quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Ainda não encontrou o exercício ideal? Saiba o que está bombando nas academias


Ao primeiro sinal de calor, você calça seu tênis, se matricula na academia e se empolga para suar o top e perder alguns quilinhos. Quem nunca se jogou em um projeto verão que “foi bom enquanto durou” e só voltou na academia para a próxima temporada de calor? Que tal aproveitar essa pilha, aliar os objetivos estéticos com os cuidados com a saúde e dar continuidade na prática de atividades físicas?

Se você encontrar uma modalidade pela qual se apaixone, essa ideia não é tão difícil assim. Para o coordenador fitness da BodyTech, Diego Rouxinol, aí está o segredo para seguir se exercitando mesmo após o projeto verão:

– É importante entender que a gente precisa, obrigatoriamente, estar em movimento. Cada vez mais nosso estilo de vida é sedentário, por isso devemos resgatar esse movimento. Fazer uma atividade física diariamente melhora a qualidade do sono, desestressa, ajuda tanto a saúde física quanto a emocional.

Com o objetivo imediato de perda de peso, as modalidades aeróbicas são as queridinhas de quem está chegando agora às academias: ajudam a queimar calorias e, aliadas a uma dieta saudável, permitem um shape mais enxuto logo nas primeiras semanas. Se puder aliar o treino cardiovascular com um treino de força, melhor ainda:

– Além de proteger e fortalecer toda a musculatura, o exercício de força ainda evita que você perca massa magra durante o emagrecimento, o que ajuda a manter a forma conquistada. Um dos maiores fatores motivacionais para as pessoas não pararem de fazer atividade física é ver o resultado – explica Franciely Kunzler, educadora física da Bio Academia.

Diego, Franciely e Andrea Silveira da Fontoura, professora da INEEX Academia, apontam as modalidades mais procuradas para o projeto verão – e listam motivos para você seguir com a prática, mesmo quando os dias de calor ficarem para trás.

Bike hiit
Uma aula de bike com características do treino intervalado de alta intensidade, a Bike HIIT proporciona alto gasto calórico em pouco tempo de execução: em menos de 30 minutos de pedalada, sua frequência cardíaca pode chegar a 90%. Isso faz com que seu corpo continue queimando calorias mesmo depois do exercício.

– Vários estudos mostram que um treino intervalado de alta intensidade promove os mesmos benefícios que uma atividade com mais duração – explica Diego Rouxinol.

Pessoas saudáveis podem praticar sem problema, mas Diego alerta para quem tem fator de risco para doenças cardiovasculares. Nesses casos, recomenda-se procurar um cardiologista para receber liberação para a prática.

– Vale lembrar que o indicado é investir na modalidade no máximo três vezes por semana: por ser de alta intensidade, seu corpo precisa de um tempo maior de recuperação. Nos outros dias, se quiser, pode fazer uma atividade menos intensa – destaca Diego.

Benefícios

Além de auxiliar no processo de emagrecimento e deixar com um shape bacana para o verão, a atividade é indicada para quem não tem muito tempo para a academia. Com a prática contínua, Diego aponta a melhora da capacidade de resistência para atividades cotidianas, como subir escadas ou fazer compras no mercado:

– Além disso, pedalar em num protocolo de treino intervalado de alta intensidade aumenta o condicionamento cardiorrespiratório, importante para prevenir doenças como hipertensão e diabetes.

Power jump
Uma das modalidades mais populares nas academias, o Jump é uma mistura de coreografias musicais e exercícios em uma cama elástica. As aulas de alta intensidade têm duração de uma hora e são uma boa alternativa para quem busca a queima calórica e o emagrecimento a curto prazo, como explica Franciely Kunzler:

– A não ser que a pessoa tenha alguma lesão ou proibição médica, o jump é para quase todo mundo. Apenas mulheres grávidas ou quem tem crises de labirintite não tratadas têm restrições.

Benefícios

A curto prazo, é possível ver a silhueta mais enxuta, já que a queima calórica é alta. Mas a movimentação traz vantagens para várias áreas do corpo.

– O jump auxilia na circulação e, com a prática contínua, em pouco tempo já é possível reparar na diminuição da celulite – afirma Franciely.

A médio prazo, a personal trainer aponta a melhora na qualidade de vida como principal fator para você insistir na prática: a saúde melhora como um todo, você dorme melhor, passa a se alimentar com mais qualidade e se sente incentivada a colocar os exames em dia.

– Além disso, estudos mostram que o jump aumenta a massa óssea, principalmente do quadril. Fazer jump desde cedo é uma maneira de minimizar a perda natural de massa óssea e ter mais qualidade de vida lá para frente – diz Franciely.

Dance mix
Para quem quer aliar o trabalho cardiovascular a uma hora divertida e descontraída, vale experimentar a aula de Dance Mix. Com coreografias de diferentes gêneros musicais, a promessa é fugir da monotonia e queimar calorias.

– É uma modalidade leve, em uma graduação de intensidade que vai de baixa para moderada, mas com um gasto calórico interessante. Para quem está parada há muito tempo, é uma boa maneira de voltar a se exercitar: apesar de ter coreografia, a aluna é bem livre para seguir no seu próprio ritmo – explica Andrea Silveira da Fontoura, que lembra que pessoas com labirintite devem tomar cuidado com certos movimentos de mudança de direção, por exemplo.

Benefícios

Andrea explica que o gasto energético varia de acordo com a pessoa, mas vem acompanhado de coordenação e mobilidade: enquanto perde peso, você também aprimora a execução dos movimentos.
– Em pouco tempo, já é possível, também, perceber a melhora do condicionamento respiratório e uma retomada da consciência corporal, importante para o próprio exercício. Os benefícios em seguir com a prática são a melhora na composição corporal e no condicionamento – explica.

Running class
A corrida é uma velha conhecida de quem quer entrar em forma, ganhar condicionamento físico e queimar bastante calorias. Para quem gosta de correr, mas busca uma atividade coletiva para dar um gás no projeto verão, vale conhecer a running class, uma aula coletiva de corrida na esteira, com orientação de um professor.

– O profissional ajuda a otimizar o treino em questões como velocidade, inclinação e tempo. Além disso, o fato de ser em grupo tem um elemento motivacional para muita gente. Você não se distrai e foca o máximo na prática – aponta Andrea.

A prática pode ser feita por qualquer um, porque o próprio aluno que determina a intensidade do exercício. Mas vale ficar atenta: quem tem alguma lesão muscular em fase aguda com relação à dor deve evitar a corrida.

Benefícios

Nas primeiras semanas, você já pode ver o ponteiro da balança reduzir – o que pode ser animador para seguir em frente com o exercício. A médio prazo, já se poderá observar uma melhora na passada, no condicionamento e no desempenho: você corre mais e não fica tão cansada depois.

– Para quem está interessado em emagrecer e manter o novo peso, a corrida também ajuda nessa mudança da composição corporal. A longo prazo, você percebe que reduziu a gordura e tem alguma melhora muscular nos membros inferiores – explica Andrea Silveira da Fontoura.


terça-feira, 30 de outubro de 2018

Qual é o melhor óleo para baixar o colesterol?


O óleo de canola murcha o "pneuzinho" da cintura, o óleo de peixe previne prejuízos de uma dieta rica em gordura, o óleo de pequi previne e faz regredir o câncer, enquanto o óleo de aveia aumenta a saciedade.

Óleo para baixar o LDL

Se você deseja diminuir seu colesterol LDL (lipoproteína de baixa densidade), ainda rotineiramente chamado de "colesterol ruim", a pesquisa é clara sobre uma coisa: você precisa trocar as gorduras saturadas por gorduras insaturadas.

Mas se você quiser saber qual gordura - ou óleo, ou azeite, como queira - deve usar para refogar seu jantar ou temperar sua salada, essa já é uma pergunta mais difícil de responder.

Muitos dos estudos científicos que estabelecem que as gorduras mono e poli-insaturadas são melhores para os lipídios sanguíneos do que as gorduras saturadas avaliam uma fonte de alimento de cada vez, tornando difícil dizer qual de uma infinidade de óleos vegetais pode ser mais benéfica.

Lukas Schwingshackl, pesquisador do Instituto Alemão de Nutrição Humana, decidiu então deixar a culinária de lado e usar ferramentas estatísticas sofisticadas para reduzir a incerteza sobre o que a montanha de dados na literatura nutricional pode nos dizer.

Ele e seus colegas usaram uma técnica emergente chamada "meta-análise de rede" para extrair informações de estudos científicos já publicados sobre o efeito de vários óleos sobre os lipídios do sangue - sobretudo em relação do LDL e ao HDL.

Os resultados mostraram que os óleos extraídos de sementes são a melhor escolha para pessoas que querem melhorar seu colesterol.

Óleos de sementes

Para contornar o fato de que nunca houve um estudo comparando todos os óleos disponíveis - isso seria virtualmente impraticável e caríssimo -, a equipe de Schwingshackl usou a estatística para combinar óleos e gorduras sólidas umas contras as outras, mesmo que cada uma tenha sido analisada em um estudo diferente.

Por exemplo, suponha que um estudo tenha comparado a manteiga com o azeite de oliva, e outro tenha comparado o óleo de girassol com o azeite de oliva. As abordagens estatísticas da meta-análise permitiram inferir uma comparação quantitativa entre a manteiga e o óleo de girassol. "A beleza deste método é que você pode comparar muitas intervenções diferentes simultaneamente e, no final, você consegue um ranking. Você pode dizer: 'Este é o melhor óleo para este resultado específico'," explicou Schwingshackl.

A classificação final indicou que as gorduras sólidas, como manteiga e banha, são a pior escolha para o LDL. As melhores alternativas são os óleos extraídos de sementes.

"Óleo de girassol, óleo de linhaça, óleo de colza e óleo de cártamo tiveram o melhor desempenho," disse Schwingshackl. "Algumas pessoas dos países do Mediterrâneo provavelmente não ficarão muito contentes com este resultado, porque prefeririam ver o azeite de oliva no topo. Mas não é este o caso."

Estudo difícil

Existe ao menos uma ressalva importante para a pesquisa: Os cientistas avaliaram apenas os lipídios no sangue. "Este não é um problema clínico muito sério," reconhece Schwingshackl. "O LDL é um fator de risco causal para doença coronariana, mas ele não é uma doença coronariana."

No entanto, pode ser difícil conduzir um estudo desses comparando resultados clínicos - para começar, alguém precisaria encontrar voluntários dispostos a comer apenas um tipo de gordura por anos a fio, até que eventualmente os problemas reais de saúde surgissem.


segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Câncer de mama: 12% das mortes seriam evitadas com exercício físico


Um estudo feito em parceria com o Ministério da Saúde e divulgado no Outubro Rosa reforça a importância da atividade física na prevenção do tumor de mama

Estudo revela que uma a cada dez mulheres vítimas do câncer de mama poderiam ser poupadas se praticassem atividades físicas.

Uma pesquisa feita por instituições brasileiras e americanas, em parceria com o Ministério da Saúde, constatou que 12% das mortes causadas pelo câncer de mama no Brasil poderiam ser evitadas caso as mulheres praticassem atividades físicas regularmente. Não é pouca coisa!

Os cientistas começaram enumerando as vítimas desse tumor no nosso país entre 1990 a 2015. Depois, cruzaram esses números com os índices de sedentarismo do país e com outras pesquisas que mostram qual a probabilidade de uma pessoa que faz exercício ter câncer de mama, versus outra que é inativa.

Daí veio a conclusão: se todas as brasileiras ao menos caminhassem meia hora por dia, cinco vezes na semana, uma a cada dez mortes por câncer de mama não teria ocorrido no país. Em 2015, por exemplo, isso representaria 2 075 vidas poupadas.

Além disso, a análise concluiu que 6,5% dos óbitos por essa doença são atribuídos ao consumo de bebidas alcoólicas, ao sobrepeso e a uma dieta rica em açúcar. O impacto é menor do que o do sedentarismo, porém bastante significativo.

“A adoção de um estilo de vida equilibrado evitaria 39% das mortes por doença crônica, que respondem por 76% dos falecimentos no Brasil, sendo a promoção da saúde uma política com baixo custo e com grande impacto populacional”, corrobora Fátima Marinho, diretora do Departamento de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde, do Ministério da Saúde, em nota.

Como as atividades físicas ajudam a prevenir o câncer de mama
No geral, realizar 150 minutos de exercícios por semana ajuda a turbinar a imunidade e amenizar a inflamação do organismo. E isso, por si só, já ajudaria a afastar essa encrenca.

Entretanto, no estudo mencionado acima, os experts citam outras pesquisas que atribuem à atividade física um papel no controle da produção de hormônios femininos, também ligados ao tumor de mama.

Ora, o estrogênio é capaz de estimular a multiplicação de células nas mamas. Se uma dessas é defeituosa, portanto, o excesso desse hormônio facilita sua replicação, dando início a um câncer no local.

Uma vez que fazer academia, pedalar, jogar bola e por aí vai mantém a concentração de estrogênio em níveis mais adequados, o risco da doença cai. Além disso, uma vida ativa diminui a produção de leptina, outra substância liberada no corpo e que, em largas doses, tem sido associada ao câncer na pós-menopausa.

Brasileiras precisam ficar em estado de alerta
A edição de 2017 da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) mostra que 13,9% das mulheres das capitais brasileiras são completamente sedentárias no tempo de lazer. Fora isso, 51,3% se mexe menos do que deveria.

Isso significa que mais da metade da população feminina do país não alcança o equivalente a pelo menos 150 minutos de exercícios moderados ou 75 minutos de atividades vigorosas por semana.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o tumor de mama é o segundo mais comum no sexo feminino, ficando atrás apenas do de pele não-melanoma. Ele corresponde a cerca de 28% dos casos a cada ano. Até o fim de 2018, são esperados 59 700 novos episódios.

Fonte: https://saude.abril.com.br/fitness/cancer-de-mama-12-das-mortes-seriam-evitadas-com-exercicio-fisico/ - Por Maria Tereza Santos - Foto: Gustavo Arrais/SAÚDE é Vital

domingo, 28 de outubro de 2018

Devo tratar a dor nos joelhos com gelo ou calor?


Algumas pessoas que treinam costumam sentir dores no joelho após as atividades físicas. Para tratar este tipo de problema, descubra qual a indicação de um profissional!

Devo tratar a dor nos joelhos com gelo ou calor?

“Em um primeiro momento, nenhum dos dois é tratamento para qualquer tipo de articulação — sejam joelhos, ombros, tornozelos... Eles são apenas coadjuvantes. No caso da dor traumática, o gelo tem a função de ‘esfriar’ o processo inflamatório e diminuir os hematomas, pois causa uma vasoconstrição. Deve ser aplicado por no máximo 20 minutos em intervalos de três a quatro horas. No caso das compressas de água quente, a indicação é 24 a 48 horas depois do trauma para ajudar na reabsorção do hematoma. Na região dorsal, cervical e lombar, o calor pode ser mais tolerável do que o frio. O ideal é consultar um especialista para ter um diagnóstico certo”, recomenda Marcelo Terra, ortopedista e especialista em cirurgia do joelho e medicina esportiva, de São Paulo (SP).

Fonte: https://corpoacorpo.com.br/blogs/mulher-de-corpo/devo-tratar-a-dor-nos-joelhos-com-gelo-ou-calor/12530 - Por Karine César | Foto Getty Images | Adaptação web Ana Paula Ferreira

sábado, 27 de outubro de 2018

Barcelona e Fumaça são os campeões no futsal do Colégio O Saber 2018


No período de 08 de março a 27 de outubro foi realizada a Copinha e a Copa O Saber de futsal masculino, com as participações de 88 alunos do 4º ano do ensino fundamental a 3ª série do ensino médio, distribuídos em 8 equipes e que disputaram 32 jogos.

Pela Copinha, a equipe Barcelona sagrou-se campeã ao vencer o Real Madrid por 5 a 3 na final. Na disputa do 3º e 4º lugar, o Tottenham venceu o PSG pelo placar de 5 a 1.

Pela Copa, a equipe Fumaça conquistou o título ao vencer na final o PSG pelo placar de 3 a 2. Na disputa da medalha de bronze, o Tottenham venceu o Flamengo por 6 a 1.

Willian Santos do Real Madrid e Celso Gabriel da equipe Fumaça foram os goleiros destaques da Copinha e da Copa respectivamente.

Gleydson Costa do Barcelona foi o artilheiro da Copinha com 17 gols e Nathan da Silva foi o artilheiro da Copa com 11 gols.

Os jogos das finais foram realizados no Ginásio Poliesportivo Chico do Cantagalo. As competições foram desenvolvidas pelos professores John Brito e José Costa.

A escola que promove o esporte está oferecendo meios ao aluno de adquirir não apenas saúde, desenvolvimento físico e intelectual, mas também a aquisição de valores que serão úteis no ambiente escolar e por toda a vida.

Por Professor José Costa

Álcool sequestra mecanismos de formação das memórias, aponta estudo


Ao mudar a expressão das proteínas nos neurônios, álcool cria uma necessidade de beber mais apesar de eventuais memórias ruins associadas a ele

Estudo feito por pesquisadores da Universidade de Brown, nos EUA, aponta que o álcool sequestra os mecanismos de formação das memórias e muda a expressão das proteínas nos neurônios, criando uma necessidade de beber mais apesar de eventuais memórias ruins associadas à bebida no passado, como ressacas e acontecimentos desagradáveis.

Segundo o estudo, uns poucos drinques em uma noite já são suficientes para alterar a formação das memórias em nível molecular. As descobertas foram publicadas na Neuron.

Um dos maiores desafios na luta contra o alcoolismo é o alto risco de recaídas, mesmo depois de progressos significativos. Para tentar entender os mecanismos por trás do problema, os cientistas norte-americanos estudaram o cérebro das moscas-de-fruta, cujos sinais de formação de memórias de repulsa e recompensa são muito parecidos aos dos humanos.

Explicando de forma muito simplificada: o cérebro tem mecanismos para nos “premiar” por determinadas ações – fazendo a gente se sentir bem – e nos punir por atos não tão bons – fazendo a gente se sentir mal em relação a eles. São mecanismos talhados pela evolução para nos proteger. No entanto, com as drogas em geral, a coisa não funciona bem assim.

“Uma das coisas que eu queria entender é por que drogas produzem memórias positivas, de recompensa, quando, na verdade são neurotóxicas”, explicou a principal autora do estudo, Karla Kaun. “Todas as drogas de abuso – álcool, cocaína, metanfetamina – têm efeitos colaterais adversos. Elas fazem com que as pessoas sintam náuseas, tenham ressacas. Então, por que as achamos tão boas? Por que lembramos das sensações boas e não das ruins? Meu grupo está tentando entender, em nível molecular, o que as drogas provocam nas memórias e por que elas causam esse desejo incontrolável.”

Uma vez que os pesquisadores consigam entender as mudanças moleculares ocorridas no momento em que esse desejo se forma eles esperam poder ajudar na recuperação de alcoólatras e viciados em outras drogas reduzindo a duração ou a intensidade dessas memórias positivas.

As moscas-de-frutas têm apenas cem mil neurônios, contra cerca de cem bilhões dos seres humanos. A escala menor – e o fato de gerações de cientistas terem desenvolvido ferramentas genéticas para manipular a atividade desses neurônios – transformaram os insetos no modelo perfeito de organismo para que o grupo de Kaun pesquisasse os mecanismos envolvidos na formação de boas memórias em relação ao álcool.

Lançando mão de ferramentas genéticas, os pesquisadores “desligaram” seletivamente alguns genes das moscas, ao mesmo tempo em que ensinaram os insetos onde conseguir álcool com facilidade. Isso permitiu aos cientistas observar as proteínas envolvidas no mecanismo de recompensa.

Uma das proteínas responsáveis pelo gosto dos insetos pelo álcool é conhecida como Notch. Essa proteína é a primeira peça do dominó numa cadeia molecular que envolve o desenvolvimento do embrião, o desenvolvimento do cérebro e as funções do cérebro adulto de humanos e outros animais. Tais cadeias moleculares são similares ao que chamamos de “efeito dominó” – quando a primeira peça cai (neste caso, quando a molécula biológica é ativada) e deflagra a queda de várias outras peças na sequência.

Uma das peças de domino nessa cadeia molecular afetada pelo álcool é um gene receptor de dopamina -ou seja que faz com que uma proteína nos neurônios reconheça o neurotransmissor responsável pela sensação de bem estar. O gene receptor é responsável por classificar uma memória como agradável ou desagradável. E é ai que o álcool atua.

Segundo a pesquisadora, o álcool não “liga” nem “desliga” o gene receptor, nem aumenta ou diminui a quantidade de proteína produzida. Trata-se de algo mais sutil: o álcool altera levemente a versão da proteína produzida. “Não sabemos quais são as consequências biológicas dessa pequena alteração, mas uma das descobertas importantes do estudo é que os cientistas precisam estudar não apenas que genes estão sendo ‘ligados’ ou ‘desligados’, mas de que formas cada gene está sendo ‘ligado’ ou ‘desligado'”, afirmou Kaun, no material de divulgação do estudo.

“Se esse mecanismo funcionar da mesma forma em seres humanos, uma taça de vinho é o suficiente para ativar o mecanismo, mas ele retorna ao normal dentro de uma hora”, explicou a pesquisadora. “Depois de três taças, no entanto, com um intervalo de uma hora entre cada uma, o mecanismo ativado só retorna ao normal depois de 24h. Nós achamos que essa persistência é o que provavelmente provoca as mudanças nas expressões do gene no circuito da memória.”


sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Câncer de mama: quais os principais exames para prevenir a doença


O câncer de mama é o tipo que mais acomete as mulheres em todo o mundo. A taxa de mortalidade, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), é de 24%. Mas se diagnosticado precocemente, as chances de cura são superiores a 90%.

Veja os principais exames que podem ser feitos para prevenir a doença:

Mamografia
– O que é: um exame de imagem que utiliza baixas doses de radiação para obtenção de radiografias da mama. É o principal, o único de rastreamento com comprovação na redução da mortalidade por câncer de mama, através do diagnóstico precoce.
– Como fazer: por uma técnica de radiologia, que posiciona as mamas sobre uma espécie de bandeja acrílica. Após, é realizada compressão da mama por outra bandeja, com o intuito de espalhar o tecido fibroglandular, permitindo a melhor visualização de possíveis lesões.
– Preparo: pede-se que a paciente não utilize desodorantes, cremes ou talcos no dia do exame, tanto nas mamas como nas axilas.
– É dolorido? Pode ser desconfortável para algumas mulheres, mas é rápida e suportável.
– Existe indicação / contraindicação? A mamografia é indicada para rastreamento de mulheres assintomáticas a partir dos 40 anos, segundo o Colégio Brasileiro de Radiologia. Em alguns casos específicos, esse rastreamento pode começar em idades mais jovens. Ela também pode ser indicada para avaliação de alterações palpáveis pelo médico ou mesmo pela paciente, após avaliação profissional. Esse exame não deve ser realizado por pacientes gestantes, salvo quando indicados pelo médico.
– Duração: cada compressão da mama dura segundos e são feitas, inicialmente, quatro incidências mamográficas.
– Tempo do resultado: 4 dias

Tomossíntese
– O que é: também conhecida como mamografia 3D, é um exame avançado, no qual são obtidas diversas imagens da mama em diferentes ângulos, de modo a se obter uma visão tridimensional do órgão, diminuindo os efeitos de sobreposição dos tecidos observada na mamografia 2D.
– Como fazer: assim como a mamografia, é realizado por uma técnica de radiologia. As imagens em série são obtidas em poucos segundos durante a mesma compressão da mamografia 2D. Após a aquisição, tais imagens são enviadas a uma estação de trabalho dedicada, onde serão analisadas por um especialista.
– Preparo: pede-se que a paciente não utilize desodorantes, cremes ou talcos no dia do exame, tanto nas mamas como nas axilas.
– É dolorido? Da mesma forma que a mamografia 2D, pode ser desconfortável para algumas mulheres, mas é rápida e suportável.
– Existe indicação / contraindicação? A tomossíntese pode ser realizada em conjunto com a mamografia 2D por qualquer mulher que faz rastreamento, uma vez que é capaz de aumentar em até 30-40% as chances de detecção do câncer de mama, sobretudo tumores invasivos em mamas densas. Esse exame não deve ser realizado por pacientes gestantes, salvo casos específicos indicados pelo médico.
– Duração: Assim como na mamografia 2D, cada compressão da mama dura poucos segundos e a aquisição sequencial é feita em conjunto as incidências mamográficas convencionais.
– Tempo do resultado: 4 dias

Ultrassom das mamas
– O que é: trata-se de um exame muito conhecido, que se utiliza de ondas sonoras para a obtenção de imagens do parênquima mamário.
– Como fazer: O exame é realizado por um especialista, que avaliará as mamas e axilas com um equipamento de ultrassonografia. Ele é realizado com a paciente deitada em decúbito dorsal (barriga para cima), com as mãos sob a cabeça. É aplicado um gel sobre as mamas para que o transdutor deslize e seja possível a obtenção de imagens.
– Preparo: Não é necessário.
– É dolorido? Não, e não é invasivo.
– Existe indicação / contraindicação? A ultrassonografia pode ser utilizada para avaliação complementar de alterações ao exame clínico do médico, assim como avaliação de lesões observadas na mamografia ou ressonância. Ela também pode ser útil em casos de mamas densas, com o intuito de aumentar a sensibilidade da detecção de lesões da mama assim como método para direcionamento de certos tipos de biópsia. Não há contraindicações.
– Duração: cerca de 15 minutos.
– Tempo do resultado: 2 dias

Ressonância nas mamas
– O que é: trata-se de um exame de imagem que não utiliza radiação ionizante, com sensibilidade muito alta, indicações precisas e habitualmente utilizado como método diagnóstico auxiliar nas doenças da mama.
– Como fazer: esse exame é realizado por um biomédico e a paciente ficará em decúbito ventral (barriga para baixo), com as mamas encaixadas em uma bobina.
– Preparo: a paciente deve estar em jejum de 3 horas e não fazer uso de cremes, desodorantes ou talcos nas mamas e axilas. Para pacientes com mais de 60 anos, cirurgia renal ou alteração da função renal, é necessário resultado recente de creatinina.
– É dolorido? Trata-se de um exame indolor e não invasivo, com necessidade de injeção de contraste endovenoso (gadolínio). A única indicação de exame de ressonância das mamas sem contraste é avaliação de próteses mamárias.
– Existe indicação / contraindicação? As contraindicações incluem àquelas para quaisquer exames de ressonância magnética, tais como marca-passo cardíaco, implantes oculares, cocleares, clipes de aneurisma cerebral, claustrofobia. Pacientes gestantes podem realizar o exame, porém deverão comunicar a equipe.
– Duração: cerca de 20 minutos.
– Tempo do resultado: 7 dias


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Finais da Copinha e Copa O Saber de futsal masculino 2018


Higenamina: Substância banida do esporte encontrada em suplementos


As sementes da flor-de-lótus, a fruta do conde e várias plantas da medicina chinesa contêm higenamina em doses variadas.

Menos de dois anos depois que a Agência Mundial Antidoping (WADA) acrescentou a higenamina à sua lista de substâncias proibidas no esporte, uma equipe internacional de pesquisadores de saúde pública documentou níveis potencialmente prejudiciais do estimulante em suplementos para perda de peso, suplementos para esportistas e energéticos disponíveis comercialmente - todos sem ou com indicação incorreta no rótulo sobre a presença da substância.

Com base nos resultados, os pesquisadores estão pedindo que os consumidores tomem cuidado ao consumir suplementos contendo higenamina, mesmo quando há indicações no rótulo, uma vez que essas indicações são imprecisas.

A higenamina, também conhecida como norcoclaurina, é um composto químico encontrado em uma variedade de plantas, incluindo Nandina domestica (nandina, avenca-japonesa, bambú-do-céu ou bambú-celeste), Aconitum carmichaelii (raiz conhecida como Fu Zi), Asarum heterotropoides (espécie de gengibre conhecido como Xi Xin), Galium divaricatum (parente do café), Annona squamosa (fruta do conde, ata) e Nelumbo nucifera (sementes de lótus).

"Realçamos aos atletas amadores e profissionais, bem como aos consumidores em geral, que pensem duas vezes antes de consumir um produto que contém higenamina," disse o professor John Travis. "Além do risco de doping para atletas, alguns desses produtos contêm doses extremamente altas de um estimulante com segurança desconhecida e potenciais riscos cardiovasculares quando consumido. O que aprendemos com o estudo é que muitas vezes não há como o consumidor saber quanta higenamina há de fato no produto que estão comprando."

O estudo independente foi realizado por pesquisadores da organização global de saúde pública NSF International e da Universidade de Harvard, nos EUA, e do Instituto Nacional de Saúde Pública e Meio Ambiente (RIVM) da Holanda.

Riscos para os atletas e para o coração

Os pesquisadores estudaram 24 produtos rotulados como contendo higenamina - ou os sinônimos norcoclaurina e demetilcoclaurina - e encontraram quantidades potencialmente prejudiciais do estimulante, variando de níveis traço (desprezíveis) a 62 mg por porção.

Dos 24 produtos testados, apenas cinco listaram uma quantidade específica de higenamina no rótulo, e nenhuma dessas cinco quantidades foram precisas. Com base nas instruções de uso, os consumidores podem estar expostos a até 110 mg de higenamina por dia, dizem os pesquisadores.

Os riscos para a saúde da higenamina permanecem pouco compreendidos, mas como um agonista beta-2, ela foi banida do esporte e, portanto, representa um risco para as carreiras dos atletas profissionais.

"Algumas plantas, como a efedrina, contêm estimulantes. Se você tomar muito dos estimulantes encontrados na efedrina, isso pode ter consequências fatais. Da mesma forma, a higenamina é um estimulante encontrado nas plantas," disse o Dr. Pieter Cohen, da Universidade de Harvard. "Quando se trata da higenamina, ainda não sabemos ao certo que efeito altas dosagens terão no corpo humano, mas uma série de estudos preliminares sugerem que ela pode ter efeitos profundos sobre o coração e outros órgãos."


quarta-feira, 24 de outubro de 2018

5 dicas de modalidades que ajudam na queima de calorias mesmo após o treino


Vem ver como é possível manter o metabolismo acelerado com modalidades que ajudam na queima de calorias mesmo após o treino!

Entenda como algumas modalidades podem ajudar na queima de calorias mesmo após o treino

Toda vez que nos exercitamos, o consumo de oxigênio aumenta para suprir as nossas necessidades de energia. Porém, durante a prática de exercícios mais intensos, a utilização dele é tão grande que o metabolismo acelera pra valer e, mesmo depois do fim do treino, o corpo não volta à situação anterior de repouso imediatamente. “Nessas ocasiões, o organismo ainda continua queimando calorias por um bom tempo, mesmo se a pessoa já estiver descansando”, garante Gabriel Signorelli, personal trainer, do Rio de Janeiro (RJ).

Na realidade, esse processo é conhecido entre os profissionais do meio como EPOC, que quer dizer Excess Post-Exercise Oxygen Consumption, ou, em tradução livre, “consumo excessivo de oxigênio após o exercício”. Simplificando, “O EPOC é o intervalo que o organismo leva para se recuperar e retornar aos níveis energéticos de repouso”, explica Raquel Reis, personal trainer, do Rio de Janeiro (RJ). Durante esse processo, o gasto calórico pode se manter até 15% acima do normal, mesmo se estivermos em repouso. É claro que o nível varia bastante de um exercício para outro.

Confira 5 dicas de modalidades que ajudam na queima de calorias mesmo após o treino

Musculação
A modalidade lidera o ranking das que mais queimam calorias após o término da prática. Uma hora de treino com intensidade moderada pode queimar cerca de 300 calorias. Seu EPOC normalmente dura de 12 a 24 horas, podendo chegar até a 36 ou 48 horas (pasme!), dependendo do tempo de treino e da carga utilizada. Os exercícios resistidos também trazem outros benefícios, mesmo que a prática não ultrapasse os 30 minutos diários: melhora do condicionamento físico e da postura e aumento da massa magra e do tônus muscular. No entanto, nessa atividade os efeitos do EPOC se prolongam em médio e longo prazo, depois de alguns meses treinando.

Corrida
Ela vem em segundo lugar nesse ranking importantíssimo para quem quer mudar radicalmente o corpo. Esse tipo de exercício trabalha principalmente o sistema cardiovascular e, por isso, é ideal para queimar muuuitas calorias. Trinta minutos de atividade em ritmo intenso, diariamente, mantendo a frequência cardíaca em 80%, é o bastante para perder, em média, 450 calorias. E o melhor: após o término do treino, o corpo continua em plena atividade por até oito horas! Além disso, logo nas primeiras semanas de prática você já vai notar outras vantagens, como o aumento do condicionamento aeróbico, da disposição para as atividades diárias e do humor!

Lutas
Elas mobilizam vários grupos musculares ao mesmo tempo, o que leva a um gasto calórico bem alto. Praticando por cerca de 60 a 90 minutos, em uma intensidade entre moderada e forte, a atividade promove um gasto médio de 800 calorias e ainda faz com que o organismo continue queimando as gordurinhas em ritmo acelerado por até cinco horas após o treino. De quebra, a atividade turbina a saúde, aumenta o condicionamento cardiovascular, a resistência muscular, a agilidade e a coordenação motora.

Tênis
Praticá-lo é ótimo para tonificar as curvas e distrair a mente, já que o esporte é jogado em dupla, o que, inclusive, contribui para que a intensidade desta atividade seja ainda maior. Em 60 minutos de aula, o gasto calórico pode chegar a 600 calorias e ainda promove uma aceleração do ritmo natural do seu corpo, resultando em um EPOC de mais ou menos uma hora. Você seca as gordurinhas e ainda trabalha braços e pernas pra valer! A atividade também melhora a coordenação motora, aumenta a força muscular e fortalece os ossos e as articulações.

Natação
Durante os movimentos na água, quase todos os grupos musculares são ativados, aumentando a frequência cardíaca e, consequentemente, o consumo de oxigênio pelo organismo. Por isso, o gasto calórico estimado, para uma hora de prática, é de 600 calorias, com EPOC de 40 minutos. Achou interessante? Então espere até saber que nadar por no mínimo 60 minutos já é o suficiente para desenhar os braços e as costas, enrijecer o peitoral e sentir muita diferença na condição cardiorrespiratória e na qualidade do sono. O esporte também previne doenças crônicas como hipertensão, diabetes e dores nas costas.

Fonte: https://corpoacorpo.com.br/fitness/treino-sob-medida/5-dicas-de-modalidades-que-ajudam-na-queima-de-calorias-mesmo-apos-o-treino/12700 - Por Rita Trevisan e Louise Vernier | Edição: Karine César | Foto Getty Images | Adaptação Kelly Miyazzato.

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Sete marcas de azeite são reprovadas pela Proteste

A Associação de Consumidores divulgou nova análise com mais de 60 versões do óleo de oliva - e há boas e más notícias

A Proteste, Associação de Consumidores, divulgou os resultados de uma nova avaliação feita com azeites de oliva ditos extravirgens. No total, 69 marcas foram submetidas ao pente-fino. O diferencial desse teste, segundo a entidade, é que ele contou com mais amostras. Além disso, incluiu azeites brasileiros, já que a produção nacional está em ascensão.

Das 69 marcas avaliadas, sete foram consideradas fraudadas. É que, embora a embalagem dissesse que se tratava do tipo extravirgem, a Proteste identificou, em laboratório, vestígios da adição de outros óleos vegetais na embalagem – o que não poderia acontecer. As marcas são: Barcelona, Porto Valência, Casalberto, Olivenza, Faisão, Borgel e Do Chefe. As duas últimas já tinham sido reprovadas em testes anteriores pela mesma razão.

De acordo com a Proteste, o azeite das marcas Do Chefe, Barcelona e Olivenza não são envasados no local de produção. Quando o óleo vai para a garrafa logo após sua extração, há menor risco de ele oxidar e também de ser misturado a outras substâncias.

Na avaliação sensorial, mais problemas. A maioria das marcas desclassificadas foi considerada lampante. Isso significa que o produto veio de azeitonas deterioradas ou fermentadas – por esse motivo, nem deveria chegar ao mercado. Para ser comercializado, o certo seria refiná-lo para retirar as impurezas e misturá-lo com azeite. A exceção ficou por conta da marca Barcelona, definida como virgem pelo teste.

A Proteste ainda considerou certas marcas como “fora do tipo”. La Pastina, Vilaflor, Prezunic, Great Value, Obra Prima, Estoril, Paesano, Camponês e Bom dia deveriam ganhar a classificação de virgem, enquanto o azeite Casa Medeiros merecia ser reconhecido como lampante.

Também dá para comemorar
Além do “Melhor do Teste” (o azeite Prosperato Premium), há outros três produtos brasileiros entre os dezprimeiros colocados da avaliação. Isso confirma a qualidade dos azeites nacionais. Veja a lista clicando aqui.

As marcas analisadas
A lista completa é essa: Allegro, Andaluzia, Andorinha, Báltico (Broto Legal), Barcelona, Batalha, Bom dia, Borgel, Borges, Borges Sybaris, Borriello, Camponês, Carbonell, Cardeal, Carrefour, Casa Medeiros, Casalberto, Cocineiro, Deleyda, Delfos, Do Chefe, Don Giovanni, EA, Estoril, Faisão Real, Filippo Berio, Gallo, Gallo Grande Escolha, Great Value, Herdade do Esporão, La Española, La Pastina, La Violetera, Maria, Menoyo, Monde, Mondegão, Mytholio, Nova Oliva, Obra Prima, Olitália, Olivas do Sul, O-live, Oliveira Ramos, Oliveiras do Seival, Olivenza, Ouro de Santana, Paesano, Paganini, Parus, Porto Valência, Portucale, Prezunic, Prosperato, Qualitá, Raniere, Renata, Rey, Santa Maria, Santiago, Serrata, Star, TAEQ, Terrano, Toureiro, Tradição Brasileira, Verde Louro, Vila Flor e ZOH.

No que ficar de olho para identificar um produto de qualidade
Data de produção: dê preferência aos mais novos. É que, com o tempo, os polifenóis do azeite vão se perdendo.

Local de envase: o desejável é que tenha sido embalado no país de origem. Isso reduz o risco de fraudes, como inclusão de outros óleos.

Ingredientes: na lista, deve constar apenas “azeite de oliva extravirgem”. Afinal, o produto nada mais é do que o sumo da azeitona.

Preço: evite marcas baratas: é indicativo de misturas. E ninguém merece pagar 10 reais em óleo comum.

Tipo de recipiente: escolha garrafas escuras e do fundo da prateleira. Sinal de que os polifenóis estão mais blindados.

Letras miúdas: ao ler “tempero português” ou “tempero espanhol”, significa que é mistura, e não azeite puro.

Fonte: https://saude.abril.com.br/alimentacao/sete-marcas-de-azeite-sao-reprovadas-pela-proteste/ - Por Da Redação - Foto: Bruno Marçal/SAÚDE é Vital

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Torneios esportivos do 5º ano do Colégio Dom Bosco 2018


O Colégio Dom Bosco realizará no período de 23 de outubro a 09 de novembro de 2018, torneios esportivos envolvendo os alunos do 5º Ano, com o objetivo de incentivá-los à prática esportiva.

     Os torneios serão realizados nas modalidades de basquete, futsal, handebol, queimado e voleibol. Os jogos serão realizados pela manhã, com a participação de 63 alunos, divididos em 11 equipes.

     A criança pode começar a iniciação esportiva desde cedo, caso ela não se transforme em um atleta de alto nível, com certeza vai se tornar um bom cidadão, pela aquisição de valores que são aprendidos com o esporte.

Professores José Costa

O que é o descolamento de retina e como tratar


Problema de visão frequente nos mais velhos, o descolamento de retina precisa ser tratado para não causar cegueira. Saiba mais sobre ele e seus sintomas

A terceira idade pede por mais atenção à saúde, especialmente a ocular. O descolamento da retina, por exemplo, é uma situação comum nessa fase da vida. É um problema grave que, se não for tratado, pode levar à cegueira total e irreversível. Mas o que ele é?

A maior parte do globo ocular é formada pelo humor vítreo, uma substância de consistência gelatinosa. Atrás dele – bem no fundo do olho –, fica a retina, uma fina camada responsável por captar as informações externas e transmiti-las para o nervo óptico. Dali, elas são levadas até o cérebro para que sejam decifradas e se transformem em imagens.

Pois bem: o humor vítreo e a retina ficam encostados. Porém, com o avanço da idade, a composição química dessa “gelatina” muda, tornando-se mais líquida por dentro. E isso pode fazê-la se despregar.

“Por ser muito frágil, o vítreo rasga e começa a vazar para o fundo do olho, causando o descolamento da própria retina”, explica o oftalmologista Rony Preti, fundador do Preti Eye Institute, em São Paulo. A movimentação do fluído pressiona a membrana, provocando seu rompimento e, como consequência, ela desgruda do fundo do olho.

Quando isso ocorre, a retina deixa de receber oxigênio adequadamente devido à falta de circulação. Isso que gera a perda progressiva da capacidade de enxergar.

Mas a velhice não é a única causa. Levar uma bolada no olho ou não protegê-los durante um salto de paraquedas são outros fatores de risco, por exemplo. Miopia e predisposição genética também aumentam a probabilidade de desenvolver essa encrenca.

“Além disso, a quimioterapia realizada por pacientes de qualquer tipo de câncer pode alterar a composição do humor vítreo e, com isso, acelerar o surgimento do problema”, complementa Preti, que também é professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com ele, quando a região central da retina é atingida, o paciente começa a ver “moscas volantes” no campo de visão. Oi? “É como se a pessoa enxergasse moscas pretas ou teias de aranha o tempo todo. Essas manchas também podem ter a aparência de uma marca d’água ou uma cortina preta”, aponta.

Por outro lado, se o dano acometer a periferia da retina, a doença se torna assintomática. Aí que mora o perigo: como a chateação não causa dor, essa estrutura vai ficando desnutrida. É o início um processo de degeneração celular, que leva a uma perda visual irreversível.

“Essa é a área onde há o maior risco de ocorrer o descolamento”, alerta o especialista. Por isso é tão importante consultar o oftalmologista, principalmente com o avançar dos anos.

Como é o diagnóstico e o tratamento
O exame principal para identificar a condição é o mapeamento da retina. “Pingamos uma gota de colírio para dilatar a pupila do paciente e, com uma luz e uma lente de aumento, avaliamos o fundo do olho”, informa Preti.

Enquanto a retina não tiver se desgrudado propriamente, dá para reverter a situação com tratamento à laser. Ao atingir a parte fragilizada, a mini-queimadura provocada pela técnica promove uma cicatrização que fecha o rasgo. “Dessa maneira, prevenimos que o descolamento ocorra”, afirma o médico.

Mas se já tiver acontecido, a única saída é a cirurgia, que tem como objetivo pregar a retina novamente no fundo do olho. “Uma vez colada, os receptores responsáveis pela visão voltam a receber nutrientes. Quanto mais rápido fizermos o procedimento, maiores serão as chances de restaurar a vista”, conclui o oftalmologista.

Lentes de contato causam descolamento de retina?
Essa é uma crença popular que não passa de coincidência. O que aumenta o risco não é a lente, mas o motivo pelo qual a utilizamos.

“A maioria das pessoas que põem lentes de contato são pacientes com miopia elevada. O olho deles é maior. Essa característica faz com que a retina fique esticada, o que a torna mais frágil e propensa a ter rasgaduras”, esclarece o professor.

Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/o-que-e-o-descolamento-de-retina-e-como-tratar/ - Por Maria Tereza Santos -  Ilustração: Mariana Coan/Foto: Alex Silva/SAÚDE é Vital

domingo, 21 de outubro de 2018

Como a alimentação pode ajudar a enxergar melhor


Uma revisão de estudos revelou que a qualidade da dieta interfere na progressão de uma doença capaz de levar à cegueira

Após vasculharem 18 estudos, pesquisadores da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, concluíram: a alimentação tem papel crucial no desenrolar da degeneração macular relacionada à idade, doença cujo desfecho pode ser a cegueira.

Segundo o trabalho, dietas no estilo oriental e mediterrâneo, com abundância de peixes e vegetais, tendem a reduzir o risco de progressão do quadro. Enquanto isso, um padrão ocidental, cheio de junk food, estaria mais associado ao desenvolvimento da doença.

De acordo com Gabriel Andrade, oftalmologista do Instituto da Visão, em São Paulo, já existe um suplemento de vitaminas e minerais direcionado a pacientes com o problema. “Agora, a revisão mostra que também vale orientar a alimentação nesse contexto”, avalia o médico.

Onde investir e no que maneirar

O estudo indica que vegetais ricos em carotenoides (responsáveis pelos tons avermelhados e alaranjados dos alimentos), a exemplo de cenoura e tomate, são parceiros da visão. Outro benfeitor seria o ômega-3, gordura encontrada em peixes como sardinha, salmão e atum.

Já fontes de açúcar e ômega-6 (como alguns óleos vegetais), além de carne vermelha, embutidos e álcool, pedem moderação.

Fonte: https://saude.abril.com.br/alimentacao/como-a-alimentacao-pode-ajudar-a-enxergar-melhor/ - Por Thaís Manarini - Foto: Bruno Marçal/SAÚDE é Vital

sábado, 20 de outubro de 2018

Quanto mais transar, mais tempo irá viver, aponta estudo


O sexo pode potencializar a imunidade e produzir telômeros maiores no corpo das mulheres

Transar traz diversos benefícios para a saúde. Pesquisas anteriores relacionam o sexo ao bom humor e uma maior qualidade de vida. E agora, um novo estudo aponta que quanto mais transarmos, mais tempo teremos de vida.

Como o estudo foi feito
O estudo foi dividido em duas fases: Na primeira, 918 homens com 45 a 59 anos de idade foram entrevistados sobre seus hábitos sexuais. Uma década depois, estes mesmos homens responderam a uma série de perguntas sobre a frequência em que transavam.

Os pesquisadores concluíram que os homens que transavam ao menos duas vezes por semana reduziram suas taxas de mortalidade pela metade.

A segundo fase do estudo contou com a participação de 129 mulheres com idades entre 20 e 50 anos. Elas responderam perguntas sobre suas vidas amorosas e o quanto elas estavam satisfeitas.

Após análise biológica, os cientistas descobriram que as mulheres que transavam mais e tinham uma vida amorosa satisfatória, apresentavam maiores telômeros, uma espécie de "capa" que protege os cromossomos, fazendo com que tenhamos um aumento em nossa expectativa de vida.

Conclusões
Os cientistas também afirmam que o sexo potencializa o sistema imunitário ao incentivar a produção de células que combatem doenças.