domingo, 10 de janeiro de 2016

Lembranças do Beco Novo – Rua Coronel Sebrão

Há 26 anos que moro na Rua Coronel Sebrão, mais conhecida pela maioria dos itabaianenses como Beco Novo, uma das mais antigas, histórica e tradicional de Itabaiana. Ela tem mais de 1 km de extensão, no início medindo aproximadamente 6 metros de largura e no seu final, 15 metros. A Rua tem mais de 200 imóveis entre casas residenciais e estabelecimentos comerciais, entre eles: mercearias, boutiques, lanchonetes, bares, panificação, salões de cabeleireiros, academia, escola Rotary, lava-jato, frutal, esquadria de ferro e alumínio, loja de informática, borracharia, oficina de moto, abatedouro de aves.

Ao longo dos anos, várias ruas foram dispostas transversalmente à Rua Coronel Sebrão por sua importância no crescimento e desenvolvimento de Itabaiana, que são: Marechal Deodoro da Fonseca, Monsenhor Constantino, Padre Felismino, Miguel Teixeira, Josefa Vieira Santos e Avenida Leandro Maciel.

A Rua Coronel Sebrão é uma das ruas mais movimentadas e importantes de Itabaiana, já que através dela passam milhares de pessoas todos os dias com destino aos conjuntos residenciais, Praça da Juventude, Bairro São Cristovão, Igreja Nossa Senhora do Carmo, Asilo Lar Cidade de Deus, Povoados Serra e Bom Jardim ou que passaram para ir ao Campo Etelvino Mendonça, Módulo Esportivo, Campo do Cantagalo, além da Fazenda Grande. Em breve, estudantes, professores e funcionários irão passar pela rua com destino ao Instituto Federal de Sergipe – IFS.

Tenho boas lembranças e recordações desta rua a partir do final da década de 60, quando aos Domingos, eu e minha mãe, Maria da Graça Costa, visitávamos tia Alaíde, que possui uma casa no primeiro trecho e foi justamente que por causa dele originou o nome Beco Novo.

Lembro-me também que eu e meu pai, Josias Costa, fazíamos visitas aos Domingos à casa do amigo Santinho Moura, barbeiro, e hoje a mesma pertence ao meu irmão Antonio Costa.  Eles ficavam proseando durante toda a tarde e quando tinha jogo de futebol do Itabaiana no Campo Etelvino Mendonça, que ficava a uns 50 metros da casa de Santinho Moura, eu ficava perto da bilheteria esperando Seu Floro do leite comprar o ingresso, pois ele sempre me colocava no campo para assistir ao jogo. Tive a felicidade de assistir aos jogos do time do Itabaiana e principalmente à final quando o time foi campeão em 1969.

     Em frente ao Campo Etelvino Mendonça existia o sítio de Tancredo, pai do Professor Nivaldo, que foi vendido e há 10 anos começou a ser loteado transformando-se no Conjunto Eucaliptos com centenas de casas residenciais e alguns estabelecimentos comerciais trazendo desenvolvimento à região.

     Quando eu era criança, por várias vezes dormi na casa dos meus avós maternos, Maria Francisca e José Felipe, para logo cedo pela manhã irmos ao sítio do meu tio Zequinha, que ficava próximo à Fazenda Grande, atualmente situado o Conjunto residencial Maria do Carmo Alves.  Ao sairmos da Rua da Vitória, caminhávamos por toda a extensão do Beco Novo, iniciando no fundo da Igreja Matriz de Santo Antônio e Almas até o Cruzeiro, atualmente Bairro São Cristovão. Ao chegarmos ao sítio, tomávamos café e depois eles iam trabalhar na roça enquanto eu tomava banho no tanque ou brincava no terreiro. Ao final da tarde, voltávamos fazendo o mesmo percurso pelo Beco Novo.  

Em 1977, substituindo o Campo Etelvino Mendonça, foi construído e inaugurado o Módulo Esportivo de Itabaiana, e no mês de Agosto, algumas turmas de educação física do Colégio Estadual Murilo Braga foram transferidas para lá, e entre elas, a minha do 1º ano cientifico, onde Ronaldo Lima foi o professor e ensinou voleibol. Três vezes por semana me deslocava pelo Beco Novo a pé ou de monareta para fazer as aulas. Em 1978 e 1979, pratiquei basquete com o Professor José Antônio Macedo. Até meados da década de 90, milhares de alunos do CEMB fizeram aulas no Módulo e precisavam passar pelo Beco Novo.

Na década de 80, participei de muitas festas na Sede dos Trabalhadores, o point dos jovens na época, situada na Rua Coronel Sebrão.  Atualmente chama-se de Sociedade Beneficente dos Trabalhadores de Itabaiana, onde acontecem os ensaios da Quadrilha Junina Balança Mas Não Cai, dirigida por Salomão e Nide.  De lá para cá, todos os anos é armado um arraial na rua durante os festejos juninos onde a quadrilha se apresenta para os moradores. Este evento já se tornou tradição cultural na cidade. A Sede dos Trabalhadores  também já foi palco de ensaios do Bloco Margem da Serra que desfilava nas micaretas pelas principais ruas de Itabaiana.

     Em 1980, fiz o vestibular para o curso de Educação Física e fui aprovado. Em Março do mesmo ano ingressei no serviço público e comecei a dar aulas de basquete no Módulo Esportivo e continuei a usar a Rua do Beco Novo como caminho para chegar e voltar do trabalho. Trabalhei no Módulo durante 14 anos e ao longo deste tempo  fiz muitas amizades  com os moradores da Rua, especialmente os que moravam próximo a mim, como: Seu Rufino marceneiro, Chico do DNOCS e Lerino que possuíam bares, Turinha pedreiro, Dona Miúda e outros mais.

     Em Junho de 1980, comecei o namoro com Madileide, que conheci nas aulas de educação física no Módulo, filha de Bernadete e neta de Maria de Gustavo, que moravam nas esquinas da Rua Coronel Sebrão com a Rua Padre Felismino. Foram 6 anos de namoro, e quase todas as noites me deslocava pela Rua do Beco Novo para namorar. Em 1986, casamos e fomos morar na Rua General  José Calazans.

     Em 1988, por indicação do meu primo Zé Carlos do Batula, comprei o terreno vizinho a sua casa, na esquina da Rua Coronel Sebrão com a Avenida Leandro Maciel, e construir minha casa, até que em 1º de Maio de 1990, fizemos a mudança e já são quase 26 anos morando no mesmo local. Ao longo dos anos formei minha família nesta rua e atualmente, meu filho Júnior, o mais velho, mora na casa construída por Tonho de Veríssimo próximo a minha.

     Desde o surgimento do Beco Novo até os dias atuais, já moraram ou moram centenas de famílias, algumas destas conheci e tenho amizades, outras ouvi falar e as demais tenho lembranças  que citarei: Olga, Selma, Beatriz, Djanira, Diva, Luiz de titia, Tota, Sanches, Zé Antônio funileiro, Zé Meu Mano, Maria Branquinha, Helena, Luiz soldado, Nilo base, Toinho macaco, Nancy, Floro do leite, Teteu, Euclides Barraca, Armilino carpinteiro, Peu,  Evilásio, Lulu, Euclides alfaiate, Arinda, Eulina, Esperidião, Chico marchante, Zequinha do bicho, Lourdes e Raul, Dulce de Bonito, Lia, Aurélio dos peixes, Marluce de Miguel Fagundes, Salomão, Rosilda, Laura,  Malhador da maça, Sebastião, Fina, Valdez, Augusto do bar, Durval do açúcar, Oviêdo do carvão, Zé do vinagre,  Lenaldo, Belmiro,Gilza, Manoel de Neo, Tonho de Izelt, Pirrô, Ageninho, Marcos de Fefi, Ofélia, Santo Marceneiro, Berna, Márcia e Mércia, Zé pedreiro, Bernardo, Zé  gordo, Branco da verdura e outros. Peço desculpas por não saber ou não citar o nome de todos os moradores que já residiram ou residem no Beco Novo.

     Ao longo de quase 50 anos como transeunte e morador do Beco Novo, acompanhei e sou testemunha de como  ela foi transformada e melhorada por seus habitantes e pelo poder publico com calçamento a paralelepípedo, rede de esgoto, asfalto e por construções ou reformas de casas que deram novos ares a mesma. Tenho orgulho de morar na Rua Coronel Sebrão, pois ela mora no meu coração, faz parte das minhas lembranças desde criança e onde continuo fazendo inúmeras amizades com seus moradores.

Foto principal extraída do Álbum de Fotografias de Vladimir Souza e Róberio Santos


Por Professor José Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário