. O tratamento dura em média 60 dias.

Esquistossomose

Contágio: Os ovos do verme são eliminados pelas fezes humanas. Em contato com a água, os ovos liberam larvas que infectam caramujos hospedeiros de água doce. Após quatro semanas, as larvas ficam livres nas águas. O contágio se dá quando o ser humano consome a água contaminada.

Prevenção: Evitar o contato com águas contaminadas pelos caramujos hospedeiros. Não existem vacinas contra a esquistossomose.

Tratamento: Remédios à base de Praziquantel e Oxamniquine. Em casos mais graves, o tratamento requer internação hospitalar e intervenção cirúrgica.

Febre amarela

Contágio: Através da picada dos mosquitos transmissores infectados.

Prevenção: A vacinação é gratuita e está disponível nos postos de saúde. É administrada em dose única a partir dos nove meses de idade e tem validade de 10 anos. Em casos de viagens para áreas de risco de transmissão da doença, a vacina deve ser aplicada com 10 dias de antecedência.

Tratamento:m 10 dias de antecedência.
O tratamento é sintomático. O paciente deve permanecer em repouso e, quando necessário, repor líquidos. Não existe remédio.


Leishmaniose

Contágio: Através da picada das fêmeas de Flebotomíneos infectadas.

Prevenção: Usar mosquiteiros e repelentes, evitar a exposição nos horários de maior atividade do vetor, como noite e crepúsculo, e limpar quintais e terrenos, eventuais criadouros do mosquito.

Tratamento: Os postos de saúde oferecem tratamento gratuito para a doença. Os remédios indicados são à base de antimônio, além de repouso e boa alimentação.

Malária

Contágio: Através da picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada por Plasmodium.

Prevenção: Usar repelentes, mosquiteiros e telas em portas e janelas. Eliminar eventuais focos de reprodução do Anopheles por meio de inseticidas.

Tratamento: Remédios à base de quinina. Nos últimos anos, algumas cepas de parasitas se tornaram resistentes a essa droga. Não existem vacinas contra a malária.

Fonte: Ministério da Saúde

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Flamengo Campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior


Flamengo Campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior 2011

Com o Estádio do Pacaembu invadido por milhares de flamenguistas, o Bahia não teve chances diante do time rubro-negro na decisão da Copa São Paulo de Futebol Júnior. O Flamengo derrotou o adversário tricolor por 2 a 1, nesta terça-feira, e conquistou o bicampeonato da competição. O técnico Vanderlei Luxemburgo, do elenco profissional, e a presidente Patrícia Amorim acompanharam a partida decisiva dos camarotes do estádio paulista e comemoram o segundo título júnior da história do clube carioca.

A última e vez que o Flamengo havia conquistado a Copa São Paulo foi em 1990, com um time formado por alguns jogadores que se tornariam grandes estrelas do futebol com a camisa rubro-negra, como o zagueiro Júnior Baiano e o meia Djalminha.

Com isso, o time rubro-negro iguala Ponte Preta, Portuguesa e Nacional, todos com dois títulos da Copa São Paulo. O maior vencedor da competição é o Corinthians, com sete títulos. O Fluminense, rival do Fla, vem logo atrás com cinco títulos. O Vasco foi campeão apenas em uma oportunidade, já o Botafogo jamais foi campeão da Copa SP.

Do atual time Sub-18 que disputou a Copa São Paulo 2011, alguns jogadores já são aproveitados por Luxemburgo no elenco profissional. Negueba e Muralha, por exemplo, buscam um lugar no time principal da Gávea.

Debaixo de muito sol em uma manhã festiva em São Paulo por conta da comemoração dos 457 anos da cidade, quem abriu o marcador no Pacaembu foi o Flamengo. Logo aos 7min de jogo, após cobrança de escanteio, a bola sobrou para o zagueiro e capitão Frauches. O defensor dominou, ajeitou a bola e soltou a bomba, acertando ângulo esquerdo do goleiro Renan para fazer um golaço.

O gol de empate da equipe baiana veio ainda no primeiro tempo. Aos 28min, após confusão na área, Rafael é atingido por Marllon e o árbitro apontou pênalti. O próprio Rafael cobrou e converteu, marcando seu sexto gol na Copa São Paulo.

Depois de um primeiro tempo com um certo domínio do Flamengo, o Bahia voltou para a segunda etapa melhor. Com um jogo equilibrado e com muitas chances de ambos os lados, em um contra-ataque, o Flamengo aproveitou e voltou a ficar á frente no placar. O atacante Thomaz, que havia acabado de entrar no lugar de Lucas, foi empurrado dentro da área. O árbitro marcou pênalti. Negueba cobrou com categoria e fez o gol do título da equipe rubro-negra, o segundo da história do Flamengo.

FICHA TÉCNICA

Flamengo 2 x 1 Bahia

Gols
Flamengo: Frauches, aos 7min do 1º tempo, e Negueba aos 22min do 2º tempo
Bahia: Rafael, aos 30min do 1º tempo

Flamengo
Cesar; Alex, Marllon, Frauches e Anderson; Muralha, Negueba, Lorran e Adryan (João Pedro); Rafinha (China) e Lucas (Thomas). Técnico: Ademir Fonseca

Bahia
Renan; João Marcos (Valson), Dudu, Beton, Laércio, Anderson, Fernando (Rodrigo Thompson), Brendon (Joeliton), Filipe, Fábio e Rafael. Técnico: Laelson Lopes

Cartões amarelos

Flamengo: Marllon, Frauches e Anderson
Bahia: Filipe

Cartões vermelhos
Bahia: Dudu

Árbitro
Vinícius Furlan

Local
Estádio do Pacaembu, São Paulo (SP)

Fonte: www.terra.com.br

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Dicas para fugir do sedentarismo


Dez dicas para fugir do sedentarismo no dia a dia

1. Não fique parado. Se trabalhar em um escritório, levante-se a cada 30 minutos e caminhe um pouco.

2. Suba pela escada até três andares, e desça até cinco. Ou mais, se o preparo físico permitir (por favor, sem salto alto, pois isto desequilibra e pode levar a quedas e entorses. Também não é adequado para quem tem doença ortopédica em joelhos e tornozelos).

3. Guarde o controle remoto da televisão à noite. Isso obrigará você a caminhar para trocar de canal, justamente após o jantar, ajudando o processo de digestão.

4. Se utilizar ônibus ou metrô desça uns 500 metros antes do trabalho ou da escola, para caminhar um pouco (desde que a segurança o permita).

5. Em shoppings, vá pela escada.

6. Faça ginástica laboral em seu escritório ou demais ambientes de trabalho. Se não houver, sugira que seja criada.

7. Faça pequenos serviços domésticos. Limpe a casa (300 kcal/hora); passeie com o cachorro (150 kcal); toque bateria, se os vizinhos não se incomodarem (110 kcal); arrume a cama (60 kcal/hora).

8. Limite o uso do automóvel para saídas superiores a um quilômetro, exceto se tiver de carregar muitas compras ou outros objetos pesados.

9. Faça alguns alongamentos a cada hora, ainda que esteja sentado em sua cadeira no escritório. Ajuda a relaxar, melhora a concentração e queima calorias (principalmente se você trabalha muito tempo ao computador).

10. Não combine horas à frente da televisão com alimentos que só engordam. Levante-se, caminhe um pouco e, se tiver fome, prefira frutas a salgadinhos, biscoitos e outras tentações (se não tiver jeito, coma gorduras boas - nozes, amêndoas ou castanha do Pará). Sua saúde agradecerá!

domingo, 23 de janeiro de 2011

Quem anda rápido vive mais



Quem anda rápido vive mais

Run, Forrest, run! Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos EUA, descobriram que a velocidade em que você anda pode ser um bom indicador de quantas velinhas de aniversário você vai assoprar na vida. Segundo eles, quem anda rápido tende a viver mais tempo. E dizem isso com base na análise de nove pesquisas anteriores, que examinaram a velocidade, o sexo, a idade, o peso e o histórico médico de quase 35 mil pessoas. Entre elas, as que andavam 1 metro por segundo viviam “consistentemente” mais do que outras da mesma idade, mas que se moviam mais lentamente (a média das pessoas com expectativa de vida normal era 0,8 metros por segundo). E os números foram especialmente precisos entre os voluntários com mais de 75 anos. Não que você vá ganhar uns anos a mais de vida se começar, de repente, a correr por aí. Na verdade, a predileção por andar rápido ou devagar é natural. “Sair e andar mais rápido não significa, necessariamente, que você vai viver mais”, diz a líder do estudo, Stephanie Studenski. A expectativa de vida aumenta porque quem se move com mais agilidade – em especial as pessoas de idade mais avançada – demonstra vitalidade e saúde em dia. “Seu corpo escolhe a velocidade ideal para você, e essa é a sua velocidade, o seu indicador de saúde”.

Fonte: Revista Superinteressante – por Thiago Perin

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Alimentos para retardar o envelhecimento


Nove alimentos tops para retardar o envelhecimento

Embora a genética desempenhe um papel importante na determinação da velocidade que nós envelhecemos, os fatores ambientais desempenham um papel ainda maior. Fatores ambientais incluem clima, toxinas que estamos expostos e o fumo passivo. Mas, os fatores ambientais também incluem as escolhas do estilo de vida. Essas são decisões que nós escolhemos fazer – ou não. Isso inclui se nós fumamos ou fazemos exercícios. Mas a escolha mais importante nós fazemos todos os dias, é o que e quanto nós comemos. Essas escolhas podem, literalmente, afetar a nossa velocidade de envelhecimento.

A qualidade das nossas calorias é tão importante quanto à quantidade. Nossas escolhas alimentares devem ser carregadas com o maior valor nutricional por caloria.

Alimentos altamente processados e refinados (farinha branca, arroz branco, açúcar branco e macarrão) são carregados com calorias, mas sem valor nutricional.

Segue a lista com os grupos de alimentos ricos em antioxidantes e nutrientes densos para um Envelhecimento Positivo que pode ajudar a reduzir seu relógio enquanto você está tentando ou não perder peso.

1. Frutas anti-envelhecimento: embora todas as frutas sejam em geral, excelentes fontes de nutrientes anti-envelhecimento, romãs, blueberries, ameixas e uvas roxas. As romãs se destacam, pois contêm a forma mais concentrada de antioxidantes das frutas. As ameixas contém boro, um mineral pensado para desempenhar um papel chave na prevenção da osteoporose. Junto com as ameixas, as uvas roxas também contêm componentes fenólicos. Essas ricas reservas de antioxidantes reduzem a incidência de doenças do coração por redução do processo de oxidação e por baixar os níveis do colesterol LDL.

Blueberries contém componentes que não só evitam a perda dos prejuízos da memória e da coordenação motora decorrentes da idade, mas podem realmente ajudar a reverter o processo. As unidades contêm antocianina, um antioxidante que triplica o poder da vitamina C. Esse fitoquímico é conhecido por bloquear o envelhecimento celular causador do câncer e os efeitos de muitas doenças relacionadas à idade. Frescas ou secas, ameixas e uvas estão disponíveis durante o ano todo e oferecem uma maneira deliciosa de proteger o organismo contra os radicais livres, cânceres e outras doenças do coração.

2. Vegetais anti-envelhecimento como tomate, abóbora, espinafre e outros folhosos verdes são excelentes fontes de lipídeos solúveis antioxidantes, significando que eles são armazenados no organismo. Os vegetais ricos em carotenóides (identificados por sua típica cor laranja-amarelado) são, talvez, os mais conhecidos por sua capacidade em ser convertidos em vitamina A, um aliado poderoso no anti-envelhecimento. Essencial para a saúde da visão, a vitamina A desempenha vários papéis na manutenção dos tecidos. É um poderoso antioxidante com efeitos que aumenta a função do sistema imune, oferecendo proteção contra queimaduras solares e inibindo o desenvolvimento de certos tipos de cânceres. A vitamina A está envolvida também na formação e manutenção da saúde da pele e do cabelo.

3. Os grãos inteiros são uma poderosa fonte de nutrientes anti-envelhecimento. Eles contêm muitos dos mesmos antioxidantes encontrados em frutas e vegetais. Do fubá até o trigo e o arroz integral, os grãos inteiros são variados na forma e sabor e rico em proteínas, carboidratos complexos e fibras.

4. Salmão e linhaça contém ômega 3, ácidos graxos essenciais. Já que nosso corpo não os produzem, eles são essenciais e nós devemos incluí-los na nossa dieta. Além de ajudar no nosso humor e função do cérebro, os ômega-3 são vitais para uma pele, cabelo e coração saudável. Além de peixes de água fria, como salmão, arenque e cavala, que são excelentes fontes, o ômega-3 também é encontrado em algas marinhas, agrião, semente de linhaça, nozes e amêndoas.

5. Leguminosas. O grupo mais barato de alimentos anti-envelhecimento tem benefícios inestimáveis. Centenas de feijões, ervilhas, amendoim e lentilhas pertencem à família das leguminosas. Uma excelente fonte de fibras, as leguminosas também são ricas em ácido fólico, cálcio, ferro, potássio, zinco e antioxidantes. Além disso, suas proteínas e carboidratos complexos fornecem energia por horas.

A família do feijão tem uma incomparável quantidade de fibras solúveis. Uma porção diária de feijões cozidos pode baixar os níveis sanguíneos de colesterol em até 18%, diminuindo assim o risco de doença cardíaca. A maioria das leguminosas contém proteases inibitórias. Outras leguminosas, como amendoim, contém resveratrol, um antioxidante que combate as doenças cardíacas por diminuir a oxidação do colesterol LDL e prevenir a coagulação do sangue. Amendoins também contêm fitoesteróis, que desempenham um papel protetor no combate ao câncer.

6. Nozes e sementes são adições bem vindas em uma dieta anti-envelhecimento. É verdade que a maior parte de suas calorias são de gorduras, sendo o que nós precisamos para uma saciedade inteligente. Mas, em conjunto com uma dieta de frutas e vegetais frescos, proteína magra e grãos inteiros, as nozes e sementes promovem proteção contra doenças cardíacas e uma possível redução da pressão sanguínea. Elas também são ricas em proteínas e muitas das nozes também contém gorduras essenciais como o ômega 3.

Como amendoim, abacate e alimentos a base de soja, muitas nozes e sementes também contém fitoesteróis, os “clones do colesterol”. Os fitoesteróis não só promovem a saúde cardíaca mas também são pensados para retardar a produção celular no intestino grosso, possibilitando assim a prevenção do câncer de colo.

7. Chá e cacau: ambos, tanto o chá verde e preto são excelentes fontes de potentes polifenóis, fortes antioxidantes com benefícios cardioprotetores, incluindo diminuição na absorção do colesterol, diminuição da atividade plaquetária e redução na oxidação do LDL colesterol. O chá verde também aparece para combater algumas células cancerígenas.

Grama por grama, o cacau em pó natural apresenta a maior concentração de antioxidantes de todos. Os antioxidantes que eles contêm ajudam a reduzir as doenças cardíacas. Eles também são responsáveis pela dilatação do vaso sanguíneo, promovendo o fluxo sanguíneo e reduzindo o risco de doenças cardíacas.

8. Azeite de oliva: Essa gordura saudável contém a maioria dos melhores nutrientes anti-envelhecimento. A primeira pressão ou azeite extra virgem tem uma alta concentração de vitamina E, ômega 3 e muitos antioxidantes. Escolha o azeite extra virgem para pratos prontos. Os azeites de oliva não extra virgens contém baixas concentrações de nutrientes anti-envelhecimento, mas eles resistem a altas temperaturas, necessárias para o cozimento. Eles também têm um sabor suave e podem ser usados em doces. Como outras gorduras boas encontradas no abacate e em nozes e sementes, o azeite de oliva é rico em calorias, devendo ser utilizados em pequenas quantidades, especialmente na tentativa de perda de peso.

9. Especiarias e ervas: Uma grande variedade de especiaria e ervas são essenciais na despensa anti-envelhecimento. A canela contém um componente que torna mais sensíveis a insulina. Açafrão contém um potente antioxidante com propriedades anticarcinogênicas e os oréganos têm benefícios antibióticos. Outros temperos ricos em antioxidantes incluem cominho, alho, lavando, hortelã, cebola, alecrim e açafrão.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Atleta de fim de semana


Atleta de fim de semana

Mexa-se! Vale a pena

Embora torçam o nariz, os médicos já admitem que a prática de atividade física, mesmo restrita ao fim de semana, é muito melhor do que o "dolce far niente" (não fazer nada).

Você se inscreveu na academia e prometeu que, desta vez, ia seguir a programação do professor de Educação Física. Só que, como já aconteceu, a falta de tempo e os compromissos diários acabaram com seu ânimo. Tudo bem. Viva Saúde tem uma boa notícia: praticar esportes nas horas de folga do sabadão ou domingo, pode ser a solução para quem busca qualidade de vida.

Os médicos realmente não concordam com a prática de esportes concentrada em apenas um dia. Mas se essa é a única opção que você tem, eles até recomendam — mas, obviamente, com restrições. “Entre ficar parado e praticar exercícios físicos apenas nos dias de lazer, a orientação é se exercitar. O cuidado, então, será praticá-los de forma moderada e com conhecimento técnico básico”, alerta o cardiologista Carlos Hossri, responsável pelo Programa de Reabilitação Cardiopulmonar do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo.

Considerado um grave problema de saúde, o sedentarismo afeta 80% da população mundial. Dados do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs) mostram que o exercício moderado diminui o risco de morte em 28% nos homens e 35%, nas mulheres. Segundo o médico, o problema é passar dos limites, empregando um esforço exagerado. Aí as chances de surgirem problemas de saúde, como lesões mais graves, crises de hipertensão, desidratação e até o popular malsúbito são bem maiores — como comprovado em uma pesquisa divulgada no Jornal Americano de Epidemiologia.

CAMINHADA E BICICLETA

• Para quem começa, o mais indicado é a caminhada e sempre até as 10 horas ou após as 16 horas.
• Use o calçado indicado e roupas confortáveis.
• Faça sempre alongamento durante dez minutos, antes e depois. Inicie com uma corrida leve e progressiva até aquecer a musculatura e sentir a estabilização do ritmo cardíaco.
• No caso de corridas, se você nunca correu, comece com uma caminhada.
• Respeitadas essas dicas, a bicicleta pode ser uma companheira excelente nas horas de lazer — mas não se esqueça dos apetrechos de segurança (capacete, por exemplo).

O risco do atleta de fim de semana é que a falta de prática faz com que ele não tome cuidados básicos essenciais. Muitas vezes, parte para as atividades sem consultar seu médico, fazer exames clínicos e até alongamento. “Na ânsia de recuperar o tempo perdido, fazem exercícios de impacto, podendo ser vítimas de problemas cardiovasculares”, afirma Luís Carlos de Oliveira, professor de Educação Física e instrutor de pesquisa do Celafiscs. Para piorar, não é raro que exageros na alimentação acompanhem o treino, os exercícios e as jogadas desses ex-sedentários. Sabe o futebol regado a cerveja e churrasco do fim de semana? Nem pensar. Frituras e doces, que aumentam o colesterol e desequilibram a taxa de glicose no sangue, também devem ser abolidos. Para não errar e comprometer a saúde, a palavra de ordem é moderação.

BASQUETE E FUTEBOL

• Capriche no aquecimento e no alongamento, que pode durar até dez minutos.
• Depois, exercite os fundamentos do esporte. No caso do futebol, por exemplo, chutes; no basquete, arremessos; na corrida, o ritmo dos passos etc. Aí comece, de fato.
• Controle sempre a freqüência cardíaca. O cálculo é fácil de fazer: subtraia sua idade do número 220. O número obtido é a freqüência cardíaca recomendada para sua faixa etária, mas o ideal é que os batimentos sejam 60% desse resultado — em qualquer prática esportiva.

O cardiologista Carlos Hossri explica que, antes de se optar por qualquer esporte, a pessoa deve consultar um médico. Especialmente se for sedentária. No caso dos homens, a atividade física só é liberada desde que tenham idade inferior a 35 anos. Para as mulheres, 45 anos. Mas a recomendação só vale caso não tenham problemas cardía cos na família nem apresentem hipertensão, colesterol elevado, não sejam obesos e nem fumem. Uma dica valiosa para saber a quantas anda a sua saúde é olhar para a barriga. É isso mesmo. Sua barriga diz muito a respeito dos seus hábitos de vida. Mas tem que olhar e medir. “O alerta de perigo está em mulheres que tenham mais de 80 cm de circunferência nessa região e em homens, acima de 94 cm”, explica o médico. Nesses casos, os cuidados devem ser redobrados para a liberação de uma atividade esportiva. Sobretudo porque, com o exercício, as células cardíacas ficam mais excitadas e provocam maior descarga de adrenalina — o que aumenta a freqüência cardíaca e seu descompasso. “Há o risco de tromboses e infartes”, afirma Carlos Hossri, do HCor.

Estudos da Clínica Cooper, nos Estados Unidos, reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mostram que a prática regular de atividade física de fato traz inúmeros benefícios para a saúde. O ideal é se exercitar por, no mínimo, 30 minutos seguidos ou acumulados, cinco vezes por semana. No caso de crianças e adolescentes até 18 anos, o período recomendado é de 1 hora diariamente, segundo a Sociedade Americana de Pediatria. Se a dúvida é qual modalidade praticar, a caminhada é a mais indicada. Não tem contra-indicações e ainda auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares, no controle da ansiedade e do peso.

NATAÇÃO

• Como nos demais esportes, nunca esqueça do alongamento e aquecimento prévios para evitar lesões.
• Não tente nadar sem saber. Aprenda primeiro, pratique depois. E isso vale para todos os esportes.
• Respeite os limites do seu corpo, pois ele mostra cansaço.
• Não nade em jejum. Faça uma refeição leve uma hora antes do exercício e evite bebida alcoólica.
• Na natação, não esqueça de usar protetor solar, óculos apropriados e tampão de ouvido. Ao menor sinal de cansaço muscular, saia da água para evitar cãibras.


EXAMES QUE NÃO DEVEM FALTAR
Antes de iniciar uma atividade física, você precisa consultar um médico que, provavelmente, vai pedir uma bateria de exames. Entre os mais comuns, estão: ecocardiograma, que verifica o funcionamento das válvulas e do músculo cardíaco; laboratoriais, como de sangue (para análise dos níveis de colesterol, triglicéride, diabetes, anemia e até infecções), além do teste ergométrico, que avalia o ritmo cardíaco e a pressão arterial diante do esforço. Dependendo dos resultados, o médico vai aconselhar o exercício mais indicado para o seu caso e seu estilo de vida.

Fonte: Revista Viva Saúde - POR SUCENA SHKRADA RESK

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Que letra está faltando no texto?


Que letra está faltando no texto?

Sem nenhum tropeço posso escrever o que quiser sem ele, pois rico é o português e fértil em recursos diversos, tudo isso permitindo mesmo o que de início, e somente de início, se pode ter como impossível. Pode-se dizer tudo, com sentido completo, mesmo sendo como se isto fosse mero ovo de Colombo.

Desde que se tente sem se pôr inibido pode muito bem o leitor empreender este belo exercício, dentro do nosso fecundo e peregrino dizer português, puríssimo instrumento dos nossos melhores escritores e mestres do verso, instrumento que nos legou monumentos dignos de eterno e honroso reconhecimento.

Trechos difíceis se resolvem com sinônimos. Observe-se bem: é certo que, em se querendo esgrime-se sem limites com este divertimento instrutivo. Brinque-se mesmo com tudo. É um belíssimo esporte do intelecto, pois escrevemos o que quisermos sem o "E" ou sem o "I" ou sem o "O" e, conforme meu exclusivo desejo, escolherei outro, discorrendo livremente, por exemplo, sem o "P", "R" ou "F", o que quiser escolher, podemos, em corrente estilo, repetir um som sempre ou mesmo escrever sem verbos.

Com o concurso de termos escolhidos, isso pode ir longe, escrevendo-se todo um discurso, um conto ou um livro inteiro sobre o que o leitor melhor preferir. Porém mesmo sem o uso pernóstico dos termos difíceis, muito e muito se prossegue do mesmo modo, discorrendo sobre o objeto escolhido, sem impedimentos. Deploro sempre ver moços deste século inconscientemente esquecerem e oprimirem nosso português, hoje culto e belo, querendo substituí-lo pelo inglês. Por quê?

Cultivemos nosso polifônico e fecundo verbo, doce e melodioso, porém incisivo e forte, messe de luminosos estilos, voz de muitos povos, escrínio de belos versos e de imenso porte, ninho de cisnes e de condores.

Honremos o que é nosso, ó moços estudiosos, escritores e professores. Honremos o digníssimo modo de dizer que nos legou um povo humilde, porém viril e cheio de sentimentos estéticos, pugilo de heróis e de nobres descobridores de mundos novos.

Descobriu?


Não???


Então aqui vai......


Não tem a letra A em nenhum lugar!! Incrível.


Autor desconhecido

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O esporte que tem a sua cara


O esporte que tem a sua cara

Que todas as atividades físicas fazem bem ao corpo e à mente, ninguém duvida. Mas um deles, além desses benefícios, combina exatamente com o seu perfil

Os especialistas são unânimes em afirmar: abandonar a vida sedentária é fundamental para prevenir doenças, garantir mais disposição e bem-estar. Em geral, a prática de um esporte conduz a uma melhora na capacidade cardiorrespiratória e na circulação, fortalece a musculatura, os tendões e até os ossos, deixando o corpo mais protegido contra lesões, torções e fraturas. “A prática regular de um esporte recreativo — aquele não-competitivo — diminui o risco de doenças como a hipertensão, o acidente vascular cerebral (AVC) e o diabetes”, complementa o educador físico Luis Carlos de Oliveira, instrutor de pesquisa do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs).

Tudo isso sem falar nos ganhos estéticos, como o controle do peso, o enrijecimento e a definição da musculatura. “Quem faz algum exercício regularmente garante mais quantidade e qualidade de vida”, resume Ricardo Munir Nahas, diretor científico da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME).

Os benefícios de uma atividade física regular se estendem à saúde mental. “O esporte funciona, muitas vezes, como um treino para a vida prática e propicia situações que permitem o conhecimento do próprio corpo e uma consequente melhora da autoimagem e da autoconfiança”, explica Eliane Jany Barbanti, coordenadora do Núcleo de Psicologia do Esporte e Atividade Física (NUPSEA), da USP.

Mas, se são capazes de trazer inúmeros ganhos para a saúde do corpo e da mente, é importante saber que os exercícios se diferenciam entre si no que diz respeito a resultados específicos. Por isso, é tão importante fazer uma escolha acertada entre as várias modalidades disponíveis, antes mesmo de começar a treinar. Para cada objetivo, existem atividades que são mais indicadas, pelo tipo de trabalho físico que proporcionam. De acordo com a sua meta, é possível estabelecer uma rotina de treinos personalizada, que vai garantir resultados mais rápidos e eficazes.

SE O SEU OBJETIVO É...

...EMAGRECER

A melhor pedida: CICLISMO. A atividade permite um gasto energético alto — de até 600 kcal/hora — mas, ao contrário da corrida, não oferece tanto impacto, o que poderia causar a sobrecarga das articulações, especialmente no caso de pessoas que estão acima do peso. Também proporciona um ganho considerável de condicionamento físico, resultado que pode ser percebido logo nas primeiras semanas de prática. Pernas, glúteo, abdome e os músculos da região lombar são os mais trabalhados durante o exercício.

Frequência e duração mínima: 3 vezes por semana, começando com 30 minutos de atividade e aumentando gradualmente — cerca de 5 minutos a cada semana —, de acordo com o ganho de resistência. Durante a prática, é importante respeitar os limites do seu condicionamento físico: dores, desconfortos e cansaço excessivo devem servir como alerta. Se não está acostumado a pedalar, evite subidas e maneire na intensidade do exercício, pelo menos nas primeiras semanas de treino.

Cuidados: para andar na rua, os equipamentos de proteção — como capacete, cotoveleiras, joelheiras, faróis e roupas apropriadas — são indispensáveis. O principal risco da atividade está relacionado à queda, que não raro provoca cortes, torções e fraturas. Quem tem labirintite, portanto, deve evitar a prática, já que a falta de equilíbrio pode precipitar um acidente desse tipo. A atividade também é contraindicada para pessoas com problemas cardiorrespiratórios agudos ou que apresentem lesões sérias na coluna ou nas articulações, especialmente nos joelhos.

...AUMENTAR A RESISTÊNCIA

A melhor pedida é: CORRIDA. “A atividade possibilita que o condicionamento físico seja muito facilmente adquirido”, garante o educador físico Luis Carlos de Oliveira. Quem pratica regularmente conta, além dos benefícios cardiovasculares, com uma significativa queima calórica — que pode se traduzir na manutenção do peso ideal — e com uma melhora no tônus muscular, especialmente dos membros inferiores.

Frequência e duração mínima: 3 vezes por semana, começando com 30 minutos de atividade e aumentando gradualmente — cerca de 5 minutos a cada semana —, de acordo com o ganho de resistência e condicionamento físico.

Cuidados: é importante trabalhar dentro da frequência cardíaca adequada, determinada na avaliação física. O acompanhamento pode ser feito por meio de um frequencímetro — instrumento eletrônico utilizado para medição dos batimentos — ou mesmo valendo-se da velha regra de contar as pulsações, encostando os dedos no pulso ou no pescoço, logo abaixo do maxilar. Pessoas com cardiopatias ou problemas respiratórios graves só podem se submeter à atividade após uma cuidadosa avaliação médica. Lesões articulares poderão ser agravadas pela corrida, já que o exercício oferece bastante impacto.

...SAIR DA FAIXA DE SEDENTARISMO

A melhor pedida é: CAMINHADA. O exercício envolve movimentos básicos e não exige condicionamento prévio.
Além disso, proporciona menos impacto, o que diminui os riscos de lesões. “É a atividade com o menor número de contraindicações. Ela é recomendada até para pacientes em fase de reabilitação de doenças cardiovasculares”, garante o educador físico Luis Carlos de Oliveira. A caminhada possibilita um ganho de condicionamento gradual e auxilia no controle de diversas doenças, como o diabetes e o colesterol. Dependendo da frequência e da intensidade da prática, o exercício também ajuda a perder peso e a tonificar a musculatura, especialmente dos membros inferiores.

Frequência e duração mínima: 30 minutos de atividade física, todos os dias, são suficientes para garantir mais qualidade de vida e ajudar a proteger a saúde. O tempo de atividade pode ser fracionado em três períodos de dez minutos, sem prejuízo nenhum para a melhora da capacidade cardiorrespiratória. Porém, para usufruir dos benefícios desse esporte, é necessário que os passos sejam ritmados e constantes. “Se a pessoa estiver conseguindo pronunciar frases inteiras sem dar uma paradinha para tomar fôlego entre uma palavra e outra, é porque ainda está caminhando devagar demais”, explica o educador físico Sandro Veríssimo.

Cuidados: a avaliação médica, antes do início da atividade, é fundamental. “Mesmo a caminhada pode ser um exercício bem intenso e, caso a pessoa tenha alguma patologia desconhecida, há o risco de desenvolver um problema mais sério”, alerta Sandro.
Cardiopatias graves ou problemas respiratórios já detectados, bem como lesões de articulações e problemas de locomoção podem dificultar a prática do exercício e, nesses casos, o acompanhamento individualizado é recomendado.

...GANHAR MASSA MUSCULAR

A melhor pedida é: MUSCULAÇÃO. A atividade resistida, feita com o auxílio de pesos, é fundamental para garantir o aumento do volume do músculo. O treinamento, em geral, prevê cargas maiores e menos repetições. Mas, além do resultado óbvio, o exercício oferece inúmeros outros benefícios. A postura melhora e diminuem muito os riscos de sofrer de problemas de coluna, torções e lesões nas articulações, uma vez que os músculos fortalecidos acabam servindo de apoio para essas estruturas mais delicadas. Além disso, a prática prepara o coração para esforços intensos.

Frequência e duração mínima: 3 vezes por semana, intercalando os grupos musculares de modo que haja um intervalo mínimo de 48 horas para cada músculo trabalhado. “O intervalo é tão importante quanto a atividade, porque é preciso que as fibras musculares rompidas se refaçam, justamente o que proporciona o aumento do volume do músculo”, explica o educador físico e personal trainer Sandro Veríssimo. A duração e a intensidade do treino variam de acordo com o nível de condicionamento e a idade, entre outros fatores. Por isso, cada praticante deverá ser orientado de forma individualizada.

Cuidados: para evitar lesões, é imprescindível o acompanhamento de um educador físico, que vai observar se as posturas para os exercícios estão corretas, além de indicar a carga e o número de repetições mais adequados. E atenção: é importante que todos os grupos musculares sejam trabalhados no treino, para que não haja nenhum tipo de descompensação das articulações ou mesmo da coluna.
O aquecimento da musculatura, minutos antes de utilizar os aparelhos, também é fundamental. Assim como o ciclismo, ela só está contraindicada para pessoas com problemas cardiorrespiratórios agudos.

...TER MAIS DISPOSIÇÃO

A melhor pedida é: NATAÇÃO. O esporte melhora o condicionamento físico, a flexibilidade e até a coordenação motora. Além disso, a natação é uma das poucas atividades que promovem um trabalho muscular mais generalizado: ombros, costas, braços, peitoral, glúteo, pernas e abdome são bastante solicitados durante o exercício. A pressão naturalmente exercida pela água ainda dá uma mãozinha à circulação. E o melhor: tudo isso sem sobrecarregar as articulações e provocar dores no pós-treino, já que o impacto é muito pequeno.

Frequência e duração mínima: 3 vezes por semana, com aulas de 50 a 60 minutos.

Cuidados: além da consulta com um clínico geral, será necessário passar também por uma avaliação com um dermatologista antes de começar a treinar. Maiôs confortáveis, meias com sola antiderrapante e óculos de natação podem facilitar a prática. A touca protetora é item obrigatório.
A atividade está contraindicada para pessoas com problemas cardiorrespiratórios agudos ou que apresentem lesões articulares sérias, pois o impacto é muito pequeno na água, mas ainda assim existe. Quem sofre de crises de labirintite também corre o risco de apresentar certo desconforto durante as aulas, já que os exercícios na piscina exigem mais equilíbrio.

...AUMENTAR A FLEXIBILIDADE E A CONSCIÊNCIA CORPORAL

A melhor pedida é: ALONGAMENTO. Ao contrário do que se imagina, esse tipo de atividade, além dos ganhos óbvios para a flexibilidade e a amplitude dos movimentos, trabalha a resistência muscular e envolve um gasto energético significativo — até 300 kcal podem ser perdidas em uma hora de atividade! “O alongamento também ajuda a proteger articulações e até a própria musculatura de lesões e torções”, complementa o educador Sandro Veríssimo. Com o aumento da consciência corporal proporcionada pelo exercício, a postura tende a melhorar, assim como a coordenação motora, e os movimentos tornam-se mais ágeis.
Quando combinado ao relaxamento, o alongamento potencializa sua ação redutora da ansiedade, do estresse e da fadiga.

Frequência e duração mínima: 3 vezes por semana, 60 minutos por dia.

Cuidados: durante a prática, é importante respeitar os limites do seu corpo e parar de forçar o movimento ao perceber qualquer tipo de dor ou desconforto. O ganho de flexibilidade é lento e gradual. Quem tem desvios sérios na coluna ou sofre de labirintite poderá ter dificuldades no momento de experimentar algumas posições e precisará de uma atenção especial durante a prática.


...FAZER AMIGOS

A melhor pedida é: ESPORTES COLETIVOS, como o basquete, o vôlei e o futebol, que ajudam a trabalhar as noções de cooperação e de trabalho em grupo, favorecendo a aproximação espontânea com outros participantes. A prática regular também favorece o aumento do condicionamento físico, da força e da coordenação motora, o controle do peso e o fortalecimento da musculatura de regiões específicas, que variam de acordo com os movimentos mais exigidos em cada modalidade.

Frequência e duração mínima: 3 vezes por semana, começando com 30 minutos de atividade e aumentando gradualmente — cerca de 5 minutos a cada semana —, de acordo com o ganho de condicionamento.

Cuidados: como o contato é maior entre os praticantes e o nível de impacto não é desprezível, há um risco proporcional de sofrer traumas e quedas. Por isso mesmo, o ideal é optar por esse tipo de exercício depois de se submeter a treinamentos específicos para aumentar a resistência cardiorrespiratória e o tônus muscular. “Dessa forma, o corpo estará mais protegido de lesões e mesmo de fraturas de ossos, ligamentos e tendões”, explica Sandro. Pessoas com cardiopatias avançadas, problemas de pressão alta, quadros de labirintite ou lesões de coluna e articulares mais graves devem evitar esse tipo de atividade.

Fonte: Revista Viva Saúde - Por Rita Trevisan

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Filhos de políticos nas escolas públicas


Filhos de políticos nas escolas públicas

Como melhorar a educação? Obrigando presidente, governadores, prefeitos e parlamentares a testar o ensino público - com suas próprias crianças

Quanto custa estudar no Brasil? Depende. Se você estiver entre os 20% mais ricos da população, vai chegar ao fim de 20 anos de colégio e faculdade com uma formação de aproximadamente R$ 250 mil. Isso significa cerca de R$ 1 mil por mês. Nessa conta entram o dinheiro que você tira do próprio bolso para pagar as mensalidades e a contribuição que o governo faz (com investimento em universidades estatais e deduções de imposto). Agora, se você fizer parte dos outros 80%, sua educação receberá um investimento bem menor: o equivalente a R$ 116 por mês. Esse é o total gasto pelo país por aluno para manter as escolas públicas, onde não se passa muito tempo. Em média, essa parte da população completa só 5 anos de estudo formal, geralmente entre os 7 e os 11 anos de idade.

Ou seja: enquanto ricos estudam em escolas de qualidade por um longo tempo, o resto estuda por pouco tempo em escolas ruins. Como senador, tenho um projeto que pretende amenizar essa desigualdade. Minha proposta é a de que políticos eleitos - vereadores, prefeitos, deputados, senadores e o presidente - fiquem obrigados a matricular seus filhos em escolas públicas. Caso contrário, perderão seu mandato. O projeto já foi apresentado e agora espera avaliação do Senado e da Câmara.

No Brasil do passado, só classes com influência tinham vaga nas boas escolas públicas. Filhos de pobres não estudavam, ou frequentavam colégios particulares mantidos pela Igreja Católica, como seminários. Hoje filhos de eleitos estão entre os 20% mais ricos, em geral. E vão a colégios particulares.

Em lugares como Reino Unido e Cingapura, políticos nem pensam em colocar os filhos em escolas particulares. Os eleitores não aceitariam essa escolha, porque ela significaria ignorar a boa qualidade das escolas públicas de lá. Se um político é descoberto matriculando o filho no ensino privado, acaba nos jornais. Tem de se desculpar publicamente e transferir a criança para uma instituição pública.

Se políticos brasileiros tiverem de matricular os filhos em escolas públicas, elas receberão mais atenção dos governantes. O resultado será um ensino de qualidade para todos. E um país mais próximo dos princípios republicanos, com uma sociedade unida, sem divisão entre aristocracia e plebe. Há quem diga que essa obrigação fere a liberdade do político. Mas todo cidadão é livre para não ser candidato. Se ele opta pela vida pública, deve assumir obrigações. Esse seria só mais um de seus compromissos com os eleitores, com a nação e com a República.


Autor: Cristovam Buarque - professor de economia da Universidade de Brasília e senador pelo PDT/DF.

sábado, 15 de janeiro de 2011

O vestibular e a propaganda do Governo Estadual


O vestibular e a propaganda do Governo Estadual

Política de cotas

O objetivo deste artigo é chamar a atenção da sociedade para a propaganda enganosa promovida pelo Governo do Estado sobre a "melhoria" na educação pública.

No último 07 de janeiro, foi divulgado o resultado do vestibular 2011 da UFS. Está no site oficial www.agencia.se.gov.br a seguinte falácia
"O sucesso dos alunos da rede pública estadual no vestibular 2011 da Universidade Federal de Sergipe (UFS), é fruto do esforço do Governo do Estado, por meio da Secretária de Estado da Educação, que proporcionou todas as condições necessárias para que eles pudessem obter aprovação em um curso superior". A afirmação é do secretário de Estado da Educação, Belivaldo Chagas, que fez questão de acompanhar de perto o resultado da divulgação do listão dos aprovados na UFS, no Colégio Atheneu Sergipense, junto com os alunos e professores.

Mais uma vez o Governo do Estado tenta fazer parecer meritoso o resultado do vestibular obtido pelos alunos da rede pública. Para dar mais fundamentação ao nosso texto, poderíamos transcrever integralmente a nota da agência de comunicação do Estado, onde o orgulhoso secretário de educação enumera diversas ações do governo que, segundo ele, foram responsáveis pelo sucesso dos estudantes. Em vez disso, divulgamos aqui o endereço eletrônico para que o leitor confira pessoalmente
http://www.agencia.se.gov.br/noticias/leitura/materia:21340/acoes_do_governo_resultam_na_aprovacao_de_estudantes_na_ufs.html

Agora vamos aos fatos. Desde 2008, está em vigor a Resolução 80/2008/CONEPE/UFS que instituiu as políticas afirmativas para garantir o acesso de grupos menos favorecidos à Universidade Federal de Sergipe. Em resumo, a política de cotas. No Art 2º está escrito que, tirando a vaga para portadores de necessidades especiais, será reservado cinquenta por cento das vagas de todos os cursos de graduação ofertados pela Universidade Federal de Sergipe aos candidatos que comprovem a realização de cem por cento do ensino médio em escolas públicas das redes federal, estadual ou municipal e pelo menos quatro séries do ensino fundamental nessas mesmas instituições.

A lei acadêmica é muito clara. Praticamente metade das vagas da UFS são reservadas para os alunos da rede pública e portanto, a disputa por essas vagas fica restrita a essa cota dos estudantes. Por essa razão, assistimos a distorções grotescas que ocorrem na classificação do vestibular. Citemos como exemplo o resultado do curso de medicina com 100 vagas anuais. Os cinquenta primeiros excedentes do grupo não cotista, (rotulado pela instituição como grupo A) tiveram pontuação superior ao primeiro colocado do grupo dos cotistas. Assim, se não fosse pela política de cotas, o Governo do Estado não comemoraria a aprovação de aluno algum da rede pública no seleto curso de medicina. Cito o exemplo de medicina por sua notoriedade, mas isso não é diferente em cursos como engenharia e direito.

Notem como o cenário é cruel para quem se mostra contrário a essa política populista, pois expressando-se dessa forma damos a entender que o ingresso de estudantes de baixa renda na Universidade Federal é algo pernicioso e passamos a ideia de que o ensino superior deve manter-se elitizado. Já ouvimos duras críticas de colegas da Universidade que errônea ou propositalmente não entenderam o cerne do discurso.

Ora, ficaríamos imensamente felizes se pudéssemos confiar o ensino dos nossos filhos à escola pública. A grande massa da classe média que tem um certo grau de escolaridade e poder aquisitivo economizaria uma expressiva parte de seu orçamento familiar se não tivesse que pagar caras mensalidades. Mas diante dessa conjuntura, quem deixaria sua criança nas mãos de gestores descomprometidos com a educação? A escola pública é de fato o único refúgio da população carente na busca de uma instrução mínima. Mas por que esta não pode ter qualidade? Por que é necessário cotas no vestibular para que esses estudantes tenham êxito? Por que não é possível aprender no mesmo nível do ensino particular? Por que a forma de gerir a escola pública não muda? A sociedade deveria fazer essas perguntas e exigir respostas do poder público. Eu faço parte da sociedade e quero respostas!

Se a Universidade Federal e o Governo do Estado entendem de modo unissonante que as distorções na distribuição das vagas do vestibular devem ser corrigidas com cotas, o que podemos fazer se não aceitarmos pacífica e democraticamente. O que não podemos aceitar é o desafio barato à nossa inteligência encarnado numa propaganda cínica e mentirosa promovida pelo órgão de imprensa oficial do Estado gabando-se de suas parcas ações como se estas fossem responsáveis pelos índices de aprovação alcançados. Vale lembrar que em 2010, o governo gastou muito dinheiro em divulgação nos meios de comunicação. Quem não se lembra do mote "A educação melhorou e os resultados apareceram..." visto em outdoors, tv's e jornais.

É paradoxal, mas a política de cotas prejudicará justamente os grupos menos favorecidos da sociedade brasileira que continuarão enganados e escravos de medidas pseudo-altruístas de governos privados de inteligência e dotados de muita esperteza.

Prof. Alan Almeida Santos
Universidade Federal de Sergipe
Campus Prof. Alberto Carvalho

Fonte: Itnet

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Campanha para os políticos doarem um salário a favor dos flagelados das enchentes


Campanha para os políticos doarem um salário a favor dos flagelados das enchentes

Não existe povo mais solidário do que o brasileiro, basta alguma comunidade passar por dificuldades ou uma campanha de ajuda humanitária ser deflagrada, que o país inteiro é solidário.

Mas tem uma classe que parece não se sensibilizar com as tragédias que acontecem com o povo, justamente quem mais ganha com o suor do brasileiro, a dos políticos, que na sua maioria, só gosta de aparecer na hora de pedir votos, e quando é para ajudar ao povo nas calamidades, eles desaparecem.

Chegou a hora de realizarmos uma campanha nacional para sensibilizar e chamar a responsabilidade dos políticos que passam 4 ou 8 anos ganhando salários exorbitantes com o dinheiro do povo brasileiro e que pouco faz pela população, é a “campanha para os políticos doarem um salário a favor dos flagelados das enchentes”.

Com a tragédia das enchentes nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo os deputados estaduais e federais, senadores e governadores que deixaram o poder doariam o último salário e os que estão assumindo o novo mandato doariam o primeiro salário, sabemos que estas doações não resolverão o problema, mas será uma maneira decente e humana de amenizar o sofrimento do povo, o mesmo, que de quatro em quatro anos coloca os políticos no poder.

Que as pessoas continuem sendo solidárias e humanas contribuindo com a campanha contra as enchentes, mas também cobre da classe política projetos de prevenção para diminuir o impacto de uma catástrofe como a do Rio e de São Paulo, que levou centenas de vidas.

Que os políticos sejam rápidos na doação como são quando querem aumentar os próprios salários. Eles devem doar um pouquinho do que eles ganharam nos últimos 4 anos ou vão ganhar nos próximos 4 ou 8 anos. Sei que é uma utopia, mas não custa nada tentar sensibilizar os corações "solidários" dos políticos.

“QUE OS POLÍTICOS FAÇAM A DOAÇÃO DE UM SALÁRIO A FAVOR DOS FLAGELADOS DAS ENCHENTES.”

Vamos espalhar esta ideia na internet até chegar às mãos dos políticos.

Por Professor José Costa

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Feliz Idade


Feliz idade

Um guia para vencer os desafios e aproveitar as oportunidades da vida, mantendo o perfeito equilíbrio

Desde a infância, nos apressamos em crescer para ganhar autonomia. E, basta a idade avançar, já começamos a sentir falta do que passou. É assim que perdemos a oportunidade de aproveitar o presente. "Cada fase tem seu encanto e nos traz um aprendizado específico. Então, é fundamental ter uma postura positiva e aberta, enxergar como podemos viver bem com os recursos e as limitações que fazem parte de cada momento nosso, no processo de amadurecimento", ressalta a professora de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Santuza Cavalini.
Mas não basta preparar a mente para garantir um envelhecimento saudável. É a adoção de bons hábitos, ao longo de toda a vida, o que garante a longevidade e o bemestar. "Quem pratica exercícios regularmente, segue uma dieta balanceada e evita as drogas estará mais protegido no futuro", alerta Antonio Mendes Neto, presidente da regional de Santos da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp).
Em resumo: cuidar da saúde mental e física, em todas as fases da vida, é o mesmo que fazer aportes regulares em uma previdência que se resgatará, com uma boa margem de lucro, após os 60 anos. Pronto para começar a investir em você mesmo?

Controle o estresse no trabalho

A terceira década de vida é marcada pela dedicação quase exclusiva à vida profissional, já que a maioria das pessoas, nesse período, está preocupada em fazer o que os mais antigos chamavam "pé de meia". O grande problema é que o excesso de trabalho e a tensão acumulada podem representar obstáculos para a manutenção da saúde física e mental. Então, para cair fora dessa situação de risco, o primeiro passo é identificar as fontes geradoras de estresse.
O motivo da tensão pode ser a distância da casa até o emprego, a demanda de trabalho ou até mesmo a cultura da empresa, que não investe na qualidade de vida de seus empregados. De qualquer forma, sempre existe uma saída, seja encontrar um imóvel mais próximo do trabalho ou mesmo negociar prazos com seu chefe. "Aquele que faz um bom trabalho dificilmente será demitido se, em alguns momentos, tiver de dizer 'não'. Essa noção de que é preciso aceitar tudo, sem argumentar, está mais relacionada à baixa autoestima do funcionário do que ao alto nível de exigência de seu chefe", alerta o psiquiatra Geraldo Possendoro.


Acerte o ritmo do organismo

É a partir dos 30 anos que a velocidade do metabolismo começa a cair gradualmente, aumentando a tendência ao sobrepeso e à obesidade. "Com o avanço da idade, há uma diminuição da massa magra, e essa perda é justamente a responsável pela desaceleração do ritmo habitual de funcionamento do organismo. Com isso, o gasto energético também passa a ser menor. Ou seja, será preciso fazer mais exercícios ou controlar com mais rigor a alimentação, para se manter a mesma forma de sempre", avisa a endocrinologista Anete Hannud Abdo, do Hospital das Clínicas (SP).
A musculação é uma das melhores formas de reagir a esses efeitos do tempo: ela promove um gasto calórico elevado e ainda ajuda a reverter a tendência ao acúmulo de tecido adiposo. Investir em um cardápio equilibrado, com as quantidades adequadas de carboidratos, proteínas e gorduras, também é uma excelente alternativa.


Diga não à culpa

É também nesse período que muitos casais resolvem dividir o mesmo teto ou que decidem enfrentar o desafio de ter filhos. A grande questão é que esses relacionamentos também trazem novas exigências: de tempo, de atenção e de afeto. E, para dar conta de tudo, além das obrigações profissionais, será preciso copiar os malabaristas do circo: eles conseguem manter todas as bolas no ar, mas seguram uma de cada vez. "É preciso saber que o equilíbrio entre as nossas diversas demandas é algo fluido. Assim, se eu estou envolvida num projeto profissional e preciso fazer uma viagem, por exemplo, vou me dedicar ao trabalho naquele momento e, na volta, vou tentar não marcar tantos compromissos, para compensar o tempo que não passei com o parceiro ou com as crianças", ensina a psicóloga Sheila Skitnevsky-Finger, sócia fundadora do Instituto Mãe Pessoa. Para a psicóloga Dorli Kamkhagi, colaboradora do Laboratório dos Estudos do Envelhecimento do Hospital das Clínicas (SP), o grande segredo é abrir mão da expectativa de desempenhar perfeitamente os diversos papéis assumidos. "Aceitar as nossas limitações, por outro lado, é uma forma de nos mostrarmos maduros, pois somente pessoas imaturas se julgam capazes de tudo", pondera.


Mexa o corpo

Se, por volta dos 30 anos, é necessário iniciar ou readequar o ritmo da atividade física às características do organismo, aos 40, a adoção desse cuidado é imprescindível. Mexer o corpo é a melhor alternativa para compensar as perdas de massa muscular e óssea e ainda prevenir doenças físicas e emocionais. "Praticando uma atividade qualquer, que seja prazerosa, reduzimos muito o risco de morte prematura e, o mais importante, ganhamos qualidade de vida. Quem se exercita tem mais disposição, suporta melhor as tensões, cria uma rede social que pode lhe dar suporte e ainda previne problemas como a depressão e a ansiedade. Isso sem falar nos benefícios para o sono, que passa a ser mais regular durante a noite", afirma Tony Meireles dos Santos, coordenador dos programas de Mestrado e Doutorado em Educação Física da Universidade Gama Filho. E, segundo Santos, o tipo de exercício escolhido não importa muito, já que mesmo caminhadas de intensidade leve podem trazer grandes benefícios. Imagine que, se andar apenas meia hora, cinco vezes por semana, você vai reduzir em até 40% o risco de sofrer um infarto dos 40 anos em diante. Vale a pena, não é?

Ser capaz de projetar novas metas e empenhar-se em alcançá-las é uma maneira eficiente de garantir um envelhecimento saudável

Veja as mudanças com serenidade

Embora os procedimentos estéticos venham apresentando formas cada vez mais eficientes de prolongar a juventude, no que diz respeito à aparência, ainda é impossível apagar totalmente os efeitos do tempo. Então, é na fase dos 40 que homens e mulheres notam os primeiros fios de cabelos brancos, as marcas de expressão acentuadas, entre outras mudanças típicas. E boa parte dessas pessoas começa a se olhar no espelho com certo pesar. "A nossa sociedade infelizmente nos passa a ideia de que o processo de envelhecimento é algo terrível. Isso faz que muitos tenham cada vez mais receio das mudanças, principalmente as físicas, à medida que o tempo vai passando. Mas o fundamental é mudar o foco: perceber que a maturidade também traz grandes oportunidades, de se realizar profissionalmente e afetivamente, de uma forma que não seria possível se elas não tivessem a experiência de vida que adquiriram graças ao avanço da idade", pondera Dorli Kamkhagi.

Faça um balanço e estabeleça metas

É comum que já aos 40 muitos se achem "velhos demais" para fazer planos e definir novos objetivos. Eles creem que, por já haver escolhido uma profissão, um parceiro, um determinado estilo de vida, agora estão fadados a arcar com as consequências das decisões que tomaram, ainda que não estejam 100% satisfeitos com elas. Porém, segundo os especialistas ouvidos nesta matéria, ser capaz de projetar novas metas e empenharse em alcançá-las é uma maneira eficiente de garantir um envelhecimento saudável. "O começo da maturidade é uma fase de extrema criatividade, que pode ser muito transformadora, especialmente se tivermos coragem de analisar a nossa situação atual, com clareza, para fazer as adequações necessárias, com vistas a ser ainda mais felizes", garante Dorli Kamkhagi. "Esse é o momento de fazer as pazes consigo mesmo e de se liberar de outros compromissos, principalmente com 'a opinião dos outros', que já não fazem mais sentido", complementa a psicóloga.

Usufrua da sua companhia

A maturidade dos 50 anos também pode oferecer a chance de perder, de vez, o medo da solidão. Isso mesmo: segundo os especialistas, essa é uma das experiências mais enriquecedoras que o tempo nos traz. "Só quando ficamos sozinhos é que nos damos o direito de redescobrir quem somos e o que gostamos de fazer", explica Dorli Kamkhagi.
É a hora de preparar um banho gostoso na banheira e de se deixar ficar por longos minutos ali, sem ter de se preocupar com mais nada. É também o momento de comprar aquele presente que sempre quis se dar, mas que desistiu de levar para casa inúmeras vezes para atender às necessidades mais urgentes dos filhos ou do cônjuge. "É possível estar só e não ser solitário. O solitário se sente abandonado pelos outros e acaba se abandonando também, perde o interesse pela vida. Já aquele que simplesmente se descobre só, aproveita a oportunidade para buscar novas fontes de satisfação e para cuidar mais de si", diz a psicóloga.

Controle os hormônios

Com a queda da produção hormonal, que ocorre de forma gradativa e lenta, mais ou menos a partir dos 50 anos, podem surgir sintomas desagradáveis, tanto para os homens quanto para as mulheres. E, em alguns casos, quadros de depressão ou até mesmo problemas cardiovasculares se associam à chegada da menopausa, no caso das mulheres, ou da andropausa, no caso dos homens. "A terapia de reposição hormonal é praticamente uma unanimidade entre os médicos. Ela traz benefícios importantes e quase não acarreta efeitos colaterais", explica o ginecologista e obstetra Hérbene Tolosa, autor do livro A menopausa: conhecer e enfrentar (Editora Contexto). Dependendo da situação e do paciente, outros medicamentos podem ser receitados, como os antidepressivos, as vitaminas e os antioxidantes. "Praticar esportes, manter uma alimentação balanceada e aumentar o tempo de lazer são estratégias que também ajudam a minimizar o mal-estar da fase", reforça Tolosa.

Descubra novos interesses

A saída dos filhos de casa, o fim de uma união duradoura ou a diminuição do ritmo de trabalho podem fazer que algumas pessoas se deparem com um tempo livre que antes não tinham e que agora não sabem direito como administrar. "É nesse momento que podemos desenvolver aquela percepção de que já não somos tão úteis, que as funções que vínhamos desempenhando até então perderam a sua importância", constata a psicóloga Dorli Kamkhagi. Trata-se de uma visão negativa sobre esse novo período da vida, que pode ser completamente transformada se houver o desejo de descobrir novas experiências, que proporcionem prazer. "É muito interessante encarar essa fase como uma oportunidade de retomar antigos projetos de vida. Rever amigos, estabelecer novos relacionamentos, viajar, encontrar um hobby, tudo isso também é muito válido", ensina Dorli.
Não desista de aprender

O avanço da idade, a partir dos 60 anos, costuma aumentar o risco de doenças neurológicas, como Parkinson e Alzheimer. Mas vale saber que o interesse pela vida e a disponibilidade para seguir aprendendo são excelentes antídotos. "O cérebro, ao contrário do corpo, não precisa descansar depois de certa idade. Quanto mais estimulado ele for, melhor. E é possível fazer isso não só por meio das atividades intelectuais, mas também por meio do lazer e da convivência social. Essas são algumas das medidas mais importantes para manter o cérebro saudável", diz Márcia Chaves, coordenadora do departamento de Neurologia Cognitiva da Associação Brasileira de Neurologia.

Mantenha o coração forte
Os problemas cardiovasculares são a principal causa de hospitalização nessa faixa etária. Felizmente, é possível fazer frente a essas ameaças. "Estudos recentes demonstram que praticar no mínimo 150 minutos de atividade física por semana e consumir porções generosas de verduras, legumes, frutas e cereais, diariamente, são medidas protetoras de alta eficiência para o coração", ensina o cardiologista Antonio Mendes Neto, da Socesp.

Troque experiências

"É essencial criar oportunidades para dar e receber conhecimento, estar aberto e ser flexível, rever a crença de que, por sermos mais velhos, sabemos tudo. Os mais novos têm muito a nos ensinar e nos atualizam", ressalta Santuza Cavalini. Também não vale ficar preso àquela visão de que "antigamente, a vida era melhor": quem é capaz de enxergar aspectos positivos e negativos está sendo mais fiel à realidade.

Fonte: Revista Viva Saúde - por Rita Trevisan e Giovana Pessoa

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Quem decidiu a ordem das letras do alfabeto?


Quem decidiu a ordem das letras do alfabeto?

Os fenícios, mas não se sabe muito bem por quê. Provavelmente, as letras foram colocadas em sequência aleatoriamente. O que se sabe é que o povo que habitou a região onde atualmente fica o Líbano, entre os anos 1400 e 1000 a.C., criou uma série de símbolos muito parecidos com os que usamos hoje, inspirados na escrita egípcia, cujas letras (ou ícones) representavam uma ideia. A grande inovação dos fenícios foi fazer cada símbolo equivaler a um som, relacionando o formato do símbolo a um objeto, um lugar ou um animal ao qual se expressavam usando determinado som (ou grunhido). Veja, por exemplo, como surgiu a letra A. A base para a criação dela foi o hieróglifo egípcio que representava "boi", cujo formato lembrava a cabeça do animal. Os fenícios criaram um ícone bem parecido para representar o som da primeira sílaba de aleph ("boi", em fenício). Portanto, sempre que aparecia esse som em uma palavra, o tal ícone era usado. Assim surgiu o alfabeto fenício, que serviu como base para a maioria dos alfabetos atuais, inclusive o nosso. Como? O fenício inspirou o grego, que por sua vez inspirou o etrusco, que, enfim, originou o romano (ou latino), que é esse que você está lendo. A ordem das letras não mudou, mas novos símbolos surgiram, mesmo depois da criação do alfabeto romano - que nasceu há cerca de 2 700 anos. A princípio, os romanos tinham 21 letras. O U cumpria a função de V, W e U mesmo, enquanto o I fazia a função de I e de J. E assim foi o nosso alfabeto até o século 16, quando o lógico francês Pierre Ramée criou as novas letras. Quem sabe no futuro criaremos novas letras para representar SS, RR, LH ou NH?! O alfabeto, assim como a língua, vive em constante evolução.

Fonte: Revista Superinteressante - por Artur Louback Lopes

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Investimento em educação fica abaixo do custo mínimo de qualidade


VALOR INVESTIDO PELO GOVERNO FICA ABAIXO DO CUSTO MÍNIMO DE QUALIDADE EM 22 ESTADOS

Em 22 Estados, o custo por aluno da rede pública previsto para 2011 fica abaixo do mínimo estipulado para se ter educação com qualidade, definido pelo CAQi (Custo Aluno Qualidade Inicial) com base no PIB (Produto Interno Bruto) de 2008. De 2010 para 2011, houve um aumento de R$ 300 no valor da anuidade.
O valor estimado pelo CAQi para os primeiros anos do ensino fundamental é de R$ 2.194,56. Nove Estados trabalharão com R$ 1.722,05: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí. E chegarão a esse valor com complementação de verbas feita pela União. Apenas cinco unidades federativas superam o valor do CAQi para os anos iniciais. São elas: Amapá, Distrito Federal, Espírito Santo, Roraima e São Paulo.
O valor mínimo do estudante da escola pública será R$ 1.722,05, segundo a portaria interministerial 1.459 de 30 de dezembro de 2010. A cifra é base para a distribuição de recursos pelo MEC (Ministério da Educação), por meio do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

Falta dinheiro?
Ao consideramos os anos finais do ensino fundamental, 13 Estados aplicam menos que o CAQi. O valor mais baixo por aluno para 2011 é de R$ 1.894,25, quando o recomendado é R$ 2.148,84. Já no ensino médio, 12 Estados destinam valores menores que o estipulado pelo índice -- R$ 2.066,46 de orçamento contra os R$ 2.209,80 recomendados.
Segundo Mozart Neves Ramos, conselheiro do CNE (Conselho Nacional da Educação), seria necessário garantir o investimento mínimo proposto pelo CAQi. Ramos foi o relator do parecer encaminhado ao MEC para a adoção do índice.
Na avaliação de Ramos, o investimento por parte do governo federal precisa ser maior. Seria necessário o aporte de R$ 30 bilhões - contra os atuais R$ 8,7 bilhões - para aplicar o CAQi no país, na estimativa do professor universitário. "Dos R$ 94,5 bilhões que o MEC propõe para 2011, R$ 8,7 bilhões são da União e R$ 7,8 bilhões vão para a complementação dos Estados [para que eles cheguem ao mínimo]. O que sobra é muito pouco para dividir entre as 27 unidades federativas", diz.
O CAQi, um índice elaborado pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação, inverte a lógica do investimento público por aluno. Atualmente o cálculo sobre o valor mínimo é feito com base na arrecadação tributária, dividindo o total de impostos destinados à área pela quantidade de alunos. Com o CAQi, o valor mínimo é estipulado e é preciso fazer cumprir esse investimento.

Municípios preocupados
Para o secretário municipal de Educação de Castro (PR), Carlos Eduardo Sanches, é preciso ter "dinheiro novo" no setor. O gestor, que também preside a entidade que representa os secretários municipais de educação (Undime), afirma que o aumento é significativo.
"Houve aumento de arrecadação de 13,5% e diminuição de 6,4% nas matrículas, o que levou o valor a subir 21%", explica Sanches. No entanto, ele se diz preocupado com o impacto desse aumento em outro quesito básico da gestão da área: o salário dos professores.
Dependendo do desfecho de um PL (projeto de lei) que tramita na Câmara dos Deputados, o piso nacional para o professor pode ter como índice essa variação do valor investido por aluno. O PL 3776/08 propõe que os vencimentos dos docentes sejam reajustados pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

Roraima é o Estado brasileiro com o maior valor investido por aluno dos anos iniciais do ensino fundamental, R$ R$ 2.915. A diferença com os nove Estados que aplicam o menor valor (R$ 1.722) é de 1,69 vezes. Essas unidades federativas, todas das regiões Norte e Nordeste, vão receber complementação de verbas do Fundeb para chegar a esse valor.
"Essa diferença já foi de 1,88 vezes", diz Carlos Eduardo Sanches, secretário municipal de educação de Castro (PR) e presidente da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação). Segundo ele, a criação do Fundeb está ajudando a diminuir as diferenças entre os Estados.
O investimento na maioria dos Estados, no entanto, ainda fica abaixo do mínimo estipulado pelo CAQi (Custo Aluno Qualidade Inicial), uma referência de custo para oferecer educação com qualidade. Em 22 Estados, os valores dos anos iniciais do ensino fundamental estão aquém.

Educação precisa de "dinheiro novo"

Em 12 Estados brasileiros os valores que serão destinados aos alunos do ensino médio ficarão abaixo do mínimo estimado para se oferecer educação de qualidade conforme os cálculos do CAQi (Custo Aluno Qualidade Inicial).
O CAQi, um índice elaborado pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação, inverte a lógica do investimento público por aluno. Atualmente o cálculo sobre o valor mínimo é feito com base na arrecadação tributária, dividindo o total de impostos destinados à área pela quantidade de alunos. Com o CAQI, o valor mínimo é estipulado e é preciso fazer cumprir esse investimento.

Confira as tabelas no site do UOL - http://www.uol.com.br

Fonte: UOL – por Karina Yamamoto - Editora do UOL Educação

E os governos estaduais ficam se vangloriando das aprovações nos vestibulares das universidades federais através das cotas, mas sem oferecer qualidade no ensino público e com o professor recebendo um piso salarial abaixo de dois salários mínimos, enquanto os políticos recebem mais de R$ 26 mil só de salário. Esta é a educação de qualidade que os políticos prometem a sociedade na época da campanha política.