segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O que nossas bocas dizem sobre nós?


Algumas vezes, um palestrante ou uma pessoa que vai falar na frente de muitas outras parece tranquila. Mas, quando realmente vai falar, é um desastre. Uma palavra errada ou uma simples gaguejada faz com que os mais atentos percebam que por dentro a pessoa está pelo menos com um pingo de nervosismo.

O que sai de nossa boca mostra não só como estamos nos sentindo, mas também quem somos. Quando falamos, tendemos a pensar nas palavras que queremos transmitir às pessoas, mas inevitavelmente damos informações sobre como somos, como queremos parecer ser, nossas origens, aspirações, emoções, idade e saúde.

Em um evento dedicado a bocas chamado “Get mouthy”, em Londres, a neurologista Sophie Scott apresentou experiências que fez com ressonâncias magnéticas. No estudo, a maior parte de atores e cantores analisados tinha um atributo específico: uma grande cabeça. Amy Winehouse, por exemplo, tinha um rosto enorme. Pessoas com essa característica têm mais espaço para gerar sons mais precisos a partir da boca.

Mas a maneira como falamos não tem relação apenas com o tamanho de nossa cabeça ou a estrutura de nosso cérebro – as pressões culturais moldam nossa maneira de nos comunicar. Em vários países do Oriente, por exemplo, as mulheres tendem a falar mais baixo, enquanto em países em que as mulheres têm que competir com homens no trabalho, elas falam em um tom mais alto.

Tentamos adaptar a nossa fala a grupos específicos para sermos aceitos. Pistas orais, como um sotaque específico, podem fazer com que pessoas determinem quem faz parte, ou não, de um determinado grupo.

E quando falamos em boca e em comportamento social, logo vem à mente algo que adoramos fazer com nossos lábios: beijar. O beijo é algo fascinante. Afinal, essa é uma prática anti-higiênica, mas é difícil encontrar quem não goste de trocar saliva com outra pessoa.

A boca é um elemento rico de nosso corpo para a ciência. Além de ter diversos conteúdos que podemos tratar sobre ela, é algo divertido de analisar. Algumas pessoas conseguem cantar maravilhosamente, outras imitam sons de animais com perfeição. A boca é muito além do que vemos no espelho, e revela mais sobre nós do que podemos imaginar.

Fonte: [NewScientist] - Por Stephanie D’Ornelas

domingo, 30 de outubro de 2011

Idosos usam seus cérebros com mais eficiência do que jovens


Teorias científicas e crenças populares sugerem que nosso cérebro se deteriora com a idade, tornando-se menos capaz de tomar decisões fundamentadas. Mas, na verdade, a velhice pode ser sinônimo de sabedoria.

Cientistas provaram que as pessoas com mais de 55 anos usam seus cérebros com muito mais eficiência do que as pessoas mais jovens.

Pesquisadores do Canadá descobriram que anos de experiência de vida faz com que cérebros mais velhos sejam tão eficazes quando se trata de tomada de decisão quanto o de seus colegas mais jovens.

As pessoas mais velhas se incomodam menos com cometer um erro, e usam seus cérebros de forma mais seletiva do que as mentes mais jovens, apenas envolvendo certas partes no momento preciso em que são necessárias.

Os cientistas do Instituto de Geriatria da Universidade de Montreal estudaram 24 jovens com idades entre 18 e 35 anos, ao lado de um grupo de 10 idosos com idades entre 55 a 75 anos.
Os participantes completaram uma série de tarefas cada vez mais difíceis, enquanto os pesquisadores monitoravam sua atividade cerebral.

Os resultados de exames de neuroimagem mostraram que os cérebros jovens e idosos reagiam de maneira muito diferente quando ouviam que tinha cometido um erro em um exercício.

Enquanto os jogadores mais jovens instantaneamente ativavam diversas áreas de seus cérebros, os participantes mais velhos “lutavam” contra o erro e mantinham as partes relevantes do seu cérebro dormentes até a próxima tarefa.

O autor do estudo, Oury Monchi, disse que o experimento foi uma prova de que a sabedoria vem com a idade. “Quando se trata de determinadas tarefas, os cérebros de adultos mais velhos podem ter o mesmo desempenho que os de mais jovens”, acrescentou.

Ele disse que as descobertas se assemelham ao conto da lebre e da tartaruga, a fábula em que o concorrente mais lento, mas mais cauteloso, ganha a corrida. “Já se sabia que o envelhecimento não é necessariamente associado a uma perda significativa na função cognitiva. Quanto mais velho, mais experiência tem o cérebro, que sabe que nada se ganha com pressa”, argumentou Monchi.[Telegraph]

Fonte: http://hypescience.com/idosos-usam-seus-cerebros-com-mais-eficiencia-do-que-jovens/ - Por Natasha Romanzoti

Mãe, TV e sexo têm resultados diferentes para jovens


Síndrome de Pink Floyd?

A relação de um adolescente com sua mãe pode protegê-lo dos efeitos negativos que a televisão tem sobre suas atitudes sexuais?

Isso depende do sexo do adolescente, segundo um novo estudo realizado por Laura Vandenbosch e Steven Eggermont, da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica.

Para as meninas, um bom relacionamento com a mãe é um fator protetor.

Para os meninos, no entanto, um forte apego à mãe aumenta a probabilidade de que eles vão ter atitudes sexuais estereotipadas, como retratado na televisão.

Para eles, parece que a música Mother, de Pink Floyd, tem um sentido bem real.

Mãe, TV e sexo

Pesquisas têm mostrado que as mães de adolescentes socializam seus filhos para a responsabilidade sexual e para suas atitudes sexuais mais importantes.

Vandenbosch e Eggermont queriam ver se o apego materno pode amortecer o efeito negativo dos estereótipos mostrados pela televisão sobre as atitudes sexuais dos adolescentes e, mais especificamente, se o apego materno tem o mesmo efeito para meninos e meninas.

Como previsto, quanto mais assistem televisão, mais os meninos assumem uma atitude sexual "recreacional" e concordam com os estereótipos relacionados às necessidades e à dominância dos machos.

Mas, quando as influências de assistir TV e do apego maternal foram combinados, o apego materno tem um efeito diferente sobre a relação entre ver televisão e as atitudes sexuais de meninos e meninas.

Amortecedor e acelerador

Por um lado, o apego à mãe funciona como um amortecedor contra os efeitos da televisão entre as meninas.

As garotas mais firmemente ligadas às suas mães parecem ser menos suscetíveis à influência negativa da televisão em atitudes como ver o sexo como recreação e às atitudes perante a obsessão sexual masculina.

Por outro lado, os meninos com forte ligação com suas mães são mais suscetíveis à influência negativa da televisão sobre essas mesmas atitudes - para eles, sexo é recreação e eles são machos, no sentido mais estereotipado do termo.

Ou seja, o efeito do apego às mães sobre os meninos e as meninas são exatamente opostos em relação aos estereótipos sexuais aprendidos na TV.

Fonte: Diário da Saúde

sábado, 29 de outubro de 2011

Maquiagem para quem usa óculos


Sempre surge aquela dúvida para mulheres que usam óculos de grau: será que dá para conciliar maquiagem com óculos? A resposta é sim!

A necessidade em destacar os olhos acaba sendo maior para quem usa óculos. É só não exagerar no make, para que pareça natural!

Primeiramente, deve estar atenta para qual o tipo de deficiência visual você tem:

Se você é míope, as lentes corretivas costumam criar o efeito óptico de que os olhos são menores. Para solucionar este problema, procure usar o lápis na parte exterior dos olhos, para abrir o olhar.

Para quem tem hipermetropia, as lentes podem deixar os olhos maiores. É aconselhável passar o lápis na parte interna dos olhos, a fim de diminuí-los e optar em sombras de tons pastéis.

Como fazer uma maquiagem perfeita para quem usa óculos de grau:

- Primeiramente, limpe o rosto com um sabonete específico para a sua pele, antes de começar a aplicar a maquiagem (aconselhável para todos);
- Aplique a base no rosto, no pescoço e no colo, do mesmo tom de sua pele;
- Pra começar a destacar os olhos, aplique com um pincel chanfrado uma sombra marrom no côncavo dos olhos, fazendo um meio - circulo;
- Para levantar o olhar, aplique uma sombra iluminadora, ou de tom claro, como o branco, creme ou bege rente às sobrancelhas. Do meio até o final delas;
- Realce a linha da sobrancelha, desenhando um leve ângulo com um lápis ou com ajuda do pincel chanfrado e uma sombra marrom. Tome cuidado para que ela não fique muito arqueada;
- Passe o lápis de olho, dê preferência o marrom, conforme o indicado para o seu tipo de deficiência visual, na parte externa ou interna dos olhos, rente aos cílios;
- Muitas pessoas desaconselham o uso do rímel, pois os cílios ficam encostando nas lentes. Mas basta você utilizar o produto certo, apenas para dar volume aos cílios e não alongar;
- Para os lábios, procure usar cor nude ou apenas um gloss, para que a maquiagem fique equilibrada.

É muito importante, na hora de escolher quais óculos comprar, perceber que a sobrancelha não pode ficar escondida pela armação dos óculos. Se a armação for quadrada ou retangular, é preciso dar mais atenção e destacar a sobrancelha, consequentemente o olhar

Maquiagem certa para hastes ou armações coloridas:

- Não se deve combinar a sombra ou a maquiagem com a cor da armação, isso deixa o visual muito over;
- Opte em usar sombras de cores mais neutras para a maquiagem não ficar carregada;
- Procure usar lápis de olho cor marrom ou tons mais claros.

Maquiagem certa para hastes ou armações neutras:

- Neste caso você pode abusar um pouco mais das cores de sombras, colorindo mais o olhar;
- Lembre-se que se for dar preferência aos olhos, não destaque demais os lábios, preferindo usar batons cor nude.

É interessante, na hora de comprar os óculos, que você já vá com uma maquiagem habitual, para ajudar na escolha e para ver se o efeito é desejado.

Sombra certa para a cor dos seus olhos:

Veja abaixo as cores de sombra que combinam mais com a cor dos seus olhos. É claro que essa dica vale para quem usa e quem não usa óculos de grau!

-Olhos azuis: Os tons de verde, salmão e rosa ficam muito bons para quem tem os olhos azuis;
-Olhos verdes: Para essa cor de olhos, os tons de dourados, acobreados e rosados são os mais indicados;
-Olhos castanhos claros: Cores como marrom e dourado;
-Olhos castanhos escuros: Tons de rosa e azul;
-Olhos pretos: Podem optar para cores fortes, como azul, fúcsia e brilhantes.

As cores além de harmonizar seu rosto, devem combinar com o seu estilo!

Fonte: Portais da Moda

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

6 dicas científicas para seu casamento dar certo


Enquanto os pesquisadores não criam a fórmula do amor, ou mesmo uma poção do amor, siga as dicas seguintes para fazer seu casamento durar. Não custa tentar, não é?

1 – CASE COM ALGUÉM QUE GASTE COMO VOCÊ

Se você é controlado com os seus gastos, mas se casa com alguém que sempre estoura o limite do crédito, é bem capaz que a sua paciência também estoure, e o casório vai por água abaixo. O professor de administração Scott Rick, da Universidade de Michigan, entrevistou mais de mil pessoas, casadas e solteiras, e verificou que as pessoas tendem a se casar com pessoas com tendências opostas de gastos. O estudo mostrou que eles também brigam mais por causa de dinheiro e, geralmente, estão insatisfeitos com sua união.

2 – FAÇA BASTANTE SEXO

Os pesquisadores Michelle Russell e James McNulty, da Universidade do Tennessee, verificaram que sexo frequente pode ajudar no casamento de pessoas neuróticas. Aqueles que mantêm uma rotina regular de relações sexuais estão tão satisfeitos quanto os casais com menos “neuroses”, segundo um estudo publicado por eles em outubro de 2010. Mesmo se o sexo não for muito bom no começo, mantenha a prática. Outro estudo mostrou que as relações melhoram com a idade. Homens com 50 anos se mostraram mais satisfeitos com sua vida sexual do que aqueles com 30 e poucos anos de idade, de acordo com uma pesquisa publicada em 2006.

3 – FALE MAIS “OBRIGADO” E “NÓS”

Em 2007, pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona perguntaram a casais se eles se mostravam gratos pelas tarefas realizadas por seus parceiros. A maioria disse que se sentia grato, mas não demonstrava para o outro, pensando que “eles deveriam saber”. Os resultados mostraram que aqueles que compartilhavam e ouviam estes sentimentos de apreço guardavam menos rancor em relação à tarefas mal compartilhadas (pense no quanto de louça você não ajuda o(a) seu(sua) parceiro(a) lavar). Eles também estão mais felizes em seus relacionamentos.
Além de dizer mais “obrigado”, está na hora de usar mais vezes a palavra “nós”. Um estudo publicado em um periódico internacional de psicologia, em 2009, mostrou que as esposas e maridos que usavam palavras como “nós” ou “nosso”, quando falavam sobre um assunto conflituoso, também demonstravam mais carinho. Isso diminuía comportamentos raivosos e os níveis de estresse psicológico durante uma briga.

4 – RESOLVA-SE LOGO

Se o seu parceiro te irrita agora, o futuro de vocês é desanimador. A insatisfação com os “defeitos” aumenta com o tempo em que estão juntos. Pesquisadores entrevistaram 800 pessoas sobre seu nível de “negatividade” em relação ao parceiro, aos filhos e aos amigos. Os companheiros ficaram no topo da lista como os mais irritantes. E a tendência era piorar com o tempo. Contudo, isso pode ser algo normal em todos os relacionamentos. “Como este era um padrão entre a grande maioria dos participantes, percebemos que é algo normativo. Não é fora do comum”, disse o líder do estudo, Kira Birditt, do Instituto de Pesquisas Sociais da Universidade de Michigan.

5 – SEJA DURÃO

O professor de psicologia James McNulty, da Universidade do Tennessee, verificou que o combustível de alguns casamentos são as atitudes negativas. Acredite se quiser. Para alguns casais com muitos problemas, o melhor jeito de “melhorar” o casamento é botar a culpa um no outro, mandar o outro mudar e perdoar menos.
Segundo ele, essencialmente, casais felizes se comportam de maneiras que, ao invés de fazê-los mais contentes, apenas refletem seu contentamento. Já os casais insatisfeitos, se tentam fazer o mesmo, acabam piorando o relacionamento com o tempo. McNulty diz que, nestes casos, botar a culpa no outro pode estimular o casal a mudar.

6 – SE ESFORCE

O amor pode durar se você se esforçar para fazê-lo perpetuar. Um estudo de 2009 analisou respostas de seis mil pessoas, incluindo casais recém-formados e outros que estavam há décadas juntos. Um número surpreendente de pessoas respondeu que ainda estava apaixonado pelo companheiro mesmo depois de um longo tempo.
E qual o segredo? Esforço. Estes casais felizes disseram que dedicavam tempo um ao outro e conseguiam resolver conflitos com calma e compreensão. O estudo mostrou que novas experiências estimulavam a produção de neurotransmissores como dopamina e noradrenalina, que estão em altas concentrações no cérebro no começo dos relacionamentos. Conclusão: se esforce para cuidar de seu parceiro, para amá-lo e para nunca deixar o relacionamento cair na rotina.

Fonte: [LiveScience] - Por Letícia Resende

Como evitar varizes


O que são varizes?
As varizes são veias dilatadas em consequência de insuficiência circulatória.
É comum o aparecimento das varizes a partir do final da adolescência e nas mulheres surgem com frequência durante a gravidez. A causa principal de varizes é a prisão de ventre e com isso vem a má circulação do sangue porque ele (o sangue) fica sujo.

Os principais sintomas são:
• Veias nodosas e salientes na superfície das pernas;
• A perna torna-se cansativa e existem câimbras frequentes;
• Dores, principalmente ao levantar;
• Edema dos tornozelos.

O que devem fazer as pessoas com varizes
Dicas de cuidados para eliminar (ou evitar) as varizes:
• Adotar a alimentação mais vegetal;
• Usar bastante limão, pois afina o sangue;
• Aplicar todas as noites com perseverança a cataplasma de barro sobre as varizes até desaparecerem;
• Sempre que possível, andar a pé, em vez de utilizar os meios de transportes;
• Movimentar periodicamente os músculos da barriga da perna se tiver de permanecer longos períodos em pé;
• Levantar e andar frequentemente. Caso tenham um trabalho sedentário, devem exercitar os músculos da barriga da perna periodicamente;
• Sempre que possível, deitar e elevar as pernas acima do nível do coração;
• Usar meias de descanso, especialmente durante a gravidez.

O que não devem fazer as pessoas com varizes:
• Manter imóveis na mesma posição – de pé ou sentadas – por muito tempo;
• Engordar.

Fonte: MulheresDicas no Facebook

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Bienal 2011 em Itabaiana


No dia 29 de outubro de 2011, sábado, acontecerá a Bienal 2011, evento que promoverá a cultura sergipana e, em especial, a itabaianense. A Bienal será realizada na Associação Atlética de Itabaiana, das 7h às 17 h, e terá várias atrações como: palestras, exposições artísticas, lançamentos de livros por escritores itabaianenses, oficinas, exposição de carros antigos, debates e cinema. Prestigie!

Use os alimentos para melhorar seu humor


Seu prato dita o seu estado de espírito. Embora a ciência desconheça as causas da depressão, já se sabe que a dieta é fundamental para a saúde mental e para o bem-estar.

A explicação é simples. A estabilidade do humor é determinada pela produção, liberação e captação de neurotransmissores. "Essa produção depende de substratos da dieta", diz o psiquiatra Alexandre de Azevedo, do Hospital das Clínicas de SP.

Um dos nutrientes essenciais é o triptofano, aminoácido fundamental para a produção de serotonina, neurotransmissor ligado ao humor. Vitaminas, minerais e gorduras boas (ômega 3) ajudam sua ação. E todas essas substâncias vêm da comida.

A ação dos alimentos no cérebro é tanta que não há muita diferença entre remédio e comida, para o neurocientista Gary L. Wenk, autor de "Your Brain On Food" (como sua mente é influenciada pela comida). "Já usamos comida como medicamento ao beber café ou comer chocolate", disse ele à Folha.

Há os alimentos com ação rápida no humor (café, açúcar e álcool), os que levam dias ou semanas (aminoácidos e minerais) e os de ação lenta (como os antioxidantes), explica Wenk, que é pesquisador da Universidade Estadual Ohio (EUA).

ÚLTIMAS DESCOBERTAS

Um estudo publicado na semana passada no "Journal of Psychopharmacology" avaliou o efeito do ômega 3 em pacientes que se recuperavam de depressão.

O trabalho, feito pela Universidade Leiden, na Holanda, acompanhou 71 pessoas, que receberam suplementação de ômega 3 ou placebo por quatro semanas. Os que tomaram ômega 3 relataram melhoras no processo de tomada de decisão e do estado de tensão.

"O ômega 3 mantém a função de estruturas cerebrais", diz Sandra Lopes de Souza, pesquisadora em neuropsiquiatria da Universidade Federal de Pernambuco.

Outro nutriente popular em pesquisas é o ácido fólico (vitamina B9). "Anormalidades no metabolismo dessa substância estão ligadas a depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia", afirma a neurocientista brasileira Patrícia de Souza Brocardo, pesquisadora da Universidade de Victoria, no Canadá.

Um cardápio rico em alimentos com ácido fólico, ômega 3 e demais nutrientes melhora o humor e eleva a disposição, diz Roseli Rossi, especialista em nutrição clínica funcional. "Em um mês o paciente já melhora muito."

Claro, comer coisas boas, só, não adianta. É preciso excluir as ruins e fazer o intestino funcionar bem, para absorver vitaminas e minerais.

"A falha na absorção pode prejudicar o processo", explica Sandra Souza.

Gorduras e carboidratos em excesso causam "efeito rebote". "As gorduras saturadas dificultam a digestão e 'roubam' energia", diz a nutricionista Daniela Jobst.

Já carboidratos refinados (açúcar, macarrão, pão branco) dão um pico de energia seguido por queda brusca.

"É melhor comer carboidratos integrais, que fornecem energia por mais tempo", diz a nutricionista Paula Gandin, da Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional.

PRAZER

Apesar das listas de alimentos do humor e dos cardápios da alegria, os nutrientes não devem ser vistos isoladamente, segundo a nutricionista Cynthia Antonaccio.

Para ela, o prazer ao comer também ajuda a elevar o astral. "Não comemos só o nutriente. O alimento não tem só o lado funcional, tem o lado social e psicológico."

Segundo a nutricionista, não adianta comer iogurte se o cardápio não incluir algo prazeroso para você.

"Comer é fonte de prazer e sociabilização. Se perco isso, ou porque não tenho tempo ou porque estou de dieta, perco algo vital."

Fonte: Folha.com – por JULIANA VINES

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Colégio Dom Bosco em "Cena"


O colégio Dom Bosco sempre ofereceu aos seus alunos a oportunidade da expressão por meio da dança, com aulas de Balé e Jazz ministradas pela Professora Dulce Olga. Agora o colégio oferece outra possibilidade de o aluno estar em contato com a arte. Desde o primeiro semestre deste ano, há na escola aulas de teatro. Nessas aulas o aluno executa exercícios que estimulam o ato de falar em público, o desenvolvimento da oralidade, a melhoria do relacionamento entre os colegas, a expressão corporal, e a descoberta de novos talentos. É uma excelente oportunidade de entretenimento, para perder a timidez, para dialogar e perceber o mundo a sua volta.

Destacam-se nessa atividade os alunos do 2º ano do Ensino Médio: os talentosos André Ágaci, Alexandre, Douglas, Guilherme e Patrícia. Do Ensino Fundamental Maior: Angelo Vinícius, com suas declamações e improvisos espetaculares; David, com sua expressão facial e corporal privilegiada; Pedro Guilherme Machado e Pedro Guilherme de Jesus, ambos muito carismáticos. Do Ensino Fundamental Menor aparecem graciosamente e com muita energia, a simpática bailarina Geovana, a esperta Nayara, a concentrada Maria Vitória e os adoráveis João Matheus, Yan Hyner e Daniel.

As aulas acontecem nas tarde de 4ª, 5ª e 6ª feira sob orientação do professor Jackson.

Professor Jackson Santos Trindade

Sete hábitos que fazem você parecer mais velho


Não usar filtro solar e fumar acelera o aparecimento de rugas

Inúmeros fatores influenciam o aspecto visual de uma pessoa, desde a dieta até os vícios e a maneira como ela lida com as suas obrigações diárias. Há ainda influências externas, como poluição, trânsito e pressão no ambiente de trabalho ou estudo. O resultado de tudo isso pode não só afetar a saúde como ainda fazer com que a aparência não corresponda à verdadeira idade. Por isso, o Minha Vida conversou com três especialistas para distinguir os principais hábitos que fazem alguém se parecer mais velho do que realmente é.

Expor-se ao sol sem proteção
"O sol é o principal agente causador do envelhecimento precoce da pele", afirma a dermatologista Patrícia Fagundes, do Hospital 9 de julho. Segundo a especialista, ele é extremamente saudável, mas a exposição inadequada causa a degeneração precoce e cumulativa da pele, promovendo o aparecimento de rugas e manchas. Em alguns casos, pode até levar ao desenvolvimento de um câncer.

Por isso, é fundamental usar filtro solar com FPS 15 (no mínimo) todos os dias e evitar a exposição ao sol entre as dez horas da manhã e as quatro horas da tarde. Lembre-se também de que o protetor solar só funciona meia hora depois de entrar em contato com a pele e que ele não dura um dia inteiro. "Repasse o produto a cada duas ou três horas", recomenda a profissional.

Praticar muito ou pouco exercício
Extremos são sempre perigosos e isso acontece até em relação à prática de exercícios físicos. "O sedentarismo promove o envelhecimento físico e até mental da pessoa, pois afeta a oxigenação do cérebro e dificulta o recebimento de nutrientes e a eliminação de toxinas", afirma o nutrólogo Wilson Rondó, especializado em medicina ortomolecular. Oovertraining, por sua vez, leva a um aumento excessivo de oxigênio no organismo, que causa a oxidação das células, favorecendo o envelhecimento.

Beber pouca água
A água é essencial para o funcionamento do corpo como um todo. Ela é utilizada em processos metabólicos, na transpiração e até na respiração. Sua falta acarreta problemas em todo o organismo e isso fica mais do que evidente no maior órgão do corpo humano: a pele. "Ela precisa ser hidratada por dentro e por fora. É por meio da água que as camadas internas receberão nutrientes e eliminarão as toxinas acumuladas", explica a dermatologista Cristiane Dal Magro, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

Os resultados são ainda melhores se o consumo de água estiver aliado a um bomhidratante. "Pessoas com pele oleosa ou que apresentaram reações alérgicas a algum produto, entretanto, devem procurar um dermatologista para realizar tratamentos específicos", lembra a profissional.

Estar sempre estressado
"A tensão é inevitável em alguns momentos, mas estar constantemente estressado pode ser considerado o principal fator do envelhecimento precoce para o organismo em geral", aponta o especialista Wilson Rondó. Segundo ele, quem cultiva um estilo de vida como esse também costuma ter hábitos de vida poucos saudáveis - alimentação desregrada e rotina sedentária. Saber conciliar tarefas é um desafio atualmente, mas é essencial para a saúde e para impedir o envelhecimento precoce.

Consumir muito açúcar
Segundo o nutrólogo Wilson Rondó, a ingestão exagerada de açúcar promove um processo oxidativo no organismo chamado glicação, que é altamente degenerativo e, portanto, envelhecedor. "Outro problema é o fato de esse alimento alterar a sensibilidade à insulina, ligada diretamente a doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e demência", aponta.

O que nem todo mundo sabe é que o açúcar mais agressivo é a frutose, e não o refinado. Mas, calma, nada de sair cortando as frutas da sua dieta. O grande problema, na verdade, são os alimentos industrializados, que contêm grande quantidade desse composto. Segundo o profissional, o ideal é consumir no máximo 15 gramas de frutose diariamente, mas a média ingerida pelas pessoas costuma ser 100 vezes maior que isso.

Fumar
A maioria das pessoas pensa que os males do cigarro - que são muitos - resumem-se às substâncias nele presentes. Entretanto, de acordo com a dermatologista Cristiane Dal Magro, o próprio ato de fumar causa rugas. "A projeção feita com os lábios para aspirar e a contração dos olhos na hora de soprar a fumaça estimulam demais os músculos dessas regiões, formando linhas de expressão", esclarece. Além disso, pessoas que fumam cronicamente costumam ter a pele mais grossa e amarelada, devido à impregnação das substâncias da fumaça.

Cortar gorduras da dieta
"A falta de ajuda profissional na busca pelo corpo perfeito gerou um medo exagerado em relação ao consumo de gorduras, mas, na verdade, elas são fundamentais à saúde", alerta Wilson Rondó. Segundo ele, o problema é não consumir os melhores tipos de gorduras e acertar na quantidade. É importante priorizar aquelas que trazem mais benefícios ao corpo, presentes em alimentos como: óleo de coco, manteiga, óleo de oliva e carne de boi criado em pasto.

Já as chamadas gorduras transgênicas, encontradas na margarina, em pães, salgadinhos e frituras, impedem a troca correta de nutrientes entre as células, desregulam os hormônios e afetam todas as reações metabólicas. Essas, sim, devem ser banidas, já que provocam a oxidação das membranas celulares que levam ao envelhecimento precoce, evidenciado pelo aparecimento de doenças degenerativas, rugas e cansaço crônico. Não é à toa que ela já é proibida em algumas cidades, como Nova York e Seatle, nos Estados Unidos.

FONTE: Minha Vida-UOL - POR LAURA TAVARES

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Nível moderado ou alto de estresse leva a maior taxa de mortalidade


Risco é até 50% maior entre homens que se estressam por longos períodos

Estudo realizado pela Oregon State University (EUA) e publicado no Journal of Aging Research concluiu que homens que experimentam eventos estressantes de nível moderado ou alto por anos a fio têm taxa de mortalidade 50% maior.

Para chegar à conclusão, os estudiosos usaram os arquivos de um estudo que conta com quase mil homens de classe média, com boa saúde e que trabalham. Eles foram acompanhados durante 18 anos - de 1985 a 2003.

O grupo classificado como de baixo estresse contou com homens que sofreram dois ou menos grandes episódios de estresse, em comparação à média de três episódios para o grupo moderado e até seis para o grupo que sofria alta pressão. Os episódios responsáveis pela tensão eram ocorrências que podem permear pessoas de meia-idade ou mais velhas, como morte da esposa e ter que colocar os pais em asilos.

Uma das descobertas mais surpreendentes do estudo foi de que o risco de mortalidade do grupo de estresse moderado é semelhante ao grupo elevado, que é de 50% a mais daqueles que se estressam pouco.

Como proteção desse efeito negativo do estresse, os pesquisadores destacaram a boa saúde e o hábito de beber moderadamente - sem excessos. Nos resultados da pesquisa, pessoas que tinham esses fatores tinham uma expectativa de vida maior que os demais.

Combata o estresse com medidas simples

Nada mais simples que um abraço para reduzir a tensão. Ao mesmo tempo em que conforta e protege, ele proporciona uma sensação prazerosa a quem envolve e é envolvido. O ato ativa as regiões temporais e frontais do cérebro, que são ligadas ao prazer.

Segundo a neurologista Sonia Brucki, vice-coordenadora do departamento de neurologia cognitiva e do envelhecimento da Associação Brasileira de Neurologia, o abraço faz com que o cérebro libere dopamina e serotonina, hormônios do prazer. "Você estabelece uma empatia com a pessoa, percebe o sentimento dele. Isso dá uma sensação prazerosa", explica.

Estudo realizado pela Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, indica que abraçar diminui os níveis de cortisol e a norepinefrina, hormônios relacionados ao estresse, além de diminuir a pressão sanguínea, o que previne doenças cardíacas. O aumento da taxa de uma substância chamada oxitocina também é notável. Quanto mais oxitocina o cérebro libera, mais a pessoa quer ser tocada e menos estressada ela fica: ou seja, quanto mais abraçada ela é, mais ela deseja ser abraçada.

Portanto, embora não combata diretamente as causas do estresse - sejam elas vindas de problemas familiares, do trabalho, entre outras -, o abraço acolhe a pessoa de tal forma que pode melhorar, e muito, a disposição e a maneira de encarar os problemas.

Fonte: Minha Vida-UOL

Invista nesses sete alimentos amigos da visão


Peixes e frutas previnem problemas e impedem sua evolução

Você provavelmente já deve ter ouvido sua mãe ou avó dizer que você deveria consumir determinado alimento pelo fato de ele "fazer bem para a visão". Talvez tenha sido apenas uma estratégia para fazê-lo comer, mas, no fundo, elas estão certas. Há diversos alimentos amigos da saúde ocular que combatem problemas como o glaucoma e a degeneração macular. Segundo a nutricionista Daniela Cyrulin, de São Paulo, a falta de certos nutrientes na alimentação pode afetar algumas funções do corpo, incluindo a capacidade de enxergar. Por isso, no Dia Mundial da Visão, inclua sete alimentos no seu cardápio para beneficiar os olhos.

Peixes
Fontes de ácidos graxos ômega 3 e das vitaminas A, B, D e E, peixes como sardinha, bacalhau, salmão e atum são ótimos estimulantes da boa circulação sanguínea, explica a nutricionista Paula Castilho, da Sabor Integral Consultoria em Nutrição. Por isso, ingerindo esses alimentos, todas as estruturas oculares - especialmente a retina - receberão bastante oxigênio, essencial para a saúde dos olhos. "Outro benefício é o combate aos radiais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce", conta a profissional.

Frutas, legumes e verduras
"Frutas, verduras e legumes de pigmentação amarela e verde costumam ser fontes ricas de carotenoides, substâncias que previnem a deterioração da mácula, ponto responsável por nos permitir enxergar cores", aponta Paula. Esse nutriente pode ser encontrado em alimentos como laranja, maçã, mamão papaya, cenoura, tangerina, brócolis e couve.

Ovos
Um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition revelou que consumir de dois a quatro ovos por dia durante cinco semanas reduz o risco de degeneração macular em idosos. Segundo Daniela Cyrulin, os resultados refletem a ação das substâncias foto-oxidantes, como a luteína e a zeaxantina, presentes na gema do ovo. Antes de apostar nesse alimento, entretanto, fique atento aos níveis de colesterol no seu sangue.

Alho e cebola
O alho e a cebola são ricas fontes de cálcio, fósforo e vitaminas B e C, aponta a nutricionista Daniela. Assim, ambos possuem ação antimicrobiana (contra micróbios) e antiviral. Eles agem como dilatadores dos vasos sanguíneos, diminuindo a pressão arteriale prevenindo contra o glaucoma, uma vez que a pressão intraocular é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

Mirtilos, amoras e cerejas
Essas três frutinhas, assim como o morango, a framboesa e outras diversas frutas vermelhas e roxas são bons exemplos de alimentos antioxidantes, que combatem os radicais livres e são fontes de vitamina C e de flavonóides, aponta Paula Castilho. "Assim, seus benefícios vão desde a prevenção contra a perda de visão e contra a degeneração macular até a redução dos riscos de desenvolver doenças, como o câncer de próstata", conta a nutricionista.

Óleo de linhaça
Um problema comum em pessoas de idade avançada é o olho seco, cujos principais sintomas são sensação de ardência, coceira e sensibilidade à luz. Para combater esse mal, muitos tratamentos já incluem o consumo de óleo de linhaça, fonte de vitamina E e dos ácidos graxos ômega 3, ômega 6 e ômega 9. O alimento também é efetivo contra a hipertensão e a queda do sistema imunológico.

Azeite virgem
"Alimento rico em ômega 3, o azeite virgem é considerado um grande aliado na prevenção contra a degeneração macular, lesão que pode levar à perda irreversível da visão", afirma a nutricionista Daniela. A constatação foi feita por meio de um estudo publicado na revista científica Archives of Ophtalmology que recomendou a ingestão de 100 ml de azeite por semana. Segundo a pesquisa, mesmo aqueles que já apresentavam a doença tiveram redução ou estabilização de sua evolução.

FONTE: Minha Vida-UOL - POR LAURA TAVARES

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Adapte a leitura para evitar a vista cansada


Ler no ônibus ou no computador não necessariamente prejudica a visão

Diante da falta de tempo, é comum a leitura ocorrer em lugares inusitados, como no ônibus, na cama e em ambientes escuros. Mas será que esses hábitos de leitura podem prejudicar a vista? Segundo o oftalmologista Wagner Ghirelli do Hospital Santa Catarina, na verdade, quanto mais lemos, melhor. "Quem lê muito tem uma capacidade visual melhor e lê mais rápido", conta. "Com o uso do computador, há pessoas que se tornam muito ágeis e desenvolvem habilidade visual muito grande, já que associam habilidade visual com motora." Desbanque os mitos a seguir e fique atento a alguns cuidados.

Ler no ônibus faz mal?

Há quem acredite que esse hábito pode causar até mesmo descolamento de retina, mas não é verdade. "O problema na retina é relacionado a traumas e independe de hábitos relacionados à leitura", explica o oftalmologista Omar Assae, do Hospital CEMA. Um baque muito grande, por exemplo, é o que pode causar o descolamento, que é mais comum em pessoas com alto grau de miopia ou com diabetes.

O que a leitura no ônibus pode causar é incômodo e mal-estar, pois o balanço do veículo provoca uma confusão no sistema vestibular do cérebro, responsável pelo equilíbrio.

Leitura no escuro é prejudicial?

Ler em locais com pouca luminosidade está longe de piorar doenças como miopia, hipermetropia, astigmatismo etc., tampouco "forçar a vista". O que pode acontecer, segundo Osmar Assae, é a fadiga, ou seja, sensação de cansaço dos olhos, já que é preciso força-los mais para enxergar.

"O que se recomenda é apenas não permanecer muito tempo com o foco de visão em um mesmo objeto próximo, já que isso causa dor de cabeça e sensação de baixa visão", aconselha o oftalmologista. "O ideal é fazer pequenas pausas durante a leitura."

Tablets deixam a vista cansada?

Ler em tablets (como iPad) também não pode ser considerado um mau hábito, pelo contrário: o oftalmologista Osmar Assae vê esses gadgets como aliados da boa leitura, já que a função "zoom" permite aumentar as letras, o que confere melhor visualização, além da possibilidade de ajustar a iluminação ao seu conforto.

É importante lembrar, apenas, de fazer pequenas pausas, já que o esforço repetitivo para visualizar imagens em curta e média distância causa o ressecamento da vista. Uma pessoa pisca os olhos, em média, 20 vezes por minuto, enquanto em frente ao eletrônico pisca apenas de seis a sete vezes.

Leitura na praia é permitida?

A luz da praia exige mais cuidados. Essa luminosidade excessiva, segundo o oftalmologista Wagner Ghirelli, pode gerar degenerações na retina, . Por isso, a leitura exige óculos escuros ou, pelo menos, um boné para proteger os olhos da luz intensa.

Crianças precisam de cuidados ao ler?

Para os pequenos, ficar muito próximo ao livro (ou da televisão, computador etc.) pode levar ao desenvolvimento de miopia, que se acentua conforme o hábito perdura. "Isso faz com que o olho tenha um crescimento maior do que deveria ter pelo fato dela ler muito de perto", esclarece Wagner Ghirelli. Mas esse risco só vale para crianças. Em adultos, ler com o livro muito perto pode causar, no máximo, desconforto.

Para uma boa leitura

Mais do que se preocupar com boatos, é preciso prestar atenção em pequenas atitudes que, com certeza, garantirão maior conforto durante a leitura:

- Independente de ser livro, tablet etc., o objeto deve ficar a, aproximadamente, 40 cm de distância dos olhos, com luminosidade adequada (determinada pela sensação de conforto ao ler);

- O objeto de leitura deve ficar sempre abaixo dos olhos, nada de deitar na cama e colocar o livro acima deles;

- A iluminação é importante aliada de leitura e não pode incomodar a visão, seja pela falta ou pelo excesso. Embora o conforto seja relativo, Osmar Assae recomenda uma lâmpada de 60w, que deve fornecer iluminação suficiente.

Fonte: Minha Vida-UOL - Por Ana Paula de Araujo

domingo, 23 de outubro de 2011

CEMB, marca presença na OCMEA


No dia 19 de outubro ocorreu no auditório da UFS- Campus Itabaiana - SE abertura da IV OCMEA, sob direção da professora Msc. Edineia.

O CEMB contou com a participação do diretor, coordenador, secretária, supervisor, professores, alunos e da presença do aluno Artista(desenho) Marco Fabrício que produziu no momento do evento uma tela retratando a preservação ambiental. Como também participação dos alunos nas oficinas realizadas no dia 19 e 20 de outubro.

O CEMB teve uma grande participação de alunos e a oportunidade de oferecer uma oficina de Desenho e pintura- Educação Ambiental, como também a novo logomarca da OCMEA, redefinida pelo aluno Gilmar Marcel, integrante da Oficina de artes do colégio, coordenada pela professora Jussane (Geografia).

Esse evento, segundo o Pró-reitor de Graduação da UFS, Sandro, é o maior na área de extensão da UFS, que tem como grande organizadora a renomada professora Edinéia, e conta com uma excelente equipe de organização do evento.

A OCMEA oferece a oportunidade dos alunos da educação pública assistirem as oficinas ofertadas por ministrantes da UFS e professores da educação, como a professora Inez que também já foi professora do CEMB, hoje aposentada e funcionário do munícipio de Itabaiana-SE, e da professora Jussane e Claudete, professoras do CEMB.

Para quem não conhece esse evento é o momento de entender a sua importância do contato do aluno com a universidade e com uma nova forma de aprender através das oficinas que trazem formas dinâmicas de ensinar.

Parabéns aos organizadores do evento e aos alunos e professores do Murilo que contribuem para uma educação dos jovens itabaianenses.

Também é importante agradecer à professora aposentada Perpétua que esteve no evento e contou com um momento histórico, a entrega da tela do Campus Itabaiana, produzida pelo aluno Marcos Fabrício que presenteou a professora Edineia e a mesma fez a doação para a UFS entregando ao diretor do Campus, Marcelo Ennes.

Professora Jussane

Malhar para se recuperar ligeiro


Os exercícios físicos, antes evitados — e até mesmo proibidos —, tornaram-se uma arma poderosa para superar depressa infartos e outros graves problemas de saúde

Um indivíduo prostrado na cama é o que vem à cabeça de muita gente quando se pensa em alguém enfermo. Mas há exceções a esse clichê. Exceções que, diga-se, estão se tornando a regra em alguns casos. Cada vez mais a ciência encontra provas de que se exercitar durante o período de restabelecimento de uma doença pode acelerar o processo de recuperação do organismo ou, nas situações mais críticas, dar um fôlego extra e mais bem-estar ao doente.

A atividade física começa a ser encorajada em pessoas que acabaram de infartar, por exemplo. Há algumas décadas, quem sobrevivia a um ataque do coração era obrigado a ficar em resguardo por longos períodos. No entanto, um recente estudo da Universidade de Alberta, no Canadá, concluiu o seguinte: pacientes estáveis que se exercitaram uma semana após a pane cardíaca se beneficiaram mais do que aqueles que esperaram para iniciar o treinamento. Ainda de acordo com o trabalho, para cada semana parada, é preciso malhar o equivalente a um mês de modo a obter os mesmos efeitos da turma que chacoalhou o corpo todo logo cedo.

"Diferentemente do que se imaginava, várias pesquisas mostram que repousar durante esse intervalo deixa o organismo mais fraco, e não mais forte", conta a SAÚDE o professor Alex Clark, um dos autores da pesquisa canadense. O exercício previne a remodelação do coração, fenômeno em que as células que ficam próximas ao local do infarto se readaptam e o órgão tem o seu formato alterado. Esse redesign pode provocar complicações futuras, como insuficiência cardíaca.

Pesquisadores da Universidade de Emory, localizada no estado da Geórgia, nos Estados Unidos, encontraram mais um motivo para fazer algum esporte no pós-infarto: durante o treino, o corpo fabrica óxido nítrico, o encarregado de dilatar os vasos sanguíneos, melhorando a circulação. "Ao aumentar a produção dessa substância, mais sangue passa pelas coronárias", explica a cardiologista Patrícia Oliveira, do Instituto do Coração de São Paulo. Para uma vítima de um ataque do coração, isso é mais do que uma boa notícia. Afinal, uma maior quantidade de nutrientes e oxigênio chega ao peito, o que contribui para melhorar o quadro geral do infartado.

Os exercícios mais recomendados são os aeróbicos, como caminhar, correr ou andar de bicicleta. A grande vantagem é proporcionar o aumento da capacidade cardiorrespiratória. Numa segunda etapa do tratamento, musculação e atividades de flexibilidade também são importantes. Levantar peso amplia a resposta muscular, a força e a potência do indivíduo. Já as atividades que trabalham a elasticidade atuam no equilíbrio, coordenação e desempenho de ações que podem ser consideradas normais e cotidianas, como lavar a louça.

"A pessoa que está estável já pode se exercitar e ter os benefícios a curto ou médio prazo", diz o cardiologista Daniel Kopiler, chefe do Serviço de Reabilitação Cardíaca do Instituto Nacional de Cardiologia. Mas nada de sair correndo sem conversar com seu médico. Ele vai orientar qual é o tipo de prática esportiva mais recomendado para cada caso, como deve ser realizado e sua intensidade. "A prescrição do exercício deve ser individualizada e, nos primeiros dias após o infarto, ser feita com supervisão médica e dentro de um hospital", adverte Patrícia Oliveira.

Lesões articulares? O remédio também é se exercitar

"Nesses casos, a atividade física é fundamental no processo de reabilitação", avalia o ortopedista Roberto Santin, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. O recurso de praxe é a musculação. "Ela age no ganho de força e de resistência e, sobretudo, nas funções afetadas pelas lesões", diz José Inácio Salles Neto, coordenador do Laboratório de Pesquisa Neuromuscular do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia.
Músculos fortes, coração sadio

Uma pesquisa da Universidade de São Paulo mostra que a prática de exercícios aeróbicos reduz a atrofia dos músculos esqueléticos, os responsáveis por movimentos voluntários, como apontar para um objeto. Esse definhamento está relacionado a casos de insuficiência cardíaca, quando o coração não consegue bombear o sangue direito. "As atividades aeróbicas aumentam a quantidade de sangue com nutrientes e oxigênio que vai para o músculo esquelético", explica a pesquisadora.

Contra o câncer

O exercício também é um grande auxiliar durante e após o tratamento dessa doença. Especialistas do Instituto do Câncer de Duke, nos Estados Unidos, descobriram que pessoas ativas diagnosticadas com tumor cerebral tiveram sua vida prolongada em até 21 meses após a identificação do mal — os sedentários só sobreviveram, em média, por 13 meses. Em entrevista a SAÚDE, Lee Jones, diretor científico do instituto americano, credita os benefícios da malhação ao seu caráter multifatorial. "O exercício tem o potencial de impactar uma gama de sintomas, que vão dos fisiológicos até os psicológicos", diz Jones. O oncologista José Roberto Rossari, do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, pormenoriza: "A realização da atividade física é capaz de diminuir a fadiga, a ansiedade, a depressão e o estresse, além de melhorar a autoestima, a imagem corporal e a capacidade aeróbica".

Fonte: Revista Saúde - por Manoel Gomes • design Fred Scorzzo • foto Gustavo Arrais

sábado, 22 de outubro de 2011

Pratique os melhores exercícios contra obesidade


São seis atividades para suar o corpo com resultados rápidos e sem lesões

Enfrentar a obesidade requer muita determinação. Só de pensar no ritmo de mudanças de hábitos, o suor escorre? Então aproveite para transpirar em nome da boa forma, com as dicas dos especialistas.

A primeira medida é buscar orientação médica para descobrir a intensidade de treino que o seu corpo é capaz de suportar. "Os excessos são perigosos em qualquer situação. Mas, no caso de um paciente obeso, a saúde é ainda mais frágil", afirma o personal trainer Marcelo Joaquim, do Centro de Cirurgia Obesidade e Metabólica.

Se você quer eliminar peso e ganhar saúde, acompanhe as sugestões de treino que o Minha Vida apurou juntos aos especialistas.

Resistência e flexibilidade
Todos os exercícios devem ser precedidos por um aquecimento. Mas as pessoas com sobrepeso devem redobrar a atenção com o aquecimento e o alongamento. "Os quilos extras sobrecarregam as articulações, por isso elas levam mais tempo a se acostumarem com os movimentos", afirma o doutor em ciências da saúde Hildeamo Oliveira, do Centro de Excelência em Medicina do Exercício (CEMEx) Golden Spa.

Exercícios de respiração
Pacientes acima do peso ficam ofegantes até com atividades leves. "Isso ocorre porque os pulmões acabam pressionados com o excesso de gordura e não conseguem se expandir direito durante a inspiração", diz Hidealmo. O corpo recebe menos oxigênio e, para compensar, aumenta a frequência da ventilação, dando origem à falta de ar. Fisioterapeutas podem recomendar séries de respiração voltadas a regular o funcionamento dos pulmões.

"Os movimentos ajudam na recuperação da atividade cardiorrespiratória e da função prejudicada do diafragma (músculo da respiração", afirma o personal trainer Marcelo Joaquim, do Centro de Cirurgia da Obesidade e Metabólica.

Exercícios aeróbios
Exercícios como caminhada, bicicleta e a dança podem fazer parte do treino de uma pessoa com obesidade. Mas para garantir que as aulas estão no ritmo adequado, é fundamental fazer uma avaliação física e solicitar orientação médica.

O acompanhamento de um personal trainer contribui para evolui a dificuldade do treino sem riscos à saúde. O principal cuidado, na fase inicial, é com o desenvolvimento de lesões nos músculos e nas articulações e de doenças cardiovasculares.

Hidroginástica
Exercícios na água reduzem o peso sobre as articulações, favorecendo aulas mais longas e maior queima de calorias. Sessões de hidroginástica emagrecem e ainda relaxam o corpo. "A água consegue aliviar a tensão causada pelo excesso de peso, tornando a hidroginástica uma atividade revigorante", afirma o médico do Exercício.

Esportes na água
Natação e outros esportes adaptados para a água contribuem para a perda de peso. Hidealmo explica que, fora da piscina, uma pessoa com obesidade gasta mais tempo para frear um movimento e acelerar em outra direção.

Além disso, o volume avantajado de algumas partes do corpo limita os movimentos, tornando difícil a prática de esportes. Vôlei e pólo são jogos que podem ser disputados na água.

Musculação
Quem disse que pessoas com obesidade não podem fazer musculação? "O programa de exercícios completo deve incluir também a musculação, além do alongamento e dos exercícios aeróbios", diz o personal Marcelo Joaquim.

Ele explica que a musculação vai auxiliar o paciente a ganhar força muscular, além de ajudar na perda de gordura. Peça ajuda ao seu médico e ao professor de educação física para obter um treino adequado ao seu grau de obesidade e nível de resistência física.

Frequência sem riscos
Para perder peso com exercícios, você precisa treinar de 60 a 90 minutos por dia, pelo menos cinco vezes na semana. A recomendação para pessoas com obesidade é mais rigorosa do que para quem tem sobrepeso. "Após três meses, já é possível elevar as cargas e aumentar a intensidade dos exercícios", afirma Marcelo Joaquim.

Fonte: Minha Vida - POR CAROLINA GONÇALVES

Acompanhe a vida virtual do seu filho, ensine-o e proteja-o!


Em um tempo muito distante da Internet, as mães já aconselhavam os filhos: ‘não fale com estranhos’. Pois hoje em dia, quando muitas crianças já aprendem a navegar pela web antes mesmo de brincar de bola, o velho conselho anda cada vez mais em alta – inclusive para a vida virtual!
Mas, vamos com calma. O mundo online não representa necessariamente um perigo e pode ser muitíssimo proveitoso para as crianças. É preciso, porém, que os pais estejam atentos e acompanhem os passos dos filhos também na rede.

Veja só, o Comitê Gestor da Internet (CGI) divulgou os resultados da pesquisa TIC Crianças 2010, que avalia o uso de tecnologias da informação e comunicação por este público. Cerca de 25% das crianças que acessam a internet no Brasil já sentiram medo ou perigo no ambiente online. O estudo entrevistou 2.516 pessoas em todo o Brasil, fazendo perguntas diretas a internautas com idades entre 5 e 9 anos e também para seus pais.

A pesquisa aponta que 12% das crianças declararam já ter conhecido alguém pela internet e 6% foram alvos de piadas ou brincadeiras. Boa parte dos pequenos também utiliza a rede sem acompanhamento dos pais ou outro responsável (40%). As mães normalmente são as que mais acompanham seus filhos (35%).

“As pesquisas demonstram que a maioria dos pais não controla o tempo que seus filhos passam diante do computador e também que em muitos lares os computadores estão justamente no quarto das crianças e os pais não fazem ideia do que está ocorrendo com elas na web. É preciso que os pais pesquisem periodicamente a Internet buscando o nome de seus filhos e de si próprios para saber o que aparece, para ver como está a “reputação digital da família”, diz a Dra. Patricia Peck Pinheiro, especialista em Direito Digital, sócia do PPP Advogados e idealizadora do Movimento Criança Mais Segura na Internet.

“Deve haver uma mudança de comportamento da sociedade em geral, em decorrência do avanço tecnológico. Os pais não devem proibir o uso das novas tecnologias, mas sim, orientar e ensinar seus filhos a usá-las com responsabilidade, ela ressalta.

- A partir de quantos anos as crianças brasileiras já começam a se interessar pela internet?
Dra. Patricia – Os meios digitais atraem crianças de todas as idades. Há crianças de 1 ano usando celular com tecnologia touch com a maior tranquilidade. De acordo com um levantamento feito pela Nielsen, internautas de 2 a 11 anos ampliaram o tempo que passam online em 63% nos últimos 5 anos. Estão em busca de vídeos, jogos com personagens, desenhos e, claro, o bate-papo com os amigos, seja por comunicador instantâneo ou rede social.

- Quais os perigos com os quais as crianças podem se deparar na internet?
Dra. Patricia – As crianças sofrem experiências negativas que vão desde o fato de acessarem ou receberem imagens violentas ou que contenham conteúdos de nudez, baixam vírus ao fazerem downloads de conteúdos de sites não confiáveis e pelo fato de acreditarem em praticamente tudo que vêem ou recebem pela Internet, adicionam desconhecidos em comunicadores instantâneos e redes sociais, abrindo a porta para a prática de crimes como a pedofilia e todo tipo de golpes virtuais. As crianças têm sofrido também como vítimas do cyberbullying, que é a ofensa virtual, com impacto psicológico e social, praticada através de blogs, portais de relacionamentos, comunicadores instantâneos, mensagens de texto enviadas pelo celular, entre outras.

- Quais medidas devem ser adotadas no caso de um golpe ou crime virtual envolvendo crianças?
Dra. Patricia – Ao primeiro sinal de um problema digital, os pais devem:
- Conversar com o filho e procurar saber todos os detalhes do ocorrido;
- Comunicar a escola se o incidente aconteceu nas dependências da instituição de ensino;
- Guardar todas as provas eletrônicas;
- Registrar um Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima;
- Fazer denúncia através do canal de contato do site;
- Notificar extrajudicialmente caso haja necessidade de remoção de conteúdo e;
- Procurar um advogado especializado.
- Como os pais devem proceder para controlar e proteger os filhos na internet?

Dra. Patricia – Algumas dicas são:

• Dar assistência no uso das ferramentas tecnológicas (ensinar sobre as regras do jogo, ética e leis em vigor);

• Criar perfis no computador quando usado por mais de um integrante da família para saber quem está fazendo o que (e isso apoia também dar maior liberdade a quem tem mais maturidade e idade);
• Frequentar a vida digital dos filhos (falar com eles pelo comunicador instantâneo, visitar eles no Blog e Comunidades que participam);

• Orientar sobre excesso de exposição (especialmente para que evitem publicar fotos mais íntimas e de situações da família que possam gerar riscos até de segurança, ex: atrair sequestro, assalto, outros);

• Ensinar velhos conselhos que se aplicam ao mundo digital: não falar com estranhos na web, não pegar carona em qualquer comunidade, não cobiçar e copiar o conteúdo do próximo, não fazer aos outros o que não gostaria que fizessem com você, só usar fotos autorizadas pela pessoa fotografada e “diga-me com quem navegas que te direi quem és”.

Fonte: Revista Mães & Filhos

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Street dance emagrece e fortalece os músculos


Desenvolva força, agilidade, flexibilidade e resistência com a atividade

Febre nos anos 90, o street dance continua sendo uma excelente opção para quem quer praticar um exercício físico com significativo gasto calórico, mas prefere a dança à academia ou à piscina, por exemplo. Música pulsante, movimento ritmado e espaço para a criatividade estão entre as principais características da modalidade. "É um dos únicos tipos de dança que te proporcionam liberdade de se expressar, já que não existem passos exatos. Assim, os iniciantes não têm muita dificuldade", explica a professora de street dance Andréia Soares.

Segundo a especialista, em uma hora de aula é possível perder até 400 calorias. "Como qualquer dança, o street exige disciplina, mas é muito divertido, até porque quem procura geralmente já tem um gosto especial pela dança ou uma vontade grande de aprender". Além de eliminar calorias, a modalidade ainda fortalece a musculatura. A professora diz que o street dance trabalha todos os grupos musculares, pois o corpo inteiro é usado quando se dança.

Força, agilidade, flexibilidade, equilíbrio, coordenação motora e resistência são algumas das qualidades desenvolvidas com o street dance. O resultado, porém, depende do empenho que cada pessoa coloca nos movimentos. "Quando você pratica algo no qual está realmente interessado, não se importa com o cansaço e segue em frente. E é isso que acontece nas aulas de street", afirma Andréia.

A professora ressalta, porém, que ficar em forma não é o principal foco da modalidade. "A dança mexe com a autoestima e a confiança. Cada vez que você aprende a fazer algum movimento que considerava impossível de realizar é uma superação", diz. Além disso, a dança também proporciona socialização.

Para começar a dançar street dance, garante Andréia, só é preciso vontade. "Não há limites para prática dessa atividade, apenas adequação de acordo com nível de aprendizado e faixa etária, a partir de oito anos", observa. "O street é indicado para todas as idades, só basta ter um espírito jovem", afirma.

As aulas são bastante dinâmicas, com músicas de batidas fortes, geralmente hip-hop. Mas, como em praticamente todas as classes de dança, movimentos precisam ser repetidos com frequência para que os alunos sintam-se seguros em executá-los. "Cada pessoa tem seu tempo para aprender.
Algumas demoram mais e outras menos para conseguir fazer os passos. Mas isso é normal, ninguém deve se cobrar mais do que pode", lembra a professora.
Roupas que permitam movimentações de grande amplitude e facilitem a evaporação do suor são essenciais para garantir conforto durante a aula.

Como em qualquer outra atividade física, há risco de lesões, principalmente nos joelhos, pés e tornozelos. Porém, alongamento antes e depois e orientação de um professor especializado diminuem a chance de a pessoa se machucar.

Fonte: Revista Minha Vida

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Longevidade se adquire ao longo da vida


Estilo de vida saudável

Um estilo de vida saudável durante os primeiros anos da idade madura - incluindo controle de peso, exercícios regulares e não fumar - é um fator fortemente associado a uma maior probabilidade de viver até os 90 anos, de acordo com estudo publicado na revista Archives of Internal Medicine.

Outro artigo na mesma edição mostra que, embora alguns indivíduos vivam até os 100 anos ou mais por evitar doenças crônicas, outros centenários vivem com essas condições por vários anos.

75% são opções de cada um

O artigo menciona também estudos com gêmeos mostrando que 25% da variação de longevidade humana é atribuída a fatores genéticos. Os outros 75% são atribuídos a fatores de risco modificáveis.

A equipe de Laurel Yates, do Hospital da Mulher de Brigham, em Boston, nos Estados Unidos, avaliou um grupo de 2.357 homens, cuja participação começou entre 1981 e 1984. Os voluntários, com idade média de 72 anos, forneceram informações sobre variáveis demográficas e de saúde, incluindo peso, altura, pressão sangüínea, níveis de colesterol e freqüência de atividades físicas.

Duas vezes durante o primeiro ano de participação e uma vez a cada ano até 2006, os voluntários completaram um questionário sobre as mudanças de hábitos, estado de saúde e capacidade para realizar tarefas cotidianas.

Fatores modificáveis

Um total de 970 homens (41%) viveu até 90 anos ou mais. Vários fatores modificáveis, biológicos e comportamentais, foram associados com essa longevidade excepcional. "Tabagismo, diabetes, obesidade e hipertensão reduziram significativamente a probabilidade de vida até os 90 anos, enquanto exercícios vigorosos e regulares a aumentaram consideravelmente", destacaram os autores.

"Homens com duração de vida acima dos 90 anos demonstraram melhores funções físicas, bem-estar mental e autopercepção de saúde no fim da vida, em comparação com os que morreram mais cedo. Fatores adversos associados com menor longevidade - tabagismo, obesidade e sedentarismo - também foram associados com pior estado funcional no fim da vida", descreveram.

De tabagismo a exercícios físicos

A pesquisa estima que um homem de 70 anos que não fuma e tem pressão sangüínea e peso normais, não tem diabetes e se exercita de duas a quatro vezes por semana tem uma probabilidade de 54% de viver até os 90 anos.

Com os fatores adversos, sua probabilidade de viver até essa idade se reduz nas seguintes proporções:
• Estilo de vida sedentário: 44%
• Hipertensão (pressão alta): 36%
• Obesidade: 26%
• Tabagismo: 22%
• Três fatores reunidos, como sedentarismo, obesidade e diabetes: 14%
• Cinco fatores somados: 4%

Capacidades funcionais

No segundo estudo, a equipe de Dellara Terry, da Escola de Medicina da Universidade de Boston e do Boston Medical Center, estudou 523 mulheres e 216 homens com 97 anos ou mais. Os voluntários responderam questionários sobre histórico de saúde e capacidade funcional para escrever e-mails ou telefonar.

Os participantes foram divididos em grupos por sexo e pela idade na qual desenvolveram doenças normalmente associadas ao envelhecimento: doença pulmonar obstrutiva crônica, demência, diabetes, doença cardíaca, hipertensão, osteoporose, doença de Parkinson e derrame. Os que desenvolveram essas condições após os 85 anos foram classificados como retardatários, enquanto os que as desenvolveram antes foram denominados sobreviventes.

Sobreviventes e retardatários

Entre os participantes, 32% eram sobreviventes e 68% retardatários. "Os centenários que desenvolveram doenças coronárias ou hipertensão antes dos 85 anos e sobreviveram até os 100 demonstraram níveis funcionais semelhantes aos dos retardatários", disseram os autores.

Apesar de as mulheres terem sobrevivido mais até idades extremas, os homens centenários no estudo demonstraram melhores funções físicas e mentais que as mulheres. "Uma explicação para isso pode ser que os homens precisam estar em excelente saúde e funcionalmente independentes para chegar a uma idade tão extrema", indicaram.

Fonte: Diário da Saúde - Agência FAPESP

Exercícios físicos diminuem consumo de remédios


Hábito de exercitar

Mulheres acima dos 60 anos que praticam 150 minutos de atividades físicas moderadas por semana, como caminhadas, consomem menos remédios em comparação às que não têm o mesmo hábito.

A conclusão é de Leonardo José da Silva, em uma pesquisa realizada na Universidade Federal de São Paulo (USP).

Os resultados do estudo de Silva foram apresentados em maio no 3th International Congress Physical Activity and Public Health realizado em Toronto, no Canadá.

Programa de Saúde da Família

Silva acompanhou 271 mulheres com idade acima de 60 anos que participaram do Programa de Saúde da Família, organizado pela Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo.
As participantes que cumpriram um programa de exercícios variados de no mínimo 150 minutos semanais apresentaram consumo de medicamentos 34% menor em comparação às mais sedentárias.
"Esse tempo mínimo de exercícios de 2,5 horas semanais é preconizado pelaAmerican Heart Association e pelo American College of Sports Medicine", conta Silva.

Com menos de 10 minutos semanais de atividade física o indivíduo é considerado sedentário e entre 10 minutos e 150 minutos de exercícios por semana ele é categorizado como insuficientemente ativo.

Silva contou com uma parceria entre a Unifesp e o Centro de Estudos de Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs). Guiomar Silva Lopes, professora do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp e orientadora de Silva, considera o programa oferecido pela cidade paulista aos idosos uma valiosa fonte de pesquisa. "Trata-se de uma população pequena e estável, o que facilita o acompanhamento dos participantes durante prazos mais longos", disse.

Exercícios e remédios

As atividades físicas disponibilizadas incluem caminhadas, exercícios de aprimoramento de força muscular, equilíbrio, flexibilidade e capacidade aeróbica. Há também visitas domiciliares feitas por agentes de saúde, nas quais os idosos são incentivados a praticar atividades físicas frequentes, como ir ao mercado ou fazer um passeio a pé.

O consumo de remédios das participantes da pesquisa foi avaliado por meio do cadastro da Secretaria Municipal da Saúde de São Caetano do Sul. Na base de dados estão registradas informações relevantes sobre todos os participantes do Programa de Saúde da Família, incluindo os medicamentos consumidos regularmente.

Segundo Guiomar, os resultados do estudo poderão subsidiar políticas públicas que incentivem a atividade física visando à prevenção e controle das doenças crônicas associadas ao envelhecimento, reduzindo despesas com medicações e internações.

"Podemos perceber a importância desse estudo ao constatar que o idoso consome, no mínimo, cinco medicamentos associados a doenças ligadas ao envelhecimento", disse a orientadora.

Caminhada para longe dos remédios

A relação causa e efeito entre atividade física e consumo de medicamentos ainda está sendo estudada. A redução dos níveis de pressão arterial proporcionada pela atividade física é uma das hipóteses levantadas pelo estudo de Silva, uma vez que a doença é uma das mais comuns entre a população idosa, estando presente em mais da metade das pessoas acima de 60 anos.

O diabetes, com prevalência de 25% entre idosos, é outra enfermidade afetada pelo nível de atividade física. "Há estudos indicando que exercícios respiratórios aumentam a sensibilidade do organismo à insulina", comentou a professora da Unifesp.

Esse efeito é importante para as pessoas em cujos organismos a insulina não atua de maneira eficiente. "A resistência à insulina tem alta prevalência na população idosa e se caracteriza pela menor resposta à insulina, com aumento discreto da glicemia e da insulinemia. Estes fatores juntos contribuem para a obesidade e o aumento do risco de doenças cardiovasculares", disse.
Exercícios para mulheres

As mulheres são as que mais se beneficiam da prática de atividades físicas, no caso levantado em São Caetano do Sul. Guiomar conta que a pesquisa se restringiu ao público feminino porque ele representa a grande maioria dos participantes do programa.

A professora ressalta que não são completamente conhecidas as razões que levam a menor participação masculina nessas atividades. "Sabemos que a mulher tem expectativa de vida um pouco maior do que a do homem, aumentando a frequência de mulheres viúvas e sozinhas, porém esse fato não explica a absoluta ausência masculina", disse.

Segundo Silva, o estudo destaca o fortalecimento da medicina preventiva, área que se encontra em crescimento e tem laços com a educação física. "A prescrição de medicamentos ainda é preponderante na prática médica. Podemos diminuir esse consumo de remédios com métodos de prevenção baratos e simples como a atividade física", sugeriu.

Fonte: Diário da Saúde - Fabio Reynol - Agência Fapesp

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Jogos Internos do Colégio Dom Bosco 2011


No período de 20 a 28 de outubro, o Colégio Dom Bosco realizará os Jogos Internos 2011, com a participação de 400 alunos do ensino fundamental e médio.

Serão 22 turmas divididas em 5 categorias disputando as seguintes modalidades: basquete, futsal, handebol, natação, queimado, tênis de mesa, voleibol e xadrez. Os jogos serão coordenados pelo professor Benjamin Alves e realizados pela equipe de professores de educação física: Ana Paula, Dulce Olga, Lívia, Márcio e José Costa.

A abertura dos jogos acontecerá nesta sexta-feira, 21 de outubro, a partir das 10 h com o desfile das equipes participantes, juramento do atleta, juramento do árbitro, acendimento da pira olímpica e declaração de abertura pela Diretora Irmã Marta Helena de Carvalho.

Para abrilhantar a abertura, haverá 4 apresentações artísticas: Banho de lua, Brinquedo pra montar, Meu Brasil brasileiro e a dublagem de Ivete Sangalo e Luan Santana pelas professoras Eliana e Dida.

As competições serão realizadas no Ginásio de esportes “Dom Bosco” e a natação na piscina da escola.

“Os esportes são meios eficazes para promover a saúde, a disciplina e a honestidade.” Dom Bosco

Profº José Costa

Dance pela vida


Há muito tempo, dançar deixou de ser visto apenas como um prazer, e especialistas já comprovam a sua utilidade no tratamento de doenças físicas e psíquicas

"Dance, dance, caso contrário estaremos perdidos", já dizia a bailarina e coreógrafa alemã Pina Bausch, que de uma forma revolucionária procurava mostrar a relação entre movimento e emoções.
Hoje, várias técnicas que buscam expressar o interior e as emoções por intermédio do corpo já são reconhecidas como terapêuticas - além de agradar como um exercício completo. Fugindo dos estilos tradicionais mais conhecidos e extremamente regrados, como o balé clássico e o jazz, existe um mundo de novas danças e técnicas que combinam os benefícios da atividade física com os conhecimentos da medicina.

Dentre os proveitos físicos que essa atividade oferece para quem a pratica com frequência estão a redução de peso, melhor resposta do organismo à insulina - no caso dos diabéticos -, reeducação postural, diminuição do colesterol ruim (LDL) e aumento nos níveis do bom (HDL), redução da pressão arterial de hipertensos leves, melhor condicionamento físico e respiratório.

Outro atributo é a diminuição da quantidade de glicose no sangue, que ajuda na prevenção do diabetes. "Como a dança combina o benefício aeróbico ao entretenimento, além do relaxamento proveniente do lazer, ela diminui a adrenalina que causa o estresse e problemas cardíacos", afirma Marcelo Cantarelli, diretor da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHC) e da clínica Angiocardio (SP).

Já as melhoras psíquicas podem se manifestar pela diminuição da timidez, aprimoramento do convívio social, reconstrução de uma autoimagem que antes era distorcida e também da autoestima. Além disso, pode ser recomendada para auxiliar no tratamento de doenças mais graves - como a síndrome do pânico e a depressão - ou o medo de se expor perante as situações cotidianas.

Como a dança não envolve a fala em sua essência, a pessoa procura outras formas de se comunicar por meio do corpo e, nesse processo, ela pode encontrar o alívio para os seus transtornos. "Por meio dos movimentos, o sujeito entra em contato com aspectos que são bloqueados dentro dele, como nos casos de timidez e autoimagem depreciada", explica a psicanalista Blenda de Oliveira, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP). Para usufruir de tudo isso, existem diferentes técnicas e métodos para que o aluno encontre a que mais lhe agrada.

Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física é importante fazer um checkup completo da saúde, principalmente do coração

Cuidado com o coração

Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física é importante fazer um check-up completo da saúde, principalmente do coração. Durante os exercícios, os músculos e órgãos vão trabalhar mais, então, precisam ter uma melhor irrigação sanguínea. Para suprir essa demanda, o sangue tem que circular mais rápido pelo organismo. "Nesse momento, a pressão arterial máxima sobe e a mínima desce. Se a pessoa tiver algum problema cardíaco desconhecido, e não tratado, pode ter uma complicação como derrame ou infarto", explica Marcelo Cantarelli.

Ainda existem os casos de morte súbita, onde é comum o sujeito não conhecer a existência de um problema no coração que provocava a arritmia, por exemplo, e acaba colocando a vida em risco durante a prática de qualquer esporte.

Apesar de afetar diretamente o funcionamento do coração, pacientes com pressão alta já detectada devem também praticar atividades físicas. Segundo Cantarelli, desde que as controlem com um médico, não há problema algum. Ele pode recomendar fazer um mapa da pressão arterial durante todo o dia, inclusive durante a prática dos exercícios, para ter um melhor diagnóstico e ajustar a medicação. "Com o tempo, eles podem até passar a ingerir menos remédios para a hipertensão", completa o cardiologista.

Dance para se encontrar

Pessoas com depressão, ou que buscam o autoconhecimento em geral, podem encontrar muitas respostas nos próprios movimentos, pois a dança permite a expressão daquilo que se sente. Retratar com corpo o que o professor está falando, ou tocar nos outros integrantes enquanto realizam os passos, são alguns dos métodos que as diferentes técnicas utilizam. Além disso, "a dança, por ser aeróbica, produz endorfinas que interferem bastante no humor, na disposição, e no sono", esclarece a psicanalista Blenda.

Na biodanza, técnica idealizada pelo psicólogo argentino Rolando Toro, o som é fundamental. Para reproduzir as diversas mudanças de lugares, pessoas e comportamentos diante da sociedade, as músicas também vão se alterando no decorrer da aula. "Por meio da música e do movimento humano, ativam-se alguns processos que ajudam na regulação global, diminuindo o estresse", afirma Maria Angelina Pereira, diretora e coordenadora da Escola Paulista de Biodanza (SP). Ela explica que, nessa técnica, o corpo se comunica pelo olhar, sorriso e toque. O intuito é resgatar uma atitude da vida mais serena e reabilitar a digestão e respiração, a partir do momento que se deixa a tensão.

Todos podem praticar a biodanza, e mesmo quem tem alguma patologia que afete a mobilidade pode se beneficiar dessa metodologia. Segundo a especialista, a prática potencializa o que a pessoa tem de bom, e não as doenças.

Dança na inclusão de pessoas com deficiência

Usando passos inspirados no balé clássico e métodos específicos da fisioterapia, Lavinia Teixeira, fisioterapeuta neurofuncional e professora da Academia Sergipana de Ballet, desenvolveu uma prática que ajuda jovens com déficits cognitivos. Ela utiliza o ritmo predeterminado pela música para fazer com que os seus alunos/ pacientes sincronizem os próprios movimentos corporais. Isso estimula neles um sentido lógico para que o esforço executado se transforme na ação desejada.

Essa técnica tem como objetivo a redução de contraturas e deformidades, melhor mobilidade, ganho de força muscular e controle motor, resultando numa maior qualidade de vida para o indivíduo. "Apesar de observar os benefícios da dança no desenvolvimento e aprimoramento neuromotor, o bem-estar que ela proporciona é o fator primordial nos resultados alcançados", explica Lavinia. Deficiências motoras, sensoriais, cognitivas, ou o conjunto delas, podem ser trabalhadas com a Terapêutica Alternativa Lavinia Teixeira (TALT).

Com aulas individuais e em grupo, a socialização também é estimulada nessa atividade. "Além do prazer que a música induz aos movimentos sincronizados a ela, o reforço positivo vindo da plateia potencializa os efeitos neuromotores, psicoafetivos e sociais", finaliza a fisioterapeuta.

Várias técnicas que buscam expressar as emoções por intermédio do corpo já são reconhecidas como terapêuticas - além de agradar como um exercício completo

Dança de salão

Englobando diversos ritmos, a dança de salão é um ótimo exercício. Dentre os benefícios para a saúde estão a melhora da coordenação motora e das relações sociais. Algumas escolas oferecem cursos especiais para crianças e idosos, que trazem resultados mais específicos. As crianças melhoram a coordenação, concentração e relacionamento com os demais, devido ao contato físico. Já a terceira idade apresenta fortalecimento ósseo e muscular e ativação cerebral.

Para quem não gosta de musculação, é uma ótima forma para se exercitar e ajudar também no tratamento da depressão. Com relação a risco de lesões, "se a escola tem o piso adequado e o aluno está com o sapato recomendado, é mais difícil que ele se machuque", tranquiliza Renato Mota. Assim, com o alongamento e local adequado, o joelho não se sobrecarrega, o que evita lesões.

"Cada um tem um instinto, temos que escutálo, pois ele nos ajuda a sobreviver", afirma Maria Angelina, explicando a necessidade de saber ouvir o próprio corpo para se obter uma melhor qualidade de vida.

Já no caso da dançaterapia, a música não é essencial, pois, nesse método, os alunos podem fazer o próprio som. "Ela é voltada para o encontro da pessoa com o próprio eu, onde se entende melhor e o grupo também", explica Renato Mota, arte-terapeuta, professor de dança de salão e diretor do Studio Renato Mota (SP). Levando em consideração que quem consegue ter um maior controle sobre o seu corpo e suas emoções vive melhor, ele afirma que o intuito é fazer com que os participantes levem a técnica aprendida para o seu cotidiano.

Do ponto de vista emocional, as coreografias mais soltas têm o objetivo de relaxar o corpo, e isso pode ajudar, segundo exemplifica Blenda. "Felizmente as conquistas emocionais não são como os músculos que, quando você para um exercício, ele retrocede; esses ganhos continuam com a pessoa", observa a psicanalista.

Bom para a memória

A necessidade de decorar passos e sequências, ou apenas o fato de fazer um tipo diferente de movimento com o corpo, faz com que o cérebro também se comporte de outra forma. "Quando se experimenta algo novo, uma habilidade nova, ou até mesmo resgatase um antigo hábito, o cérebro é obrigado a fazer novas configurações que acabam colocando mais uma de suas áreas em ação", ensina a especialista Blenda.

Misturando exercícios do balé clássico, pilates e ioga, os alunos da turma de Power Spirit da bailarina Betina Guelmann (RJ) treinam a memória, lateralidade, ritmo e noção de espaço mediante os movimentos repetidos. A dança de salão, que normalmente oferece aulas específicas para determinadas faixas etárias, também é uma boa opção para quem quer manter o cérebro e o corpo em forma.

A biodanza é dividida em cinco linhas: vitalidade, sexualidade, criatividade, afetividade e transcendência

Melhore o convívio social

A capacidade de criar vínculos com outras pessoas, ampliar as amizades e "dançar conforme a música" nas circunstâncias da vida cotidiana é muito trabalhada na biodança. Nesse modelo, o conjunto de movimentos é visto como um sistema de integração humana, renovação orgânica e reeducação afetiva. "A biodanza é dividida em cinco linhas: vitalidade, sexualidade, criatividade, afetividade e transcendência", afirma a especialista Maria Angelina. Tendo essas linhas como pilares, os movimentos inspirados na fluidez do tai chi chuan podem ser realizados sozinhos, em duplas ou trios, e em unidade com todo o grupo.

Na dançaterapia, o convívio social também é trabalhado através de movimentos de livre expressão. O uso de jogos corporais é indicado, pois eles promovem a desinibição, além do contato com o outro e com o grupo. Essa estratégia inclui também o professor que, comandando as atividades, estimula os alunos a "encenar" conflitos da própria vida. com a participação de todos ou apenas para eles mesmos. Trata-se da chamada coreografia induzida. O corpo e a mente agradecem.

Fonte: Revista Viva Saúde - por Jéssie Panegassi ¦ foto Danilo Tanaka

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Caminhar reduz risco de derrame em mulheres


Exercícios contra o derrame

Mulheres que caminham pelo menos duas horas por semana ou que costumam andar rapidamente (5 km/h ou mais) têm risco significativamente menor de desenvolver um acidente vascular cerebral (AVC) - popularmente conhecido como derrame - do que as que não costumam praticar atividade física.

A afirmação é de um estudo feito nos Estados Unidos e que será publicado em breve na revista Stroke, da American Heart Association. De acordo com a pesquisa, os riscos foram menores para AVC em geral e em suas formas isquêmica e hemorrágica.

Caminhar para longe do AVC

As mulheres que caminharam em passos acelerados apresentaram risco 37% menor de qualquer tipo de AVC. As que andaram mais de duas horas por semana tiveram risco 30% menor, ambas em comparação com mulheres sedentárias.

No caso de AVC hemorrágico, os riscos foram 68% menor para as que caminharam vigorosamente e 57% menor para as que andaram pelo menos duas horas por semana.

"A atividade física é um comportamento importante para a prevenção de AVC. Trata-se de um hábito essencial para promover a saúde e reduzir o risco de doenças cardiovasculares. Caminhar é apenas uma forma de atividade física", disse Jacob Sattelmair, da Faculdade de Saúde Pública Harvard, principal autor do estudo.

"Embora a relação exata entre diversos tipos de atividade física e diferentes subtipos de acidente vascular cerebral permaneça desconhecida, os resultados desse estudo específico indicam que caminhar, em particular, está associado com o menor risco de AVC", afirmou o pesquisador.

Exercícios para mulheres

Os autores do estudo acompanharam 39.315 mulheres, com idade média de 54 anos, que participaram de um levantamento nacional sobre saúde feminina. A cada dois ou três anos, as participantes descreveram as atividades físicas conduzidas em horas de lazer no ano anterior.

As atividades envolviam caminhar, correr, andar de bicicleta, fazer exercícios aeróbicos e praticar esportes. Atividades ocupacionais, domésticas ou comportamentos sedentários não foram considerados.

Os ritmos de caminhada foram divididos em nenhum, casual (cerca de 3,2 km/h), normal (4,6 km/h), acelerado (6,2 km/h) e muito acelerado (acima de 6,4 km/h). Nos quase 12 anos em que foram acompanhadas, 579 mulheres tiveram um AVC (473 isquêmicos, 102 hemorrágicos e quatro não identificados).

Acidente vascular cerebral

"O acidente vascular cerebral é a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos e uma das principais causas de incapacidade. Por conta disso, é muito importante identificar fatores capazes de modificar riscos", disse Sattelmair.

Segundo o pesquisador, os resultados não se estendem aos homens. "A relação entre caminhar e menor risco de AVC ainda é inconsistente entre homens", disse.

Fonte: Diário da Saúde - Agência Fapesp

Manter a vitalidade nas alturas é primordial nos dias de hoje


Veja algumas dicas para manter a vitalidade em alta e tenha mais pique para encarar a correria do dia a dia

Pular da cama, abrir a janela sorrindo e realizar as tarefas do dia com disposição e entusiasmo - quantas vezes nos vemos distantes desse ideal de vitalidade ou, pelo menos, tentando alcançá-lo. Calma. Ficará mais fácil turbinar as reservas de energia se compreendermos - e respeitarmos - o sutil equilíbrio das forças envolvidas nessa equação.

"Na medicina tradicional chinesa, vitalidade é sinônimo de Qi (lê-se "tchi"), que quer dizer energia da vida ou sopro vital, presente na natureza como um todo", afirma Márcio de Luna, presidente da Associação Brasileira de Acupuntura, do Rio de Janeiro, e professor do Instituto Brasileiro de Medicina Tradicional Chinesa (IBMTC). Segundo essa tradição, nós nascemos com uma cota predeterminada de Qi, armazenada nos rins. "É por isso que os chineses procuram preservar a saúde desse órgão e cultivar bons hábitos no cotidiano", diz o acupunturista. A sabedoria desse povo desemboca no comedimento. Assim, eles pensam: se o montante de energia inata for gasto precocemente, a vitalidade despencará e as enfermidades não tardarão a se instalar.

Nas bandas ocidentais, não é muito diferente. "A medicina convencional entende a vitalidade como resultado da interação de aspectos físicos e psíquicos", diz João César Castro Soares, endocrinologista, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e autor de Dieta Dissociada - Emagrecer com Saúde Comendo de Tudo (MG Editores). "Os estados psicológico e mental, os níveis de estresse diário, o ambiente domiciliar, a forma com que aproveitamos os períodos vagos da rotina, bem como a alimentação e o consumo de água são fatores que influenciam diretamente a vitalidade ou a falta dela", afirma a fisioterapeuta e acupunturista Arianne Nogueira, de São Paulo.

Trocando em miúdos, somos o reflexo de nossos hábitos, mas também não ficamos imunes às influências do meio em que vivemos. No âmbito fisiológico, devemos grande parte do ânimo que sentimos à atividade dos neurotransmissores, principalmente a serotonina e a endorfina. Uma vez fabricadas pelo cérebro, elas produzem a sensação de bem-estar e disposição. "Há aumento da taxa de serotonina quando ingerimos carboidratos e açúcares, e da taxa de endorfina quando praticamos exercícios físicos", diz Castro Soares.

Isso não significa que, a partir de agora, você esteja autorizada a se empanturrar de doces, chocolate, bolos e pães só para se sentir de bem com a vida. Melhor recorrer vez ou outra a esses bálsamos alimentares e deixar o trabalho pesado para as atividades físicas. Regulares, é bom que se diga. "Para gerar benefícios, a prática deve ser contínua, ou seja, pelo menos, três vezes por semana, com duração mínima de 30 minutos", ressalta o médico. Portanto, escolha uma modalidade prazerosa. Algo que a motive a ser aluna assídua e dedicada.

Há ainda dois personagens altamente envolvidos com a geração de entusiasmo. São eles: o cortisol e a adrenalina, os chamados hormônios do estresse. Em patamares normais, a dupla se encarrega do desempenho muscular e do despertar matinal. "Por isso, é recomendado se exercitar pela manhã, período em que esses hormônios preparam o organismo para o gasto energético", explica ele. Por outro lado, o excesso de malhação, em geral, motivado pelo culto ao corpo, pode levar ao esgotamento. Aí, adeus vitalidade. "Muitas pessoas não respeitam seus limites físicos e criam para si um quadro de estafa aliado a lesões musculares e articulares", alerta Castro Soares.
Abaixo o desperdício de energia!

Segundo a medicina tradicional chinesa, devemos evitar os seguintes hábitos em nome de uma vida equilibrada e, consequentemente, cheia de disposição:

• Uso de drogas (incluindo cigarro e álcool) ou agentes intoxicantes, como corantes, principalmente a tartrazina, substância usada em tudo o que possui a cor amarela.
• Trocar o dia pela noite ou dormir tarde e pouco.
• Picos de preocupação, raiva, tristeza, medo, alegria e todo abuso emocional.
• Excesso de exercícios físicos e de atividade mental (os chineses recomendam técnicas de meditação para aprendermos a esvaziar a mente).
• Comer muito ou demasiado pouco.
• Exagerar num certo sabor como ácido, doce, amargo, salgado e picante (nossa sociedade abusa do doce e do sal).
• Devemos, sim, comer conforme a estação: alimentos mais calóricos e gordurosos no frio; e itens leves, frugais e frescos no calor.

Fontes borbulhantes

Para manter constantes os níveis de energia, vale a pena investir em atividades como aashtanga vinyasa ioga, conhecida como a vertente mais vigorosa dessa modalidade, centrada na respiração casada com sequências fixas de posturas. "A respiração profunda com base na contração das vísceras, chamada de ujjayi, aumenta a oxigenação dos órgãos internos, gerando um corpo rico em combustível", afirma Pedro Moreno, professor de ashtanga vinyasa ioga no Estúdio Anacã e na Escola de Ioga, ambas em São Paulo.

Se você já tem uma atividade física predileta, pode recorrer às agulhas a fim de reequilibrar o fluxo energético do corpo. "O estímulo dos pontos de acupuntura promove a liberação de diversas substâncias neuroquímicas, como serotonina, endorfina e dopamina, entre muitas outras, o que se traduz na recuperação da saúde e no aumento da disposição", explica Luna. Segundo ele, a sensação de bem-estar começa a ser sentida durante a sessão e se prolonga por até 72 horas. Nos casos de pacientes desvitalizadas, ele recomenda a frequência de duas vezes por semana, com intervalos de três dias entres as sessões, durante três meses.

Aquela massagem dos deuses também é providencial nos momentos de pilha fraca. Aposte na massagem revitalizante, com pedras quentes. "Ao dissolver as tensões por meio do toque combinado com a ação de óleos mornos e das pedras aquecidas, libera-se a energia represada", afirma Priscila. Sem falar que, quando estão deitadas na maca, as pessoas são induzidas a respirar profundamente, o que aumenta a oxigenação do sangue e relaxa a musculatura.

Como última cartada contra o cansaço, cogite se refugiar nos braços da natureza. Uma pesquisa conduzida pela Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, mostrou que o simples contato com as paisagens naturais aumenta a sensação de vitalidade. Vinte minutos de interação com esses cenários foram suficientes para os pesquisadores constatarem os benefícios nos participantes do estudo. Não há brechas para desculpas. Só vai deixar a bateria arriar quem quiser.

Fonte: Reportagem: Raphaela de C. Mello - Edição: MdeMulher - Foto: istockphoto