quarta-feira, 10 de abril de 2013

Usando o “bafo” para identificar doenças


Embora consolidados há décadas, exames de sangue, fezes ou urina podem ser incômodos para o paciente, e a análise das amostras toma um tempo considerável. Daqui a alguns anos, porém, é possível que haja uma alternativa mais rápida e menos invasiva: exame de hálito.

O método, comum na medicina tradicional chinesa e às vezes usado para identificar certos tipos de câncer, pode trazer resultados alterados, por causa da grande variedade de componentes presentes no hálito humano. Para garantir análises mais precisas, um grupo de pesquisadores da Suíça modificou um aparelho de espectometria de massa (que é capaz de reconhecer diversas substâncias em uma amostra).

Impressão “halital”

Ao longo de quase duas semanas, a equipe analisou o hálito de 11 voluntários. “Nós encontramos pequenas variações durante o dia, mas o padrão individual permaneceu suficientemente constante para propósitos médicos”, destaca o pesquisador Pablo Martinez-Lozano Sinues.

Apesar do potencial, há pelo menos dois aspectos que devem ser melhorados para que esse método de análise se torne mais viável. O primeiro deles é o custo: aparelhos de espectometria de massa não são baratos (e, além disso, teriam de ser adaptados). Também é preciso descobrir as alterações que certas doenças podem causar no hálito.

“Nossa meta é desenvolver uma análise de hálito que possa competir com as de sangue e urina, já estabelecidas”, explica o professor Malcolm Kohler, do Hospital Universitário de Zurique (Suíça). Um exame como esse poderia viabilizar análises mais constantes, o que permitiria que determinadas doenças pudessem ser diagnosticadas mais cedo.[PopSci,ScienceDailyPLoS ONE]

Um comentário:

  1. http://www.magroparasempre.com/infopage.aspx?pack=mps&cid=320507&ad=XX

    ResponderExcluir