sábado, 30 de abril de 2011

Boa relação entre os pais influencia na felicidade dos filhos


Quanto mais harmoniosa é a relação entre um casal, mais felizes serão seus filhos. É o que aponta estudo da Economic & Social Research Council, no Reino Unido, realizado com 40 mil famílias. Segundo dados da pesquisa, globalmente, 60% dos jovens se dizem “completamente satisfeitos” com sua situação familiar, mas nas famílias onde a mãe é infeliz, apenas 55% dos jovens se considerem “totalmente felizes”, em comparação aos 73% onde as mães são felizes em seus relacionamentos.

A pesquisa também mostra que ter irmãos mais velhos não influencia na felicidade da criança, mas ter irmãos mais novos está associado a menores índices de satisfação dentro de casa. Segundo os resultados, as crianças mais felizes são aquelas que moram com os dois pais, não têm irmãos mais novos, não brigam com os pais regularmente, fazem pelo menos três refeições semanais a noite com a família reunida e cuja mãe é feliz em seu relacionamento.

Fonte: Blog Boa Saúde

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Atividade física versus dor de cabeça


A lista de benefícios proporcionados pelos exercícios físicos parece não ter fim. Mas, acredite, os especialistas conseguiram descobrir mais um: eles amenizam as crises de dor de cabeça

Não se espante caso um dia saia do consultório médico com a seguinte prescrição para as têmporas doloridas: sue a camisa, de preferência gastando a sola do tênis ou pedalando. É o que se conclui dos resultados obtidos pelo primeiro estudo epidemiológico sobre dor de cabeça realizado no Brasil. Assinado pelos neurologistas Luiz Paulo de Queiroz, da Universidade Federal de Santa Catarina, e Mario Peres, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o trabalho ouviu 3 848 pessoas escolhidas aleatoriamente, de ambos os sexos, com idade entre 18 e 79 anos, em todo o país.

O objetivo foi estimar a prevalência de enxaqueca e cefaleia — nome científico da dor de cabeça comum — entre os brasileiros. Além disso, procurou avaliar a relação entre esses tormentos e hábitos do dia a dia, como a prática regular de exercícios físicos. No final, os dados da pesquisa são um estímulo e tanto para todo mundo levantar da cadeira e se mexer — aliás, não só para quem vive com a sensação de que a testa está prestes a explodir. “Os sedentários apresentaram 43% mais enxaqueca e 100% mais cefaleia crônica, com crises diárias, do que os indivíduos que se exercitam”, conta Queiroz. A explicação para esse elo entre menor incidência de dor de cabeça e malhação está nos nossos neurônios. “Os exercícios aumentam a produção de endorfinas, neurotransmissores que proporcionam bem-estar. Eles funcionam como uma morfina natural”, compara o médico.

O especialista em medicina do esporte Moisés Cohen, também da Unifesp, acrescenta: “Alguns artigos sugerem que outras substâncias liberadas durante a atividade física, como a epinefrina e os esteroides, podem estar por trás do alívio”. A melhora na circulação sanguínea, que provoca um aumento da oxigenação cerebral, é mais um fator que colabora para o fim das dores. “Sem contar a diminuição do estresse”, complementa a neurologista Norma Fleming, coordenadora responsável pelo Ambulatório de Cefaleia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e presidente da Associação de Dor do mesmo estado.

Como as endorfinas estão diretamente ligadas a uma menor ocorrência de crises, os exercícios mais indicados para o combate da dor de cabeça são aqueles que mais estimulam a liberação dessas substâncias — os aeróbicos, como a caminhada, a natação e a corrida de baixo impacto. “Os exercícios de fortalecimento muscular também produzem algum efeito, porém em menor grau”, nota o cardiologista José Kawazoe Lazzoli, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

“As atividades que envolvem relaxamento, como o alongamento e a ioga, e as lúdicas, como a dança de salão, também podem ajudar a diminuir os sintomas, graças ao bemestar que proporcionam”, observa o neurologista e especialista em dor Eduardo Barreto, coordenador do Serviço de Neurocirurgia da Rede D’Or, que compreende hospitais e laboratório no Rio de Janeiro. Em relação à frequência, para que a melhora da dor seja flagrante, os especialistas recomendam suar a camisa três vezes por semana, entre 30 e 60 minutos. “Mas, no meu estudo, até mesmo aqueles que fizeram uma única sessão semanal de exercícios apresentaram uma diminuição nas crises”, afirma Luiz Paulo de Queiroz.

Além de privilegiar os esportes aeróbicos, a maneira como se pratica a atividade física conta muito. Se for feita de maneira incorreta, o feitiço se volta contra o feiticeiro — em vez de mitigar a dor, a malhação acaba por torná-la mais forte e, pior, pode aumentar o número de episódios de crise. “Os exercícios muito intensos ou realizados sem o devido aquecimento não são bem-vindos, especialmente para quem vive com dores de cabeça”, alerta José Kawazoe Lazzoli.

Outra: para que o esporte só produza alívio, é fundamental alimentar-se bem antes e depois dos treinos. Respirar em um ritmo normal ao exercitar o corpo é igualmente recomendação importante. A tendência é prender a respiração quando a gente se esforça em demasia porque a glote, estrutura que se localiza na laringe e que impede a entrada dos alimentos nas vias respiratórias, se fecha. Mas daí a pressão arterial se eleva, o fluxo sanguíneo em direção à cabeça cai e, ui, não demora para aquela sensação ruim pintar na testa e adjacências. Além disso, só saia correndo por aí após se submeter a uma avaliação médica. “O aval de um especialista, assim como o acompanhamento de um fisioterapeuta ou fisiatra quando o indivíduo tiver problemas posturais, é imprescindível”, lembra Barreto.

Infelizmente, nem todo mundo encara a atividade física como aliada contra as dores que atormentam a cabeça. “Existem trabalhos que, ao contrário, afirmam que a enxaqueca, em alguns casos, pode ser desencadeada pelos exercícios”, conta Moisés Cohen. “Nos pacientes em que a crise é provocada pelo esporte, o problema ocorre mesmo quando ele é praticado corretamente”, lamenta Norma Fleming. Ainda bem que casos assim são mais raros. “Fazer um diário da dor ajuda a identificar se esse é um dos agentes que funcionam como gatilho para o desconforto — ou se é o oposto, quer dizer, uma maneira de alívio”, dá a dica Barreto. E claro: ninguém deve fazer nenhum tipo de atividade física em plena crise de enxaqueca. “Nessa situação, sim, os exercícios podem exacerbar o problema”, alerta Luiz Paulo de Queiroz. Para quem não se encaixa nesse perfil — o que vale para a maioria — , a suadeira pode ser o melhor remédio.

Fonte: Revista Saúde - por THAIS SZEGÖ

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Quem sabe escrever é outra coisa!


Num momento de descontração, o grande poeta Carlos Drumond de Andrade
escreveu:

"Satânico é meu pensamento a teu respeito e ardente é o meu desejo de
apertar-te em minhas mãos, numa sede de vingança incontestável pelo que
me fizeste ontem.

A noite era quente e calma e eu estava em minha cama, quando,
sorrateiramente, te aproximaste.

Encostaste o teu corpo sem roupa no meu corpo nu, sem o mínimo pudor!

Percebendo minha aparente indiferença, aconchegaste-te a mim e
mordeste-me sem escrúpulos. Até nos mais íntimos lugares.

Eu adormeci.
Hoje quando acordei, procurei-te numa ânsia ardente, mas em vão.

Deixaste em meu corpo e no lençol provas irrefutáveis do que entre nós
ocorreu durante a noite.

Esta noite recolho-me mais cedo, para na mesma cama te esperar....
Quando chegares, quero te agarrar com avidez e força.

Quero te apertar com todas as forças de minhas mãos.
Só descansarei quando vir sair o sangue quente do seu corpo..

Só assim, livrar-me-ei de ti....
pernilongo filho da puta...

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Anabolizantes podem causar danos irreversíveis ao corpo


O uso de anabolizantes farmacêuticos começou no início da década de 30, quando foram descobertos por cientista alemães. Desde então eles tem sido usados como uma forma de obter melhores performances em esportes e desenvolvimento de massa muscular. Essa prática era mais comum entre atletas profissionais, mas com sua popularização essas substâncias podem ser facilmente encontradas em academias e lojas de suplementos nutricionais, e estão ao alcance de qualquer pessoa.

Homens e mulheres saudáveis usam os anabolizantes sem pensar nas consequências. Com os músculos definidos e diminuição da gordura corporal vêm problemas que são muitas vezes irreversíveis. Essas substâncias podem causar problemas no fígado, câncer, derrame, acne, impotência, infertilidade e comportamento agressivo, dentre muitos outros. Estudos e pesquisas provaram que os riscos são muitos e que danos ao corpo são uma garantia. Já foram documentados mais de 69 efeitos colaterais do uso de anabolizantes.

O professor Fernando Vítor Lima, especialista em Treinamento Esportivo da Universidade Federal de Minas Gerais afirma que “Os casos têm que ser analisados de forma isolada porque casa organismo reage de um jeito ao uso do esteróide. Em muitos casos, o nível de comprometimento das funções é tão grande que não há opção de cura. Várias pessoas já morreram por causa do uso indiscriminado dos anabolizantes".

Fonte: Blog Boa Saúde

terça-feira, 26 de abril de 2011

Jovem que estuda música protege cérebro em idade avançada


As muitas horas dedicadas ao aprendizado de música trazem benefícios a longo prazo, mostra um estudo publicado na versão on-line do jornal "Neuropsychology", da Associação Americana de Psicologia.

A pesquisa indica que aqueles que tocaram instrumentos musicais por muitos anos parecem formar uma proteção natural contra perdas cognitivas que costumam ocorrer durante a terceira idade.

Mesmo que essas pessoas tenham largado o instrumento em algum momento das suas vidas, a mente ainda se mostra afiada na idade avançada, se comparada àqueles que nunca aprenderam música.

Um grupo formado por 70 musicistas com idade entre 60 e 83 anos se submeteu a variados testes de memória e habilidade para captar informações novas, entre outras situações.

O resultado é que se saíram melhor nas provas quem tocou música durante nove e dez anos. O que sugere que quanto mais as pessoas tocam, mais benefícios terão no futuro.

O piano ficou como o instrumento mais popular entre os músicos, seguido dos instrumentos de sopro. Todos eram amadores e tinham em comum terem iniciado aulas de música por volta dos dez anos.

O estudo também considerou o preparo físico e o nível educacional dos participantes. E, o que chamou a atenção, é que havia igualmente a relação entre a capacidade cognitiva e os anos de atividade musical se os voluntários estavam ou não envolvidos com música atualmente.

A descoberta mostra que o funcionamento cerebral pode ser alterado e a música pode ser um assunto para considerações futuras porque envolve uma combinação de capacidades motoras, leitura, audição e ações repetitivas.

Fonte: UOL Ciência

domingo, 24 de abril de 2011

Feliz Páscoa


Páscoa!

É vida renovada...
É amor manifestado na doação do dia a dia.
É a libertação das amaras pessoais.
É busca de igualdades sociais, de vencer a dominação e lutar pela justiça.

Páscoa é fazer memória, não de um acontecimento remoto da história, mas de uma realidade vivida e constante entre os homens.

É perceber que é possível retirar a pedra do túmulo que nos mantém inertes diante de um sistema de morte que nos toma áridos perante o sofrimento da humanidade.

Cristo ressuscitou?

Ressuscitou e quer se fazer presente de forma mais intensa na nossa vida, para que também nós sejamos libertados e promovamos a liberdade.

Cristo vive.

Campanha de vacinação contra a gripe 2011


A campanha nacional de vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira (25) e vai até 13 de maio. No período, devem ser imunizados idosos, indígenas, gestantes e crianças entre seis meses e menos de dois anos de idade (os dois grupos haviam sido incluídos excepcionalmente na vacinação contra o H1N1 no ano passado).

A meta do governo federal é vacinar 23,8 milhões de pessoas contra três tipos de vírus, inclusive o H1N1.

Cada pessoa deve tomar uma dose da vacina, com exceção das crianças, que têm que receber duas (a segunda 30 dias após a primeira).

A única contraindicação é para pessoas com alergia a ovo.

Fonte: UOL

sábado, 23 de abril de 2011

Chocolate excita mais do que beijo, aponta estudo


Branco, preto, ao leite, amargo, puro ou com castanhas, o chocolate é campeão de preferência quando o assunto é doce. Calórico sim, mas com vários fatores benéficos para saúde, essa substância que adoça a vida das pessoas desde 1.500 a.C, tem sido alvo de muitos estudos científicos. O mais recente, realizado por cientistas britânicos, mostra que o chocolate pode ser mais excitante que um beijo.

Vários casais participaram da pesquisa. Sendo monitorados através de aparelhos, os participantes tinham que deixar um pedaço de chocolate, com 60% de cacau, derreter na boca e depois beijar apaixonadamente seu parceiro. Os resultados mostraram que o chocolate dobrou os batimentos cardíacos dos 12 voluntários, todos na faixa dos 20 anos. Isso levou os cientistas à conclusão de que o chocolate é mais excitante que o beijo.

Segundo os pesquisadores, o segredo estaria em deixar o chocolate derreter na boca sem mastigá-lo. O chocolate contém alto teor de substâncias precursoras da serotonina, responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

Fonte: Blog Boa Saúde

Chocolate protege o cérebro contra derrame, estresse e depressão


Substâncias presentes no alimento ajudam a melhorar o humor e a preservar células neurais

Para alegria de quem é adepto dos prazeres do chocolate as neurociências têm oferecido boas notícias. Pesquisas realizadas nos últimos anos mostraram que o alimento ajuda a combater o estresse e a depressão. Agora, um estudo mais recente indica que a guloseima pode proteger o cérebro também contra lesões causadas por derrame. Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, descobriram que uma substância presente apenas no chocolate amargo (não na versão tradicional ou branca) estimula um tipo de atividade celular que resguarda os neurônios dos danos causados por acidente vascular cerebral (AVC).

No estudo realizado em camundongos e publicado no Journal of Cerebral Blood Flow and Metabolism, 90 minutos depois de administrarem uma pequena dose de epicatequina – nutriente encontrado no cacau –, os cientistas induziram um derrame isquêmico por meio da interrupção da irrigação sanguínea no cérebro dos animais. O resultado foi um número significativamente menor de lesões do tecido cerebral em comparação às dos roedores que passaram pelo mesmo procedimento mas sem ter recebido a dose do composto.

O interesse científico pela epicatequina surgiu com pesquisas feitas entre os índios kuna, que vivem em ilhas na costa do Panamá. A incidência de acidentes vasculares nessa população é muito baixa, o que é atribuído ao alto consumo de uma bebida escura e amarga feita à base de cacau. Posteriormente, estudos in vitro mostraram que a epicatequina não protege diretamente as células contra lesões, mas seus metabólitos parecem ativar vias bioquímicas que fazem com que as células aumentem suas próprias defesas. O que tem surpreendido os pesquisadores é o fato de esse efeito ocorrer em resposta a doses muito baixas da substância.

Os autores alertam, porém, que os dados obtidos até agora não autorizam o consumo exagerado de chocolate amargo, que, aliás, é rico em gordura saturada. Segundo eles, as evidências abrem boas perspectivas para o desenvolvimento de uma nova droga potencialmente útil para combater doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e outros tipos de demência.

Fonte: Revista Mente e Cérebro

Caminhadas podem beneficiar pacientes de Mal de Parkinson


Uma nova pesquisa desenvolvida na Universidade de Maryland mostra que pessoas que sofrem de Parkinson podem se beneficiar mais de caminhadas em esteiras a uma velocidade confortável do que praticando o exercício com mais intensidade, aumentando velocidade e inclinação.

Em um experimento, 67 pessoas que sofrem da doença foram separadas em três grupos que se exercitaram de formas diferentes. Um grupo fez caminhada de baixa intensidade por 50 minutos em uma esteira, o segundo grupo fez caminhada de alta intensidade por 30 minutos e o terceiro fez alongamentos com pesos. Os indivíduos praticaram os exercícios três vezes por semana durante um período de três meses.

Os resultados mostraram que todos os tipos de exercícios foram benéficos para os pacientes, mas que a caminhada de baixa intensidade proporcionou melhorias mais consistentes de mobilidade dos pacientes.

O estudo foi apresentado na 63ª reunião anual da American Academy of Neurology.

Fonte: Blog Boa Saúde

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Morrer é preciso

Num artigo muito interessante, Paulo Angelim, que é arquiteto, pós-graduado em marketing, dizia mais ou menos o seguinte nós estamos acostumados a ligar a palavra morte apenas a ausência de vida e isso é um erro.

Existem outros tipos de morte e precisamos morrer todo dia a morte nada mais é do que uma passagem, uma transformação.

Não existe planta sem a morte da semente, não existe embrião sem a morte do óvuloe do esperma, não existe borboleta sem a morte da lagarta, isso é óbvio a morte nada mais é que o ponto de partida para o início de algo novo a fronteira entre o passado e o futuro. Se você quer ser um bom universitário, mate dentro de você o secundarista aéreo que acha que ainda tem muito tempo pela frente quer ser um bom profissional?

Então mate dentro de você o universitário descomprometido que acha que a vida se resume a estudar só o suficiente para fazer as provas quer ter um bom relacionamento?

Então mate dentro de você o jovem inseguro, ciumento, crítico, exigente, imaturo, egoísta ou o solteiro solto que pensa que pode fazer planos sozinho, sem ter que dividir espaços, projeto e tempo com mais ninguém.

Quer ter boas amizades?
Então mate dentro de si a pessoa insatisfeita e descompromissada, que só pensa em si mesmo, mate a vontade de tentar manipular as pessoas de acordo com a sua conveniência, respeite seus amigos, colegas de trabalho e vizinhos.

Enfim todo processo de evolução exige que matemos o nosso “eu” passado, inferior.
E qual o risco de não agirmos assim?

O risco está em tentarmos ser duas pessoas ao mesmo tempo, perdendo o nosso foco, comprometendo essa produtividade, e, por fim prejudicando nosso sucesso
Muitas pessoas não evoluem porque ficam se agarrando ao que eram, não se projetam para o que serão ou desejam ser.

Elas querem a nova etapa, sem abrir mão da forma como pensavam ou como agiam.

Acabam se transformando em projetos acabados, híbridos, adultos infantilizados.

Podemos até agir, às vezes, como meninos, de tal forma que não mantemos as virtudes de criança que também são necessários anos, adultos, como: brincadeira, sorriso fácil, vitalidade, criatividade, tolerância, etc.

Mas, se quisermos ser adultos, devemos necessariamente matar atitudes infantis, para passarmos a agir como adultos.

Quer ser alguém (líder, profissional, pai ou mãe, cidadão ou cidadã, amigo ou amiga) melhor e evoluído?

Então, o que você precisa matar em si, ainda hoje, é o “egoísmo” é o “egocentrismo”, para que nasça o ser que você tanto deseja ser.

Pense nisso e morra.

Mas, não esqueça de nascer melhor ainda.

O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.

Fernando Pessoa

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Curiosidades da Língua Portuguesa


Diariamente utilizamos expressões com significados diferentes daquilo que elas representam literalmente, mas raramente nos preocupamos em ir atrás da sua origem ou — até mesmo — da suaformacorreta.

Conheça 13 expressões que todo mundo erra, ou que todo mundo usa, mas que nem todo mundo sabe direito o significado ou seu correto emprego:

1.Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão: o correto é batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.

2.Enfiou o pé na jaca: o correto é enfiou o pé no jacá. Antigamente, os tropeiros paravam nas vendinhas, a meio caminho, para tomar uma bebida. Quando bebiam demais, era comum colocarem o pé direito no estribo e, quando jogavam a perna esquerda para montar no burro, erravam, pisavam no jacá (o cesto em que as mercadorias eram carregadas) e levavam um grande tombo. Por isso, quando alguém bebia demais dizia-se que ele enfiaria o pé no jacá. A jaca, fruta, não tem nada com isso.

3.Cor de burro quando foge: o correto é corro de burro quando foge!

4.Quem tem boca vai a Roma: pois é, eu também fiquei surpresa ao saber que o correto não tem nada a ver com a capacidade de pela comunicação ir a qualquer parte do mundo, e sim uma forma de exortação à crítica política; o correto é quem tem boca vaia Roma.

5.É a cara do pai escarrado e cuspido: essa é forma escatológica de dizer que o filho é muito parecido com o pai; o correto é a cara do pai em Carrara esculpido (Carrara é uma cidade italiana de onde se extrai o mais nobre e caro tipo de mármore, que leva o mesmo nome da cidade).

6.Quem não tem cão, caça com gato: o correto é quem não tem cão, caça como gato. Ou seja, sozinho!

7.Voto de Minerva: Orestes, filho de Clitemnestra, foi acusado pelo assassinato da mãe. No julgamento, houve empate entre os jurados. Coube à Minerva, personagem da mitologia grega, o voto decisivo, que foi em favor do réu. Voto de Minerva é, portanto, o voto decisivo.

8.Casa da mãe Joana: na época do Brasil Império, mais especificamente durante a menoridade do Dom Pedro II, os homens que realmente mandavam no país costumavam se encontrar numa casa, cuja proprietária se chamava Joana. Como esses homens mandavam e desmandavam no país, a frase casa da mãe Joana ficou conhecida como sinônimo de lugar em que ninguém manda.

9.Ficar a ver navios: Dom Sebastião, rei de Portugal, havia morrido na batalha de Alcácer-Quibir, mas seu corpo nunca foi encontrado. Por esse motivo, o povo português se recusava a acreditar na morte do monarca. Era comum as pessoas visitarem o Alto de Santa Catarina, em Lisboa, para esperar pelo rei. Como ele não voltou, o povo ficava a ver navios.

10.Não entender patavinas: os portugueses encontravam uma enorme dificuldade de entender o que falavam os frades italianos patavinos, originários de Pádua, ou Padova; sendo assim, não entender patavina significava não entender nada.

11.Dourar a pílula: antigamente as farmácias embrulhavam as pílulas em papel dourado, para melhorar o aspecto do remedinho amargo. A expressão dourar a pílula, significa melhorar a aparência de algo.

12.Sem eira nem beira: os telhados de antigamente possuíam eira e beira, detalhes que conferiam status ao dono do imóvel. Possuir eira e beira era sinal de riqueza e de cultura. Não ter eira nem beira significa que a pessoa é pobre, está sem grana.

13.O canto do cisne: dizia-se que o cisne emitia um belíssimo canto pouco antes de morrer. A expressão “canto do cisne” representa as últimas realizações de alguém.

Autor desconhecido

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Dicas para não sair da linha na Páscoa


Para aproveitar esta época sem peso na consciência, a nutricionista Adriana Fanaro Oliveira ensina pequenos truques que fazem toda a diferença. Confira!

1 Opte pelo chocolate amargo, que possui maior quantidade de cacau. Essa versão, geralmente de coloração mais escura, possui menor teor de gordura. Mesmo assim, procure não abusar!

2 Cuidado! Os chocolates diet podem ser tão calóricos quanto os tradicionais. A razão é a maior quantidade de gordura presente nessa versão. Os light também não são isentos de calorias. Abusar, então, dessa opção comprometerá seu regime da mesma forma que se estivesse saboreando a versão habitual.

3 Evite atacar todos os ovos no mesmo dia. Consuma pequenas quantidades da iguaria durante a semana da Páscoa, assim, consegue voltar à rotina alimentar com mais facilidade após o feriado prolongado.

4 Não estacione as atividades físicas nesta época. Aproveite o feriado para acelerar seu metabolismo com caminhadas, passeios de bike ou pulando corda. Os exercícios diminuem a ansiedade, o que a deixará menos propensa a ceder às tentações.

5 A salada deve ser sua entrada no almoço de Páscoa. Assim, você já se sentirá parcialmente saciada quando partir para a refeição principal. Coloque pequenas quantidades de alimento no prato e evite repetir!

6 Observe a embalagem do ovo de Páscoa. Se seu valor nutricional contém teor muito elevado de gorduras e açúcares, pede-se um consumo moderado, já que um pouquinho de chocolate pode ultrapassar a recomendação diária desses nutrientes.

7 Se receber muitos ovos de presente, divida-os com amigos e parentes. A ideia é só ter a quantidade que dure a semana do feriado. Muitos ovos significa excesso de chocolate por meses! Evite!

8 Após o almoço festivo, certamente virá a sobremesa. Procure, então, maneirar no consumo dos chocolates nesta data. Prepare uma bela cesta de frutas para se deliciar à vontade.

9 Avise as pessoas ao seu redor, em casa e no trabalho, para que lhe deem um ovo pequeno ou outros itens menores, como bombons ou coelhinhos de chocolate.

10 Alimento muito consumido na Páscoa, o bacalhau é de fácil digestão e bem saboroso. Além disso, possui nutrientes como minerais (ferro, fósforo e magnésio), vitaminas (A, D e E) e tem baixa taxa de colesterol e gordura. Invista nessa iguaria!

11 Está exagerando nas guloseimas? Pare, se controle e pense no ganho de peso desnecessário que isso irá acarretar. Força!

Fonte: Revista Dieta Já - por Nayla Toretta

terça-feira, 19 de abril de 2011

Sopre as Cinzas

Quem feriu você já feriu e já passou.
Lá na frente encontrará o inevitável retorno e pelas mãos de outrem será ferido também.
A Vida se encarregará de dar-lhe o troco e você, talvez, nem jamais fique sabendo.

O que importa de verdade é o que você sentiu e, mais importante, é o que ainda você sente:

Mágoa? Rancor? Ressentimento? Ódio?

Você consegue perceber que esses sentimentos foram escolhidos por você?
Somos nós que escolhemos o que sentir diante de agressões e de ofensas.

Quem nos faz o "mal" é responsável pelo que faz, mas NÓS somos responsáveis pelo que sentimos.
Essa responsabilidade tem a ver com o Amor que devemos e temos que sentir por nós mesmos.

O ofensor fez o que fez e o momento passou, mas o que ficou aí dentro de você?

Mágoa?
- Você sabia que de todas as drogas ela é a mais cancerígena?
Pela sua própria saúde, jogue-a fora.

Rancor?
- Ele é como um alimento preparado com veneno irreconhecível: dia mais, dia menos, você poderá contrair doenças de cujas origens nem suspeitará.

Ressentimento?
- Pois imagine-se vivendo dentro de um ambiente constantemente poluído, enfumaçado, repleto de bactérias e de incontáveis tipos de vírus: é isso que seu coração e seus pulmões estão tentando aguentar.
Até quando você acha que eles vão resistir?

Ódio?
- Seus efeitos são paralisantes.
Seu sistema imunológico entrará em conflito com esse veneno que com o tempo poderá colocar você face a face com a morte e talvez muito tard você venha a perceber que melhor seria ter deixado que seu agressor colhesse os frutos do próprio plantio.

Por seu próprio Bem e só pelo seu Bem, perdoe.

O perdão o libertará e o fará livre para ser feliz.
Esqueça o "mal" que lhe foi feito.
Deixe que seu ofensor lembre-se dele através das consequências com que, certamente, virá a arcar.

Mude seu destino ... Seja o comandante da sua nau!
Escolha o melhor caminho para sua "viagem".

E se outras vezes o ferirem, perdoe ...
Perdoe ... Como Cristo perdoou os que o crucificaram.

Paz e luz para você!

Silvia Schmidt

Dieta mais exercícios físicos = perda de peso


Não existem fórmulas milagrosas. Para perder peso a combinação dieta balanceada e atividade física é a melhor solução. Segundo pesquisa publicada na revista especializada Obesity, as duas alternativas funcionam na redução de peso, mas o resultado é mais eficiente quando combinadas.

A pesquisa envolveu 439 mulheres com idade entre 50 e 75 anos, acima do peso e sedentárias, dividas em quatro grupos. Um fazia apenas dieta (entre 1.200 e 2.000 calorias), outro apenas exercícios (45 minutos de atividade aeróbica cinco vezes por semana), o terceiro uma combinação das atividades dos grupos anteriores, e as participantes do último grupo permaneceram com suas vidas normais.

Os resultados obtidos mostraram que o grupo que combinou atividade física e dieta reduziu em 11% o peso corporal. Segundo Anne McTiernan, autora da pesquisa, mesmo que essa perda não seja suficiente para fazer com que o paciente obeso volte ao seu peso ideal, ajuda na redução de riscos de diabetes, doenças cardíacas e câncer.

Fonte: Blog Boa Saúde

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Como se prevenir de gripes e resfriados


No frio, o contato com várias pessoas em ambientes fechados, sem circulação de ar, facilita a transmissão de vírus e bactérias. Ficar ao lado de uma pessoa com alguma doença respiratória eleva o risco de contágio



Em casa

Ficar ao lado de uma pessoa com alguma doença respiratória eleva o risco de contágio. Entre você e a sua cara-metade, então, a chance de o vírus pular de um organismo para o outro aumenta pela maior proximidade. E quem resiste a dormir de conchinha num frio desses?

Riscos: "os vírus saem pelas gotículas da saliva e podem chegar à boca ou ao olho de outro indivíduo. Isso pode ser por meio da fala, do beijo, espirro ou tosse diretamente", diz Carlos Magno Fortaleza.

Previna-se: mesmo que você tente manter distância, novamente evite levar a mão à boca e aos olhos, pois os vírus estarão espalhados em várias superfícies da casa. Dividir a colher do sorvete e a taça de vinho também está proibido, assim como a toalha de rosto. E não adianta se entupir de suco de laranja para tentar ficar imune. "A ingestão de vitamina C é totalmente inútil para a profilaxia de gripes e resfriados", diz Pasternak.

Academia

O ambiente propicia a propagação de bactérias, fungos e vírus. "Em um colchonete, uma bactéria pode sobreviver 96 horas, por exemplo", explica o infectologista e professor da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp Carlos Magno Fortaleza.

Riscos: não há risco de pegar uma doença ao deitar em uma superfície infectada. O contágio é sempre feito pelas mucosas. "O perigo real é encostar a mão no colchonete e levá-la à boca ou ao olho, assim como na tábua da privada, nos banheiros."

Previna-se: passe um paninho com álcool antes de colocar a mão sobre qualquer superfície compartilhada. "E evite levar a mão à boca ou ao olho sempre", adverte o infectologista da Unesp.

Escritório

Não é o frio que traz as doenças infecciosas mais comuns no inverno. As viroses respiratórias são espalhadas por causa da aglomeração em lugares fechados. E não porque o organismo fica fragilizado.

Riscos: a chance de pegar o vírus H1N1 ou o do resfriado comum aumenta porque nem sempre o ar condicionado dá conta de resfriar o ambiente. "Há doenças bacterianas ocasionadas pela aglomeração de pessoas, devido à transmissão por via respiratória. Um exemplo é a infecção meningocócica", afirma Jacyr Pasternak, infectologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em SP.

Previna-se: mesmo com a temperatura externa baixa, mantenha frestas de janelas ou a porta aberta. Sua empresa é mais fechada do que caixa-forte? Uma alternativa é tornar-se imune a alguns vírus e bactérias tomando as vacinas existentes. Pode ser uma boa oportunidade para dar um update na sua carteirinha de vacinação.

Cinema

A tecnologia trouxe os filmes em 3D. O uso dos óculos especiais pode facilitar uma infecção por vírus e bactérias.

Riscos: além do risco de gotículas de saliva infectarem os óculos distribuídos, o contato de cílios contaminados nas lentes é capaz de transmitir doenças como a conjuntivite.

Previna-se: certifique-se de que o estabelecimento esteriliza os óculos. Limpá-los com álcool em gel antes de usar também elimina o problema.

Fonte: Revista Viva Mais – por Roberta Piccinelli

domingo, 17 de abril de 2011

A Páscoa e seus símbolos


O nome páscoa surgiu a partir da palavra hebraica "pessach" ("passagem"), que para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu (marcado pela travessia do Mar Vermelho, que se tinha aberto para "abrir passagem" aos filhos de Israel que Moisés ia conduzir para a Terra Prometida).

Ainda hoje a família judaica se reúne para o "Seder", um jantar especial que é feito em família e dura oito dias. Além do jantar há leituras nas sinagogas.

Para os cristãos, a Páscoa é a passagem de Jesus Cristo da morte para a vida: a Ressurreição. A passagem de Deus entre nós e a nossa passagem para Deus. É considerada a festa das festas, a solenidade das solenidades, e não se celebra dignamente senão na alegria [2] .

Em tempos antigos, no hemisfério norte, a celebração da páscoa era marcada com o fim do inverno e o início da primavera. Tempo em que animais e plantas aparecem novamente. Os pastores e camponeses presenteavam-se uns aos outros com ovos.

OVOS DE PÁSCOA
De todos os símbolos, o ovo de páscoa é o mais esperado pelas crianças.

Nas culturas pagãs, o ovo trazia a idéia de começo de vida. Os povos costumavam presentear os amigos com ovos, desejando-lhes boa sorte. Os chineses já costumavam distribuir ovos coloridos entre amigos, na primavera, como referência à renovação da vida.

Existem muitas lendas sobre os ovos. A mais conhecida é a dos persas: eles acreditavam que a terra havia caído de um ovo gigante e, por este motivo, os ovos tornaram-se sagrados.

Os cristãos primitivos do oriente foram os primeiros a dar ovos coloridos na Páscoa simbolizando a ressurreição, o nascimento para uma nova vida. Nos países da Europa costumava-se escrever mensagens e datas nos ovos e doá-los aos amigos. Em outros, como na Alemanha, o costume era presentear as crianças. Na Armênia decoravam ovos ocos com figuras de Jesus, Nossa Senhora e outras figuras religiosas.

Pintar ovos com cores da primavera, para celebrar a páscoa, foi adotado pelos cristãos, nos século XVIII. A igreja doava aos fiéis os ovos bentos.

A substituição dos ovos cozidos e pintados por ovos de chocolate, pode ser justificada pela proibição do consumo de carne animal, por alguns cristãos, no período da quaresma.

A versão mais aceita é a de que o surgimento da indústria do chocolate, em 1830, na Inglaterra, fez o consumo de ovos de chocolate aumentar.

COELHO
O coelho é um mamífero roedor que passa boa parte do tempo comendo. Ele tem pêlo bem fofinho e se alimenta de cenouras e vegetais. O coelho precisa mastigar bem os alimentos, para evitar que seus dentes cresçam sem parar.

Por sua grande fecundidade, o coelho tornou-se o símbolo mais popular da Páscoa. É que ele simboliza a Igreja que, pelo poder de cristo, é fecunda em sua missão de propagar a palavra de Deus a todos os povos.

CORDEIRO
O cordeiro é o símbolo mais antigo da Páscoa, é o símbolo da aliança feita entre deus e o povo judeu na páscoa da antiga lei. No Antigo Testamento, a Páscoa era celebrada com os pães ázimos (sem fermento) e com o sacrifício de um cordeiro como recordação do grande feito de Deus em prol de seu povo: a libertação da escravidão do Egito. Assim o povo de Israel celebrava a libertação e a aliança de Deus com seu povo.

Moisés, escolhido por Deus para libertar o povo judeu da escravidão dos faraós, comemorou a passagem para a liberdade, imolando um cordeiro.

Para os cristãos, o cordeiro é o próprio Jesus, Cordeiro de Deus, que foi sacrificado na cruz pelos nossos pecados, e cujo sangue nos redimiu: "morrendo, destruiu nossa morte, e ressuscitando, restituiu-nos a vida". É a nova Aliança de Deus realizada por Seu Filho, agora não só com um povo, mas com todos os povos.

CÍRIO PASCAL
É uma grande vela que se acende na igreja, no sábado de aleluia. Significa que "Cristo é a luz dos povos".

Nesta vela, estão gravadas as letras do alfabeto grego"alfa" e "ômega", que quer dizer: Deus é princípio e fim. Os algarismos do ano também são gravados no Círio Pascal.

O Círio Pascal simboliza o Cristo que ressurgiu das trevas para iluminar o nosso caminho.

GIRASSOL
O girassol é uma flor de cor amarela, formada por muitas pétalas, de tamanho geralmente grande. Tem esse nome porque está sempre voltado para o sol.

O girassol, como símbolo da páscoa, representa a busca da luz que é Cristo Jesus e, assim como ele segue o astrorei, os cristãos buscam em Cristo o caminho, a verdade e a vida.

PÃO E VINHO
O pão e o vinho, sobretudo na antiguidade, foram a comida e bebida mais comum para muitos povos. Cristo ao instituir a Eucaristia se serviu dos alimentos mais comuns para simbolizar sua presença constante entre e nas pessoas de boa vontade. Assim, o pão e o vinho simbolizam essa aliança eterna do Criador com a sua criatura e sua presença no meio de nós.

Jesus já sabia que seria perseguido, preso e pregado numa cruz. Então, combinou com dois de seus amigos (discípulos), para prepararem a festa da páscoa num lugar seguro.

Quando tudo estava pronto, Jesus e os outros discípulos chegaram para juntos celebrarem a ceia da páscoa. Esta foi a Última Ceia de Jesus.

A instituição da Eucaristia foi feita por Jesus na Última Ceia, quando ofereceu o pão e o vinho aos seus discípulos dizendo: "Tomai e comei, este é o meu corpo... Este é o meu sangue...". O Senhor "instituiu o sacrifício eucarístico do seu Corpo e do seu Sangue para perpetuar assim o Sacrifício da Cruz ao longo dos séculos, até que volte, confiando deste modo à sua amada Esposa, a Igreja, o memorial da sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal, em que se come Cristo, em que a alma se cumula de graça e nos é dado um penhor da glória futura" [3].

A páscoa judaica lembra a passagem dos judeus pelo mar vermelho, em busca da liberdade.

Hoje, comemoramos a páscoa lembrando a jornada de Jesus: vida, morte e ressurreição.

Colomba Pascal
O bolo em forma de "pomba da paz" significa a vinda do Espírito Santo. Diz a lenda que a tradição surgiu na vila de Pavia (norte da Itália), onde um confeiteiro teria presenteado o rei lombardo Albuíno com a guloseima. O soberano, por sua vez, teria poupado a cidade de uma cruel invasão graças ao agrado.

SINO
Muitas igrejas possuem sinos que ficam suspensos em torres e tocam para anunciar as celebrações.

O sino é um símbolo da páscoa. No domingo de páscoa, tocando festivo, os sinos anunciam com alegria a celebração da ressurreição de cristo.
Quaresma

Os 40 dias que precedem a Semana Santa são dedicados à preparação para a celebração. Na tradição judaica, havia 40 dias de resguardo do corpo em relação aos excessos, para rememorar os 40 anos passados no deserto.

Óleos Santos
Na antiguidade os lutadores e guerreiros se untavam com óleos, pois acreditavam que essas substâncias lhes davam forças. Para nós cristãos, os óleos simbolizam o Espírito Santo, aquele que nos dá força e energia para vivermos o evangelho de Jesus Cristo.

Fonte: Portal da família

sábado, 16 de abril de 2011

Hábitos diários que prejudicam a saúde


Conheça nove atitudes que podem ser prejudiciais à saúde, como deixar a escova de dente na pia do banheiro e comer diante da TV



1. Usar fones de ouvido em lugares barulhentos

Sim, é melhor ouvir música do que o zumzum de ambientes barulhentos. Porém, pesquisadores americanos descobriram que 80% das pessoas aumentam o som para além de 89 decibéis, o que implica risco de danos auditivos a longo prazo. "Em 140 decibéis podemos romper o tímpano e ficar surdos", adverte Pedro Germano.

2. Deixar a escova de dentes sobre a pia do banheiro

Parece o lugar ideal, mas a cada descarga com a tampa do vaso sanitário erguida, um spray com bilhões de micróbios é lançado ao ar, fixando-se no chão, na pia e... na escova de dentes. O melhor a fazer, diz o biomédico Roberto figueiredo, o famoso dr. Bactéria, é secar a escova após o uso, borrifar antisséptico bucal nas cerdas e guardá-la na vertical num recipiente próprio dentro do armário. "Antes de escovar os dentes, enxágue a escova para retirar o produto e troque-a a cada dois meses ou após gripes ou infecções."

3. TV na sala de jantar

Desligue o aparelho se não quiser engordar! Estudo da Smell and Taste Treatment Research foundation, de chicago (EUa), revelou que as pessoas comem de 42% a 44% mais batatas fritas assistindo a filmes e shows, enquanto uma pesquisa publicada na revista americana Prevention constatou que o consumo de macarrão e queijo diante da telinha aumenta em até 71%.

"Quando comemos assim, não nos concentramos plenamente no alimento", explica Marco antonio de Tommaso, da associação Brasileira para Estudos da Obesidade. "Com isso, além de mastigar mal, perdemos a noção do volume da comida ingerida. O ato de comer fica associado a estímulos externos e não à fome propriamente dita."

4. Utilizar orelhões próximos a toaletes

Todo mundo prefere esses telefones porque estão numa área mais silenciosa das galerias e shoppings. Mas, da próxima vez que você precisar de um orelhão, lembrese do alerta do dr. Bactéria: "Estudos mostraram que esses aparelhos geralmente contêm coliformes fecais, o que significa que são 'limpos' com os mesmos panos usados para limpar banheiros". Só para lembrar: coliformes fecais são bactérias normalmente encontradas no intestino.

5. Dormir debaixo de pilhas de cobertores

Se é difícil adormecer, conte os cobertores que usa para se cobrir. Mais de um pode impedir que seu sono chegue, mesmo se o ar-condicionado estiver ligado. É que a queda da temperatura corporal, que ocorre quando deitamos, ajuda a nos deixar sonolentos, explica Helen Burgess, do Laboratório de Pesquisa de Ritmos Biológicos no Rush University Medical Center, em Chicago (EUA). Mas se você gosta dos cobertores, deixe os pés e as mãos de fora.

6. Manter remédios dentro do armário do banheiro

A maioria dos medicamentos deve ser armazenada em local fresco e seco - o oposto do ambiente de um banheiro. Um banho quente torna tudo úmido e abafado, com temperaturas que podem chegar a 38° C.

"O ideal é guardar remédios em armários arejados na despensa da cozinha, se ela for o local mais fresco da casa", ensina Pedro Manuel Leal Germano, da Faculdade de Saúde Pública da USP.

7. Fazer aulas de ginástica se olhando no espelho

Na academia, alunos extrovertidos preferem a fila da frente para corrigir os movimentos na parede espelhada e ter uma melhor visão de si próprios e do professor. "Só que há chance de que, por ocupar um lugar de destaque, você ultrapasse o limite que seu corpo suporta", adverte Mauro Guiselini, precursor da ginástica aeróbica no Brasil. Numa pesquisa da Universidade McMasters, no Canadá, concluiu-se que mulheres que se exercitam num quarto espelhado são mais ansiosas por causa do desempenho que as que fazem exercício num ambiente sem espelhos.

8. Comer diante do computador

Teclados podem ser mais sujos do que assentos sanitários, diz a Sociedade Americana de Saúde e Epidemiologia. Motivo? As pessoas comem enquanto trabalham no computador, e os farelos que caem entre os dígitos alimentam os bichinhos que se concentram ali. "Portanto, lave as mãos após o uso do teclado, principalmente se você tem o hábito de se alimentar em frente à máquina", recomenda o dr. Bactéria.

9. Ficar na mira do ventilador ou do ar frio

Dormir com o ventilador ou o ar-condicionado voltado para você favorece a chegada do sono nos dias quentes, mas provoca a queda da resistência imunológica, facilitando resfriados mesmo no verão. "Se o filtro do ar estiver sujo e o ventilador parecer um carpete cheio de pó, você pode ter doenças respiratórias. Limpe os aparelhos toda semana", diz o dr. Bactéria.

Fonte: Revista Viva Mais – por Mariana Viktor

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Hino Nacional: uma música com história


A história do Hino Nacional é cheia de curiosidades e reflete alguns dos momentos mais importantes de nossa história. O hino surgiu no momento em que o Brasil atravessava um período difícil, pois D. Pedro I em razão de seus desmandos autoritários fazia a independência do país oscilar. Assim, ao calor das manifestações civis que comemoravam a abdicação do Rei, forçada pelo clamor dos patriotas, Manuel da Silva refez o hino que criara em 1822 para saudar a emancipação política do País. O hino então se transformou num grito de rebeldia da Pátria livre contra a tutela portuguesa.

O hino nacional foi tocado pela primeira vez em 1831, ele foi tocado por quase um século sem ter oficialmente uma letra. Foram muitas as tentativas de acrescentar um texto à música que não deram certo, pois em sua maioria não possuíam versos bons: alguns eram carregados de ressentimentos e insultavam os portugueses; outros eram cheios de bajulações ao soberano reinante.

Assim, só em 1909 a composição de Francisco Manuel da Silva ganhou a letra de Joaquim Osório Duque Estrada. No ano de 1922, Epitácio Pessoa oficializou a letra como Hino Nacional Brasileiro. Por ter sido originalmente criada para execução em orquestra, a música sofreu adaptações para ser cantada.

Fontes: Revista Nova Escola / Portal Colégio São Francisco

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Atividade física melhora a autoestima das crianças e protege contra depressão


Um estudo americano mostrou que 20 a 40 minutos de exercícios diários podem contribuir para a diminuição das chances de desenvolver depressão e aumentar consideravelmente a autoestima.
Um estudo que acompanhou mais de 200 crianças com sobrepeso e sedentárias, com idades entre 7 e 11 anos, mostrou que 20 a 40 minutos de exercícios diários podem contribuir para a diminuição das chances de desenvolver depressão e aumentar consideravelmente a autoestima.

Os pesquisadores da Universidade de Ciências da Saúde da Geórgia, EUA, afirmam que o estudo – que acompanhou essas crianças durante 13 semanas consecutivas – é o primeiro a demonstrar os benefícios que uma dose mínima de exercícios traz para combater os sintomas da depressão e desenvolvimento de uma autoavaliação positiva de crianças. Mas os pesquisadores enfatizam: quanto mais tempo de exercício diário, melhor.

“Simplesmente levantar-se e fazer alguma atividade aeróbica mudou a relação que essas crianças sentiam sobre si mesmas”, diz Karen Petty, principal autora do estudo. “E o mais impressionante é que as crianças envolvidas no estudo chegaram às mesmas percepções.”

Jogos, brincadeiras e esportes coletivos

A pesquisa focou atividades que fossem divertidas e que aumentassem a frequência cardíaca, como jogos envolvendo corrida, pular corda, basquete e futebol, e que normalmente combinam pequenos momentos de alta intensidade de exercício e períodos de leve descanso, sem interromper totalmente a atividade.

Os participantes avaliavam positivamente seus sentimentos sobre si próprios após cada sessão de exercícios. “Se você se sente melhor sobre você mesmo, é provável que isso se reflita no rendimento escolar e talvez essas crianças possam até mesmo prestar mais atenção na aula”, diz Petty que, com sua equipe, analisou os dados.

Catherine Davis, outra pesquisadora envolvida no estudo, também comprovou que as atividades físicas não só melhoram o condicionamento físico e diminuem a gordura no corpo, mas também reduzem o risco de diabetes dessas crianças, melhoram a cognição e as deixam menos agressivas. “Nosso bem-estar mental e físico estão interligados”, diz Davis. “O estudo mostra os benefícios de exercícios em qualquer idade.”

Os pesquisadores agora acompanham outro grupo de crianças, que deverão ser observadas por, no mínimo, oito meses. Eles procuram confirmar os dados da primeira pesquisa e controlar fatores que corroborem que foi o exercício, e não a atenção extra durante as sessões, que fez a diferença. Uma hipótese provável é que a combinação de ambos os fatores, além da interação social, são importantes para uma melhor imagem que essas crianças têm de si próprias.

Fonte: O que eu tenho?

quarta-feira, 13 de abril de 2011

5 Mitos sobre o estresse

Apesar de ele estar na boca — e na mente — do povo, controlá-lo não é uma tarefa tranquila. SAÚDE! vai além do senso comum e, baseada na ciência, aponta as medidas que acalmam pra valer.

Morar no último andar de um prédio garante uma bela vista. Por outro lado, implica longas viagens de elevador ou de escada. Em outras palavras, dependendo de como se encara a situação, a cobertura vira um sonho ou um aborrecimento. "Com o estresse, ocorre algo semelhante: o fato em si importa menos do que a maneira como é assimilado", avalia a psicóloga Valquíria Trícoli, vice-presidente da Associação Brasileira de Stress. A confusão, entretanto, começa na hora de decidir o que fazer para lidar com o nervosismo. Certas práticas que aparentemente esfriam a cabeça podem, na verdade, acabar esquentando os ânimos. "Estamos mais preparados para gerenciar o estresse. Só que, por falta de informação, as pessoas cometem erros que as prejudicam ainda mais", reforça o psicólogo Esdras Vasconcellos, da Universidade de São Paulo. Chega o momento de introduzir as atitudes que causam uma tempestade na massa cinzenta e as correções que asseguram a bonança cerebral. Vamos aos mitos:

1 - NÃO SE PROGRAME
A língua portuguesa é ambígua em alguns casos. No dicionário Houaiss, por exemplo, a palavra relaxado caracteriza tanto os indivíduos descontraídos como aqueles negligentes. E até por causa desse encontro de significados muita gente crê piamente que a displicência é sinônimo de calmaria. Todavia, isso não poderia estar mais longe da realidade. "Priorizar certos assuntos, organizar-se e manter uma agenda dos eventos são passos importantes para manter a serenidade", revela Ana Maria Rossi, psicóloga da Clínica de Stress e Biofeedback, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Afinal, aí estão enumerados jeitos simples de se preparar para enfrentar o que vem ao longo do dia e, então, evitar surpresas desagradáveis ou instantes embaraçosos, dois fatores capazes de alavancar os níveis de adrenalina no organismo. Mas que fique claro: a disciplina precisa ser acompanhada de flexibilidade. "Ficar engessado também atrapalha, porque qualquer imprevisto pode desencadear nervosismo", esclarece Ana Maria.

2 - MEDITE!
A tal arte milenar oriental, assim como a ioga ou até o tai chi chuan, é preconizada como um dos alívios mais eficazes para a tensão excessiva. Ela realmente tem seu valor, porém somente para quem a aprecia. Forçar alguém reconhecidamente elétrico a ficar imóvel enquanto se concentra em seu próprio corpo, além de não adiantar nada, contribui para o surgimento de uma sensação precursora do estresse: a ansiedade. "Determinados pacientes relaxam mais com exercícios físicos, outros com a leitura, e há quem aposte nas músicas", elenca a psicóloga Selma Bordin, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. A regra, portanto, é investir no que você gosta. Mas para toda norma há uma exceção. "Um jogo de cartas, se ficar muito competitivo, torna-se igualmente estressante", exemplifica Esdras Vasconcellos. "É importante valorizar a diversão nesses momentos em vez de se concentrar somente na vitória ou na derrota", acrescenta.
3 - FALE ATÉ FICAR ROUCO!
Discutir a perda de um emprego ou a de um ente querido auxilia a superar o trauma. Entre outras coisas, o próprio ato de falar exige uma organização prévia do pensamento — premissa essencial para passar por cima das pedras que atravessam o seu caminho. Acontece que, em contrapartida, a insistência no assunto quase sempre culmina em nervos exaltados. "A mente não trabalha com tempos diferentes. Um evento passado, se relembrado, vem para o presente", explica a psicóloga Ana Maria Rossi. Isso quer dizer que remoer tópicos desagradáveis de tempos atrás com os amigos costuma terminar em irritação. O pior é que isso não ocorre só porque a questão continua a rondar as conversas do sujeito. Na verdade, as próprias palavras dos companheiros às vezes causam desconforto por se oporem ao raciocínio do estressado do momento. Por isso, os especialistas aconselham buscar parceiros de papo que sejam bons ouvintes e que busquem apenas aprofundar o debate. "Ajuda mais quem não emite opiniões. Caso contrário, aquele processo de estruturação das ideias é inibido", relata Selma Bordin.

4 - NUNCA DURMA NERVOSO
Em um mundo ideal, as preocupações ficariam restritas ao período em que o sol dá as caras. Mas, na realidade, cada vez mais elementos interferem no equilíbrio do dia — e muitos deles não têm medo do escuro da noite. Por isso, sejamos sinceros: aquela velha máxima de não levar problemas para a cama é difícil de ser aplicada ao pé da letra. E, mais do que isso, se trocamos horas de sono para resolver pendências, o risco de o estresse despertar junto com você aumenta. "Há estudos que relacionam um sono inadequado à secreção de hormônios como o cortisol, ligado ao estresse", aponta Rafael Freire, psiquiatra da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Uma estratégia que traz bons resultados é, em vez de resolver o que o atormenta na calada da madrugada, traçar um planejamento do que realizar ao amanhecer para solucionar a situação. Essa luz no fim do túnel serve como calmante e, de quebra, agiliza a resolução de fatores enervantes.

5 - SEMPRE RECORRA AOS FAMILIARES
As pessoas da sua família, até pela intimidade, servem como válvula de escape em muitas ocasiões. E a ciência realmente comprova que uma boa estrutura em casa reduz a inquietação excessiva. Agora, há momentos e momentos para apelar à mãe, ao pai... Na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, pesquisadores observaram que, durante uma atividade aflitiva, voluntários colocados ao lado do seu animal de estimação apresentavam a frequência cardíaca e a pressão sanguínea mais controladas do que os participantes que ficavam junto do marido ou da mulher. Isto é, se um irmão ou mesmo um primo podem até servir como um bom ouvido, aquele companheiro peludo e de quatro patas funciona melhor para atenuar os efeitos do estresse. "O bicho é afetivo, não cobra nada e ainda tira o foco do tormento", declara a psicóloga Valquíria Trícoli. Sem contar que a proximidade entre indivíduos com o mesmo sobrenome gera, em certos temas, exigências que só intensificam o desassossego.

RESPIRE FUNDO!
Pôr oxigênio para dentro e gás carbônico para fora não é tão fácil quanto parece. Ao longo da vida — e inclusive por causa de traumas ou acontecimentos emocionalmente marcantes —, a respiração vai ficando apressada. Isso, por sua vez, não contribui em nada quando os circuitos cerebrais já estão funcionando sob alta tensão. É por essas e por outras que os especialistas são unânimes: usar e abusar do diafragma, o músculo responsável por encher e esvaziar os pulmões, ajuda demais a manter a paciência. "Na hora de lidar com um desafio estressor, respirar profundamente oxigena as células cerebrais e serve como elemento tranquilizador", afirma a psicóloga Marilda Lipp, da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, no interior paulista.

Fonte: Revista Saúde

terça-feira, 12 de abril de 2011

Livros podem proteger adolescentes contra a depressão


Uma pesquisa desenvolvida na Universidade de Pittsburgh analisou a relação que adolescentes deprimidos têm com as diversas mídias e descobriu que a leitura está fortemente associada à depressão. Entre os adolescentes que participaram do estudo, os que passavam mais tempo lendo tinham 90% menos chances de não estarem deprimidos.

Os cientistas não sabem explicar essa relação, mas desenvolveram duas hipóteses. “Nós pensamos entre nós mesmos que quando você tem depressão o seu cérebro não está funcionando de forma apropriada. Então é muito mais difícil se sentar com um livro e ter que usar uma grande parte do lóbulo frontal do seu cérebro para criar a história e os personagens na sua cabeça”, explica o pesquisador Brian A. Primack. Outra possibilidade é a de que a leitura seja de alguma forma protetora, afastando os jovens da depressão.

A doença muitas vezes se manifesta de formas diferentes em adultos e jovens. Por isso é preciso que pais e educadores estejam atentos a qualquer sinal ou comportamento incomum do adolescente, buscando ajuda profissional se necessário.

Fonte: Blog Boa Saúde

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Hora do recreio é essencial para aprendizado escolar, sugere estudo


Uma pesquisa foi feita com alunos da terceira série nos EUA. Dentre 11 mil jovens, os que tinham recreio iam melhor na escola.

Crianças que se comportam mal na escola são muitas vezes punidas, sendo mantidas dentro da sala de aula durante o recreio. Porém, uma nova pesquisa mostra que o tempo livre ajuda a solucionar problemas comportamentais de dentro da classe.

Pesquisadores da Escola de Medicina Albert Einstein revisaram dados sobre aproximadamente 11 mil alunos da terceira série, coletados em 2002, como parte de um grande estudo, financiado pelo Departamento de Educação dos Estados Unidos, para determinar como a estrutura familiar, escola, comunidade e fatores individuais afetavam o desempenho escolar.

O estudo, publicado na semana passada no periódico médico "Pediatrics", descobriu que cerca de uma em cada três crianças tinha menos de 15 minutos de recreio diariamente – ou nem isso. Em comparação com crianças que participavam regularmente dos horários livres, as que ficavam presas tendiam a ser negras, vir de famílias de baixa renda e de menos instrução e a viver em grandes cidades.

As crianças com pelo menos 15 minutos de recesso tinham melhores notas que as outras nas avaliações comportamentais dos professores. Romina M. Barros, pediatra e professora-assistente da Albert Einstein, diz que os dados foram importantes, pois muitas escolas novas estavam sendo construídas sem os espaços livres adequados para estudantes.

"Temos que entender que as crianças precisam de uma pausa", diz Barros. "Nossos cérebros podem se concentrar e prestar atenção durante 45 a 60 minutos, e com crianças esse tempo é ainda menor. Para que elas consigam adquirir todas as habilidades acadêmicas que queremos que aprendam, elas precisam de uma pausa para sair, liberar energia, brincar e ser sociais."

Fonte: Portal da Educação Física

domingo, 10 de abril de 2011

Qual é a maior palavra da língua portuguesa?


Com certeza algumas pessoas pensaram em palavras do tipo: paralelepípedo, anconstitucionalissimamente, otorrinolaringologista. Mas erraram! A maior palavra da língua portuguesa possui 46 letras e ganhou registro definitivo em 2001, quando apareceu no dicionário Houaiss. Estamos falando de pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico. Antes, o título pertencia ao advérbio “anticonstitucionalissimamente”, que tem 29 letras e descreve algo que é feito contra a constituição. O vice era “oftalmotorrinolaringologista”, com 28 letras, que se refere ao especialista nas doenças dos olhos, ouvidos, nariz e garganta.

O Houaiss é o campeão de palavras na língua portuguesa, mas não traz, por exemplo, palavras da química que têm dezenas de sílabas, usadas para definir compostos. Uma delas é “tetrabromometacresolsulfonoftaleína”, que tem 35 letras e indica um corante usado em reações. “Palavras como essa são muito específicas e só aparecem em glossários de terminologia química”, diz o filólogo Mauro Villar, do Instituto Antônio Houaiss.

Agora já que sabemos qual é a maior palavra da língua portuguesa, o mais correto é conhecer o seu significado. Então vamos lá:

Entenda cada parte desse vocábulo de 46 letras

Pnmeumoultramicroscópico
Pneumo – Pulmão
Ultra – Fora de
Microscópico – Muito pequeno
Silicovulcanoconiótico
Sílico – Vem de silício, um elemento químico presente no magma vulcânico
Vulcano – Vindo de um vulcão
Coniótico – Vem de coniose, doença causada por inalação de pós em suspensão no ar

Tudo isso junto…
Pessoa que sofre de uma doença pulmonar, a pneumoconiose, causada pela aspiração de cinzas vulcânicas!

Fonte: Só Português

sábado, 9 de abril de 2011

Os matemáticos mais importantes da história


O campo mais abstrato da ciência contou com a genialidade destes caras para quantificar e interpretar logicamente o mundo que nos cerca


10- RENÉ DESCARTES
NACIONALIDADE Francês
GRANDE FEITO Criou a geometria analítica no século 17
Responsável por representar os números naquele gráfico com eixos x e y, batizado de cartesiano em sua homenagem. A geometria analítica revolucionou a matemática, tornando mais fácil “enxergar” relações entre números e compreender conceitos abstratos. Descartes morreu de pneumonia no castelo da rainha Cristina da Suécia, que o contratou como professor de filosofia.

9- HENRI POINCARÉ
NACIONALIDADE Francês
GRANDE FEITO Inventou a topologia algébrica no século 19
A partir dele, passou-se a classificar sólidos imaginários como cubos, esferas e cones por meio de teoremas. Com a topologia algébrica, é possível demonstrar, por exemplo, como uma caneca é a deformação da metade de um aro - seja lá o que isso quer dizer... A conjectura (hipótese não comprovada) que ele propôs em 1904 só foi resolvida em 2006.

8- EUCLIDES
NACIONALIDADE Grego
GRANDE FEITO Fundamentou a geometria no século 3 a.C.
Seu livro Elementos, com os fundamentos da geometria clássica, ainda é leitura obrigatória entre os matemáticos. Na obra de 23 séculos atrás estão compilados seus axiomas – verdades lógicas que valem até hoje. Um exemplo de axioma é “pode-se traçar uma única reta ligando quaisquer dois pontos”. A obra- prima de Euclides é o segundo livro mais traduzido da história, atrás apenas da Bíblia.

7- AL-KHWARIZMI
NACIONALIDADE Persa
GRANDE FEITO Criou bases teóricas para a álgebra moderna no século 8
Ele fundamentou a matemática ocidental. Sua obra descreve métodos para resolver equações lineares e quadráticas, como ensinam na escola até hoje. O italiano Fibonacci levou os ensinamentos de Khwarizmi para a Europa, propagando o uso de numerais arábicos e dos algarismos de 0 a 9 para representá-los.

6- ARQUIMEDES
NACIONALIDADE Grego
GRANDE FEITO Aplicou a geometria na prática no século 3 a.C.
O principal matemático da Antiguidade uniu o mundo abstrato dos números com o mundo real. É considerado pai da mecânica por estudar forças, alavancas e densidade de materiais. Foi o primeiro
a notar a relação constante entre o diâmetro e o raio de qualquer circunferência: o número π (pi). Arquimedes também era inventor. Entre seus trabalhos estão o parafuso de Arquimedes, usado para tirar água de dentro de navios, e o aperfeiçoamento da catapulta.

5- ISAAC NEWTON
NACIONALIDADE Inglês
GRANDE FEITO Criou o cálculo no século 17
Responsável por avanços científicos que mudaram a humanidade, como a lei da gravitação universal, Newton também era um matemático notável, considerado um dos inventores do cálculo - disciplina avançada da matemática, ensinada em cursos superiores específicos. Sem o cálculo seria impossível medir precisamente o volume de objetos curvos ou calcular a velocidade de objetos em aceleração.

4- GOTTFRIED LEIBNIZ
NACIONALIDADE Alemão
GRANDE FEITO Criou o cálculo no século 17
Não era popular como Newton, mas quem o conheceu compara seu gênio ao de Da Vinci. Leibniz aprofundou o conceito de grandezas infinitesimais, ou seja, infinitamente pequenas - que pelo nome podem até não parecer, mas são muito relevantes na matemática. Newton acusou Leibniz de plágio, mas ficou comprovado que ambos desenvolveram estudos sobre o cálculo ao mesmo tempo, chegando às mesmas conclusões

3- ÉVARISTE GALOIS
NACIONALIDADE Francês
GRANDE FEITO Criou as estruturas algébricas no século 19
Rebelde e genial, é o único grande matemático cuja obra não tem erros, talvez por ser muito curta. Seu principal trabalho foi em polinômios e estruturas algébricas, o que o levou a solucionar problemas matemáticos em aberto desde a Antiguidade. Especialistas acreditam que se não tivesse morrido aos 21 anos - em um duelo -, seria o número um da nossa lista.

2- CARL GAUSS
NACIONALIDADE Alemão
GRANDE FEITO Mais completo matemático da primeira metade do século 19
O “príncipe dos matemáticos” publicou, aos 21 anos, sua obra-prima sobre teoria dos números. Morreu aos 77 anos como o maior generalista da matemática, contribuindo em áreas como estatística, análise, geometria diferencial e geodésia, para citar poucas. A extinta nota de dez marcos alemã trazia um retrato do matemático com uma de suas “invenções”: a curva de Gauss, que sempre aparece em gráficos estatísticos.

1- LEONHARD EULER
NACIONALIDADE Suíço
GRANDE FEITO Revolucionou quase toda a matemática no século 18
Seus quase 800 livros fundamentaram campos que seriam estudados futuramente, como topologia, e revolucionou quase todos os que já estavam em voga, como cálculo e funções. Ao solucionar um problema que envolvia sete pontes que ligavam duas ilhas na cidade de Königsberg, antiga Prússia, fundou a teoria dos grafos, que possibilitou o surgimento da topologia e é usada hoje, por exemplo, para
montar as tabelas do Campeonato Brasileiro! Euler ficou cego aos 50 anos e passou a ditar seus textos ao filho. Muitos matemáticos avaliam que seu trabalho ficou mais rico após perder a visão.

- O matemático francês François Arago declarou que Euler calculava sem esforço, “como os homens respiram e as águias mantêm-se no ar”

CONSULTORIA Sérgio Roberto Nobre, professor e coordenador do Grupo de Pesquisa da História da Matemática do departamento de Matemática da Unesp (Rio Claro) FONTES www.math-atlas.org; www.shsu.edu; www.guardian.co.uk; www.sci.hkbu.edu.hk

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Bruno Lazaretti

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Brasil tem dez anos para se preparar para envelhecimento da população


Bônus demográfico

O Brasil tem dez anos para se preparar para os efeitos do envelhecimento de sua população, segundo estimativa do Banco Mundial.

Relatório divulgado pela instituição financeira internacional mostra que a população brasileira está envelhecendo rapidamente.

Contudo, o estudo afirma que o país viverá, até 2020, um período chamado de bônus demográfico, quando a proporção entre o número de dependentes (crianças e idosos) e o número de pessoas em idade ativa alcança seu menor patamar.

País de vovôs

Segundo o Banco Mundial, a expectativa é que, a partir de 2020, a proporção entre dependentes e pessoas em idade ativa volte crescer, com o aumento da proporção de idosos na população geral.

Estima-se que a população com 65 anos ou mais, que hoje soma 20 milhões, chegue a 65 milhões.

Para o coordenador do estudo, Michele Gragnolati, esse é um momento único, em que é preciso aproveitar a grande disponibilidade de mão-de-obra para promover o crescimento econômico. É também a hora de se pensar numa forma de reestruturar o sistema previdenciário do país.

"A sociedade tem que achar maneiras para financiar o número de aposentados de maneira eficiente, sustentável, com incentivos que permitam poupança, investimento, crescimento e sustentabilidade", disse.

Trabalho e confiança

De acordo com o Banco Mundial, para aproveitar o momento, é necessário, por exemplo, criar oportunidades de trabalho suficientes para a população em idade ativa e ter um mercado financeiro que transmita confiança às pessoas que queiram poupar para o futuro.

Fonte: Diário da Saúde - Agência Brasil

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Dez crenças que você precisa abandonar para ter sucesso profissional


Muitos conceitos do mercado envelheceram. Livre-se deles para evoluir profissionalmente

Que na era da Internet as empresas estão se modernizando a uma velocidade impressionante, não é novidade. Toda mudança, porém, exige uma quebra de determinados padrões de comportamento. Alguns conceitos ficam tão arraigados que é difícil modificar a atitude sem sentir uma pontinha de receio. Para te ajudar, conversamos com vários especialistas em carreira. Eles elaboraram uma lista com dez máximas que estão antiquadas. Sabendo disso, será muito mais fácil você se dar bem.

1. Quem estende o expediente é visto como competente e esforçado

Há algum tempo, as pessoas que cumpriam o horário à risca eram malvistas. Isso está em franca decadência, pois quem quer fazer trabalho extra pode, perfeitamente, se dedicar a isso fora do escritório e depois apresentar resultados. “Ficar até mais tarde costuma ser desnecessário e improdutivo. O que interessa para as empresas é o resultado”, avisa Eduardo Ferraz, especialista em gestão de pessoas, negociação e vendas. O administrador de empresas e palestrante Anderson Cavalcante é radical: “Quem sempre fica até mais tarde é incompetente e desorganizado. Um bom profissional sabe que existe vida após o trabalho. Anderson diz que muitas pessoas enrolam o dia todo e depois extrapolam o horário. Os líderes modernos estão de olho nisso.

2. Rede social é brincadeira de quem não tem o que fazer

Cada vez mais profissionais estão se especializando para atuarem nas redes sociais. Dependendo do ramo, elas são tão importantes quanto o trabalho convencional. “Quem não faz parte de alguma rede social é muito mais do que um analfabeto digital: está fora do mundo”, opina Anderson Cavalcante. Christian Barbosa, especialista em administração de tempo e produtividade e fundador da multinacional de consultoria Triad PS, reforça que as redes sociais podem ser muito úteis para captar novos clientes, recrutar profissionais e até desenvolver novos projetos em parceria com outros internautas. “Além disso, algumas pesquisas dizem que as redes sociais, quando bem utilizadas, melhoram a produtividade". Mas ele avisa: "Acessar para pesquisas e ter novas ideias, sim. Perder tempo, não”.

3. Cursos de extensão ajudam a subir na carreira

“Quem para de estudar e de praticar fica desatualizado e não acompanha as necessidades de sua áreal”, avisa Paulo Kretly, presidente da FranklinCovey Brasil e autor do recém-lançado “Deixe um Legado” (Ed. Campus). Cursos e pós-graduações são quase uma obrigação, mas há um porém. “Aquilo que muita gente possui deixa de ser um diferencial. Estudar bastante é importante, mas o que leva uma pessoa ao sucesso é a soma dos resultados que ela entrega”, avisa Eduardo Ferraz. Assim, nenhum currículo repleto de cursos é capaz de sustentar um desempenho fraco no dia a dia.

4. Devo ouvir críticas em silêncio

De jeito nenhum. Essa atitude pode soar como desinteresse, medo e até covardia. Se a crítica for pertinente, ouça e peça sugestões. Do contrário, peça mais detalhes a respeito do assunto, até que fique claro se a crítica é justa ou não. Segundo Anderson Cavalcante, que escreveu o livro “O Que Realmente Importa?” (Ed. Gente), o segredo é não agir com a emoção. Mantenha a razão e questione. Muitas vezes ouvimos uma crítica por algo que nem percebemos que fizemos. E lembre-se sempre: você pode falar o que quiser, para quem quiser, desde que com cuidado.

5. Pessoas ambiciosas são perigosas

Para o consultor Eduardo Ferraz, autor do livro “Por Que a Gente É do Jeito que a Gente É?” (Ed. Gente), pessoas ambiciosas normalmente são mais invejadas do que malvistas, pois são claras a respeito de seus objetivos. Mas atenção: ambição é diferente de ganância. Christian Barbosa diz que ser ambicioso é bom, fará com que você persista em buscar o sucesso. “Porém, se todas as suas tarefas estiverem relacionadas à ambição, você poderá ser malvisto”, destaca o consultor. Luciano Alves Meira, consultor da FranklinCovey Brasil, enfatiza que a ambição precisa ser compartilhada e orientada por valores. "Assim, sem dúvida, é um traço do trabalhador da era do conhecimento, a que vivemos”, diz.

6. Cumprir prazos é mais importante do que ser criativo

Depende da função e do cargo ocupados. Se os outros dependem de sua pontualidade para trabalhar, cumprir prazos é mais importante. “Se a criação de novas soluções não exige pressa, a criatividade é mais relevante”, argumenta Eduardo Ferraz. Para Anderson Cavalcante, porém, a criatividade nunca foi amiga do prazo. “Ela parece ter vida própria, pois surge quando a gente menos espera e, dependendo da intensidade, é capaz de colocar abaixo todos os cronogramas criados”, defende.

7. Os bajuladores sempre se dão bem

Cresce na carreira quem é competente. Por essa lógica, os bajuladores às vezes se dão bem no curto prazo, mas, futuramente, quebram a cara. “Quem gosta de puxa-sacos? Claro, todos gostamos de elogios, faz bem para o ego... Mas tudo que é demais, enjoa”, diz Christian Barbosa.“Pessoas maduras não são bajuladoras, mas nem por isso precisam ser agressivas. Elas sabem tratar todos com respeito, sem deixar de dizer o que realmente pensam e de negociar sempre que necessário. Essa é a essência da maturidade”, completa Paulo Kretly.

8. Um currículo sempre deve ser curto e objetivo

Embora alguns especialistas sustentem que o recrutador do RH deve se encantar por um currículo em cinco segundos de leitura, o importante é o conteúdo. “Já entrevistei pessoas cujos currículos eram imensos e nem me dei conta de que tinha quatro páginas, tamanho interesse que me despertaram”, diz Anderson Cavalcante. “O problema não é o tamanho do currículo, mas a qualidade de tudo aquilo que você coloca nele”, explica.

9. A vida profissional não pode nem deve interferir na vida pessoal

Segundo Paulo Kretly, tudo está ligado. “O indivíduo é, como a palavra indica, indivisível. Ele carrega para onde vai aquilo que ele é. Caráter e competência são dissociáveis, pois a competência conduz ao topo e o caráter o manterá lá. Por isso, também, é muito importante equilibrar vida pessoal e profissional e cuidar bem da qualidade dos relacionamentos, em ambos os ambientes”, explica.

10. Opinião quem tem é chefe

Você acha que os colaboradores não devem dar opiniões aos seus líderes quando percebem que algo precisa melhorar? De acordo com Paulo Krelty, líderes que não recebem retorno das equipes ficam cada vez menos cientes do que precisa ser feito para alcançar o sucesso. “É essencial que os líderes se abram para receber um retorno e até o peçam”, opina. Segundo Luciano Alves Meira, também da FranklinCovey, as empresas que aprenderam esse conceito construíram culturas vitoriosas.

Fonte: UOL – por Heloisa Noronha

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Lei do piso do professor vale em todo o país, decide STF


O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira (6), por 7 votos a 2, a validade da Lei do Piso Nacional do Magistério. Após adiar por duas vezes o julgamento do mérito da matéria, o Supremo rejeitou a Adin (Ação Direta de Constitucionalidade) que havia sido impetrada por cinco Estados, em que era alegada a inconstitucionalidade da lei.

A lei do piso foi sancionada em 2008 e determinava, dentre outros pontos, o piso de R$ 950 (atualmente, está em R$ 1.187,14) a professores da educação básica da rede pública com carga horária de 40 horas semanais.

Por meio da ação impetrada no mesmo ano da sanção da lei, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará também questionavam pontos específicos, tais como a regra de que um terço da carga horária do professor deveria ser reservada para atividades extraclasse, como planejamento de aula e atualização. Esse dispositivo foi suspenso pelos ministros à época da aprovação da lei, e voltou a ser discutido hoje, mas a decisão sobre essa questão não foi deferida ainda. De acordo com a assessoria de imprensa do STF, essa matéria pode voltar à pauta amanhã.

Fonte: UOL – por Ana Okada, com informações da Agência Brasil

De onde vêm os termos "fulano", "beltrano" e "sicrano"?


Cada um tem uma origem diferente! "Fulano" vem do árabe fulân, que significa "tal". Com o domínio árabe sobre a península Ibérica durante a Idade Média, a língua influenciou os vocabulários espanhol e português. Por volta do século 13, os espanhóis usavam "fulano" como pronome: fulana casa (tal casa), fulano sujeito (tal sujeito). No português, "fulano" virou substantivo, e até derivou para a forma "fuão" em Portugal. "Beltrano" vem do nome próprio Beltrão, ou Beltrand, de origem francesa, que se popularizou graças às novelas de cavalaria da era medieval. O nome acabou levando a terminação "ano" influenciada pelo "fulano", que a essa época já estava na boca do povo. A origem de "sicrano" é mais difícil de precisar. O termo surgiu quando fulano e beltrano já estavam consolidados na língua portuguesa. Há três hipóteses para a origem: "sicra" pode tanto se tratar de um derivado da palavra securu, do latim, do desfiguramento de um nome próprio ou ainda de uma mistura de zutano e citano - equivalentes a "fulano" e "beltrano" em espanhol.

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Bruno Lazaretti

terça-feira, 5 de abril de 2011

Alongamento afina a silhueta e alivia as dores musculares


Esticar, girar e dobrar o corpo são movimentos que aliviam dores musculares, relaxam, corrigem a postura - o que ajuda a combater a barriguinha saliente - e até liberam hormônios que dão a sensação de bem-estar, uma arma extra contra a compulsão alimentar

Você é do tipo que vive chegando em cima da hora para a aula de ginástica e por isso está sempre em dívida com os exercícios de alongamento? E, pior, quando termina a aula sai correndo e nem dá atenção para os movimentos que soltam e relaxam a musculatura tão exigida durante o treino?

Cuidado! Os exercícios de alongamento são uma parte muito importante de qualquer atividade física, pois são responsáveis por preparar o organismo para o esforço e aliviar a carga sobre músculos e articulações no pós-treino. "O alongamento antes de qualquer exercício é imprescindível, pois previne lesões musculares e garante um melhor desempenho. Além disso, serve para aumentar a flexibilidade e 'destravar' a musculatura que, junto com as articulações, formam o mecanismo que nos dá mobilidade", alerta a fisioterapeuta e bailarina Paula Fioreli (SP).

Ah! Você acha que não precisa esticar o corpitcho porque não tem uma atividade física regular? Engana-se! Mesmo com as atividades de rotina, principalmente quem passa muito tempo sentado ou em pé, precisa alongar a musculatura das costas, ombros, braços, pescoço, quadris e pernas para aliviar a tensão diária. Ou seja, reservar uns minutinhos do seu dia para soltar os músculos vai ajudar (e muito!) a diminuir a sensação de corpo e mente pesados, além de evitar dores por tensão e estresse. "De 10 a 15 minutos são o suficiente para garantir os benefícios do alongamento. Pode ser com movimentos suaves pela manhã ou à noite, para diminuir a rigidez do corpo e relaxar", explica a personal trainer Karla Navaro. O melhor dessa história toda é que os benefícios vão além dos descritos acima. Corpo alongado (e destravado!) é sinônimo de silhueta fina e esguia. Então, mãos à obra! Dieta Já! Listou detalhadamente as vantagens de fazer um alongamento diário, bem como selecionou uma série de movimentos poderosos que vão turbinar sua saúde e bem-estar e dar aquela afinada, melhorando, sobretudo, os contornos do seu corpo. Preparada? Então vamos lá!

Movimento para o bem-estar

Ao espichar o corpo, você pode estimular o cérebro a liberar os chamados hormônios do bem-estar, incluindo a serotonina. "Essas substâncias espalham-se por todo o organismo e nutrem músculos e órgãos, fazendo que você se sinta bem, revigorada e, consequentemente, livre da ansiedade (um dos gatilhos da compulsão)", explica o professor de educação física Claudio Victorino, do Saison Spa, Itaipava (RJ).

Postura impecável

"Naturalmente, temos uma postura adequada e equilíbrio corporal para o movimento. O problema é que, conforme o tempo passa, a gravidade, a falta de exercícios e as atividades cotidianas repetidas - como passar horas jogada no sofá ou carregar uma bolsa num ombro só - podem levar ao enrijecimento e encurtamento muscular e causar a má postura", explica Cláudio. Resultado: a silhueta acaba ficando comprometida. Quer ver? Se os músculos das costas, por exemplo, estão enfraquecidos, você pode compensar e se "apoiar" na barriga, que acaba ficando mais projetada e saliente. Por outro lado, ao alongar a musculatura, tudo se encaixa no seu devido lugar. Ou seja, tronco mais alongado significa corpo mais fino.
"Durante os exercícios pesados, o músculo que está sendo forçado sofre uma retração e faz que a flexibilidade na região diminua. Alongar antes da malhação impede que essa contração aconteça facilitando a realização dos movimentos"

Envelhecimento precoce? Nem pensar!

Como já foi dito, o alongamento ajuda a liberar a tensão entre as camadas de músculos, ossos e articulações. E isso pode significar um chega pra lá no envelhecimento precoce, que também é causado por essa tensão, quando se torna crônica e permanece no corpo por longos períodos de tempo. "Quando o cérebro relaxa com o alongamento corporal, esse processo pode ser revertido com o envio de sinais para que as células se renovem e nos deem a sensação de maior vigor físico e jovialidade", comenta Paula.

Seus órgãos agradecem

Alongar-se também pode ser benéfico aos órgãos do corpo, pois promove uma espécie de massagem neles, especialmente nas glândulas do tronco, como fígado, rins, intestinos, pâncreas e glândulas suprarrenais. Massagear os intestinos ao girar o corpo, por exemplo, facilita o percurso dos alimentos ingeridos e mantém esse órgão irrigado. Tais manobras no pâncreas, por sua vez, que tem por função controlar os níveis de açúcar no sangue, acabam promovendo a estabilização da glicemia, acalmando o organismo.

Para ganhar força

Não, o alongamento não garante músculos volumosos. Mas isso não tira nem um pouco sua importância com relação à melhora no contorno corporal. "Ele atua de forma discreta, mas eficiente, pois dá a sua contribuição no ganho de massa magra, ao melhorar a elasticidade das fibras da musculatura. Além disso, colabora com uma forma mais harmônica ao corpo, basta ver como são os corpos das bailarinas, que têm um intenso trabalho de alongamento", comenta Karla.

Adeus, celulite!

"Ao liberar a tensão comprimida entre as camadas de músculos, ossos e articulações, os exercícios de alongamento fazem que as artérias e veias mais profundas sofram uma descompressão, facilitando a chegada e o retorno sanguíneo, auxiliando a vinda de nutrientes, a retirada de resíduos póstreino e a recuperação muscular", explica Cláudio. E esta liberação do fluxo pode ser útil contra um probleminha que aterroriza as mulheres: a celulite.

Detalhes importantes

Não force o corpo até sentir grande desconforto e dor. Se começar a tremer, é sinal de que você exagerou no exercício. Também ficar fazendo caretas, entortando o corpo e contraindo toda a musculatura para se manter numa posição não adianta. "Reduza a intensidade do alongamento", recomenda a especialista Karla Navaro.

Se tiver alguma predisposição ou problema muscular, consulte seu médico antes de qualquer atividade física, até mesmo alongamento. Vale também pedir orientação a um profissional de educação física antes de começar, caso resolva exercitar-se por conta própria.

Quando esticar o corpo, não fique forçando para se manter numa determinada posição. Vá até onde conseguir com conforto, pare de 15 a 20 segundos e, se sentir que pode avançar sem dificuldade, estique um pouco mais e permaneça mais um tempo assim.

A flexibilidade deve ser conquistada aos poucos. É como um elástico, se esticar além da conta, pode romper. Respeite, portanto, seus limites.
Depois de um exercício que envolve muito esforço muscular, é recomendada a prática voltada para o relaxamento. Isto também vale para o fim de um dia de trabalho.

Fonte: Revista Dieta Já

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Emoções exercem influência sobre a saúde, especialmente a do coração


Estudos mostram que felicidade, otimismo e fé agem como um escudo contra as doenças

Muito alardeada nos últimos anos, a influência dos sentimentos sobre a saúde vem sendo comprovada por uma infinidade de pesquisas científicas. Os estudos mostram que tanto as emoções positivas como as negativas podem atuar no surgimento de doenças ou preservar a saúde e, ainda, interferir nos tratamentos.

Segundo o médico Mario Alfredo de Marco, coordenador do serviço de atenção psicossocial integrada em saúde da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), entre as emoções mais nocivas ao organismo estão a frustração, a raiva e o ódio. “Por outro lado, tem a pessoa deprimida, desanimada, desmotivada também, cujos sentimentos podem influenciar (em conjunto com outros fatores de risco) o surgimento de algumas doenças”, esclarece o médico.

Em contrapartida, estudos revelam a cada dia a força das emoções positivas. Felicidade, otimismo e fé (espiritualidade) agem como um escudo contra as doenças.

“As pesquisas avançam regularmente. Foi até criado o termo ‘psiconeuroimunologia’ para definir o ramo que estuda as relações entre as emoções, o sistema nervoso e as funções orgânicas, como a imunidade”, revela a professora de fisiologia humana Roberta de Medeiros, do Centro Universitário São Camilo.

Ela afirma que estudos mostram a cada dia que somos seres absolutamente integrados e que emoções e pensamentos influem na química, nos hormônios e no funcionamento do sistema imunológico e vice-versa. Atualmente, já é possível demonstrar, por meio da fisiologia, como o comportamento de células e os neurotransmissores (mediadores químicos), entre outros, são afetados pelas emoções.

Outros culpados

De modo geral, os sentimentos podem exercer influência sobre o colesterol, o metabolismo (sobretudo interferindo na obesidade), as doenças coronárias, a hipertensão, os problemas gástricos e de pele, o sistema imunológico e as produções hormonais. Mas os médicos pedem cautela na relação entre emoções, estresse e doenças.

O coordenador da Unifesp explica que a emoção não é a única responsável pelo surgimento de uma enfermidade. “Um conjunto de fatores colabora para a formação da doença, entre eles a genética, os aspectos biológicos, psicológicos e sociais e as disposições do indivíduo”, explica.
Para exemplificar, o médico cita o mecanismo da gripe: “ter o vírus é a condição necessária para se ter gripe, mas não suficiente. Há também a resistência do organismo e os fatores alimentares que podem estar envolvidos no surgimento da doença”. Essa integração também vale para transtornos do humor. “A depressão é uma alteração dos neurotransmissores, mas que acontece em função das emoções que uma pessoa experimenta (ou vice-versa)”, acrescenta.

O médico chama a atenção para o fato de as emoções não serem vividas apenas na cabeça, mas também no corpo. Ou seja, elas geram uma resposta fisiológica. “Por exemplo, quando você fica com raiva, a pressão sobe e o sangue circula mais rápido”, descreve. Isso torna o organismo mais suscetível às doenças.

Fonte: UOL - Por Carla Prates