domingo, 18 de agosto de 2013

Correndo pelas ruas de Aracaju

A partir desta data estarei postando histórias que ocorreram durante a minha vida como atleta ou professor de educação física com fatos alegres, tristes, cômicos, exemplos ou de superação de limites e que foram importantes para a minha formação de educador.

Em 1976, a equipe de basquete do Colégio Estadual Murilo Braga disputou pela primeira vez os Jogos Estudantis de Sergipe, atualmente Jogos da Primavera, em Aracaju, e eu participei pela categoria A juntamente com alguns colegas, na época eu estudava 8ª série. O nosso primeiro jogo foi disputado na quadra da Marinha, localizada na Rua Ivo do Prado, conhecida também como Rua da “frente”. Apesar do CEMB ser um colégio do interior, a coordenação de basquete colocou o nosso jogo por último na rodada da noite. O professor Romilto Mendonça reclamou e solicitou a mudança do horário, que não foi acatado.

Mais ou menos às 21 horas entramos em quadra para enfrentar o Salesiano, um dos melhores colégios do basquete sergipano. Ao término do 1º tempo, estávamos perdendo o jogo pelo placar de 51 a 2, quando o professor Romilto resolveu retirar a equipe do jogo, porque se assim não fizesse, perderíamos o ônibus de retorno a Itabaiana, que saia da rodoviária, no centro de Aracaju. Ao chegar à rodoviária, o funcionário da empresa  informou que a lotação do ônibus estava completa e que não podia vender passagens, pois o DER não permitia que o ônibus iniciasse a viagem com passageiros em pé.

Fomos orientados pelo funcionário a ir correndo para o bairro Siqueira Campos, no ponto do cinema Plaza, atualmente a Igreja Universal de Deus, e aguardar a chegada do ônibus, se desse tempo, pois o mesmo sairia dentro de poucos minutos. E assim fizemos, professor e alunos, corremos pelas ruas de Aracaju, aproximadamente a uma distância de 2 quilometros, percorrendo ruas escuras com pessoas estranhas e cachorros latindo e, em algumas vezes, correndo atrás de nós.

Ao chegarmos a frente do cinema, cansados e suados, o ônibus parou, pois o motorista já estava sabendo do problema, e adentramos ao mesmo. Tivemos que viajar em pé e ouvindo reclamações dos outros passageiros pelo odor que desprendia dos nossos corpos.

No decorrer da viagem alguns passageiros desembarcaram em pontos da rodovia e nós aos poucos, fomos sentando e descansando. Chegamos a Itabaiana e desembarcamos na Praça João Pessoa, local que ficava a sede da empresa de ônibus, e fomos para nossas casas. A equipe foi desclassificada dos jogos e apesar dos percalços do episódio, todos os alunos continuaram praticando o basquete naquele ano.

Em 1977, o Professor Romilto foi trabalhar em Aracaju assumindo a coordenação de educação física do Colégio Atheneu Sergipense e alguns colegas foram estudar em escolas da capital, e por isto, a equipe foi desfeita. Em 1978, o Professor José Antonio reuniu o restante do grupo e somou com alguns alunos novatos para a formação de uma nova equipe. A partir daí, o basquete do CEMB se tornou no maior celeiro de basqueteiros de Sergipe.

José Costa
Professor de Educação Física
CREF 000245-G/SE

2 comentários:

  1. Pô, que bacana... a fase de colégio é realmente marcante na vida de todos nós!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Deve ser bem fedido mesmo um ônibus cheio de marmanjo suado de jogo... hushushus

    ResponderExcluir