segunda-feira, 18 de março de 2013

Atenção para os riscos do uso indiscriminado de remédios

O uso descontrolado de medicamentos, em vez de tratar um problema, pode resultar em outros

No Brasil, o abuso de remédios e a automedicação é uma realidade que chega a ser cultural. Basta sentir uma dorzinha de cabeça, na coluna ou um resfriado, que a maioria das pessoas recorre à velha maletinha recheada de remédios para os mais variados sintomas.

O alívio rápido da dor e do mal estar é sem dúvidas mais cômodo do que correr para o hospital ou marcar uma consulta a cada sintoma de doença, mas o problema reside no fato de que o uso indiscriminado de remédios pode desencadear problemas como dependência, superdosagem e até mascarar problemas graves de saúde.

Pessoas que sentem dores de cabeça constantes e tomam remédios com frequência, por exemplo, podem estar ignorando um sinal do corpo de que algo não anda bem. Por isso, além de tomar o remédio que proporcione o alívio, é recomendado marcar uma consulta com um especialista para investigar a causa das dores, que em casos mais graves pode ter relação com aneurismas e até tumores.

A grande disponibilidade de remédios que são vendidos em farmácias e drogarias sem a necessidade de prescrição médica, colabora com o aumento do problema. Entre os mais vendidos estão a dipirona, o paracetamol, a aspirina e o ibuprofeno. E os problemas mais comuns são dores de cabeça, no corpo e no estômago, febres, resfriados e cólicas.

Outro problema grave é administrar diferentes tipos de remédios ao mesmo tempo, o que pode fazer com que um interfira na ação do outro, causando danos ao organismo e até anulando o efeito esperado. Isso ocorre principalmente com idosos que precisam tomar remédios para pressão, controle de diabetes, memória e vitaminas para os ossos, tudo ao mesmo tempo.

Para se precaver de possíveis riscos, a leitura da bula é indispensável antes de tomar qualquer tipo de medicamento. Além de suas indicações, é preciso ficar atento às contraindicações quanto ao uso prolongado, superdosagem e até os alimentos e bebidas que não podem ser consumidos durante a administração. A aspirina, por exemplo, pode provocar hemorragias, e é contra-indicada em casos de dengue. Já o paracetamol, não pode ser administrado por mais de cinco dias em crianças e mais de 10 dias em adultos.

E não são apenas os remédios vendidos em farmácias e drogarias que podem ser nocivos. Os manipulados também podem esconder riscos e causar efeitos colaterais, pois suas fórmulas misturam diferentes substâncias que podem afetar várias partes do organismo, como por exemplo os rins, no caso das fórmulas emagrecedoras que contêm altas doses de diurético.

Quem possui alguma patologia ou é alérgico a algum medicamento deve redobrar a atenção e sempre informar ao médico durante a consulta, qualquer reação alérgica ocorrida quando da utilização de algum medicamento, o que ajuda o médico a evitar remédios com substâncias semelhantes.

Não tenha dúvidas de que a melhor opção é se prevenir contra os problemas causados pelo uso abusivo de remédios é utilizar apenas o que for indicado por seu médico, na quantidade e nos horários por ele indicados, afinal, não faz o menor sentido tratar um problema ao mesmo tempo em que desenvolve outro.


4 comentários:

  1. http://www.magroparasempre.com/infopage.aspx?pack=mps&cid=320507&ad=XX

    ResponderExcluir
  2. Muito obg ajudou demais!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado ajudou para o dever de casa :) .

    ResponderExcluir
  4. Me respodem por favor o uso ecessivo de remdios controlados causam oque?

    ResponderExcluir