quarta-feira, 20 de outubro de 2021

É improvável que pessoas vacinadas morram de Covid-19, diz estudo


Pesquisa Italiana mostra que há risco apenas para idosos muito velhos e com outras doenças preexistentes

 

Após receber duas doses de vacinas contra a Covid-19 ou a dose única, é altamente improvável que uma pessoa saudável morra da infecção provocada pelo novo coronavírus, segundo um estudo do Italian National Institute of Health (ISS), publicado nesta quarta-feira (20/10).

 

O risco está concentrado apenas entre os idosos mais velhos, que já tenham doenças preexistentes. Os pesquisadores analisaram – entre 1º de fevereiro e 5 de outubro deste ano – os prontuários médicos de 842 pessoas que morreram de Covid-19 no país. Desses, 671 indivíduos não haviam sido vacinados e 171 foram a óbito mesmo depois de estarem totalmente vacinados.

 

Entre os vacinados que faleceram, a maior prevalência foi identificada entre as pessoas com idade média de 85 anos e cinco doenças subjacentes, como problemas cardíacos, demência e câncer. Entre os que não receberam a vacina, a média foi de 78 anos e quatro doenças.

 

A Itália registrou 38.096 óbitos provocados pela Covid-19 no período da pesquisa, 33.620 pessoas não tinham sido imunizadas contra a infecção, 2.130 haviam recebido a primeira dose ou foram infectadas logo após a vacinação, na janela de formação dos anticorpos, e 1.440 estavam totalmente vacinadas, segundo o relatório do ISS divulgado pela agência Reuters.

 

Fonte: https://www.metropoles.com/saude/e-improvavel-que-pessoas-vacinadas-morram-de-covid-19-diz-estudo - Bethânia Nunes - Vinícius Schmidt/Metrópoles

terça-feira, 19 de outubro de 2021

7 melhores remédios naturais para enxaqueca


A enxaqueca é uma dor de cabeça muito forte que pode trazer consigo sintomas como náuseas e sensibilidade à luz e ao som.

 

Apesar de existirem medicamentos para a enxaqueca, também é importante conhecer remédios naturais para aliviar ou prevenir uma crise, já que desta forma o risco de efeitos colaterais é bem menor.

 

Os remédios caseiros que aliviam a enxaqueca incluem chás de ervas e óleos essenciais com propriedades terapêuticas. Confira abaixo quais são as suas opções para reduzir a intensidade e a duração dos sintomas.

 

Melhores remédios naturais para a enxaqueca

Muitas vezes, o gatilho da enxaqueca é o estresse. Por isso, a maioria dos remédios caseiros promove uma sensação de relaxamento.

 

Além de aliviar o desconforto das dores de cabeça, os remédios caseiros a seguir podem evitar as temidas crises, complementando o tratamento medicamentoso.

 

1. Óleo de lavanda

O óleo essencial de lavanda é comumente indicado para aliviar o estresse, a ansiedade e as dores de cabeça. Assim, inalar os vapores do óleo de lavanda pode diminuir a intensidade da enxaqueca em algumas pessoas.

Além da inalação direta, o óleo de lavanda pode ser aplicado na região das têmporas quando diluído em um óleo não essencial como o azeite de oliva ou o óleo de coco.

 

2. Suplementos de ervas

Ervas como a Tanacetum parthenium, chamada também de matricária ou tanaceto, e a Petasites hybridus, conhecida como butterbur, podem prevenir a enxaqueca e aliviar os sintomas durante uma crise.

Na forma de cápsulas, a dose máxima de tanaceto recomendada é de 125 mg por dia. Já o butterbur pode ser usado em doses de 50 mg 2 vezes ao dia. Porém, o mais indicado é consultar as informações presentes no rótulo ou então procurar um fitoterapeuta para te orientar.

O tanaceto também pode ser usado para preparar um chá. Para isso, o ideal é usar 15 g de folhas da planta para cada 500 mL de água fervente. Depois de cerca de 10 minutos em infusão, deve-se coar e beber o chá.

Vale lembrar que suplementos de ervas em geral não são recomendados para mulheres grávidas.

 

3. Óleo de hortelã-pimenta

A hortelã-pimenta pode reduzir a enxaqueca causada pela tensão muscular. De acordo com um artigo publicado em 2010 na revista International Journal of Clinical Practice, quando aplicado na testa e nas têmporas, o mentol presente no óleo pode diminuir a dor, a náusea e a sensibilidade à luz.

Mas não se esqueça de usar o óleo essencial corretamente e diluí-lo em um óleo vegetal antes de aplicar na pele.

 

4. Chá de gengibre

Segundo um estudo de 2014 publicado na revista Phytotherapy Research, o gengibre em pó é tão eficaz quanto o sumatriptano, um remédio usado no tratamento da enxaqueca.

De fato, o efeito anti-inflamatório do gengibre ajuda a aliviar a dor de cabeça e também as náuseas que podem surgir.

É possível preparar um chá de gengibre através de uma infusão usando 1 colher de chá de gengibre em pó para cada xícara de água quente.

 

5. Magnésio

Às vezes, a falta de magnésio pode causar uma crise de enxaqueca. De acordo com um estudo publicado pela revista Headache em 2017, suplementar o organismo com magnésio pode diminuir a frequência das enxaquecas e aliviar os sintomas da condição.

No entanto, só é recomendado usar suplementos de magnésio se realmente houver uma deficiência desse mineral.

Por meio da alimentação, é possível aumentar a ingestão de magnésio com o consumo de amêndoas, sementes, castanhas, aveia, leite, ovos e pasta de amendoim.

 

6. Compressa de gelo

Aplicar uma compressa de gelo na testa, no couro cabeludo ou no pescoço pode aliviar a dor associada à enxaqueca. De fato, o gelo age como um anti-inflamatório e anestésico local, pois ao resfriar a área, o fluxo sanguíneo para a região diminui, reduzindo assim a dor.

 

7. Vitamina B

As vitaminas do complexo B são importantes para a regulação de vários neurotransmissores no cérebro, alguns deles relacionados ao estresse. Por isso, essa vitamina pode reduzir a frequência e também a gravidade das crises de enxaqueca desencadeadas pelas preocupações do dia a dia.

Além de suplementos vitamínicos, a vitamina B pode ser encontrada em alimentos como peixes, abacate, frutos do mar, castanhas e vegetais verdes folhosos como o espinafre e a couve.

 

Outros remédios naturais e dicas

A resposta do organismo de cada pessoa é único, por isso existem outros remédios caseiros que podem funcionar em algumas pessoas, como por exemplo:

Chá de camomila, valeriana ou erva cidreira que acalmam e previnem crises;

Cúrcuma, que tem poder anti-inflamatório e antioxidante;

Pimenta, que contém capsaicina, uma substância com ação anti-inflamatória.

 

Fazer algumas mudanças na dieta também pode ajudar, já que certos alimentos são gatilhos para a enxaqueca e devem ser evitados. Dessa forma, diminuir o consumo de chocolate, bebidas com cafeína, bebidas alcoólicas, alimentos processados e vinho tinto pode contribuir para a prevenção da condição.

 

A desidratação também é um gatilho para a dor. Por isso, beber bastante água para manter a hidratação do corpo é fundamental para evitar vários tipos de dor de cabeça, inclusive a enxaqueca.

 

Além disso, dormir bem é fundamental para repor as energias e diminuir o estresse, prevenindo assim as crises de enxaqueca.

 

Por último, terapias alternativas como a acupuntura, a acupressão, a massagem terapêutica e a meditação podem ajudar a aliviar a enxaqueca. A massagem, por exemplo, pode contribuir com o relaxamento dos músculos da região do pescoço e dos ombros, diminuindo a enxaqueca causada pela tensão muscular. Mas não há comprovação científica da eficácia dessas técnicas até o presente momento.

 

Em resumo, toda atividade saudável que puder contribuir para o gerenciamento do estresse e o seu bem-estar é benéfica para lidar com a dor.

 

Fonte: https://www.mundoboaforma.com.br/melhores-remedios-naturais-para-enxaqueca/ - Especialista da área: Equipe MundoBoaForma

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

7 consequências ruins do sedentarismo para a saúde


O estilo de vida sedentário pode trazer muitos efeitos negativos para a saúde, principalmente para o coração.

 

O sedentarismo não se resume apenas ao fato de não praticar atividades físicas, mas sim à falta de movimentação corporal durante o dia, que pode se dar como parte do próprio trabalho, esporte, lazer, transporte (caminhada, bicicleta), dança e atividades caseiras como limpeza e jardinagem.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 70% da população mundial é sedentária, o que é um número alarmante, e até 5 milhões de mortes no mundo poderiam ser evitadas apenas pela adoção de um estilo de vida mais ativo.

 

Uma pessoa sedentária pode sentir fraqueza, cansaço excessivo, dor nas articulações além de apresentar acúmulo de gordura corporal, aumento de peso e distúrbios do sono, como ronco e apneia.

 

De fato, a tecnologia e as facilidades da vida moderna são fatores que estimulam o sedentarismo. Mas é preciso lutar contra essa onda e se movimentar ao longo do dia se você quer preservar sua energia, massa muscular e saúde geral.

 

Hoje em dia, muitas pessoas não precisam nem se deslocar até o trabalho devido ao home office. Isso economiza muito tempo que seria gasto com o deslocamento, mas pode contribuir para um estilo de vida pouco saudável. Veja a seguir os principais impactos ruins do sedentarismo.

 

1. Obesidade

O comportamento sedentário reduz o gasto calórico, o que pode contribuir para o aumento dos casos de obesidade.

Além disso, ter longos períodos de inatividade física pode deixar o metabolismo mais lento e interferir na capacidade do corpo de regular os níveis de açúcar no sangue e de promover a queima de gordura.

 

2. Diabetes tipo 2

Pessoas que se movimentam pouco têm maior chance de desenvolver resistência à insulina, o que dificulta o controle da glicose sanguínea, e aumenta o risco de desenvolver a diabetes tipo 2. Além disso, o sedentarismo também é responsável pelo aparecimento de outras doenças crônicas, como hipertensão, certos tipos de câncer, osteoporose e depressão.

 

3. Problemas cardíacos

Doenças cardíacas também vêm se tornando cada vez mais comuns em pessoas com hábitos sedentários.

O sedentarismo faz com que o bombeamento de sangue pelo coração fique menos eficaz. Além disso, não se exercitar pode contribuir para o aumento da pressão arterial. Tudo isso pode causar cansaço excessivo, dificuldade para respirar e complicações cardiovasculares ao longo do tempo.

 

4. Problemas ósseos e perda muscular

A falta de movimento pode enfraquecer os ossos e articulações, o que eleva o risco de doenças como a osteoporose e a artrite. A redução da flexibilidade e a perda de massa muscular também são evidentes.

 

5. Prejuízo ao sono

O prejuízo ao sono é outra consequência ruim do sedentarismo. De fato, o sedentarismo leva ao excesso de peso que, por sua vez, pode dificultar a passagem de ar pelas vias aéreas durante o sono. Além do ronco durante a noite, uma pessoa nessas condições pode desenvolver apneia do sono e ter um sono de baixa qualidade.

 

6. Depressão e ansiedade

O sedentarismo pode prejudicar o bem-estar mental. Está comprovado que o exercício físico regular é muito importante para a saúde mental.

De acordo com um estudo publicado em 2015 na revista British Journal of Sports Medicine, o comportamento sedentário está relacionado a um risco mais alto de desenvolver depressão.

Em um outro estudo, este com duração de 11 anos, conduzido pelo instituto australiano Black Dog, especializado em saúde mental, feito com 34 mil adultos, constatou que o sedentarismo tem relação direta com o desenvolvimento de distúrbios psicológicos.

A falta da prática de atividades físicas foi relacionado a um risco 44% maior de apresentar a depressão, e o estudo mostrou que a simples prática de 1 hora de atividade física por semana foi responsável por prevenir em 12% os quadros dessa doença.

No Brasil, estudos conduzidos pelo Hospital das Clínicas de Porto Alegre comprovaram os benefícios da atividade física no combate à depressão.

 

7. Risco de mortalidade precoce

O sedentarismo pode aumentar o risco de morte precoce, seja por conta de doenças cardíacas ou outros problemas de saúde relacionados ao estilo de vida sedentário.

 

O que fazer para evitar o sedentarismo

Alguns cientistas acreditam que o sedentarismo pode aumentar o risco de desenvolver alguns tipos de câncer. Além disso, eles afirmam que seguir um estilo de vida sedentário pode ser tão ruim para a saúde quanto fumar cigarro, por exemplo. Por isso, encontrar formas de diminuir o sedentarismo no seu dia a dia é tão importante.

 

Além de praticar a auto-observação e evitar os hábitos sedentários, as seguintes dicas práticas podem ajudar:

 

Se movimente ao longo do dia, fazendo pausas durante o trabalho para levantar e tomar uma água, por exemplo. Aproveite para conhecer alguns exercícios laborais;

Faça exercícios físicos, ao menos uma caminhada, por pelo menos 30 minutos por dia. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a prática de 150 a 300 minutos de exercícios por semana para adultos, e em média 60 minutos ao dia para crianças;

Ande pela casa ou pelo escritório enquanto atende ligações no celular;

Fique em pé no transporte público ao invés de se sentar;

Use as escadas do prédio no lugar de um elevador;

Faça pequenas tarefas domésticas simples ao longo do dia, que demandem a movimentação corporal.

Fazer um check up com um médico de sua confiança também é importante para verificar como está o seu estado de saúde. Isso também é útil para ajudar a determinar o melhor programa de atividades físicas para você.

 

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, não é preciso se matricular na academia para deixar de ser sedentário. É possível começar com caminhadas curtas e pausas regulares durante o dia, seja dando uma volta pela casa ou subindo alguns degraus. Pequenas mudanças na rotina são capazes de melhorar muito a qualidade de vida e de reduzir o risco de várias doenças.

 

Fonte: https://www.mundoboaforma.com.br/7-consequencias-ruins-do-sedentarismo-para-a-saude/ - Especialista da área: Dra. Ana Detoie


E servireis ao Senhor, vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de ti as enfermidades.

Êxodo 23:25


domingo, 17 de outubro de 2021

Consumo de bebidas dietéticas aumenta o apetite, diz estudo


O consumo de refrigerantes diet já foi associado ao risco aumentado de doenças cardiovasculares e de depressão

 

Ainda que os refrigerantes dietéticos sejam constantemente consumidos como uma alternativa mais saudável em comparação aos refrigerantes açucarados, pesquisas ao longo dos anos sugeriram que seu consumo poderia trazer inúmeros problemas à saúde.

 

A mais recente, realizada por cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, apontou que ingerir refrigerantes diet pode aumentar o apetite.

 

Em um pequeno ensaio experimental, os pesquisadores observaram que os participantes sentiam mais fome e, consequentemente, consumiam mais calorias após beber refrigerante adoçado artificialmente em comparação a quando consumiram bebidas com açúcar natural.

 

A pesquisa incluiu jovens adultos, homens e mulheres, com pesos corporais diversos. Ao todo, 72 pessoas participaram do ensaio, e foram sujeitos a inúmeros testes num período de três visitas dos cientistas. Após um jejum de 12 horas no dia anterior, os participantes beberam água adoçada com sacarose (açúcar natural), sucralose (adoçante artificial) ou não beberam nada às 8 horas da manhã.

 

Então, foram realizados exames de sangue, antes e depois de beberem água. Vinte minutos depois, eles fizeram um teste visual - enquanto as pessoas passavam por uma ressonância magnética funcional, também eram expostas a fotos de alimentos. Tanto os resultados da ressonância quanto os exames de sangue tinham o objetivo de analisar sinais de fome inconsciente e também os padrões de atividade cerebral ou níveis flutuantes de certos hormônios.

 

Cerca de duas horas após a ingestão das bebidas, os participantes foram levados até um buffet, onde puderam comer o que quisessem.

 

Com isso, os cientistas descobriram que pessoas com obesidade exibiam mais sinais de fome na atividade cerebral durante o teste visual, assim como as mulheres que beberam sucralose. No buffet, esse grupo também ingeriu mais calorias que os demais voluntários.

 

O estudo, que surgiu de um projeto dos pesquisadores conhecido como Brain Response to Sugar, buscou investigar como o cérebro responde à ingestão de açúcares e adoçantes artificiais.

 

Riscos dos dietéticos à saúde

Além dessa, outras pesquisas analisaram os malefícios do consumo frequente de bebidas dietéticas, como os altos índices de depressão, hipertensão, a presença de doenças cardiovasculares e os riscos de parto prematuro para mulheres grávidas. Embora não existam provas conclusivas que os refrigerantes diet são responsáveis por esses quadros, a composição desses refrigerantes, conhecidos como bebidas de calorias vazias, pode ser um fator de risco para seu desenvolvimento.

 

"Além do açúcar em grande quantidade, os refrigerantes contêm sódio e diversas substâncias artificiais que não fazem bem à saúde", explica a endopediatra Denise Ludovico, da ADJ Diabetes Brasil, em entrevista prévia ao Minha Vida.

 

A composição de bebidas dietéticas conta com doses a mais de sódio a fim de compensar o sabor que se perdeu com a diminuição de açúcar. Nesse contexto, o excesso de sódio está diretamente relacionado à retenção de líquidos e, diante disso, ao aumento da pressão sanguínea, sobrecarregamento dos rins e do coração. À vista disso, em comparação aos refrigerantes comuns, os dietéticos e light possuem o dobro ou triplo da quantidade de sódio.

 

Ademais, ao contrário do que muitas pessoas pensam, o consumo de refrigerantes diet durante a dieta não ajuda na perda de peso. Ao contrário, devido ao gás, esses líquidos são responsáveis por dilatar o estômago, prejudicando a absorção de nutrientes.

 

A ingestão de bebidas com adoçante artificial promove a falsa sensação de saciedade e, como exposto na pesquisa da USC, faz com que a pessoa volte a ter fome. Como consequência, há o aumento de calorias consumidas na refeição seguinte.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/alimentacao/noticias/38011-consumo-de-bebidas-dieteticas-aumenta-o-apetite-diz-estudo - Escrito por Susana Targino - Redação Minha Vida

sábado, 16 de outubro de 2021

Alergia alimentar: conheça os principais causadores


Siga a orientação médica para excluí-los da dieta sem causar deficiências nutricionais

 

A repetição de determinados sintomas após uma refeição - que vão desde problemas gastrointestinais até dificuldades respiratórias - levam à suspeita de uma alergia alimentar. A hipersensibilidade a determinados alimentos é uma reação do corpo que pode afetar em cheio a sua imunidade. A solução? Excluir o desencadeante da dieta.

 

Segundo a alergista Ana Paula Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), 85% das reações se dão por leite, ovo, amendoim, crustáceos e peixes. "Mas praticamente todo alimento pode desencadear uma alergia alimentar", complementa. No Dia Mundial da Alergia, marcado para 8 de julho, conheça melhor os principais alimentos alérgenos e saiba como a sua exclusão afeta a dieta.

 

Leite

"A alergia ao leite é especialmente comum em crianças, o que pode ser bastante complicado entre os bebês menores de um ano que consomem somente este alimento", aponta o alergista Daniel Strozzi, professor da Unidade de Alergia e Imunologia da PUC de Goiás. Segundo a nutricionista funcional Ana Flávia Marçal, do Centro de Alergia e Imunologia Ymune, em Goiânia, o leite possui mais de 20 proteínas sensibilizantes.

A grande preocupação de quem precisa excluí-lo da dieta deve ser o cálcio, fundamental para a saúde dos ossos. Para suprir a deficiência, recomenda-se o consumo de produtos fortificados com cálcio, além de legumes verdes, cereais e peixes. Se for necessário, o médico que está acompanhando o caso pode indicar suplementação.

Fique atento a: biscoitos, bolachas, bolos, pães, chantilly, chocolate, coalhada, pudim, manjar, iogurtes, molho branco, molho nechamel, pão de queijo e sorvete.

Em receitas, substitua o leite por: leites vegetais - como o de coco, amêndoas, arroz, quinoa e girassol -, água e suco de frutas.

 

Ovo

O ovo é o segundo maior causador de alergias alimentares. Tirá-lo da alimentação pode levar à deficiência de ferro no organismo. Por isso, o nutrólogo Carlos Alberto Nogueira de Almeida, da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), sugere investir na tradicional combinação de arroz com feijão. "O feijão é rico em ferro, enquanto o arroz fornece aminoácidos que o feijão não possui e, assim, eles se complementam, formando uma refeição de alto valor biológico", explica.

Fique atento a: maionese, chantilly, marshmallow, merengue, molho holandês e molho bernaise ? alimentos que levam ovo na receita.

Em receitas, substitua por: linhaça, polvilho ou vinagre de maçã.

 

Trigo

O glúten, presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada e no malte é uma proteína de difícil digestão. "Ela é responsável pela elasticidade e plasticidade das massas, fazendo com que elas cresçam macias", diz a nutricionista Ana Flávia. Diferente da intolerância ao glúten, o alérgico não pode ingerir qualquer quantia de alimentos com essa proteína. A principal dificuldade, portanto, não está relacionada a deficiências nutricionais, mas sim à difícil tarefa de manter uma dieta sem glúten, já que grande parte do que consumimos contém esse nutriente. Por isso, o acompanhamento de um nutricionista é fundamental.

Fique atento a: macarrão, pão, tabule, bolos e chocolates.

Em receitas, substitua por: produtos sem glúten, farinha de arroz, creme de arroz, polvilho e fécula de batata.

 

Peixes

De acordo com o nutrólogo Carlos, não é porque você tem alergia a determinado peixe que terá alergia a todos os peixes. Por isso, sob orientação profissional, vale experimentar outros tipos. Mas, imaginando que eles seriam excluídos da dieta ou consumidos com menor frequência, o paciente deveria buscar outras fontes de ômega-3. "Exemplos são óleo de canola, óleo de soja, azeite de oliva, rúcula e espinafre", diz.

 

Crustáceos

A alergia a camarão, lagosta e outros crustáceos pode ser um problema em regiões do Brasil próximas ao litoral, em pessoas que se alimentam principalmente desse tipo de alimento. Entre os nutrientes mais relevantes desses alimentos está o zinco, o selênio e o iodo. Como nosso sal é iodado, é raro apresentar deficiência desse nutriente. Os demais podem ser obtidos em nozes, castanhas, milho, carne bovina, frango, arroz integral, feijão e leite.

 

Corantes

"Alergia a corantes não é comum, pois eles são incansavelmente testados antes de irem para o mercado", afirma o nutrólogo Carlos. Entretanto, Ana Paula Castro aponta que o vermelho carmin pode atuar como alérgeno. "Neste caso, verifique nos rótulos dos produtos a presença desse componente e evite o alimento", recomenda a alergista.

 

Milho

Como todo cereal, o milho é rico em carboidratos. Além disso, ele fornece boas quantias de vitaminas do completo B, vitamina E e fibras. Alimentos integrais, ovo, brócolis, fígado e verduras verde escuro podem fornecer esses nutrientes.

Fique atento a: pamonha, curau, bebidas alcoólicas e corantes amarelos.

 

Amendoim

A retirada do amendoim da dieta não causa qualquer prejuízo, mas, de acordo com a nutricionista Ana Flávia, é possível ser alérgico ao amendoim e não apresentar qualquer reação a outros alimentos da mesma família que ele, como a castanha de caju.

Fique atento a: bombons de chocolate, confeitos, marzipã, nougat, paçoca e nozes.

Em receitas, substitua por: amêndoas, nozes e castanhas.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/alimentacao/galerias/15341-alergia-alimentar-conheca-os-principais-causadores?utm_source=news_mv&utm_medium=AL&utm_campaign=9340822 - Escrito por Laura Tavares - Redação Minha Vida - Foto Getty Images


E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer; tudo é possível ao que crê.

Marcos 9:23


sexta-feira, 15 de outubro de 2021

5 dicas práticas para melhorar a imunidade


Diversos fatores podem dificultar o trabalho do sistema imunológico, porém alguns hábitos podem aprimorar essa defesa

 

Vive resfriado, com dor de garganta ou infecções recorrentes? Pois saiba que esses são alguns dos sinais de baixa imunidade. O fortalecimento do sistema imunológico é uma discussão muito importante quando o assunto é saúde. Afinal, é por meio da imunidade que ocorre a proteção do nosso organismo contra diversas doenças.

 

Porém, há diversos fatores - como o envelhecimento, por exemplo - que faz com que as pessoas sofram com a baixa imunidade, o que traz a necessidade de alternativas que ajudem a melhorar a defesa do corpo.

 

Pensando nisso, o Minha Vida reuniu 5 dicas práticas para você incluir na sua rotina e melhorar a imunidade.

 

1. Praticar exercícios físicos

Uma das práticas mais recomendadas pelos especialistas da imunologia são os exercícios físicos. A partir de treinos leves e regulares, as atividades físicas podem melhorar a imunidade não apenas a longo prazo, mas também de forma pontual, momentos após o final do treino.

De acordo com um estudo publicado na revista Diabetes & Metabolic Syndrome: Clinical Research & Reviews, os treinos aeróbicos, aqueles que estimulam o sistema cardiorrespiratório, são os mais indicados para turbinar a imunidade e a respiração.

Lembre-se que é muito importante o acompanhamento de um profissional da educação física e/ou personal trainer, que indicará os exercícios ideais de acordo com a disponibilidade e capacidade de cada aluno.

 

2. Beber mais água

A hidratação é um hábito muito importante para a saúde no geral. Antes mesmo de sentir sede, a ingestão de água ajuda muito na resistência física e na manutenção da imunidade.

Segundo uma cartilha da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), as infecções podem causar desidratação, diarreia e vômito. Então, o recomendado é beber diariamente de 35 a 40 ml de água para cada kg do seu peso corporal. Por exemplo, uma pessoa de 45 kg deve ingerir 1,5 litros de água por dia, entre 7 a 8 copos.

 

3. Manter uma alimentação saudável

Para o fortalecimento da imunidade, é ideal manter uma alimentação balanceada e que forneça todas as vitaminas, minerais e nutrientes que nosso corpo necessita. De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunologia, um desequilíbrio nutricional pode afetar profundamente as funções imunológicas e metabólicas do organismo.

O IMUNODAY Piracanjuba é uma forma prática de garantir os principais nutrientes necessários para o dia a dia. A bebida é rica em proteínas, fibras e vitaminas C, B12 e D, componentes importantes para o sistema imunológico. Além disso, o produto não contém glúten ou açúcar e está disponível em sabores que agradam os paladares mais exigentes: Original, Chocolate com Aveia e Chocolate Zero Lactose.

 

4. Cuidar da higiene

Durante o dia, estamos expostos a vírus e bactérias em qualquer lugar que frequentamos. Por isso, hábitos de higiene pessoal, como lavar as mãos, objetos e superfícies de manipulação de alimentos são essenciais para nos proteger contra infecções.

O ideal é lavar as mãos antes e depois de ir ao banheiro; após tossir ou espirrar; após manusear dinheiro ou lixo; antes ou depois de cozinhar e antes de comer. Álcool em gel 70% também pode ser utilizado, mas atenção: ele não deve ser enxaguado em seguida.

 

5. Ter uma rotina de sono

Um sono reparador é um grande aliado do nosso sistema imunológico. A recomendação dos especialistas do sono é que o descanso noturno dure de 6 a 8 horas. Caso essa quantidade não seja respeitada, a imunidade pode ser afetada diretamente.

Segundo um estudo conduzido pelo Instituto do Sono, a privação de sono aumenta a produção de cortisol, hormônio ligado ao estresse e uma das substâncias que diminui a reação de defesa do sistema imunológico. Além disso, pode diminuir a quantidade e a função das células que protegem o organismo.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/saude/materias/37986-5-dicas-praticas-para-melhorar-a-imunidade?utm_source=news_mv&utm_medium=BE&utm_campaign=9347813 - Escrito por Murilo Feijo - Redação Minha Vida


Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus?

João 11:40


quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Orgulho de ser professor


     Convicto da importância do professor na educação de crianças e jovens, não apenas em 15 de outubro, mas em todos os dias do ano, gostaria de relatar em poucas palavras a minha trajetória como professor de educação física e a missão incansável de educar.

 

     Em 1976, quando estudava a 8ª série e praticava basquete no Colégio Estadual Murilo Braga, resolvi que iria fazer o vestibular para Educação Física e ser professor.

 

     Em janeiro de 1980, fiz o vestibular e fui aprovado. Era o início da concretização do sonho de ser professor. No mês de abril do mesmo ano, tive a oportunidade de ingressar no serviço público e, assim, dar aulas de educação física e basquete no Colégio Estadual Murilo Braga. No início da carreira, passei 5 anos estudando na UFS e ao mesmo tempo ensinando.

 

     Em 1988, insatisfeito com apenas um emprego, resolvi procurar o ex-colega da universidade e vice-diretor do Colégio Graccho, Abelardo Neto. Solicitei a ele um emprego como professor, e fui prontamente atendido. Ensinei basquete e no último ano de trabalho na escola lecionei aulas de educação física aos alunos do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Dediquei 22 anos de minha vida aos alunos e à instituição, a qual sou eternamente grato pela acolhida.

 

     Em 1989, recebi o convite para ensinar basquete no Colégio Salesiano pelo coordenador Pedagógico Jairton Guimarães (Cobrinha), que já conhecia o meu trabalho através do CEMB e do Graccho. Também lecionei educação física do 5º ano do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio. Trabalhei 21 anos e aprendi muito como educador através do sistema preventivo de Dom Bosco.

 

     Tenho orgulho de ter trabalhado em dois dos melhores colégios do Estado, Graccho e Salesiano. Em ambos, pedi para ser demitido por motivos pessoais e fica aqui o meu agradecimento pelo respeito ao meu trabalho por mais de duas décadas.

 

     Em 1993, a Irmã Auxiliadora me fez o convite para lecionar no Colégio Dom Bosco, inicialmente o basquete e depois o voleibol. Também ensinei educação física aos alunos do 4º ano do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio. No dia 18 de outubro de 2020, encerrei o meu ciclo de trabalho no Dom Bosco, após 27 anos, 7 meses e 18 dias. Estou feliz por ter contribuído com a educação de milhares de crianças e jovens de Itabaiana e cidades circunvizinhas. Minha eterna gratidão a Irmã Auxiliadora (in memoriam) por ter me proporcionado trabalho em uma das maiores instituições de ensino de Itabaiana e de Sergipe.

 

     Em 2009, senti a necessidade de criar um blog para divulgar meu trabalho nas escolas relacionado à educação física e ao esporte, envolvendo com meus alunos e ex-alunos. Posteriormente, comecei também a publicar conteúdos pesquisados na internet sobre educação, esporte, saúde, cultura e cidadania. O blog já está com 7 milhões de acessos, uma demonstração de dedicação, compromisso e responsabilidade para com minha carreira de professor e com as pessoas que confiam em mim.

 

     Em 01 de março de 2010, o diretor do Colégio O Saber, Everton Oliveira, ex-aluno do basquete do CEMB, convidou-me para dar aulas de educação física aos alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Atualmente, também leciono aos alunos do ensino médio.

 

     Tenho orgulho de ter sido campeão por todas as escolas que trabalhei nas diversas competições escolares de voleibol, handebol, futsal e, principalmente, do basquete.

 

      Em 28 de fevereiro de 2017, foi publicada a portaria no Diário Oficial da minha aposentadoria após 37 anos de trabalho no funcionalismo público estadual como professor de educação física do Colégio Estadual Murilo Braga. Obrigado aos alunos, professores, diretores e funcionários que fizeram parte da minha vida profissional neste período.

 

     Em 02 de março de 2018, adquiri a concessão do INSS da minha aposentadoria após ter trabalhado como Professor de Educação Física por 30 anos nos Colégios Graccho Cardoso, Salesiano, Dom Bosco e O Saber. Obrigado aos alunos, professores, diretores e funcionários dos colégios onde trabalhei e que fizeram parte da minha vida profissional neste período.

 

     Que Deus, na sua infinita bondade, dê-me muita saúde e disposição para continuar trabalhando e contribuindo na formação integral dos alunos, como faço há mais de 41 anos. Trabalho esse realizado com respeito, dedicação e compromisso aos alunos e às instituições de ensino, sempre com Orgulho de ser Professor.

 

Foto criada no site Você na capa da Revista NOVA ESCOLA

 

Por Professor José Costa


"A mente do prudente adquire conhecimento, e o ouvido do sábio busca conhecimento."

Provérbios 18:15


Manual de Hábitos para Prevenir Alzheimer desde cedo


Os fatores que aumentam o risco de desenvolver a doença começam ainda na infância, portanto, nunca é cedo ou tarde demais para começar a prevenção

 

O Alzheimer é um tipo de demência que vai destruindo o cérebro e apagando as memórias aos poucos. Ainda não se sabe tudo sobre a doença, mas ela está cada vez mais conhecida pelas pessoas, graças à internet.

 

Muitos canais no YouTube e perfis nas redes sociais mostram a vida de idosos com Alzheimer a fim de esclarecer dúvidas e dar dicas para facilitar a rotina dos portadores e seus cuidadores.

 

Mas, devido ao impacto que o Alzheimer provoca na vida e por ainda não ter cura, a grande questão é: existe forma de prevenir? A resposta, por enquanto, é: parcialmente. Você vai ver agora quais são as recomendações dos especialistas para proteger o cérebro contra a doença.

 

12 Fatores preponderantes para o desenvolvimento do Alzheimer

Recentemente, a Comissão contra a Demência publicou um relatório na revista médica The Lancet, que está entre as mais conceituadas do mundo. Esse documento traz uma lista de causas e atitudes que podem proteger o cérebro contra o desenvolvimento do Alzheimer.

 

Claro, é preciso lembrar que essa doença também depende de uma predisposição genética, portanto, as recomendações não são garantia de que o Alzheimer não irá se manifestar, mas os cuidados podem reduzir o risco em até 40% ou fazer os sintomas serem postergados por meses e até décadas. Veja só:

 

Os dois grandes grupos

Antes de partir para as recomendações, é importante saber que a lista de fatores que você verá a seguir é dividida em dois grandes grupos, conforme com seus efeitos maléficos à massa cinzenta.

 

O primeiro grupo inclui problemas de saúde e hábitos que prejudicam a chegada de oxigênio e nutrientes às células nervosas, gerando processos inflamatórios que levam a uma piora progressiva das funções dessas células, facilitando o desenvolvimento do Alzheimer.

 

O segundo grupo está relacionado ao quanto uma pessoa estimula e desafia seu raciocínio no dia a dia, pois o aprendizado constante é capaz de criar novas conexões entre os neurônios, mais fortes e mais difíceis de serem destruídas pela doença.

 

Evite a perda auditiva

Cuide bem da sua audição. Se você trabalha em ambientes barulhentos, use equipamentos de proteção auricular para reduzir os danos a audição.

Quando estiver usando fones de ouvido, cuidado para que o volume não fique muito alto, ou irá lesionar as células do ouvido.

Quando for fazer seu check-up médico anual, consulte um otorrino para fazer exames e ver como está a sua audição.

Se houver algum prejuízo, invista num aparelho auditivo para reverter o prejuízo cognitivo causado ou evitar que o problema evolua.

 

Estimule seu raciocínio

Estude, leia, busque informação de qualidade para alimentar seu cérebro, sua memória, sua capacidade de raciocínio e de reflexão. Desafie-se a aprender coisas novas todos os dias, inclusive depois dos 60 anos, para manter seu cérebro ativo, sempre criando novas conexões neuronais.

 

Pare de fumar

O hábito de fumar só traz malefícios para a saúde, inclusive, aumenta o risco de desenvolver Alzheimer. Se tiver dificuldade em parar sozinho, procure ajuda médica, pois há tratamentos.

 

Trate a depressão

É complicado prevenir a depressão, até porque, assim como o Alzheimer, essa é uma doença que ainda deixa muitas dúvidas sobre as causas. O importante aqui é saber reconhecer os sintomas e buscar suporte médico o quanto antes.

 

Evite o isolamento e a solidão

Em tempos de pandemia é complicado falar sobre evitar o isolamento e a solidão. Mas, a questão é evitar isolar-se do mundo até mesmo virtualmente. Há pessoas que ficam bem sozinhas, mas outras ficam muito mal e acabam prejudicando sua saúde mental por conta disso.

 

Cuidado com as pancadas na cabeça

As pancadas na cabeça geralmente ocorrem por acidente ou devido a algum esporte mais violento, como lutas. Então, o que se pode fazer é tomar cuidado na rotina para evitar que os acidentes aconteçam. Dirija com cuidado, use capacete para guiar moto ou bicicleta, use protetores nos esportes violentos. Se sofrer alguma pancada forte na cabeça e tiver sintomas, faça exames o quanto antes.

 

Procure evitar a poluição

Se você mora em uma cidade com alta taxa de poluição do ar, fica impossível evitar respirar esse ar no dia a dia. Mas, tente ao menos evitar os horários de maior trânsito, que é quando a poluição aumenta. Se for possível, escolha viver em uma região mais próxima da natureza e longe do centro e fique longe dos fumantes.

 

Cuidado com a hipertensão

Se você ainda não tem hipertensão, cuide bem da sua saúde para não desenvolver essa doença. Se você já tem, cuide bem da sua saúde para manter a doença sob controle. Mantenha uma rotina saudável e equilibrada, alimente-se sem excessos, pratique atividade física.

 

Evite o sedentarismo

Já mencionada na dica anterior, a prática de atividade física frequente é essencial para prevenir muitos problemas de saúde, inclusive o Alzheimer. Mesmo se ainda não puder separar uma ou duas horas do seu dia para ir à academia ou praticar um esporte, inclua mais movimento na sua rotina normal: prefira escadas ao invés do elevador; sempre que puder, saia a pé ou de bicicleta; alongue o corpo ao acordar.

 

Cuidado com a diabetes

Mais uma doença muito perigosa que deve ser evitada ou mantida sob controle é a diabetes. Não abra espaço na sua rotina para o desenvolvimento dessa doença, pois ela não tem cura depois que se instala, e pode trazer graves prejuízos à saúde.

 

Evite o excesso de bebida alcoólica

Consumir bebida alcoólica em excesso traz vários prejuízos à saúde. Se você gosta de beber de vez em quando, tudo bem. Apenas não exagere, não faça isso com frequência, e beba muita água antes, durante e depois de consumir o álcool para se livrar dele o quanto antes. Se você tem problemas com alcoolismo, procure ajuda para conseguir se livrar desse problema o mais breve possível e levar uma vida mais saudável e feliz.

 

Evite ou trate a obesidade

Existem diferentes causas para a obesidade, e muitas pessoas lutam contra essa doença a vida inteira. Não é fácil, mas é possível, quando você conta com o suporte de profissionais de saúde e mantém sua rotina sob controle. A obesidade pode ser prevenida ou tratada com um conjunto de cuidados, incluindo uma alimentação balanceada, a prática de atividade física regular e o controle dos problemas que podem facilitar o ganho excessivo de peso.

 

Fonte: https://www.dicasonline.com/manual-de-habitos-prevenir-alzheimer-desde-cedo/ - por Priscilla Riscarolli


E nós conhecemos e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor e quem está em amor está em Deus, e Deus, nele.

1 João 4:16


quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Insônia: veja causas, sintomas e tratamentos


Especialistas afirmam que as noites em claro são sintomas ocasionados por doenças adquiridas, como depressão, ansiedade e apneia do sono, as quais devem ser tratadas

 

A insônia é o distúrbio de sono mais comum entre adultos, apesar de afetar todas as faixas etárias, e a Organização Mundial da Saúde aponta que 40% da população brasileira sofrem com esse problema. Segundo André Lima, neurologista e membro da Academia Brasileira de Neurologia, a insônia é um sintoma ocasionado por doenças adquiridas, como a depressão, a ansiedade e a apneia do sono (causada pelo ronco).

 

O fonoaudiólogo Bruno Dutra, especialista em sono e ronco, explica que, ao contrário do que muitos pensam, o que caracteriza a insônia não é apenas a falta do sono, mas a má qualidade do descanso. Em muitos casos, o sujeito está extremamente cansado, seu corpo e mente “gritam” pelo descanso, mas ainda assim não conseguem adormecer, ou quando conseguem, acordam ainda mais cansados. Durante a pandemia, o distúrbio tem se agravado entre os indivíduos por conta das mudanças nas rotinas, o isolamento social e, até mesmo, o home office.

 

Quais as causas da insônia?

De acordo com Dutra, as causas da insônia podem ser orgânicas ou psíquicas. A disfunção orgânica pode estar associada a distúrbios hormonais, hipertireoidismo, menopausa, doenças auditivas (zumbido), patologias obstrutivas (roncos e apneias), adenóides, distúrbios alimentares (excesso de cafeína, alimentação rica em carboidratos e gorduras), entre outros. Já as causas psíquicas são responsáveis por mais de 70% dos casos de insônia. Entre as principais:

 

Estresse

Ansiedade

Pensamentos Acelerados

Pânico

Perfeccionismo

Depressão

Tristeza

Luto

 

Quais são os sintomas da insônia?

O neurologista André Lima aponta que, para identificar a insônia, cada pessoa tem que avaliar se os episódios de falta de sono estão sendo muito frequentes, se acorda cansada na parte da manhã e se apresenta sonolência durante o dia. Os sintomas variam de indivíduo para indivíduo.

 

Em complemento, o fonoaudiólogo Bruno Dutra explica que existem dois tipos de insônia: as transitórias e as crônicas. As transitórias acontecem normalmente por um fator conhecido, normalmente com causa psíquica. Já as crônicas são aquelas que perduram por dias, meses e até anos. Alguns inicialmente percebem mudanças na rotina do sono, que persistem e evoluem para uma resistência em ir para a cama. Outros apresentam uma inquietação quando deitam, alguns desenvolvem a síndrome das pernas inquietas e, em casos mais graves, crises de pânico e ansiedade que podem se apresentar com palpitação, tremor e crises de choro.

 

O agravamento ultrapassa a noite e se prolonga pelo dia, gerando mau humor, impaciência, dificuldade de concentração e sensação de esgotamento. Essa repetição pode comprometer o sistema de defesa do organismo humano e ocasionar problemas emocionais, atrapalhar relacionamentos, bem como atividade profissional e escolar.

 

Bebês podem ter insônia?

Sempre que uma criança muito pequena apresenta problemas no sono, é importante investigar se não está com problema físico que a impeça de respirar de forma adequada, algum desconforto digestivo que provoque dores abdominais ou até problemas neurológicos. Normalmente, em uma criança saudável, é importante investigar como está sendo seu dia a dia, ou seja, se fica acordada até muito tarde, se dorme muito durante o dia, qual o tipo de alimentação, entre outros pontos. Bebês precisam de rotina fixa e que o horário de dormir seja de tranquilidade e relaxamento.

 

Qual o médico cuida do sono e quando procurá-lo?

É importante procurar um neurologista assim que o problema começar a afetar o dia a dia do paciente. Feita uma avaliação e descobrindo a causa do problema, a pessoa pode iniciar um tratamento multidisciplinar para combater a insônia, dependendo da origem.

 

Fonte: https://oglobo.globo.com/saude/medicina/insonia-veja-causas-sintomas-tratamentos-25167712?utm_source=Twitter&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo - O Globo - Foto: Canva


Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não veem.

Hebreus 11:1