domingo, 30 de junho de 2013

Conheça os exames que todo homem deve fazer

Para cada fase da vida, existem exames específicos para prevenir doenças. Veja quais os exames que os homens precisam fazer

20 Anos

O foco são as doenças sexualmente transmissíveis, principalmente as sorologias de hepatites. “Vivemos ainda uma epidemia de HPV. Muitas das cepas do vírus são assintomáticas no homem, mas podem predispor a parceira ao câncer de colo do útero”, lembra Paulo Rodrigues, urologista do Hospital Nove de Julho (SP).

30 Anos

O autoexame do câncer de testículo deve ser periódico. Ele consiste em apalpar a região em busca de nódulos. “O cuidado com os níveis de colesterol, glicemia, uma avaliação da função renal e hepática e a hipertensão arterial também são importantes nesta faixa etária”, completa Ana Leticia Daher, patologista clínica do Delboni Auriemo Medicina Diagnóstica.

Acima dos 40 anos

Aos 45 anos é indicado realizar anualmente a dosagem do PSA(antígeno prostático específico), que costuma se elevar na presença de tumores de próstata. Se houver histórico da doença na família, a checagem deve começar aos 40 anos. Além disso, é bom saber que o aparecimento da impotência sexual pode indicar problemas cardiovasculares.

Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/clinica-geral/saiba-quais-sao-os-exames-para-prevenir-doencas/877/ - Texto: Leonardo Valle/ Foto: Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel

sábado, 29 de junho de 2013

Qualidade de vida: todo mundo quer, mas o que isso significa?

O termo qualidade de vida engloba a satisfação psicológica, a saúde física e o bem-estar familiar

Qualidade de vida era um termo usado quase exclusivamente por profissionais de saúde. Agora, todo mundo se preocupa com isso, de economistas a executivos de publicidade. Para empresas que desejam atrair funcionários com uma boa formação, ser capaz de oferecer uma boa qualidade de vida aos funcionários potenciais está se tornando cada vez mais importante.

Porém, o que isso quer dizer na verdade e como empresários e médicos podem ajudar a melhorá-la, caso alguém seja capaz de definir claramente o que é? Marta Elvira, Barbara Barcaccia, Giuseppe Esposito, Maria Matarese, Marta Bertolaso e Maria Grazia De Marinis tentam resumir esse conceito no artigo "Defining Quality of Life" (Definindo a qualidade de vida), publicado na edição atual da revista Europe's Journal of Psychology.

Os autores analisam como a qualidade de vida foi interpretada e definida para fins de pesquisa ao longo de duas décadas, considerando as dificuldades envolvidas em mensurá-la.

À medida que avanços médicos ajudam a aumentar a longevidade, nosso objetivo mudou da quantidade de vida para a qualidade de vida. Embora os cientistas possam recorrer a escalas de pontuação para mensurar a dor ou quantificar limitações físicas, os autores acreditam que tentar mensurar a qualidade de vida dessa maneira seja ir longe demais.

O que significa, afinal?

A qualidade de vida é um termo subjetivo e multidimensional que engloba características positivas e negativas da vida. É uma condição dinâmica que reflete os eventos da vida: a perda de um emprego, uma doença ou algum problema podem mudar a definição de qualidade de vida de forma rápida e drástica.

Ainda que mensurá-la seja difícil, a clareza é extremamente importante, especialmente para médicos que precisam levar a qualidade de vida em conta ao considerar o uso de intervenções para a manutenção da vida de pacientes gravemente doentes. Sob essas circunstâncias, criar uma definição distinta é eticamente importante e não um detalhe subjetivo.

Uma análise de estudos científicos dos últimos 20 anos mostra que ainda estamos longe de encontrar uma definição precisa, clara e compartilhada do conceito. Com frequência, os pesquisadores nem mesmo tentam definir qualidade de vida, utilizando-a apenas como um indicador.

A qualidade de vida engloba:

- A satisfação com a vida, que é subjetiva e pode mudar.
- Fatores multidimensionais que incluem saúde física, satisfação psicológica, independência pessoal, bem-estar familiar, educação, crença religiosa, senso de otimismo, serviços e transporte local, emprego, relacionamentos sociais, moradia e o ambiente em que se vive.
- Perspectivas culturais, valores, expectativas pessoais e objetivos em relação ao que se espera da vida.
- Não apenas a ausência de uma doença, mas a presença do bem-estar físico, mental e social. Os autores destacam a necessidade de uma equipe médica multidisciplinar capaz de desenvolver uma perspectiva sobre as necessidades psicossociais do indivíduo, não apenas os cuidados com a saúde.
- Nossa interpretação dos fatos e eventos que ajudam a explicar por que algumas pessoas com limitações físicas relatam uma qualidade de vida excelente, ao passo que outras, não.
- Nosso nível de aceitação da situação atual, bem como nossa capacidade de limitar os pensamentos e emoções negativas em relação a essa situação.
A subjetividade parece ser uma parte fundamental de nossa compreensão do significado de qualidade de vida. Os autores sugerem que outras variáveis, não apenas as relacionadas à saúde física, tais como a saúde psicológica e social, passem a ser avaliadas no futuro.

Informações The New York Times News Service

Sete estratégias para reduzir o açúcar do seu cardápio

Cortar o refrigerante é o primeiro passo para moderar no consumo do alimento

Em geral, quem está de dieta vive em pé de guerra com doces. Se, por um lado, é impossível evitá-los, por outro é muito difícil comê-los com moderação. Agora, entretanto, há mais um bom motivo para controlar a ingestão de açúcar. Um estudo da Stanford University School of Medicine, nos Estudos Unidos, descobriu que o diabetes pode estar diretamente ligado ao consumo desse alimento, independente do peso e do estilo de vida do indivíduo. Embora mais pesquisas sejam necessárias para comprovar a relação, sai ganhando quem, desde já adotar bons hábitos alimentares. 

Confira as principais medidas recomendadas por nutricionistas para não ultrapassar a recomendação diária de açúcar, que é de 200 calorias em uma dieta de 2.000 calorias por dia:

Corte o refrigerante

"Abolir o refrigerante da alimentação é a primeira e mais eficiente medida para reduzir o consumo de açúcar", afirma a nutricionista Amanda Epifânio, do Centro Integrado de Terapia Nutricional (Citen), em São Paulo. Segundo a profissional, beber uma latinha de refrigerante todos os dias resulta na ingestão de um quilo de açúcar no fim do mês. Também devem ser evitados sucos de caixinha, que, apesar do nome, tem mais conservantes, açúcar e corante do que suco, de fato. "Para matar a sede, nada melhor do que água, sucos naturais diluídos ou isotônicos, quando se estiver praticando exercícios", complementa.

Escolha frutas como sobremesa durante a semana

Embora não sejam tão atraentes quanto uma torta de morango ou uma barra de chocolate, frutas são sempre a melhor opção de sobremesa no dia a dia, aponta a nutricionista Maria Fernanda Cortez, da clínica Nutri & Consult, em São Paulo. "Abacaxi e mamão, fontes das enzimas bromelina e papaína, respectivamente, são as mais indicadas para quem tem problemas digestivos já que elas facilitam o processo", explica. Como regra geral, entretanto, escolha as frutas que mais gosta e, claro, não adicione açúcar. Para não precisar passar vontade em festas de aniversário e outros eventos, vale escolher um único dia da semana para consumir variedades mais calóricas.

Evite alimentos processados

O gosto salgado dos alimentos processados, como a salsicha, esconde a quantidade exorbitante de açúcar que eles contêm. "A aparência atraente e brilhante se dá graças ao açúcar, que forma uma espécie de calda em volta deles", alerta a nutricionista Amanda. Segundo ela, o açúcar também é bastante usado como conservante de alimentos. Para parecerem mais saudáveis, portanto, alguns produtos que adotam a estratégia anunciam serem livres de conservante, como se o açúcar fosse apenas mais um ingrediente de sua composição. Por isso, leia atentamente os rótulos e não se deixe enganar pelas propagandas.

Maneire nas colheradas de açúcar

Algumas pessoas não são muito aficionadas por doces, mas não abdicam de um bom cafezinho e, sempre, com açúcar. No fim do dia, entretanto, todo aquele açúcar adicionado ao café, chás e outras bebidas pode resultar em um verdadeiro perigo para a saúde. Neste caso, reduza a ingestão da bebida ou ainda tente se acostumar ao seu sabor original. "Nosso paladar se adapta a determinados sabores e tende a rejeitar o que é diferente, por isso, reeduque-se para conhecer o verdadeiro gosto dos alimentos que, com o tempo, você começa a apreciar", recomenda a nutricionista Maria Fernanda. Uma dica é diminuir a adição de açúcar aos poucos para acostumar o paladar. Se usa três colheres de chá para adoçar o café, corte para duas e assim por diante até chegar a quantidade mínima.

Engane a vontade com chiclete sem açúcar

Se mesmo comendo uma fruta depois do almoço não foi possível matar a vontade de comer algo doce, faça mais uma tentativa mascando chiclete sem açúcar. O sabor e a mastigação acabam enganando o desejo em muitas pessoas. "Só não é recomendado mascar chiclete de estômago vazio, pois isso leva à produção de ácido gástrico no estômago que, se estiver vazio, pode desencadear uma gastrite", explica a nutricionista Amanda.

Diminua o consumo de fast-food

Mesmo evitando as opções industrializadas, nem sempre é possível conseguir uma refeição realmente saudável em um fast-food. Em alguns lugares, até mesmo a salada pode conter açúcar em função dos molhos que carregam. Além disso, dificilmente as lanchonetes têm à disposição temperos naturais. Para completar, a bebida que acompanha a refeição costuma ser suco de caixinha ou refrigerante, que, como mostrado, são riquíssimos em açúcar.

Priorize refeições em casa

Mesmo comendo em restaurantes que preparam a comida na hora, não é possível saber quais alimentos levam açúcar e em que quantidade. Por isso, dê sempre preferência a comer em sua própria casa, onde você pode ter maior controle, principalmente quando você cozinha. "Não se esqueça de usar temperos naturais e buscar produtos o mais naturais possível", recomenda a nutricionista Maria Fernanda.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

10 maneiras de lidar com conexão lenta de internet

Às vezes, internet lenta é a maneira do universo dizer-lhe para ir brincar lá fora. Outras vezes, é uma piada cruel do mesmo sádico universo para destruir sua produtividade.

Seja como for, confira 10 maneiras de solucionar problemas ou apenas sobreviver a uma conexão de internet ruim:

10. Verifique a sua velocidade (e seu plano)

Às vezes, sua internet é lenta porque você está pagando somente por internet lenta. Entre no site do seu provedor (ou ligue para ele) e descubra o plano que você tem. Então, entre no site Speedtest.net e faça um teste de velocidade. Se os números forem iguais ao que você está pagando por, então a sua rede está funcionando bem e você está tem um plano ruim de internet – a melhor maneira de acelerá-la é atualizá-lo. Se os números não corresponderem, há algumas maneiras de corrigir esse problema (uma delas é reclamar com o provedor).

9. Verifique seu hardware

Antes de xingar seu provedor de internet, reinicie seu modem e roteador (ou seja, desligue-os e ligue-os novamente) e veja se isso ajuda. Confira outros computadores em sua casa para ver se a sua internet é a única lenta. Se sim, o problema é com este computador, e não seu roteador ou modem. Corrija o seu roteador ou modem (ou substitua-os) se eles forem o problema, e você navegará rapidamente mais uma vez.

8. Verifique seu sinal Wi-Fi

Se você estiver usando Wi-Fi, o sinal fraco pode causar internet lenta. Nesse caso, você pode precisar ajustar e melhorar o seu roteador com alguns truques (por exemplo, encontrar o melhor lugar para ele, que tenha o sinal mais forte). Ferramentas como Wi-FiStumbler e Wi-Fi Analyzer podem também ajudar a encontrar o melhor canal da sua casa – se você tem vizinhos, os roteadores deles podem estar interferindo com o seu e fazendo com que o sinal se degrade. Como roteadores sem fio podem operar em um número de diferentes canais, você deve escolher um com o mínimo de interferência possível.

7. Verifique o que está atrapalhando sua conexão

Se o seu hardware parece estar em boas condições de funcionamento, veja se há outros programas monopolizando sua conexão. Por exemplo, se você está baixando arquivos, a navegação normal vai ficar mais lenta. Você também pode tentar instalar extensões comoAdBlock Plus ou FlashBlock, que bloqueiam alguns dos anúncios, animações e vídeos que podem “usar” sua conexão. Isso provavelmente não vai resolver todos os seus problemas, mas deve ajudar.

6. Tente outro servidor

Quando você digita um endereço no seu navegador (por exemplo, hypescience.com), seu computador usa algo chamado DNS para procurá-lo e traduzi-lo em um endereço IP. Às vezes, porém, os servidores que seu computador usa para procurar essa informação podem ter problemas. Cada provedor de serviços de internet geralmente tem seu próprio servidor DNS, mas nem sempre é o mais rápido. Muitas vezes, o servidor DNS mais rápido é o único que está fisicamente mais próximo da sua localização. Se você mudar para um mais rápido, isso significa que ele procurará os endereços IP e chegará onde você quer mais rápido. Pode não parecer muito, mas quando a página tem que carregar muitas coisas, faz diferença. Se o seu servidor de DNS padrão não está com problemas, então você provavelmente não obterá melhoras ao usar um alternativo.
Servidores DNS de terceiros também podem ter vantagens, como filtragem de conteúdo, como o OpenDNS e o Google Public DNS. Algumas advertências são válidas, no entanto. Seu provedor de DNS pode ver cada site que você visita, por isso, se você está especialmente preocupado com a privacidade, melhor reconsiderar ferramentas como essas.
Além disso, algumas escolas, empresas e outros locais só permitem que você use o servidor DNS deles, o que significa que se você alterar o servidor no seu laptop e, em seguida, levá-lo para o trabalho, você pode ter problemas com internet. Tome cuidado antes de fazer configurações.

5. Otimize sua web para conexão lenta

Talvez você esteja em um café ou em um avião, e não há nada que você possa fazer sobre a velocidade lenta da internet. Nesse caso, é hora de otimizar sua web, por exemplo, usando versões móveis ou HTML dos seus sites favoritos, desabilitando imagens e utilizando recursos como o Opera Turbo. É recomendável a criação de um navegador secundário em seu laptop especialmente para tal situação, o que pode realmente fazer a diferença quando você precisa trabalhar com uma conexão lenta.

4. Seja esperto

Se você precisa completar certas tarefas com conexão lenta, pode ter que priorizá-las de forma diferente do que se sua internet fosse rápida. Separe as tarefas em pesadas (que exigem banda larga rápida) e leves. Faça as mais simples quando estiver com conexão lenta, e agrupe as pesadas para fazê-las se e quando você tiver acesso mais rápido (se você não puder obter isso em casa, veja se pode usar a internet de um vizinho ou parente apenas para essas tarefas). Da mesma forma, trabalhe fora do seu navegador sempre que possível. Se você estiver escrevendo, por exemplo, faça isso em seu editor de texto favorito, em vez de no seu browser. Se você planejar seu trabalho com antecedência, pode tirar o melhor de uma situação ruim.

3. Converse com seu provedor de internet

Se você já passou por todas as etapas necessárias para solução de problemas e sua internet ainda está lenta, então é hora de ligar para o seu provedor de internet e ver se o problema é com eles. Lembre-se: não suponha que eles fizeram algo errado, e trate o seu representante de serviço ao cliente com respeito. Assim, é muito mais provável que eles resolvam seu problema. Se você verificou sua velocidade de internet e ela está menor do que a velocidade pela qual você está pagando, aproveite para conseguir alguma vantagem ou desconto, já que eles lhe proveram velocidades erradas todo esse tempo.

2. Troque de provedor

Se o seu provedor não puder ajudá-lo (talvez eles não forneçam a velocidade que você quer, ou talvez você esteja cansado do péssimo atendimento ao cliente), é hora de encontrar um novo. Isso pode significar que você precisa mudar para um tipo diferente de provedor, como cabo, DSL, satélite ou fibra, por isso você deve fazer um pouco de pesquisa antes de tomar sua decisão. Certifique-se que eles fornecem o tipo de velocidade que você precisa ou deseja.

1. Seja produtivo

Se você tiver sorte, conseguirá internet rápida novamente. Se não, você pode pelo menos aproveitar o lado positivo da conexão lenta: se você não precisa carregar coisas muito pesadas, a internet lenta pode até torná-lo mais produtivo. Afinal, se o Facebook leva um minuto para carregar, é muito menos provável que você fique acessando a rede social a todo momento para uma “breve pausa” que se transforma em uma hora perdida enquanto você deveria estar trabalhando em um artigo, por exemplo.[LifeHacker]

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Conheça dez sinais de alerta para a baixa imunidade

Descubra os sintomas mais comuns que indicam um sistema de defesa deficiente

Unhas fracas, queda de cabelo, cansaço, problemas de pele... Se você apresenta um ou mais desses problemas, deve imaginar que está com a imunidade baixa, certo? Na verdade, não é tão simples assim. Sinais como esses podem ser muito vagos, já que podem significar uma infinidade de complicações, doenças e até fatores genéticos, que pouco têm a ver com uma imunodeficiência.

A médica imunologista Elisabete Blanc, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, conta que a baixa imunidade pode ser de causa primária, ou seja, quando a pessoa já nasce predisposta pela genética. "Por outro lado, pessoas que são saudáveis, em um dado momento da vida, podem se expor a situações que levem à dificuldade do organismo em manter um equilíbrio imunológico", completa.

Exemplos dessas situações vão desde maus hábitos a tipos específicos de tratamentos: uso de medicamentos que suprimem a imunidade, exposição à radiação, quimioterapia, má alimentação, uso de drogas, consumo de álcool, excesso de exercício físico, estresse prolongado, doenças que levam a uma grande perda de proteínas - substâncias que são "a matéria prima dosanticorpos", como explica Elisabete -, doenças crônicas, deficiências de vitaminas, falta de repouso adequado, entre muitos outros fatores.

De olho nas doenças mais persistentes
Como saber, então, se você realmente está com o sistema de defesa comprometido? De acordo com o clínico geral Fernando Manna, do Laboratorio NASA, não existe um exame único capaz de detectar se a pessoa está com a imunidade prejudicada. "O ideal é procurar um médico ao perceber sintomas recorrentes ou persistentes. O exame clínico realizado pelo médico assistente, aliado à queixa e evolução de sintomas, são orientadores na solicitação de exames", completa.

É mais fácil, portanto, perceber que o sistema imunológico está pedindo ajuda quando há repetições de várias complicações no organismo, que demoram a ir embora. "A diminuição da resistência orgânica cria condições para o desenvolvimento frequente de doenças", conta Fernando. Se a pessoa apresentar um mesmo problema - ou mais de um - diversas vezes, deve procurar um profissional.

A lista dos sinais alarmantes
Ainda assim, não é tão simples a detecção, uma vez que repetir demais uma complicação não é certeza de uma queda na imunidade. Um indivíduo pode ter as unhas fracas durante meses, por exemplo, mas isso pode ser apenas consequência de má higiene ou falta de alguns nutrientes na alimentação.

Por isso, vale ficar mais atento aos sintomas decorrentes de doenças que são mais comuns quando as defesas do organismo estão frágeis. Confira exemplos dados pelo clínico geral Fernando Manna e a imunologista Elisabete Blanc:

Boca: herpes, amigdalite e estomatite

Pele: infecções recorrentes, abscessos, doenças gerais causadas por fungos, vírus e bactérias

Ouvido: otites

Região genital: herpes

Sistema respiratório: gripes e resfriados

A percepção da imunodeficiência fica ainda mais clara com a lista da Fundação Jeffery Modell e a Cruz Vermelha Americana, elaborada para guiar médicos e profissionais no diagnóstico de pacientes. Elisabete explica que, ao apresentar um ou mais desses itens abaixo, a pessoa já deve ser investigada. 

Duas ou mais pneumonias no último ano
Os sintomas da infecção no pulmão costumam ser: febre muito alta, calafrios, tosse com expectoração, falta de ar, dor no peito, vômitos, prostração, perda de apetite e dores no corpo. 

Oito ou mais otites no último ano
A inflamação é provocada pelo acúmulo de líquido no ouvido. Há vários tipos de otite, que podem apresentar os seguintes sintomas: dor intensa, diminuição da audição, secreção, coceira, febre, falta de apetite, entre outros. 

Estomatites de repetição ou monilíase por mais de dois meses
A estomatite pode ser percebida por lesões na boca e gengivas. Já a Monilíase é uma infecção causada por fungos e apresenta pontos brancos e escamosos em qualquer área da região bucal: língua, bochechas, gengivas ou lábios. 

Abscessos de repetição ou ectima
O acúmulo de pus na pele em determinada área do corpo é conhecido como abscesso, também chamado de furúnculo. A ectima é uma infecção bacteriana que acontece, geralmente, por falta de higiene, com lesões que costumam acontecer com maior frequência nas pernas e nos pés.  

Um episódio de infecção sistêmica grave: meningite, artrose ou septicemia
Essas infecções comprometem o organismo como um todo e podem ser perigosas. A meningite é uma inflamação das meninges, membranas do encéfalo e da medula espinhal e pode ser causada por vírus ou bactérias. A artrose, por sua vez, é caracterizada por problemas que alteram as juntas dos joelhos, quadris, mãos e coluna vertebral, prejudicando o movimento. Já a septicemia é uma infecção generalizada que se espalha por todo o organismo, por causa de bactérias que infectam o sangue.

Infecções intestinais de repetição ou diarreia crônica
O mau funcionamento do intestino pode ser causado por vários fatores, como alimentação ruim e problemas emocionais. No entanto, frequentes diarreias e problemas intestinais, relacionados a infecções, são mais preocupantes e podem ser indícios de imunodeficiência. 

Asma grave, doença do colágeno ou doença autoimune
Tanto a doença do colágeno quanto a doença autoimune, como explica Elisabete, representam um grupo de doenças que faz o organismo produzir anticorpos contra ele mesmo, o que provoca uma queda na imunidade. 

Efeito adverso ao BCG e/ou infecção por micobactéria
Esse caso diz respeito, principalmente, a crianças que têm reação da vacina BCG, contra tuberculose. "A pele pode não cicatrizar após a vacina ou a criança pode sofrer com própria bactéria que dá a tuberculose", conta Elisabete.  

Quadro clínico associado à imunodeficiência
De acordo com Elisabete, nesse tópico entram as mais variadas doenças e síndromes que podem ter relação com o sistema imunológico. "O médico poderá suspeitar de acordo com o histórico da pessoa e da predisposição genética", completa a imunologista. 

História familiar de imunodeficiência
Pessoas que possuem casos na família de baixa imunidade também devem ficar mais atentas às respostas do organismo para doenças e, de preferência, fazer uma avaliação médica. 

7 coisas que você não precisa na sua vida

Eliminar atitudes negativas é uma maneira concreta de caminhar rumo à felicidade

Dizem que a vida é uma só e, por isso, é necessário realizar coisas positivas antes que ela chegue ao fim. Mais que não deixar nada para amanhã, que tal começar eliminando da sua vida hábitos e fatores que não te trazem benefício algum?


1 – Negativismo

Ser realista é muito diferente de ser pessimista. Se você quer que as coisas comecem a dar certo, que tal evitar aqueles pensamentos negativos?
É importante entender que quanto mais você pensa de forma positiva sobre o que quer que seja, mais você se torna naturalmente propensa a desenvolver suas atividades e obter êxito com elas. Além disso, mentalizar que algo não vai dar certo é o tipo de preocupação que pode desenvolver problemas mais graves, como o estresse.

2 – Estresse

O dia a dia corrido, típico da sociedade contemporânea, é bastante propício a causar estresse emocional – e cabe a você evitar que isso aconteça. Como? Basta prestar atenção ao seu dia: quando perceber que uma situação está te deixando muito nervosa, procure respirar e pensar em outro assunto.
Distrair-se é, muitas vezes, a maneira mais correta de solucionar um problema. Volte a pensar nele apenas quando estiver mais relaxada.

3 – Preocupar-se com a opinião dos outros

Uma das coisas mais difíceis de se fazer é tentar agradar a todo mundo. Não vale a pena e, mais que isso, pode mesmo te prejudicar. Procure se desconectar do que os outros pensam a seu respeito, comece a ignorar esse tipo de opinião, em prol de uma vida menos desgastante.

4 – Um emprego que não te agrada

É claro que qualquer trabalho no mundo terá seus dias bons e ruins mas, se o seu emprego não te proporciona prazer, talvez seja a hora de trocá-lo por algo que você realmente aprecie.
Não é demagogia dizer que quem faz o que gosta não percebe que está trabalhando. Reavalie suas prioridades e procure um emprego novo, mais relacionado com suas áreas de interesse. Essa atitude pode parecer complexa, mas faz um bem tão profundo que depois você vai se perguntar por que passou tanto tempo fazendo algo de que não gostava.

5 – Relacionamentos desgastantes

A máxima “antes só do que mal acompanhado” deveria ser uma das regras de ouro para qualquer pessoa. Um relacionamento desgastante é aquele que envolve excesso de ciúme, brigas por motivos fúteis, obsessão pelo outro e falta de respeito, dentre outros fatores negativos. Se você está em uma relação assim, comece a refletir se vale a pena tanto sofrimento.

6 – Passividade

Ser uma pessoa passiva é, justamente, esperar que as coisas melhorem sozinhas ao invés de agir. Situações incômodas exigem que você se movimente contra elas, porque a lei da inércia também vale nesses casos. A tendência é que todas as coisas permaneçam como estão, até que uma força externa aja sobre elas.

7 – Comparar-se com os outros

Cada pessoa é única e, por isso, comparar-se com outras pessoas é um comportamento negativo que deve ser evitado a qualquer custo. Se estiver insegura sobre uma determinada situação, concentre-se em fazer o melhor que puder e deixe de lado o que as demais pessoas estão fazendo.

Fonte: http://www.dicasdemulher.com.br/7-coisas-que-voce-nao-precisa-na-sua-vida/ - Por Carolina Werneck - Foto: Thinkstock

terça-feira, 25 de junho de 2013

Blog Professor José Costa: 1 milhão de acessos!


O Blog Professor José Costa está comemorando a marca histórica e espetacular de 1 MILHÃO DE ACESSOS. O blog teve início em 26 de abril de 2009 e ao longo destes 4 anos vem sendo feito com trabalho, responsabilidade e compromisso. Foram 1816 postagens, destas mais de duzentas foram escritas por mim, as demais foram extraídas de sites da internet e sempre com a citação da fonte.

O blog oferece sites de notícias, revistas, jornais, jogos, esportes, curiosidades, música, televisão, rádio e postagens diárias.

Quero agradecer primeiramente a Deus, por me dá força, perseverança e determinação em construir um blog com qualidade de conteúdos para os leitores através de artigos sobre educação, esporte, saúde, cultura e cidadania, oferecendo o que há de melhor na internet sem apelar para postagens relacionadas a sexo, sensacionalismo, politicagem ou fofocas da vida alheia.

Agradeço aos visitantes espalhados pelo Brasil e no exterior que passaram para ler um post através de pesquisa no google; aos amigos do facebook, twitter, orkut; aos leitores cativos; os que acessam de vez em quando e até aqueles que passaram por curiosidade e não mais voltaram; e aos que comentaram ou criticaram alguma postagem de maneira construtiva e contribuíram para o engrandecimento do blog.

Um obrigado especial aos parceiros do blog por acreditar no meu trabalho: Inove Planejados, Colégio O Saber, Academia Saúde Total, Parafusos Mil, Churrascaria Recanto da Serra, Comercial Santo André, Drogaria Preferencial, Serrana Suvinil, Osbat Baterias, Auto Escola Itabaiana, Lindolar Móveis, Lok Car, Galeria Jandrade, Visótica, Supermercado Nunes Peixoto, Milton Som, Casa Barbosa-Barbosa Man, Bichos & Cia, PASP, Colégio Graccho, Jamsoft Informática, Joalheria O Garimpo, Hotel Continental, Digitall Comunicações, André Maciel Advogados Especializados, Pura Moda e Format Gráfica. Todos vocês contribuem para a história e engrandecimento deste modesto blog. Nossa parceria é mesmo fundamental, sigamos adiante!

Um agradecimento especial aos agregadores que permitem o aumento de acessos do blog através de nossas postagens em seus sites como: Geralinks, Meus links, Agrega Dicas, Clic Mais, Na Boca do Sapo, Linkerama, Toaky Net, Pop Blogs, Jana Links, Links Top, Mais Links, Links Reunidos, Link Log, Ueba e Ocioso.

Muito obrigado a todos os leitores, parceiros e agregadores por fazerem parte desta história de sucesso do blog, sem os quais não chegaríamos a incrível marca de 1 MILHÃO DE ACESSOS, pois vocês acreditam e confiam no nosso trabalho. Continuem nos visitando!


Professor José Costa

O que é mais importante: duração ou frequência de exercícios?

Muitas pessoas que iniciam (ou pretendem iniciar) uma rotina de exercícios passam por um dilema: fazer atividades todo dia, ou escolher dias específicos para se exercitar? De acordo com estudo recente, feito por uma dupla de pesquisadores da Queen’s University (Canadá), não há por que sofrer com essa dúvida, contanto que você acumule pelo menos 150 minutos semanais de exercícios aeróbicos.

Os autores reuniram 2.324 adultos no Canadá que cumpriam essa meta e os dividiram em dois grupos (um que se exercitava cinco a sete vezes por semana, e outro que se exercitava uma a cinco vezes por semana). Em seguida, avaliaram ao longo de sete dias o nível de atividade física que eles realizavam, para depois analisar fatores de risco de diabetes, derrame e doenças cardíacas.

 “Os resultados indicam que a maneira como adultos escolhem acumular seus 150 minutos semanais de atividade física não importa”, explica o pesquisador Ian Janssen. “Por exemplo, uma pessoa que não fez atividades físicas de segunda a sexta, mas esteve ativa por 150 minutos no fim-de-semana, teria os mesmos benefícios dessa atividade do que alguém que acumulou os 150 minutos ao longo da semana com atividades diárias de 20-25 minutos”.

Em suma, o importante é encontrar (e seguir) uma rotina de exercícios que possa ser adequada a seu planejamento semanal – mas sem exagero, é claro.[MedicalXpressApplied Physiology, Nutrition, and Metabolism]

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Reconheça sete sinais inusitados para problemas cardíacos

Inchaço nas pernas, calvície e ganho de peso podem indicar alterações no coração

Se ele falhar, todo o resto imediatamente sentirá as consequências. Por isso o coração é o órgão mais nobre do corpo humano. Ele manda sangue para os tecidos do organismo, nutrindo, oxigenando e permitindo o bom funcionamento de todos eles. Mas os deslizes do dia a dia, mesmo que você nem perceba, geram uma sobrecarga ao coração e ele pode sentir as consequências do esforço em excesso.

Segundo dados do Ministério da Saúde, as doenças cardiovasculares são responsáveis por, aproximadamente, 30% dos óbitos no Brasil, o que as torna a primeira causa de morte entre a população brasileira. Alguns fatores de risco como hereditariedade, doenças crônicas (obesidade, tabagismo) e maus hábitos, como sedentarismo e uma alimentação rica em gordura, favorecem as doenças do coração. Mas muita gente pensa que os sintomas de um problema cardíaco se resumem a dor no peito e falta de ar. Pelo contrário, uma lista de sinais inusitados pode indicar que algo não vem com o seu coração. Veja quais são eles:

Inchaço nas pernas e pés
"O enfraquecimento do músculo do coração, causado por uma insuficiência cardíaca, pode gerar o inchaço, principalmente nas pernas e nos pés", explica o cardiologista José Luiz Ferreira dos Santos, diretor de coordenação de Pesquisa da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP). O retorno de sangue das pernas e pés é dificultado pela gravidade, por isso esses membros costumam ser os mais acometidos. "O inchaço acontece porque o coração perde a força necessária para bombear o sangue adequadamente, o que acaba gerando a retenção de líquido", conta o especialista. Entretanto outras doenças como a insuficiência hepática, síndrome nefrótica (perda de proteína pelos rins), também podem causar inchaço.

Xantelasmas
Xantelasmas são depósitos de colesterol que aparecem com maior frequência nas pálpebras. O cardiologista José Luiz explica que essas pequenas bolsas amareladas podem estar associadas com anormalidades no metabolismo das gorduras, que acabam sendo depositadas na pele e na parede arterial. Assim, caso você tenha xantelasma, checar as taxas de colesterol é fundamental. "Níveis aumentados de colesterol são importante fator de risco para a doença das artérias do coração, chamadas de coronárias", explica.

Calvície
O cardiologista José Luiz Ferreira explica que já existem algumas publicações que relacionam a calvície com o risco cardíaco. A pesquisa de maior repercussão foi publicada em 2000 no periódico The Archives of Internal Medicine. O estudo analisou homens que estavam entre as idades de 40 e 84 anos de idade, seguindo-os por um período de 11 anos. Os homens portadores de calvície do tipo coroa (perda de cabelo no topo da cabeça) tinham risco de infarto maior e proporcional à evolução da calvície, ou seja quanto maior a progressão da calvície maior o risco para problemas nas artérias coronárias (os responsáveis por infartos). Mas o especialista afirma que é preciso cautela ao relacionar calvície e doença do coração, já que existem outros fatores que podem estar associados à perda de cabelo, como a própria genética.

Gengivite
Alguns estudos têm sugerido que a doença periodontal pode causar inflamação em todo o organismo, relacionando-se com o aparecimento da aterosclerose, o acúmulo de gordura nas paredes dos vasos. "Porém, no momento, a consideração a ser feita é que alguém descuidado com sua saúde bucal, provavelmente também se descuida da sua saúde no geral", explica José Luiz. "A presença de fatores de risco como obesidade, alteração do colesterol, diabetes, pressão alta, sedentarismo e tabagismo, acabam por causar uma doença cardíaca".

Fazer mais xixi do que o normal durante a noite
Quem sofre com insuficiência cardíaca, cirrose ou qualquer outra doença que cause inchaço nas pernas, pode apresentar aumento da vontade de urinar a noite. "Isso acontece porque, ao se deitarem, a tendência é que o líquido em excesso nas pernas retorne ao sangue e esse excesso de água seja então eliminado pelos rins", explica José Luiz Ferreira. O cardiologista Luiz Castanho, do Spa Sorocaba, lembra que o aumento da frequência da micção também pode estar relacionado a problemas na próstata, desordens metabólicas - como diabetes - e até mesmo ao uso de medicação diurética.

Ganho de peso injustificado
"Os indivíduos portadores de cardiopatias graves - como a insuficiência cardíaca - sofrem retenção líquida, pois seus corações não conseguem manter o bombeamento de sangue adequado", explica o cardiologista Luiz Castanho, do Spa Sorocaba. Essa deficiência do músculo cardíaco dificulta a chegada normal do volume de sangue a ser filtrado pelos rins, o que causa o acúmulo de líquidos no corpo e, consequentemente o ganho de peso. Uma das maneiras de acompanhamento da doença para esses pacientes é a pesagem diária.

Tosse noturna
"O aparecimento de tosse no período noturno ocorre porque, se o coração não trabalhar direito, na posição horizontal, que tomamos ao nos deitar, haverá um aumento do retorno de sangue para os pulmões, o que aumenta a congestão pulmonar e estimula a tosse", explica o cardiologista José Luiz. Entretanto, não é só o coração que pode causar a tosse: alterações pulmonares, refluxo gastroesofágico e outras doenças também podem causar tosse.

Fonte: http://www.minhavida.com.br/saude/galerias/15644-reconheca-sete-sinais-inusitados-para-problemas-cardiacos - POR MANUELA PAGAN

11 dicas para construir ou reformar com menos impacto ambiental

Comprou um terreno e vai começar a construir uma casa? Finalmente vai fazer a tão esperada reforma? Veja algumas formas de tornar o seu projeto viável e sustentável, com menos impacto para o meio ambiente e para o seu bolso.

1. Planeje. A decisão de construir ou reformar exige conhecimento sobre o que você quer fazer, o que permite um melhor controle do orçamento e a viabilização do projeto. O primeiro passo de um bom planejamento é ir até a prefeitura de sua cidade buscar informações sobre as regras exigidas. Essas normas estão previstas no Código de Obras e Edificações do Município.

2. Fique atento à geração de resíduos. Em geral, muita coisa vai para o lixo após reformas e construções. No primeiro caso, tente reaproveitar e reciclar materiais. Hoje em dia, está muito em moda “garimpar” madeiras, portas, janelas e outros materiais de demolição. Azulejos, louças e armários antigos podem ser doados para que outras pessoas os reaproveitem.

3. Ao construir, preserve as espécies nativas existentes no terreno, já que elas garantem a estabilidade do solo e refrescam o ambiente. A vegetação do entorno da edificação combina a evapotranspiração das plantas com isolamento térmico. Outra coisa importante é adaptar seu projeto à topografia natural do terreno, para evitar o impacto do deslocamento de muita terra.

4. Considere as peculiaridades da região onde você mora. Os materiais e as técnicas devem sempre ser utilizados conforme o clima de cada região. Afinal, é a casa que deve estar de acordo com o clima, não o contrário. Isso também minimiza o consumo de energia. Se for o caso, utilize coberturas verdes, que proporciona melhor conforto térmico e ajuda na retenção de águas pluviais.

5. A disposição dos ambientes em uma residência pode criar condições prévias de conforto ou desconforto. Cabe ao projeto arquitetônico assegurar o grau adequado de insolação e ventilação natural para cada ambiente. Por isso, aproveite a luz natural nos ambientes e otimize as condições de ventilação natural, garantindo a ventilação cruzada.

6. O aquecimento solar de água, especialmente para o banho, consiste na instalação de placas sensíveis à luz do sol nos telhados. O investimento pode ser recuperado com a economia na conta de luz.

7. Se possível, instale sensores de ocupação que desligam as luzes sempre que o cômodo estiver desocupado. Outras boas soluções que ajudam a economizar são o dimmer, dispositivo que regula a intensidade luminosa, e os sensores de presença nos ambientes.

8. Pinte os cômodos da casa com cores claras. Cores escuras absorvem luz. E não custa lembrar: atente-se ao tipo de tinta que você vai usar na sua casa. Muitas contêm Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) como benzeno, tolueno e xilenos, que têm grande potencial tóxico. Prefira tintas à base de água. Veja neste post o que você deve saber sobre substâncias tóxicas das tintas antes de comprá-las.

9. Para economizar água, troque a descarga com válvulas por aquelas que acompanham caixas de 6 litros de água. Outro recurso é a caixa de descarga com fluxo duplo (3 e 6 litros, a menor quantidade de água é para a descarga do xixi). Cisternas para armazenagem de água da chuva também são uma boa ideia. Você pode utilizar a água para regar jardins, lavar a varanda…

10. Priorize o uso de madeira certificada, o que garante que o produto foi extraído de forma correta e é proveniente de florestas com manejo adequado.

11. Se possível, separe um espaço para fazer compostagem de resíduos orgânicos. Hoje em dia, existem composteiras domésticas disponíveis no mercado, adaptando-se, inclusive, a apartamentos – veja aqui como fazer.

Fonte: Cartilha Construções e Reformas Sustentáveis, do Ministério do Meio Ambiente - Imagem: Getty Images 

domingo, 23 de junho de 2013

8 dicas práticas para se manter saudável durante o inverno

 Nutricionistra traz dicas de quais pratos você deve incluir no seu cardápio nos dias mais frios para evitar gripes e resfriados, confira

Com a correria diária e o tempo reduzido, muitas pessoas optam pelos fast foods por serem mais rápidos e práticos. Porém, esses tipos de alimentos não trazem os nutrientes e vitaminas que o corpo necessita, contribuindo para a baixa imunidade e consequentemente ao aparecimento de gripes e resfriados.

Para te ajudar na prevenção e no fortalecimento, a nutricionista da Clínica Vivid, Leila Froeder, traz algumas dicas práticas e deliciosas para você ficar saudável e ainda aproveitar o clima da estação. Anote todas e previna-se:

1 – Saladas

Durante o inverno, o consumo de alimentos quentinhos aumenta, deixando de lado as saladas frias. Mas é possível comer legumes e vegetais de outras maneiras. “Para quem não tem apetite por saladas cruas no inverno, incluir na salada alguns legumes cozidos, como, por exemplo, rúcula e abóbora cozida com casca, grão-de-bico cozido e vagem cozida, nozes, temperados com azeite de oliva são opções certeiras”, sugere a nutricionista.

2 – Sopas

Excelentes alimentos durante os dias mais friozinhos, as sopas são ricas em vitaminas. Por isso, adicioná-las ao cardápio pode ser a saída certa para quem quer se alimentar com qualidade. Inclua legumes e evite sopas instantâneas pré-preparadas.

3 – Sucos

Invista nos sucos! São fontes de vitaminas e deliciosos complementos durante o dia. Para quem não está de dieta, trocar o açúcar pelo mel para adoçar as bebidas é uma boa opção. Já para quem está no controle alimentar, aumente o consumo de líquidos sem açúcar. Além de hidratar o organismo, são fonte de vitaminas. “Consuma chás de ervas como chá de camomila, erva-doce e cidreira, por exemplo”, ressalta a nutricionista.

4 – Comida bem temperadinha!
Não há nada melhor do que comer pratos bem temperados! No inverno, essa é a melhor saída para aumentar o apetite. “Inclua condimentos e temperos fortes na preparação de carnes, como mostarda Dijon e curry, por exemplo, no estrogonofe de carne e creme de leite light”, diz Leila.

5 – Chocolates? Sim!

Mesmo para quem está de dieta, o chocolate pode sim ser incluído como sobremesa após as refeições. A dica? Tudo com moderação! “Prefira os chocolates com 70% de cacau (30g) como lanche da tarde”, orienta a nutricionista. Para quem gosta de bebidas, o chocolate quente também é ótima opção no inverno. “Aposte em uma receita mais leve e invista na bebida!”, orienta a nutricionista. Leila sugere alguns ingredientes lights que não irão prejudicar o seu controle alimentar. Anote: 300 ml leite semidesnatado + 1 colher (sopa) de chocolate em pó sem açúcar ou cacau em pó + 1 colher (café) de canela em pó + adoçante tipo sucralose + 1 colher (chá) de amido de milho.

6 – Vitaminas e mais vitaminas!

“Não deixe de consumir vitamina C e zinco, micronutrientes essenciais para manter o organismo protegido de doenças respiratórias. Boas fontes são as carnes, feijões e cereais integrais”, orienta Leila.

7 – Vale seguir esta dica!

“Acrescente folhas de agrião ou temperos naturais como salsa, cebolinha ou coentro nas sopas quando prontas, para aumentar o conteúdo de vitaminas C e complexo B”, sugere a nutricionista. O consumo de frutas também deve ser em abundância. “Prefira frutas ricas em vitamina C, como tangerina e acerola e maracujá”, diz Leila.

8 – Atividades físicas

Além de aquecer, as ginásticas auxiliam no aumento da resistência e são aliadas para quem quer perder gordurinhas localizadas. “Em dias frios, é comum diminuir a vontade de fazer exercícios ao ar livre, por isso prefira atividades como pilates e dança em ambientes fechados”, finaliza a nutricionista.

sábado, 22 de junho de 2013

Celulite: os exercícios que combatem o problema

Uma medida fundamental em qualquer programa anticelulite de sucesso é a atividade física. "O sedentarismo favorece a retenção de líquido e de sódio entre as células", afirma a endocrinologista Rosana Radominski, presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). "Por sua vez, os exercícios melhoram a circulação e, consequentemente, a eliminação desses resíduos. Fora que colaboram para o emagrecimento - e sabemos que quadros mais acentuados de celulite ocorrem justamente em mulheres com excesso de peso." Daí, a importância da atividade aeróbica (correr, caminhar, andar de bike).

Mas existem outras modalidades que colaboram para a melhora do problema. E há as que atrapalham, pelo menos na opinião de alguns especialistas. O cirurgião plástico italiano Marco Gasparotti defende, por exemplo, que exercícios com muita carga, como a musculação com o objetivo de hipertrofia, podem piorar o quadro. "Porque liberam altas doses de ácido lático, substância nociva para o tecido cutâneo", disse ele em entrevista à BOA FORMA. Outra teoria desfavorável leva em consideração a anatomia da pele - ao deixar os glúteos "rígidos" com malhação pesada, os septos (aquelas traves fibrosas que sustentam o tecido e comprimem a gordura) repuxariam ainda mais a superfície da pele, evidenciando as depressões. Mas as duas teses ainda são polêmicas.

Muitos médicos acreditam que o problema está em exagerar na dose. "Não tenho dúvidas que a musculação melhora o tônus principalmente do bumbum, das coxas, do abdômen e dos tríceps, o que beneficia o quadro", diz a preparadora física pós-graduada em fisiologia do exercício Claudia Zamberlan, de São Paulo. O ideal é combinar atividade aeróbica e localizada e, mais importante, manter a regularidade - um agachamento aqui, outro avanço ali não faz verão.

Os melhores exercícios contra a celulite

Caminhada, corrida e bicicleta

Aeróbicas, essas atividades estimulam a circulação e queimam calorias. Dessa forma, as células de gordura não se sobrepõem umas às outras, evitando o aspecto acolchoado da celulite.

Natação e hidroginástica

Os movimentos na água podem funcionar como uma espécie de drenagem, que atua na retenção de líquido, diminuindo o inchaço.

Ioga e pilates

Ao alongar a musculatura de forma profunda, foco dessas duas modalidades, os septos fibrosos que repuxam a pele para baixo se soltariam, já que estão inseridos na fáscia, membrana que reveste o músculo.

Musculação sem exageros

Mantém o metabolismo em alta e troca massa gorda por magra. Alguns pesquisadores acreditam que a hipertrofia (exercícios com muita carga) podem liberar toxinas que fazem mal à pele.

Fonte: http://boaforma.abril.com.br/beleza/rosto-corpo/celuite-exercicio-735883.shtml - Por Marcia Kedouk | Fotos Carlos Cubi, Alex Silva, João Avila

Dicas para ter uma boa saúde

Esteja sempre atento aos três alicerces da boa saúde do corpo e da mente: sono, alimentação e atividade física

Cuidar da saúde começa pelos pequenos hábitos cotidianos. Se você deseja garantir a saúde física emental, melhorar o funcionamento cerebral, aproveitar o descanso e melhorar a disposição, além de diminuir as chances de ter depressão ou aprimorar os resultados dos tratamentos, coloque em prática as dicas a seguir:

Durma bem

O bom sono é fundamental para a saúde. Nos quadros de depressão, é mais importante ainda. E não à toa, já que cerca de 90% dos pacientes relatam alguma perturbação, e as queixas mais comuns são dificuldades em iniciar o sono, vários despertares durante a noite sem conseguir voltar a dormir ou despertar precoce. “O ideal é dormir à noite pelo menos durante seis horas e meia, e ficar acordado e em atividade físico-intelectual durante o dia”, orienta Fernando Gomes Pinto, neurocirurgião do Hospital das Clínicas de São Paulo. Em aproximadamente 10% a 20% dos casos, pacientes depressivos podem se queixar de excesso de sono. Apesar de a insônia ser mais prevalente, a sonolência excessiva também é um transtorno do sono que faz com que o paciente busque tratamento médico. As causas dos transtornos de sono na depressão têm uma série de motivos combinados, por isso os estudos são importantes, para investigar a doença e descobrir novos tratamentos.

Bebida, só socialmente

Um estudo da Universidade de Otago, Nova Zelândia, que foi publicado na revista Archives of General Psychiatry, com mais de mil pessoas, mostrou que existe uma relação entre o consumo de álcool e o risco de sofrer de uma depressão profunda. Ou seja, abuso de álcool está ligado a aumento do risco de sofrer depressão severa. Segundo os pesquisadores, os indivíduos com dependência alcoólica têm probabilidade 1,9 vez maior de desenvolver um distúrbio psiquiátrico grave em comparação com os que não bebem. O consumo de álcool gera alterações fisiológicas no trato gastrointestinal, prejudicando aabsorção de nutrientes como as vitaminas do complexo B, vitamina D, além de interferir em seumetabolismo e aumentar a excreção de vitamina C, magnésio, zinco, selênio, podendo causar danos cerebrais. O ideal é não beber todos os dias e procurar não consumir mais de quatro doses com frequência, segundo a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas (Abead).

Mexa o corpo

Os efeitos benéficos da atividade física nas funções cerebrais em pacientes com depressão acontecem mediante o processo de neuroplasticidade, ou seja, pela capacidade do cérebro em se ajustar à dinâmica dos neurônios. Diversos estudos têm mostrado os efeitos benéficos do exercício no cérebro humano, mostrando que a atividade física age no tratamento e diminuição dos sintomas da depressão. “Vale lembrar que existem períodos de remissão da depressão em que os pacientes deve ser iniciada a atividade física, porque é quando a pessoa sentirá a motivação mínima para sair da inércia”, explica Sergio Machado, educador físico especializado em Psiquiatria e Saúde Mental e pós-doutor em Neurociência da Atividade Física. Entre os principais efeitos da atividade física estão a liberação de endorfina e dopamina, que causam relaxamento, além das alterações no fluxo sanguíneo e no metabolismo de áreas cerebrais, como o córtex pré-frontal, que está relacionada às funções cognitivas (tomada de decisão, planejamento e atenção) e hiperatividade da região pré-frontal (pensamentos tristes).

Corpo no peso certo

Cerca de 30% das pessoas que procuram tratamento para perder peso sofrem de depressão, segundo dados do Hospital das Clínicas de São Paulo. Um dos maiores problemas gerados pela relação entre obesidade e depressão está no ciclo que se inicia: a pessoa come para compensar a tristeza, e, consequentemente, isso mantém o processo de ganho de peso, que gera a tristeza, e por aí vai. Pelo menos 40% dos obesos têm o transtorno do comer compulsivo, sendo que, desse total, três quartos dos pacientes têm, tiveram ou vão ter depressão. Umadieta saudável, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), tem aproximadamente 55% de carboidrato, no máximo 30% de gordura e pelo menos 15% de proteína. Fernando Gomes Pinto sugere “ingerir alimentos saudáveis lembrando da regra dos 3: realizar 3 refeições maiores e outras 3 menores nos intervalos; comer de 3 em 3 horas. Com isto, o nível de glicose no sangue fica mais constante e o trabalho do cérebro é facilitado”.

Aceitar ajuda

A depressão é um transtorno que afeta toda a família, e o apoio familiar é importante para incentivar os pacientes a retomar as suas atividades da vida diária. As pessoas deprimidas podem despertar sentimentos de frustração, culpa e até mesmo de raiva nos familiares, que, se não souberem lidar com isso, podem guardar ressentimento ou ter dificuldade de entender os problemas da pessoa deprimida. Uma opção para familiares e amigos que não conseguem lidar bem com o paciente é procurar orientação especializadapor meio de terapia familiar, que ajuda a entenderem melhor os complexos aspectos envolvidos na depressão.

Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/bem-estar/dicas-para-ter-uma-boa-saude/795/ - Texto: Revista VivaSaúde especial Depressão / Foto: Danilo Tanaka / Adaptação: Ana Paula Ferreira

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Como funciona o impostômetro?

Uma rede automatizada recebe os dados de todo o Brasil e informa os valores em um painel. Criado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário, o mecanismo computa os tributos federais, estaduais e municipais e é atualizado em tempo real no endereço www.impostometro.com.br.

O que mais pesa na conta é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), com 20,09% do total. "O ICMS incide em praticamente tudo que as pessoas consomem", explica Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo, que mantém um painel da contagem do Impostômetro no centro da capital paulista. Em seguida, vêm a contribuição para o INSS (17,26%) e o Imposto de Renda (16,82%).

Dói no bolso
Impostômetro contabiliza cerca de R$ 45 mil por segundo

1. Diversos órgãos do governo, como a Receita Federal, enviam os dados para o sistema do Impostômetro. Todas as fontes são oficiais, ou seja, nada de especulação. Entram na soma: impostos, taxas e contribuições, multas, juros e correção monetária.
2. Os dados usados são sempre um valor projetado, baseado nos impostos cobrados. O valor que é de fato arrecadado geralmente traz uma margem de diferença de 2 a 3,5%, para mais ou para menos. Quando os dados reais são divulgados, o total é corrigido.
3. Todos os valores projetados são enviados e somados antes do Réveillon. À meia-noite do dia 1º de janeiro, o painel é zerado e recomeça a contagem: a cada fração de segundo, é adicionada uma quantia do volume total que foi previsto.
4. Em um dia, a média de arrecadação é de R$ 3,91 bilhões. O Sudeste responde por 64,19% desse montante, o Sul, 13,44%, o Centro-Oeste, 10,48%, o Nordeste, 8,77%, e o Norte, 3,12%. Só para pagar impostos, o brasileiro trabalha 150 dias do ano.

AFOGANDO EM NÚMEROS

Em 2012, batemos R$ 1 trilhão em impostos já em agosto.
O que dá para pagar com R$ 1 trilhão:
- 500 milhões de TVs de plasma;
- 40 milhões de carros populares;
- 4,5 bilhões de cestas básicas;
- 45 milhões de casas populares;
- 80 milhões de salas de aula.

Curiosidade: O objetivo dos criadores é mostrar quanto o país recolhe em tributos para que ele possa cobrar do governo a melhor utilização do dinheiro.

FONTES: Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), site do Impostômetro.
CONSULTORIA: Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo.

Como os mágicos enganam a sua mente

Todos gostamos de mágica, da arte do ilusionismo, até de um simples truque de cartas que as crianças aprendem para surpreender a família nos almoços de domingo. Essas mágicas utilizam princípios neurocientíficos para enganar nosso cérebro de maneira que normalmente não podemos controlar conscientemente. Então, o que exatamente está errado com nosso cérebro? Nada – ele tem apenas algumas brechas que podem ser aproveitadas por essa arte. Por exemplo:

10. Foco

 O cérebro humano simplesmente não foi projetado para se concentrar em duas coisas ao mesmo tempo, e os mágicos se aproveitam ao máximo disso. Nossa atenção é puxada para uma coisa em particular, conforme diz a teoria do “mover-holofotes”. Em suma, a teoria alega que a nossa atenção é como um holofote, com destaque para uma coisa, deixando o que o rodeia no escuro. Quando um item ou ação está dentro do foco, as partes do cérebro envolvidas no processamento funcionam de forma mais eficiente, enquanto o que está em torno nós não prestamos atenção. Isso permite que os mágicos tirem algo das mangas bem debaixo dos nossos narizes. Se algo estiver chamando mais nossa atenção, ou seja, estiver sob nosso holofote, nosso cérebro ignora o que ocorre em volta.

9. Memórias compostas

O “efeito desinformação” ocorre quando a informação nos é dada depois de um evento e nossa memória sobre ele acaba alterada. Confuso? Presta atenção no exemplo: um mágico pede para você escolher uma carta a partir do lado esquerdo do monte e devolvê-la sem lhe dizer qual é. Antes de ele adivinhar sua carta, ele diz algo como: “Você pode escolher qualquer carta que você quiser”. No calor do momento, você vai achar que sim. A verdade é que você só teve a opção de escolher o lado esquerdo, mas os comentários ambíguos do mágico alteram o que você se lembra do truque, deixando-o com uma falsa memória e fazendo a mágica parecer mais incrível do que era.

8. Previsão errada do futuro

Quando você vê uma bola sendo jogada no ar, ela volta para baixo. Você já deve ter visto isso muitas vezes, e seu cérebro sabe que tudo que vai, volta. Na verdade, por causa de algo chamado “memória de previsão de quadro”, nosso cérebro, por vezes, lembra tão bem de certas ações que deixa de prestar muita atenção, pois prevê como elas vão acabar. Quando uma bola é jogada no ar nosso cérebro instantaneamente relembra memórias de eventos semelhantes e produz uma ideia do que vai acontecer a seguir. Isso não significa que ele não possa estar errado. Quando um mágico coloca uma bola em um copo só para fazê-la desaparecer quando a taça for levantada, ficamos chocados porque o que nosso cérebro previa não se concretizou. Nosso cérebro muitas vezes alimenta uma previsão e nos convence de que isso vai acontecer, o que nos deixa ainda mais chocados quando a ação prevista não acontece.

7. Vontade livre

Quando estamos escolhendo uma carta, qualquer carta, raramente escolhemos de forma aleatória. Geralmente o mágico escolhe para nós, só que sem o nosso conhecimento. Em muitos truques de carta, a escolha “forçada” significa que o mágico fez alguma coisa, física ou mental, para nos conduzir a escolher exatamente o que ele queria. Mas o nosso cérebro muitas vezes nega isso, acreditando na livre escolha e omitindo fatos que podem indicar que fomos forçados.

6. Preenchendo os espaços em branco

O truque da “mulher serrada ao meio” é velho o suficiente para que a maioria das pessoas saiba seu segredo. A cabeça que vemos em uma das extremidades da caixa não pertence às pernas que vemos na outra. Mas nosso cérebro insiste e acredita nisso. Por quê? Porque o nosso cérebro não é lá muito inteligente quanto a continuidade. Quando se vê uma cabeça em alinhamento, próximo a um par de pernas, o cérebro utiliza a experiência passada para preencher o espaço em branco e dizer que, obviamente, um tronco existe entre essas duas partes do corpo. Em muitos truques de mágica um objeto está parcialmente coberto, e nosso cérebro usa o que ele pode ver para continuar a imagem e preencher o espaço em branco – exatamente o que o mágico quer.

5. Mudar

Olhe rápido para fora da janela. O que você viu?
Agora olhe de novo. Alguma coisa mudou? Se na primeira vez tudo o que você viu foi o seu quintal e na segunda vez havia um tigre, bem, você provavelmente vai notar. Mas e se o pássaro empoleirado na árvore moveu-se ligeiramente? E se a planta tinha se mexido pelo vento? Nossos cérebros são suscetíveis a algo chamado de “mudança cega”, o que significa que ele é muito ruim para detectar pequenas mudanças imediatamente. Não que ele não as veja, mas ele é treinado para não se preocupar com as mudanças que não vão nos afetar muito e, como resultado, se não formos muito focados, raramente vamos registrá-las conscientemente. Obviamente, mágicos podem utilizar isso ao extremo, e não notamos as pequenas mudanças no que está acontecendo até o foco seja direcionado.

4. Nosso cérebro tem um ego

Nosso cérebro insiste que temos o livre-arbítrio, e também insiste que está sempre certo. Devido a uma coisa chamada “dissonância cognitiva”, ele tenta racionalizar os eventos, mesmo se isso significar ir contra o que você sentiu ou pensou apenas alguns minutos mais cedo. Nosso cérebro nos forçará a justificar os eventos se eles não ocorrerem como esperávamos. Mágicos apresentam uma realidade que não obedece a ideia de realidade que seu cérebro está acostumado a ver. Isso cria uma dissonância cognitiva e chega a um ponto em que não importa o quanto ele tenta; seu cérebro não consegue racionalizar os eventos vistos. Como o cérebro é usado para racionalizar os eventos depois que eles ocorrem, a mágica cria uma situação que não pode existir e que leva à sensação única de espanto.

3. Vendo e sentindo

Você provavelmente já viu números de ilusões na internet em que você olha fixamente em uma imagem em preto e em seguida olha para uma parede branca para encontrar a imagem que ainda existe em sua visão. Isso é chamado de pós-imagem – quando o cérebro continua vendo algo por um curto período de tempo após esse algo ter se extinguido. Um mágico pode usar este truque quando muda um item de mão em mão. Para o seu cérebro, a moeda pode parecer estar em uma mão por um pouco mais de tempo do que realmente esteve devido a pós-imagem, o que dá ao mágico uma fração de segundo a mais para fazer seu truque. Ele pode até usar essa sensação de pós-imagem para remover o seu relógio. Apertar seu pulso pode deixar uma imagem que leva o cérebro a acreditar que seu relógio ainda está lá, mesmo depois dele ter sido habilmente removido.

2. Seu cérebro ama coisas novas

De maneira simples, quando o cérebro vê algo novo, rápido e emocionante, não pode evitar de tomar conhecimento. Devido à “captura de atenção exógena”, seu cérebro sempre será atraído para algo novo. Uma pomba voando de forma irregular vai chamar a atenção quase que imediatamente, mas seu cérebro leva pelo menos alguns segundos para processar o evento e avaliar a sua importância. Uma mão curvando-se rapidamente, por exemplo, chama mais atenção do que uma lenta linha reta. Os mágicos sabem disso, por isso usam as ações emocionais de seu cérebro para não te deixar olhar para onde querem.

1. Seu cérebro cai para o encanto

Muitos mágicos usam o humor em seus atos, em uma tentativa de encantar o seu público durante a apresentação. Esse charme e carisma é um efeito químico sobre o cérebro. É possível que o simples ato de rir com os trocadilhos terríveis do mágico libere oxitocina, o “hormônio do amor e do vínculo”, que faz com que os atos de cooperação e interação social o façam se sentir bem. A liberação da oxitocina te deixa menos propenso a ser crítico aos truques que você está assistindo, e ainda mais suscetível a perder as trocas de mão com a atenção atraída para o rosto do mágico. Tudo, até mesmo os trocadilhos terríveis, fazem parte do truque.[Listverse]

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Os 10 alimentos mais saudáveis do mundo

Linhaça, feijão e suco de uva estão entre os top 10. Descubra quais são os alimentos essenciais para o bom funcionamento do corpo humano

Ter uma alimentação saudável reflete tanto no bom funcionamento do organismo como também na beleza de cabelos, unhas e pele. Por isso, selecionar bem o que entra no cardápio é fundamental para trazer saúde ao corpo. Segundo pesquisadores, existem certos alimentos considerados extremamente saudáveis e incluí-los ao dia a dia pode ser a saída certa para quem quer ter mais qualidade de vida.

1 – Linhaça

A semente da linhaça triturada é rica em ômega 3 e traz enormes benefícios ao corpo humano. “Diversos estudos têm mostrado efeito cardioprotetor da farinha de linhaça, por ser rica em ômega-3, promovendo o aumento do HDL (bom colesterol) e a redução do LDL e triglicérides”, explica Leila Froeder, nutricionista da Clinica Vivid.

2 – Morango

Possuem grande quantidade de flavonóides, antioxidantes que previnem o envelhecimento precoce das células. “Evita também o aparecimento de câncer e a oxidação do LDL (colesterol considerado ruim quando em excesso) que pode gerar a ‘placa de ateroma’ ou aterosclerose nas artérias, que causam o infarto e o derrame cerebral”, diz Leila.

3 – Azeite de oliva

O azeite de oliva extravirgem, além de dar um toque especial no cardápio, previne doenças. “O azeite tem potente efeito inibidor de radicais livres, da oxidação do LDL e também antitrombótico”, afirma a nutricionista.

4 – Cavala

“Este tipo de peixe possui duas vezes mais ômega-3 do que a sardinha e o salmão, sendo excelente no combate e prevenção das doenças cardiovasculares”, sugere a nutricionista. Ele pode ser acompanhado com um delicioso arroz com feijão fresquinho!

5 – Abóbora

Todos os tipos de abóbora podem ser consumidas sem medo, afinal, além de trazer benefícios ao funcionamento do corpo, produz saciedade. “Elas são ricas em beta-caroteno e também em fibras”, comenta Leila.

6 – Suco de uva tinto

É comprovado cientificamente que o consumo moderado de vinho reduz a pressão arterial. “Alguns estudos mostraram que o suco de uva tinto é mais rico em flavonóides do que o vinho tinto, melhorando os fatores de risco relacionados ao desenvolvimento da aterosclerose e reduzindo a pressão arterial”, explica a nutricionista.

7 – Acerola
Assim como as laranjas, a acerola possui elevado teor de vitamina C, prevenindo gripes e resfriados. “Elas são antioxidantes e possuem baixos índices glicêmicos, além de serem pouco calóricas”, comenta a nutricionista.

8 – Castanha-do-Pará

Elas finalizam perfeitamente doces, trazendo um toque especial ao sabor e ainda são benéficas à saúde. “Uma castanha possui a quantidade certa de selênio que necessitamos por dia”, comenta a nutricionista.

9 – Feijão

Tradicional da gastronomia brasileira, o feijão é rico em fibras. “O velho e bom feijão brasileiro é rico em fibras e proteínas vegetais, que promovem saciedade, evitando os excessos alimentares”, diz a nutricionista.

10 – Brócolis

“Além de ser rico em antioxidantes, possui alto teor de vitamina C, vitaminas do complexo B, mantendo assim mesmo após o cozimento, uma boa quantidade destas vitaminas que influem no metabolismo energético e na imunidade”, finaliza Leila.

Como evitar câimbras

Veja algumas dicas para combater as câimbras antes e depois dos exercícios

Para evitar essa incômoda dor, siga essas dicas antes, durante e depois do treino:

Capriche na hidratação: a cãibra é uma contração involuntária dos músculos, normalmente muito dolorosa, e que pode durar alguns minutos. Acredita-se que a carência do consumo de líquidos pode ser o motivo de a musculatura se tornar sensível ao problema.

Não ao cigarro: de acordo com o médico ortopedista Moisés Cohen, do Instituto Cohen, de São Paulo (SP), o tabagismo pode levar a um déficit de oxigênio. O resultado é o estímulo dos espasmos característicos da cãibra.

Pegue leve: acredita-se que a causa básica da cãibra seja uma hiperexcitação dos nervos, princípio que pode ocorrer logo após um grande esforço físico. Sendo assim, nada de querer treinar em um dia todo o programa da semana.

Inspire e espire: músculo com pouco oxigênio pode ficar predisposto a contrações. Dessa maneira, respirar bem durante a atividade física também merece atenção redobrada.

Minerais no prato: baixos níveis de cálcio e magnésio podem estar relacionados aos espasmos musculares. Evite a desmineralização do organismo, reduzindo o sal, o consumo de café e chá, que diminuem a absorção do cálcio. 

Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/bem-estar/como-evitar-caimbras/817/ - Texto: Leonardo Valle / Foto: Shuttertock/ Adaptação: Letícia Maciel