sexta-feira, 18 de agosto de 2017

7 superalimentos que você não imaginava serem bons para emagrecer

Vinho, chocolate e café estão na lista: eles auxiliam na perda de peso e ainda fazem um bem danado à saúde

1. Feijão preto
Além de conter potássio e ácido fólico, é pouco calórico e composto de carboidratos complexos, que demoram mais temo para serem absorvidos, garantindo saciedade.

2. Abacate
A fruta, fonte de gordura monoinsaturada, ômega-9 e fibras, aumenta a sensação de saciedade, reduz a inflamação nas células e controla os níveis de colesterol no sangue. “Também contribui para a formação de músculos e a utilização da gordura estocada como fonte de energia”, conta Rafaella Faria, nutricionista da Estima Nutrição, em São Paulo.

3. Chocolate amargo
É riquíssimo em antioxidantes que protegem nossas células e aumentam a produção de leptina – o hormônio da saciedade. “Quanto mais amargo, mais intensas são suas propriedades funcionais”, conta Amanda Joanni Maffei, nutricionista da Clínica Fernandes, em São Paulo.

4. Cevada
Por possuir vitaminas do complexo B, auxilia no metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídeos. “O cromo em sua composição também controla a vontade de doces”, diz Amanda.

5. Vinho
Uma taça por dia já é suficiente para queimar as gordurinhas. A bebida possui flavonoides que aceleram o metabolismo e estimulam o corpo a utilizar gordura como fonte de energia. “Também contém resveratrol, um polifenol com ação antioxidante que auxilia na eliminação de toxinas, retardando o envelhecimento das células”, conta Rafaella.

6. Café
Com pouquíssimas calorias, estimula a liberação de adrenalina, proporcionando mais energia e auxiliando na queima de gordura durante a atividade física.

7. Feijão branco
Ele bloqueia a absorção do amido, reduzindo o armazenamento de carboidratos em forma de gordura. “Ainda possui fibras que retardam a fome”, conta Amanda.


Fonte: https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=1497408163488092501#overviewstats - Por Caroline Randmer (Colaboradora) - iprogressman/Thinkstock/Getty Images

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

11 hábitos comuns entre pessoas que raramente ficam doentes

Quem é que não quer uma vida saudável e sem muitas idas ao médico? A boa notícia é que alguns hábitos simples podem dar essa garantia a você

De vez em quando, o corpo humano é acometido por algum tipo de doença, mal-estar ou condição que o faça trabalhar de forma diferente. Em alguns casos, precisamos de remédios e tratamentos médicos específicos, para dar aquela acelerada no processo de cura.

Algumas pessoas, no entanto, ficam doentes com uma frequência muito menor, e você possivelmente consegue pensar em alguém do seu convívio que raramente fica gripado ou pega algum tipo de infecção, certo?

A questão é: por que isso acontece? Por que tem tanta gente por aí que parece driblar os problemas de saúde frequentemente enquanto algumas pessoas vivem com um kit de remédios a tiracolo?

Em muitos casos, pré-disposições genéticas ou doenças crônicas entram em questão, é claro, e aí não se tem muito o que fazer. Em outros, o que contribui bastante para o aparecimento ou não de algumas doenças é, sem dúvida, o estilo de vida de cada um.

Enquanto alguns hábitos nos dão mais sensação de bem-estar, disposição e mais resistência, outros acabam provocando fadiga, comprometendo o funcionamento do nosso sistema imunológico e, claro, deixando a porta aberta para o desenvolvimento de algumas doenças. Se você tem interesse em melhorar sua qualidade de vida de um modo geral, confira alguns hábitos a seguir, que estão entre os que fazem com que as pessoas raramente adoeçam:

1. Tornar o sono uma prioridade
Tudo bem, a gente sabe que é difícil manter trabalho, casa, estudos, amizades, relacionamentos, academia e todas as suas atividades em dia, sem que isso signifique você tenha que dormir menos. Ainda assim, é preciso cuidar da sua rotina de sono com cautela, para que seu sistema imunológico não pague o preço.
Quando dormimos pouco, acabamos tendo mais chances de pegar resfriados, sabia? Dormir pelo menos seis horas vai fazer com que seus hormônios fiquem equilibrados e com que seu corpo funcione sem sofrimento.

2. Praticar atividades físicas
Quando colocamos o corpo em movimento, nosso sistema imunológico começa a funcionar melhor, e isso afasta diversas doenças. Além do mais, atividades físicas melhoram o funcionamento dos pulmões e de nossas vias aéreas, eliminando bactérias que possam estar presas e incentivando os anticorpos a circularem pelo corpo. Praticar exercícios também diminui a produção de cortisol, que é o hormônio do estrese.

3. Não passar grandes intervalos de tempo sem comer
Comer de tempos em tempos e garantir que os alimentos ingeridos sejam ricos em vitaminas e minerais é fundamental para que o corpo funcione bem. Uma dieta muito restrita deixa nosso corpo suscetível à gripe e nos faz demorar ainda mais para se livrar do vírus.

4. Evitar açúcar
O excesso de doces na dieta, que é o que acontece quando comemos muito açúcar e carboidrato, acaba fazendo com que nossos vasos sanguíneos fiquem mais propensos à inflamação. O ideal é evitar consumir mais de 100 gramas de açúcar por dia.

5. Fazer yoga
A prática desse tipo de atividade física melhora o funcionamento do sistema imunológico e, por consequência, manda embora algumas doenças. A yoga nos ajuda a tomar melhores decisões e a pensar em nosso corpo e em nossa saúde com mais cuidado, o que é sempre uma boa coisa.

6. Consumir pouca bebida alcoólica
De vez em quando é normal consumir algum tipo de bebida alcoólica, mas é preciso moderar, até mesmo porque o excesso de álcool no organismo é algo que compromete nossa imunidade.

7. Fazer sexo
Manter relações sexuais com frequência (e usando camisinha, é claro!) é algo que reduz as chances de o seu corpo contrair resfriados, sabia? Isso acontece porque a atividade sexual regular aumenta os níveis da imunoglobulina A, um anticorpo que nos mantém livres de resfriados.

8. Andar e pegar sol
Dar umas voltas pelo seu bairro ou pelas redondezas do escritório na hora do almoço é uma ótima ideia, até mesmo porque isso contribui para o aumento dos níveis de vitamina D, que é um nutriente essencial para o funcionamento do seu sistema imune. Além do mais, o contato com a natureza e com os cheiros que ela tem é algo que tem efeito relaxante e nos ajuda e diminuir os níveis de estresse.

9. Passar mais tempo com os amigos
Encontrar os amigos, conversar, dar risada e se divertir com eles é também uma maneira de cuidar da sua saúde, de melhorar a imunidade e de evitar que o resfriado se aproxime, sabia? Então talvez esteja na hora de marcar aquela reunião da galera, hein!

10. Pensar positivamente
Pessoas saudáveis tendem a ver o lado bom das coisas e a aprender com os empecilhos da vida. Ter uma atitude mais otimista diminui sua pressão arterial, melhora a saúde do coração, protege seu corpo de alguns vírus e melhora sua saúde mental. Por que não mudar a forma como você enxerga as coisas da vida, então?

11. Beber chá
Chás fazem bem ao corpo e nos ajudam a evitar alguns tipos de infeção, melhorando a atuação do sistema imune e atacando bactérias, vírus e fungos que ousem se aproximar. Além do mais, tomar chá é uma forma de manter o corpo hidratado e funcionando normalmente.

Se você perceber bem, todos esses hábitos são relativamente fáceis de se implantar em sua rotina. Não significa que você deve começar a tê-los a partir de agora, mas sim que pode pensar neles com carinho e tentar inserir cada um em sua rotina, aos poucos. Com certeza sua saúde agradecerá!


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Médico japonês que atendeu até os 105 anos compartilha 12 de seus princípios para uma vida longa

Para um médico especialista em longevidade, nenhuma apresentação de suas capacidades profissionais pode ser melhor do que sua própria vida – e esse é somente um dos atributos que classificam o médico japonês Shigeaki Hinohara como o mestre e a grande inspiração que foi.

Falecido recentemente aos 105 anos e ainda trabalhando, tendo vivido sua longa vida com saúde mental e física impecáveis, Dr. Shigeaki deixou não só sua história de intensa dedicação a medicina e a cuidados mais humanos com seus pacientes, como algumas dicas concretas para vivermos uma vida boa e longeva como parte de seu legado.

Nascido em 1911, Hinohara se tornou um dos médicos a dedicar mais tempo à saúde e à felicidade de seus pacientes no mundo. E o termo “felicidade” aqui não é usado por acaso: o médico foi um pioneiro no trato mais pessoal e individual dos pacientes e, mesmo depois de sua morte, segue como inspiração para melhorarmos a qualidade de nossas vidas.


Não há dúvidas: de vida, Dr. Shigeaki entendia – e por isso, vale lembrar aqui suas 12 mais importantes dicas, retiradas de uma entrevista que o médico deu aos 97 anos.

Alguns princípios do Dr. Shigeaki Hinohara:

1. Coma direito
“Todo mundo que vive uma longa vida, independentemente de nacionalidade, raça ou gênero, dividem uma coisa em comum: ninguém é acima do peso.”

2. Não pegue atalhos
“Para permanecer saudável, sempre suba de escadas e carregue suas próprias coisas. Eu subo de dois em dois degraus, para exercitar meus músculos.”


3. Redescubra sua energia juvenil
“Energia vem de sentir-se bem, não de comer bem ou dormir muito. Todos nos lembramos quando éramos crianças e estávamos nos divertindo, como esquecíamos de comer ou dormir. Eu acredito que podemos manter essa atitude enquanto adultos. É melhor não cansar o corpo com regras demais como hora de comer e hora de dormir.”

4. Mantenha-se ocupado
“Sempre se planeje com antecedência. Minha agenda já está completa pelos próximos cinco anos, com palestras e meu trabalho usual, no hospital.”

5. Mantenha-se trabalhando
“Não há necessidade de se aposentar jamais, mas se for preciso, deve ser bem mais tarde do que aos 65 anos. Cinquenta anos atrás, haviam somente 125 japoneses com mais de 100 anos. Hoje, são mais de 36 mil.”
Dr. Shigeaki Hinohara

6. Siga contribuindo com a sociedade
“Depois de uma certa idade, devemos nos esforçar para contribuir com a sociedade. Desde os 65 anos que trabalho como voluntário. Eu ainda trabalho 18 horas, 7 dias por semana e amo cada minuto.”

7. Espalhe seu conhecimento
“Divida o que você sabe. Eu dou 150 palestras por ano, algumas para 100 crianças do ensino médio, outras para 4.500 empresários. Eu normalmente falo por uma hora, uma hora e meia, de pé, para permanecer forte.”

8. Entenda o valor de diferentes disciplinas
“A ciência sozinha não consegue curar ou ajudar as pessoas. A ciência nos trata a todos como uma coisa só, mas as doenças são individuais. Cada pessoa é única, e as doenças estão conectadas com seus corações. Para entender as doenças e ajudar as pessoas, precisamos de artes livres e visuais, não somente de medicina.”

9. Siga seus instintos
“Ao contrário do que se imagine, os médicos não conseguem curar tudo e todos. Então pra quê causar uma dor desnecessária com, por exemplo, uma cirurgia, em certos casos? Eu acho que a música e a terapia animal podem ajudar pessoas mais do que os médicos imaginam.”

10. Resista ao materialismo
“Não enlouqueça pelo acúmulo de coisas materiais. Lembre-se: você não sabe quando será sua vez, e nós não levaremos nada daqui.”

11. Tenha modelos de vida e inspirações
“Encontre alguém que te inspire para procurar ir ainda mais longe. Meu pai veio para os EUA estudar em 1900, foi um pioneiro e um dos meus heróis. Mais tarde encontrei outros guias de vida, e quando me sinto paralisado, me pergunto como eles lidariam com o problema.”

12. Não subestime o poder da diversão
“A dor é algo misterioso, e divertir-se é a melhor maneira de esquecê-la. Se uma criança está com dor de dentes e você começa a brincar com ela, ela imediatamente esquece a dor. Hospitais precisam oferecer as necessidades básicas dos pacientes: nós todos queremos nos divertir. No St. Luke’s [hospital que dirigiu e trabalhou até o fim da vida] nós temos música, terapia animal e aulas de arte.”

“Minha inspiração é o poema “Abt Vogler”, de Robert Browning, que meu pai costumava ler para mim. Ele nos encoraja a fazer grande arte, não garranchos. Diz para tentarmos desenhar um círculo tão grande que não haja como terminá-lo enquanto vivermos. Tudo o que vemos é um arco, o resto está além da vista, mas está lá, na distância.”

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Atividade física turbina o cérebro – em qualquer fase da vida

Além de ajudar a prevenir encrencas lá na frente, os exercícios deixam nossos neurônios mais capacitados para responder aos desafios do dia a dia

Raciocínio mais rápido do que os piques de Usain Bolt. Memória mais precisa do que os arremessos de Oscar Schmidt, o Mão Santa do basquete brasileiro… Pode escolher a analogia esportiva de sua preferência para ilustrar a seguinte notícia: mexer o corpo fortalece tanto a massa muscular quanto a cinzenta.

“As revisões científicas apontam que a prática diminui o risco de comprometimento cognitivo leve em 35% e o de Alzheimer em 51%”, contextualiza Andrea Camaz Deslandes, profissional de educação física e coordenadora do Laboratório de Neurociência do Exercício da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. “Mas não se trata apenas de prevenir doenças, embora isso já seja valioso. Hoje sabemos que a atividade física aprimora também o funcionamento de um cérebro considerado saudável”, arremata.

Dito de outra maneira, as células nervosas – assim como o bíceps ou a musculatura da coxa – ganham potência ao serem estimuladas por uma vida movimentada. Em uma análise de oito estudos com voluntários acima de 40 anos, pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, concluíram que o fato de a pessoa não gastar o dia inteiro sentada já está associado a uma melhor performance em testes cognitivos (e a uma probabilidade reduzida de demência).

“Com base no achado, sugerimos que todos os adultos deveriam evitar o excesso de comportamentos sedentários”, afirma a neurocientista Teresa Liu-Ambrose, orientadora do levantamento. Segundo ela, singelas medidas bombariam as nossas faculdades mentais. São elas: levantar-se da cadeira a cada 30 minutos para dar alguns passos, valorizar as atividades leves, como subir escadas ou ir até a mesa do colega em vez de enviar um e-mail, e checar se não é possível cumprir determinadas tarefas em pé ou mesmo andando – já pensou em uma reunião itinerante?

Mas Teresa e seus colegas não se deram por satisfeitos. Após investigar o efeito de um cotidiano menos parado, eles se debruçaram sobre os exercícios físicos estruturados – aqueles em que a gente reserva tempo na agenda para fazer. A partir de outra revisão de artigos, concluíram que tanto modalidades aeróbicas (caminhada, bicicleta…) quanto a musculação conferem destreza à cabeça. E, apesar de as primeiras parecerem ligeiramente mais eficazes, a combinação das duas trouxe melhores resultados.

“Ainda é cedo para determinarmos um protocolo de exercícios”, pondera Andrea. Atualmente, os experts estão correndo para definir a intensidade e a frequência ideais. Fora isso, será que certos esportes se mostram mais benéficos do que outros?

Especula-se, só para citar um caso, que práticas que exigem reflexo rápido, improviso e uma maior interação com o meio – futebol, vôlei, caratê, tênis… – incitariam mais os neurônios em comparação com bicicleta ergométrica ou esteira, por exemplo. “Essas questões são importantes, porém o indivíduo precisa, antes de tudo, de liberdade para optar pelo que lhe agrada e se encaixa no seu calendário. Qualquer movimentação ajuda”, diz a professora.

Vantagens para todas as idades
Não é porque aqueles estudos canadenses se concentraram em participantes com 40 anos ou mais que as virtudes de abandonar o sofá serão perceptíveis somente nessa faixa etária. Em 2003, a educadora física Hanna Karen Moreira Antunes, hoje coordenadora do Curso de Educação Física da Universidade Federal de São Paulo, avaliou o desempenho cognitivo de vários adolescentes.
“Os que se exercitavam bastante no ambiente escolar alcançavam as maiores pontuações”, lembra. Mais recentemente, Andrea Deslandes começou a verificar o impacto de aulas de capoeira na performance de crianças de 6 a 12 anos. De lá pra cá, ela e seus colegas de laboratório revelaram que o contato com essa arte marcial tipicamente brasileira contribuiu para notas mais altas na escola. “Os estudos mostram vantagens da infância à terceira idade“, assegura a expert carioca.
A segunda parte dessa afirmação condiz com um experimento feito em Caeté, uma cidade de 40 mil habitantes do interior de Minas Gerais. Coordenados pelo neurologista Paulo Caramelli, pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais registraram ao longo do tempo o estilo de vida e a saúde mental de 639 idosos. Das diversas análises que estão pipocando a partir desse trabalho, uma, ainda em fase preliminar, voltou-se para os senhores que envelhecem especialmente bem – apesar de estarem na casa dos 80 anos, eles possuem uma memória comparável a de pessoas duas décadas mais jovens.
“Percebemos que esse grupo tendia a fazer mais atividade física do que os outros”, relata Caramelli. O estudo, cabe ressaltar, não permite cravar uma relação de causa e efeito, entre outras coisas porque esse pessoal também comia mais vegetais in natura. “É possível que a combinação de hábitos saudáveis tenha contribuído para os dados encontrados”, avalia Caramelli.
Até agora, abordamos as benfeitorias que dão as caras com sessões regulares de malhação. Entretanto, uma única dose também acarreta vantagens, embora efêmeras. Numa pesquisa ainda não publicada, Hanna Karen recrutou voluntários entre 18 e 25 anos e os submeteu a diferentes tipos de treinamento (de moderados e longos a curtos e estafantes). Com base em testes cognitivos realizados antes, logo após a prática e meia hora depois, ela observou que todos ficaram, digamos, mais espertos em comparação com quem permanecia imóvel.
“Me surpreendeu o fato de que até os exercícios bem cansativos trouxeram benefícios”, conta a educadora física. E, aqui, pedimos um momento da sua atenção para o depoimento pessoal de um especialista: “Nos dias em que treino, tenho a impressão de alcançar um nível de alerta bem maior”, diz Caramelli. “Já ouvi muitos pacientes com histórico de Alzheimer na família dizerem o mesmo”, completa.
Veja também

Por dentro do cérebro malhado
Aquela história de que o número de neurônios não muda na fase adulta é balela. E as aulas de ginástica são prova disso. “Elas fazem aumentar a quantidade de células nervosas no cérebro“, atesta Sonia Brucki, neurologista da Universidade de São Paulo. Além disso, essas unidades passam a receber um aporte sanguíneo extra e ganham ramificações para se comunicarem com eficácia. São mudanças que ajudam a explicar o fato de o sedentarismo ser o terceiro maior fator de risco passível de intervenção para demências, atrás apenas do nível educacional baixo e do tabagismo.
Também não dá para desvalorizarmos os benefícios comportamentais das modalidades esportivas. Disciplina, concentração, resiliência e trabalho em equipe estão entre os valores que auxiliam a sobrepujar desafios mentais. “Só não vale achar que uma corrida substitui a leitura”, brinca Hanna Karen. Não há recorde mundial que garanta, sem um bocado de estudo, uma cabeça realmente ativa. 

Habilidades mais aprimoradas pela atividade física
Controle inibitório
É a capacidade de segurar ímpetos irracionais e a de ignorar estímulos irrelevantes enquanto dedicamos atenção ao que interessa.

Flexibilidade cognitiva
Se uma estratégia não está dando certo ou se surgiu um imprevisto, você consegue se adaptar e resolver o desafio.

Memória
Em primeiro lugar, suar a camisa reforça a memória de trabalho, ou a competência em recorrer a informações já registradas quando elas são vitais para uma tarefa qualquer – você entende o fim do livro porque o começo dele está fresquinho na cabeça. Isso sem contar que ajuda a armazenar lembranças de curto e, em menor escala, de longo prazo.

Treino para os neurônios
De que maneira o esforço físico repercute na massa cinzenta
1. Mexer o corpo eleva a produção de uma molécula batizada de fator neurotrófico derivado do cérebro, conhecido pela sigla em inglês BDNF.
2. O BDNF promove a multiplicação de neurônios e a ramificação dos axônios, facilitando a passagem e o armazenamento de informações.
3. Outra substância produzida em maior escala ao suarmos a camisa atende pelo nome de fator de crescimento endotelial vascular, ou VEGF.
4. Como no resto do corpo, o VEGF fomenta a criação de vasos na cabeça. Eles, então, abastecem as células nervosas com sangue suficiente para atuarem a pleno vapor.


Fonte: http://saude.abril.com.br/fitness/atividade-fisica-turbina-o-cerebro/ - Por Theo Ruprecht  - Grivina/iStock

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

10 dicas simples que te ajudarão a emagrecer

Mudar alguns hábitos simples na cozinha irão ajudar você a perder peso mais rápido e com saúde

Ao tomar a decisão de perder peso é preciso ter consciência de que essa mudança requer muita disciplina e dedicação. Por isso, mudar alguns hábitos da sua rotina ajudarão você a obter os resultados de forma mais rápida e com saúde. Para ajudar nessa tarefa, nós selecionamos 10 coisas que você pode modificar na sua cozinha para emagrecer. Confira:

1- Deixe as frutas e vegetais mais acessíveis na geladeira
Lavar, cortar e armazenar produtos como uvas, melões, morangos, cenouras, beterrabas e aboboras em recipientes reutilizáveis na geladeira para que eles sejam fáceis na hora que a fome bater. Certifique-se de que eles estão bem na frente do nível dos olhos, então eles serão a primeira coisa que você verá quando abrir a porta da geladeira.

2- Prepare um grande recipiente de salada
Invista em comer a salada antes da refeição, isso evitará que você exagere no prato principal. Contudo, preparar a salada todas as noites leva tempo e sempre parece tentador pular esse afazer. Portanto, faça uma enorme tigela de verduras no início da semana, assim você irá poupar tempo e garantir que irá comer a salada todos os dias.

3- Tenha utensílios de medição no balcão
Medir os alimentos antes de prepara-los manterá as porções menores, um dos principais motivos pelo qual as pessoas têm dificuldade em perder peso é a falta de controla na hora da alimentação. Manter os medidores à vista será um lembrete para não esquecer de usá-los.

4- Deixeis lanches saudáveis já preparados
Sabemos o quão difícil é resistir a um pacote de bolachas ou salgadinhos, basta comer a primeira porção para saber que logo você acabará comendo até acabar. Para não cair nessa tentação, deixe já preparado seus lanches saudáveis favoritos, como nozes, queijos e frutas frescas. Faça alguns pacotes de lanches de 100 a 150 calorias e mantenha em seu armário para comer sempre que a fome aparecer.

5- Congele frutas e vegetais
Uma excelente dica para facilitar sua vida e ajudar a emagrecer é comprar sacos maiores de frutas e vegetais. Lave, corte e guarde-os em potes no congelador. Assim você não só economizará dinheiro quando comprar em grandes quantidades, mas também os terá disponível para adicionar em suas vitaminas, iogurtes, sucos, sopas e omeletes.

6- Deixe os sucos e vitaminas congelados
Com a rotina agitada muitas pessoas acabam pulando o café da manhã, porém por ser a refeição mais importante do dia ela precisa de atenção. Para descomplicar sua vida durante a manhã, basta preparar dias antes sacos de frutas e legumes já batidos no liquidificador. Então, ao acordar em uma manhã corrida, basta esvaziar o conteúdo no liquidificador e adicionar água, assim você terá uma refeição com baixo teor calórico, fibras e proteínas.

7- Livre-se de alimentos pouco saudáveis
A dieta pode ser ainda mais difícil quando as pessoas da sua família não estão juntas com você nessa, por isso as lata de refrigerante, potes de sorvete ou chocolates sempre estão ao seu alcance e isso facilita as recaídas. Para acabar com esse problema, deixe esses alimentos mais escondidos ou apenas se livre deles, desta forma você não ficará mais tentado a comê-los.

8- Use pratos menores
Como já dito anteriormente, uma das melhores dicas para perder peso é controlar as porções que você come. Quando preenchemos todo o prato com comida, sentimos a obrigação de comer tudo, isso porque o desperdício de alimentos também não é um bom hábito. Por isso, é indicado que você troque o tamanho do seu prato, assim diminuirá também a quantidade de alimentos que consome.

9- Faça receitas maiores que possam ser guardadas
Se você está fazendo sopa, vegetais assados, hambúrgueres caseiros ou qualquer outra coisa para o jantar, saiba que não basta fazer o suficiente para uma refeição. O ideal é que você faça receitas maiores que poderão ser guardadas em recipientes, podendo ser facilmente consumidas nas refeições dos próximos dias. Assim, se o seu almoço ou jantar já estiver preparado, você não terá que recorrer para alimentos industrializados.

10- Guarde restos dos alimentos na geladeira antes de iniciar uma refeição
Depois de cozinhar um incrível almoço ou jantar saudável, sirva-se um tamanho de porção apropriado, depois cubra-o e coloque restos na geladeira. Se você deixar os alimentos dentro da sua visão é muito provável que volte para comer novamente, mesmo sendo desnecessário.


domingo, 13 de agosto de 2017

Quer viver sete anos a mais e envelhecer de forma saudável?

Sete anos... onde você quiser

Em seus 50 anos, as pessoas na faixa de peso normal para sua altura, que nunca fumaram e bebem com moderação têm uma expectativa de vida sete anos mais longa do que a média. As deficiências tipicamente associadas com a velhice também surgem com um retardo de até seis anos.

Estes são os resultados de uma pesquisa realizada pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan, nos EUA. Atualmente, a expectativa de vida naquele país é de aproximadamente 78 anos para homens e 82 para mulheres, mas para este grupo de baixo risco essas idades mudam: são 85 e 89, respectivamente.

"É importante convencer as pessoas a melhorarem esses comportamentos, não só para terem uma vida mais longa, mas para ter uma vida longa sem deficiências," disse o professor Neil Mehta. "E, em uma perspectiva social, cuidar de indivíduos com deficiência é muito 'caro'. Além disso, nosso estudo mostra que os comportamentos de risco aumentam significativamente o ônus da incapacidade precoce".

Combinação de fatores

Enquanto pesquisas anteriores se concentraram no impacto sobre a expectativa de vida dos comportamentos individuais, a equipe de Mehta se concentrou no efeito dos três fatores combinados.

Os pesquisadores definiram a categoria de baixo risco como aqueles que nunca fumaram, bebem moderadamente - no máximo 14 doses semanais para homens e 7 doses semanais para mulheres - e apresentam um índice de massa corporal menor que a classificação para obesos (30+) - ou seja, aqueles que seriam considerados normais e um pouco acima do peso (18,5 - 29,9 IMC).

Infelizmente, disse Mehta, as pessoas que evitaram esses comportamentos nocivos não fazem parte da norma: "Oitenta por cento [dos norte-americanos] em seus 50 anos, já fumaram ou foram obesos. Isso é um dado alarmante. Nosso estudo fala sobre a importância da prevenção na saúde comunitária e nas políticas públicas".

Nunca é tarde

Embora o estudo não tenha se empenhado em analisar o que acontece quando as pessoas mudam um ou mais dos comportamentos, a equipe descobriu que as pessoas não obesas que deixaram de fumar por 10 anos antes do estudo e que bebiam moderadamente não tinham problemas gerais e de incapacidade - e a expectativa de vida foi apenas um ano menor do que as pessoas não obesas que nunca fumaram e eram bebedoras moderadas.

"Há evidências de que você ainda pode fazer muito para melhorar sua saúde, mesmo que você tenha esses fatores de risco em algum momento. Nós fizemos um ótimo trabalho com a cessação do tabagismo, mas não está claro onde estamos indo com a obesidade," disse Mehta.


O que o filho pensa do pai

Aos 7 anos: Papai é um homem sábio, sabe de tudo...

Aos 14 anos: Parece que o Papai se engana em certas coisas que diz...

Aos 20 anos: Papai está um pouco atrasado em suas teorias, não são desta época...

Aos 25 anos: O “velho” não sabe nada, está caducando, decididamente...

Aos 35 anos: Com a minha experiência, meu Pai nesta idade seria um milionário...

Aos 45 anos: Não sei se consulto o “velho” neste assunto, talvez me pudesse aconselhar...

Aos 55 anos: Que pena ter morrido o "velho"; a verdade é que tinha umas ideias e umas clarividências notáveis...

Aos 60 anos: Pobre Papai! Era um sábio... Como lastimo tê-lo compreendido tão tarde.

Autor desconhecido


Não espere tanto tempo para compreender e amar o seu pai do jeito que ele é. Aproveite enquanto ele está com você para demonstrar o quanto significa na sua vida. Amanhã pode ser tarde demais.

sábado, 12 de agosto de 2017

8 alimentos que baixam a pressão

Um copo de suco de beterraba aqui, umas colheradas de iogurte ali... Investir em medidas simples e - por que não? - gostosas pode ser o suficiente para barrar a hipertensão e controlar seus estragos

1. Ovos
Ao contrário da gema, essa parte do alimento não tem colesterol. Só que essa não é sua única vantagem, como apontam pesquisadores da Universidade Jilin, na China. Eles descobriram que a clara tem boas doses de um peptídeo capaz de inibir uma enzima cuja tarefa é formar a angiotensina - substância que contribui para o estreitamento dos vasos e a elevação da pressão. A ação seria similar à do captopril, medicamento usado com a mesma finalidade. Infelizmente, a análise não se dedicou a avaliar a melhor forma de consumo - ovos ou cápsulas com o peptídeo? De qualquer maneira, a revelação empolga. "Quanto mais natural for o tratamento, melhor", opina Heno Lopes, cardiologista do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo (Incor).
Dica de consumo - Dá para fazer ovo mexido só com a clara ou usá-la em uma omelete com legumes. Mas atenção: apesar de não haver restrição de consumo, ela tem muita proteína. O exagero diário pode, portanto, sobrecarregar os rins.

2. Suco de beterraba
Em estudos anteriores, cientistas da Universidade Queen Mary, no Reino Unido, mostraram que essa receita conseguiu derrubar a pressão em indivíduos que não penavam com o problema. Agora, notaram que o benefício é até mais expressivo em quem já tem hipertensão. Dos 15 pacientes que participaram da nova análise, aqueles que tomaram 250 mililitros de suco de beterraba viram a pressão sistólica despencar cerca de 10 mmHg - isso significa que, se uma pessoa tem pressão de 140 por 90 mmHg, ao tomar o refresco a medida cairia para 130 por 90 mmHg. "O vegetal é fonte de nitrato, substância precursora de óxido nítrico, um potente vasodilatador natural", explica a nutricionista Regina Pereira, da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp). Além disso, carrega potássio e flavonoides, dupla que favorece a derrocada da pressão.
Dica de consumo - Na investigação, o refresco foi feito com duas beterrabas. Se preferir, você pode usar o vegetal em sanduíches e saladas. "É melhor optar pelo alimento cru porque o cozimento causa perdas nutricionais", aconselha Regina. Só não vale abusar. "Há evidências de que o excesso de nitrato é tóxico", salienta a nutricionista.

3. Uva-passa
Vem do Centro de Pesquisa em Aterosclerose e Metabolismo de Louisville, nos Estados Unidos, um experimento que associou a ingestão de passas a uma redução na pressão de pessoas pré-hipertensas. "Isso talvez seja mérito dos polifenóis, antioxidantes detectados na casca do alimento", supõe Heno Lopes. Em análise na também americana Universidade de Connecticut, a uva natural, sem ser desidratada, se mostrou igualmente benéfica. "Demos aos voluntários dois copos da fruta fresca por dia", conta Jacqueline Barona, cientista de alimentos da instituição.
Dica de consumo - A fruta in natura tem mais água do que as passas. Estas, portanto, são menores, o que pode culminar no consumo exagerado. O perigo é que em 100 gramas há 270 calorias. Moral da história: pare na segunda colher de sopa.

4. Nozes
A relação entre elas e o controle da hipertensão ainda gera bafafá. No entanto, em um recente ensaio clínico com mais de 7 mil pessoas, o uso das nozes e de outras oleaginosas, como amêndoas e avelãs, ajudou, sim, a evitar os picos de pressão. "Provavelmente porque são cheias de polifenóis e de ácido alfalinolênico, uma versão do ômega-3", especula o estudioso Emilio Ros, da Universidade de Barcelona, na Espanha. Cabe frisar que toda essa turma seguia a dieta mediterrânea, abastecida de outros itens saudáveis.

5. Feijão
Experts da Universidade de Toronto, no Canadá, recrutaram portadores de diabete do tipo 2 para comer uma xícara diária de leguminosas, a exemplo do feijão - ou seja, nenhum sacrifício. Surpreendentemente, a intervenção não só melhorou os níveis de açúcar correndo pelo sangue como também aliviou as artérias tensionadas. "O feijão possui baixo índice glicêmico, prevenindo os picos de glicose. Com isso, também fica mais fácil controlar a pressão", raciocina Camila Torreglosa, nutricionista do Hospital do Coração, na capital paulista.
Dica de consumo - Ao preparar o feijão, abra mão de temperos industrializados, lotados de sódio (no quadro da página ao lado, contamos por que ele deve ser usado com parcimônia). Experimente refogá-lo com alho e cebola e adicionar ervas.

6. Iogurte
Durante o último encontro da Associação Americana do Coração, um curioso elo foi apontado por pesquisadores da Universidade Tufts, nos Estados Unidos. Após avaliar os hábitos alimentares de 2 mil pessoas por 15 anos, eles perceberam que consumir potinhos de 200 gramas de iogurte com baixo índice de gordura a cada três dias poderia reduzir em 31% o risco de desenvolver hipertensão. Para a nutricionista Regina Pereira, da Socesp, a explicação está no cálcio. "Na sua ausência, há aumento na concentração de vitamina D. Isso sinaliza para o corpo que é preciso preservar o pouco cálcio que resta", informa. O problema é que, aí, ele adere à parede dos vasos, gerando um aumento da pressão lá dentro. Para escapar de desastrosas consequências, é só caprichar na ingestão de lácteos magros.
Dica de consumo - "Em vez de simplesmente acrescentar o iogurte à dieta, é importante que ele substitua algum item calórico ou pouco saudável", ensina Huifen Wang, pesquisadora da Universidade Tufts

7. Maneire no sal de cozinha
Não adianta se refestelar de feijão, beterraba e companhia sem moderar em itens que nos deixam à mercê da hipertensão. Um que merece destaque é o sódio, principal componente do sal. Por reter água, ele faz o volume de sangue no interior das artérias aumentar. Com isso, a pressão decola. As gorduras, sobretudo as saturadas, também representam perigo. "Elas se depositam na parede das artérias, endurecendo-as e dificultando o fluxo de sangue", explica o cardiologista Carlos Alberto Machado.

8. Chocolate
Uma revisão de 20 trabalhos científicos, com mais de 800 participantes, concluiu que o doce contendo de 50 a 85% de cacau faz a pressão cair cerca de 3 mmHg. Basta se deliciar com um quadrado ou, no máximo, uma barrinha. "Os flavonoides do cacau propiciam a formação de óxido nítrico, que, por sua vez, relaxa os vasos sanguíneos", descreve Karin Reid, diretora de pesquisa do Instituto Nacional de Medicina Integrativa, em Melbourne, na Austrália. Segundo ela, os resultados reforçam as evidências de que uma dieta rica nessas substâncias - que também estão no chá-verde, no vinho e nas frutas vermelhas - protege o coração.
Dica de consumo - Os trunfos do chocolate são decorrentes da presença de cacau, visto em abundância na versão amarga. Por isso, maneire nos chocolates branco e ao leite, pobres no ingrediente que derruba a pressão.

9. Chá verde
De fato, a bebida, abastecida de polifenóis, é aliada contra a hipertensão. A prova está na tese de doutorado de Lívia Nogueira, apresentada no programa de pós-graduação de Fisiopatologia Clínica e Experimental da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Depois de dar três cápsulas do extrato - o equivalente a três xícaras de chá - a mulheres quase hipertensas todos os dias, por quatro semanas, ela observou uma baixa significativa na pressão arterial. "O ponto positivo é que o chá tem poucas calorias", analisa Antônio Felipe Sanjuliani, coordenador da disciplina e orientador do trabalho. Só que goles em demasia podem ser tóxicos para o fígado. Logo, nada de trocar xícaras por jarras.

Dica de consumo - Quem é muito sensível à cafeína, outra substância do chá-verde, deve recusá-lo à noite para não ter o sono prejudicado. Tem mais: evite bebê-lo muito perto das grandes refeições, pois ele atrapalha a absorção de ferro. Por fim, para garantir o total aproveitamento dos compostos bioativos, consuma após o preparo, quente ou gelado.

10. Panela de pressão
A cada dois minutos, uma pessoa morre em decorrência de males cardiovasculares no Brasil. Por trás do número indiscutivelmente alarmante, muitas vezes se esconde a hipertensão, um problema pra lá de traiçoeiro, porque é capaz de permanecer anos sem dar sinais. Ainda bem que, detectada precocemente, a situação não exige medidas drásticas. Muito pelo contrário: elas podem até ser saborosas, como pesquisas recentes têm comprovado ao relacionar certos alimentos a um menor aperto nos vasos sanguíneos.
Em alguns casos, o efeito pode parecer pouco significativo. Mas não se engane. "Pequenas reduções na pressão já têm grande impacto no organismo", avisa Carlos Alberto Machado, diretor de promoção de saúde cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a SBC. "Quando a pressão sistólica cai só 2 milímetros de mercúrio (2 mmHg), há uma diminuição de 10% no risco de morte por derrame e de 7% por infarto", exemplifica. Daí a importância de prestar atenção ao que vai no prato. Isso vale até para quem não é hipertenso, porque zelar pelas artérias torna muito mais longo o caminho que leva à doença. Destacamos oito companheiros nessa empreitada. Eles vão garantir que ela seja bem menos árdua


Fonte: http://saude.abril.com.br/bem-estar/8-alimentos-que-baixam-a-pressao/ - Por Redação M de Mulher  - Getty Images

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Melhores exercícios para eliminar a barriga

Veja quais exercícios fazer, até mesmo em casa, para perder a barriga

Corrida – a corrida é um dos melhores exercícios para perder barriga em casa, em uma hora deste exercício é queimado até 900 calorias. Quando digo ‘em casa’ quero dizer que você não precisa frequentar uma academia para isso.É importante salientar que você deve mudar o ritmo da corrida para haver esta queima. Quando se corre no mesmo ritmo por muito tempo o corpo entra na zona de conforto, e logo a queima é feita de forma mais lenta.Variando a velocidade não há momento de conforto, ou seja, a queima fica acelerada durante toda a corrida.

Spinning – este é o melhor exercício para perder barriga na academia, é um dos campeões em queima de calorias. A perda de calorias em uma hora de aula pode variar em torno de 600 a 900.

Natação – nadar é um esporte muito prazeroso de praticar. Sabe-se que uma hora de natação pode queimar até 500 calorias.

Andar de Bicicleta – é um exercício divertido e, além disso, ainda ajuda a perder barriga rápido. Pedalando por uma hora o gasto é de 300 calorias em média.

Como perder gordura abdominal e definir o abdômen
Citamos acima apenas exercícios aeróbicos para perder barriga, visto que antes de fazer uma musculação para ganhar massa e definir o corpo, você precisa primeiro perder peso. Existem alguns que podem ser feitos dentro de casa, abaixo listo alguns.

Na academia é o local mais indicado pra quem quer perder barriga. Por nela conter uma diversidade muito grande de aparelhos e pelo acompanhamento de um profissional. Na academia você pode intercalar exercícios aeróbicos com anaeróbicos, ou seja, faça um pouco de corrida, depois um exercício de musculação, faça um pouco de bicicleta e depois mais um exercício de musculação e assim sucessivamente. O gasto calórico é bem maior, além disso, ganhará definirão e resistência nos músculos.

Como perder barriga

Procure um professor de educação física que ele saberá indicar os melhores exercícios e as melhores formas de executá-los para chegar no seu objetivo.

Para perder a barriga com exercícios, o abdominal é uma ótima opção, ele ajuda na definição do abdômen e pode ser feito para definir toda a região da barriga. Já a não trabalha só a região do peito e tríceps, mas também a parte abdominal. O exercício é bem fácil de fazer, não é o bicho de sete cabeças que pensamos.

Existe um exercício muito praticado pelos homens já que demanda maior força não só no abdômen, mas também nos braços e pernas, é a prancha no solo, este exercício trabalha todos os músculos do abdômen.

Nele você deve ficar no chão de barriga para baixo com o corpo apoiado nos antebraços e nos pés, o corpo deve ficar o mais ereto possível e você deve manter a posição pelo máximo de tempo que conseguir. Esse é um ótimo treino para perder barriga.


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Este é o melhor conselho para prolongar a vida da bateria do seu celular

A vida útil da bateria de um celular em qualquer dia depende de dois fatores-chave: como nós o usamos nesse dia específico, e como o usamos no passado.

Os celulares são equipados com baterias de íon de lítio. Os íons movem-se para dentro e para fora de eletrodos individuais, fazendo-os expandir e contrair fisicamente.

Infelizmente, esses processos não são completamente reversíveis, e as baterias perdem sua capacidade de carga à medida que o número de ciclos aumenta (ou seja, quanto mais velho um dispositivo, e quanto mais vezes nós o carregamos, menos poder de bateria ele tem).

O problema

As baterias típicas deveriam reter 80% da capacidade de carga após 300 a 500 ciclos de carga/descarga. No entanto, as baterias raramente produzem esse nível de desempenho, com a capacidade de armazenamento às vezes reduzida a níveis de 80% dentro de apenas 100 ciclos.

Felizmente, podemos ampliar essa capacidade futura através de alguns passos simples.

Não deixe o celular descarregar completamente

Com a maior parte da degradação da bateria ocorrendo durante os ciclos de carga/descarga profunda, é melhor limitar a descarga da bateria durante um ciclo antes de carregá-la novamente.

Ou seja, para maximizar a capacidade da bateria no futuro, devemos evitar que ela chegue a marca de 0% antes de recarregar o celular.

Temperatura

A gama na qual as baterias de íons de lítio podem ser armazenadas para manter sua capacidade ideal a longo prazo é de 0 a 45° C.

Abaixo de 0° C, a quantidade de energia disponível no sistema da bateria é reduzida devido a uma restrição no movimento dos íons de lítio dentro dos eletrodos. Na maior parte do Brasil, isto não é um problema, pois as temperaturas não ficam assim tão baixas.

Acima de 45° C, a quantidade de energia disponível é melhorada em comparação com temperaturas mais baixas. No entanto, a degradação da bateria também é muito acelerada, portanto, durante um longo período de tempo, sua capacidade de armazenar será reduzida.

Como resultado, os celulares devem ser mantidos fora da luz solar direta por períodos prolongados, especialmente no verão.

Uso de aplicativos

Aaron Carroll e Gernot Heiser do Data61 analisaram o consumo de energia de diferentes componentes dos smartphones em uma variedade de cenários típicos.

Eles concluíram que existem estratégias simples que podem ser usadas para preservar a vida útil da bateria:

Reduza o brilho da tela. A maneira mais fácil de conservar a vida útil da bateria mantendo a função completa do celular é reduzir o brilho da tela.
Desligue a rede ou limite o tempo de conversação. Os celulares usam o “Sistema Global para Comunicações Móveis” (GSM) para se comunicar à rede. O GSM é o componente mais dominante que consome energia em um celular.
Use Wi-Fi, não 4G. O Wi-Fi gasta até 40% menos de energia que o 4G para navegação na internet.
Limite exibições de vídeo. O processamento de vídeo é uma das operações que consome mais energia em um dispositivo móvel.
Ligue modos de economia de bateria. Todos os dispositivos móveis modernos possuem um modo de economia de bateria.
Use o modo avião. Este modo geralmente desabilita funções GSM, Wi-Fi, bluetooth e GPS em seus dispositivos. Ao desligar essas funções auxiliares, o dispositivo usará apenas até 5% do seu consumo de energia usual com a tela desligada. Em comparação, apenas deixá-lo ocioso gasta mais de 15%. [ScienceAlert]