quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Quer emagrecer? Cinco atitudes para colocar em prática já


Organizar as refeições com antecedência é uma das ações que colaboram para que você siga corretamente o plano alimentar - e atinja o seu objetivo

 

Não podemos negar que 2020 foi um ano diferente - e complicado - em muitos sentidos. Manter uma alimentação saudável durante a pandemia se tornou uma tarefa ainda mais difícil.

 

Se você ganhou peso e está em busca de alternativas para perder os quilos extras, algumas mudanças práticas no dia a dia prometem ajudar. Veja:

 

Organização é tudo!

Antes de começar qualquer dieta você precisa fazer uma lista de compras e ter um planejamento. Cada refeição precisa ser pensada e organizada para que nada saia do controle.

Elabore um cardápio com as refeições do dia e o que você pretende comer em cada uma delas. Se você já tiver planejado, preparado e armazenado o que precisa, menores as chances de cometer deslizes.

 

Lanches fazem a diferença

Pular lanches intermediários é algo que muita gente acaba fazendo quando está de dieta. Mas são justamente eles que vão te ajudar a manter refeições equilibradas e controlar o apetite ao longo do dia.

Se você fizer um lanche entre o café da manhã e o almoço, a fome tende a ser menor. Isso colabora para escolhas mais conscientes e diminui as chances de você comer mais do que precisa por que está "desesperada" de fome.

 

Adapte o cardápio ao seu apetite com estratégias

Se você tem mais apetite à tarde e pela manhã sente menos fome, uma boa estratégia é inserir alimentos com menor densidade calórica no lanche da tarde. Alimentos que possuem menos calorias em uma porção maior vão ajudar a você a se sentir mais saciada. Optou por comer morangos em vez de um sanduíche? Então, a porção escolhida poderá ser maior. Converse com seu nutricionista para entender quais são os melhores alimentos para cada refeição.

 

É fome ou é vontade de comer?

Saber identificar quando sentimos fome de verdade - ou quando estamos comendo por ansiedade ou apenas vontade - é fundamental. A fome é uma sinalização natural do corpo, assim como a sensação de saciedade após se alimentar. O problema não é sentir fome - isso significa que está tudo bem com seu corpo -, mas sim o que você faz quando ela aparece.

Para identificar, reflita se você sente vontade de consumir alimentos nutritivos nestas ocasiões. Se a resposta for sim, é fome de verdade. Agora, se a fome for "seletiva" ou vier com restrições, são grandes chances de ser apenas vontade de comer.

 

Durma bem, hidrate-se, mexa-se!

Não custa lembrar do básico que você já sabe: dormir bem, tomar água e se exercitar são atitudes importantes para uma vida saudável. O sono de qualidade mexe na modulação de hormônios que vão refletir no seu dia. Beber água para se manter hidratada é uma dica manjada, mas é sempre bom recordar. E mexer o corpo vai além de aumentar seu gasto calórico. É importante para a sua saúde!

 

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/donna/fitness/noticia/2020/10/quer-emagrecer-cinco-atitudes-para-colocar-em-pratica-ja-ckgjilwe90002015xjauxceai.html - Paula Pinto

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

O álcool pode melhorar ou atrapalhar o desempenho sexual?


Entenda como a bebida alcoólica age no organismo de homens e mulheres e se ela pode influenciar na relação sexual

 

A combinação de álcool e sexo é um assunto que costuma despertar curiosidade. No imaginário de muitas pessoas, tomar algumas doses de bebida alcoólica tem uma função importante nas preliminares, quase como se fosse uma espécie de afrodisíaco. Mas, afinal, a substância pode aumentar a libido ou melhorar o desempenho sexual?

 

Para responder essa pergunta, precisamos entender como o álcool age no organismo e seus impactos na hora do sexo para homens e mulheres. Em termos gerais, a substância é um depressor do sistema nervoso central, o que significa que uma ou duas doses, inicialmente, podem provocar uma sensação de bem-estar e relaxamento.

 

Neste contexto, a pessoa, geralmente, fica mais desinibida e autoconfiante, dando a impressão de que o efeito do álcool torna mais fácil conquistar um parceiro ou ficar mais à vontade na cama. Porém, à medida que o número de doses aumenta, a concentração de álcool no sangue sobe e, com isso, também cresce o risco de o desempenho sexual não ser satisfatório.

 

Assim, a bebida alcoólica em excesso diminui a libido e, o que antes parecia ser uma boa combinação, acaba sendo desastroso. Para os homens, pode ficar mais difícil alcançar e manter a ereção, além de retardar o orgasmo, até mesmo ao ponto de inibi-lo. No caso das mulheres, também pode ocorrer a dificuldade de alcançar o orgasmo e algumas relatam diminuição da lubrificação vaginal.

 

Expectativa x Realidade

Além dos aspectos físicos, é importante destacar as expectativas em relação à atuação do álcool no sexo. Um estudo apontou que, quando consumido em baixas quantidades, o álcool está associado a maior excitação sexual autorrelatada, ou seja, as pessoas têm a percepção de que ele aumenta a excitação e melhora o desempenho sexual. No entanto, a realidade é diferente e, fisiologicamente, isso não é constatado.

 

Outros estudos ainda indicam que as pessoas que associam o beber a um melhor desempenho sexual tendem a consumir mais álcool nas ocasiões em que o sexo é uma possibilidade. Entretanto, essas pessoas não relataram experiências sexuais mais positivas em relação às que tiveram quando estavam sóbrias.

 

Disfunção sexual e riscos

Para quem sofre de dependência alcoólica, a relação álcool e sexo é ainda mais problemática. Um estudo mostrou que 37% dos pacientes dependentes apresentaram alguma dificuldade sexual, sendo a disfunção erétil a mais comum entre os homens (representando 25% dos casos).

 

É preciso alertar também sobre outro efeito, ainda mais custoso à saúde: o abuso do álcool diminui a percepção de riscos e dificulta a tomada de decisões. Assim, uma das principais consequências negativas é ter relações sexuais sem proteção, o que aumenta as chances de de transmissão de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e de uma gravidez indesejada.

 

Em casos mais extremos, o excesso pode levar a um "blecaute alcoólico", ou seja, a pessoa corre o risco de não se lembrar de partes ou períodos inteiros enquanto estava acordada e bebendo. São períodos de amnésia durante os quais a pessoa realiza ações, como ter uma relação sexual, e o cérebro é incapaz de formar memórias de tais eventos.

 

Por isso, é importante ter consciência dos riscos que o consumo abusivo de álcool nos expõe e dos mitos que nos cercam quando o assunto é álcool e sexo: bebida alcoólica em excesso não é sua aliada. E vale lembrar que é essencial respeitar os próprios limites ao decidir beber, pois os efeitos do álcool variam bastante de pessoa para pessoa.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/36885-o-alcool-pode-melhorar-ou-atrapalhar-o-desempenho-sexual - Escrito por Arthur Guerra de Andrade

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Superando desafios


     Desde que nascemos, superamos desafios todos os dias de nossas vidas, os quais podem ser fáceis ou difíceis, importantes ou não, colocados a nós de acordo com a situação que estamos vivendo no momento.

 

     Os desafios são provas e obstáculos que surgem no decorrer de nossas vidas. Eles nos ensinam a crescer, a superar limites e a conquistar o nosso espaço na sociedade. Eles acontecem no trabalho, no casamento, na família, nos estudos, nos esportes, nos relacionamentos e com a saúde; através da superação de perda do emprego e conquista de outro; de deixar a vida de solteiro, se casar e construir uma nova família; da luta pela cura de uma doença; da perda de um ente querido, da passagem da fase de adolescente para a adulta; do término dos estudos no ensino médio e a aprovação no vestibular e principalmente, do desafio de aprender a conviver e respeitar o outro como ser humano.

 

     Durante a minha vida profissional, sempre apareceram desafios, que foram e continuam sendo um aprendizado a cada dia, mas alguns se destacaram pelas circunstâncias e períodos que ocorreram, foram e continuam sendo um aprendizado diariamente.

 

     Durante 26 anos de trabalho no Colégio Estadual Murilo Braga, apenas ensinei o basquete nas aulas de educação física, mas com a implantação da LDB em 1996, elas foram modificadas com a inclusão de conteúdos teóricos, outros esportes e temas transversais. Foi difícil me adaptar, mas a minha determinação de acompanhar as novas tendências da educação fez com que me aprimorasse, superasse limites e atualizasse os conhecimentos participando de cursos específicos, lendo e conversando com outros professores sobre os diversos assuntos. Fiquei realizado em dar esse tipo de aula na escola pública em substituição ao esporte competitivo.

 

     Em 1993, fui convidado a dar aulas de basquete no Colégio Dom Bosco, mas no ano seguinte, os alunos optaram em praticar o voleibol e tive que optar em perder o emprego ou ensinar este esporte. E foi o que decidi: “arregacei as mangas”, comprei livros, fiz vários cursos e pesquisei bastante, dois anos depois ganhei o primeiro título escolar dos quatros conquistados em Sergipe, chegando a representar o Estado nos JEB’s, em Brasília, com as meninas do Dom Bosco. Em 2008, aceitei o desafio de ensinar handebol a nível competitivo e o Dom Bosco sagrou-se campeão masculino da seletiva do interior dos Jogos da Primavera, em Lagarto. Continua sendo uma experiência realizadora trabalhar com esportes que não sejam o basquete, o qual ensinei por 30 anos nos Colégios Murilo Braga, Graccho Cardoso e Salesiano.

 

     No Salesiano, sempre ensinei basquete e educação física do ensino fundamental ao médio. Em 2004, aceitei o desafio de ensinar pela primeira vez, em minha vida, a quarta série, hoje 5º ano. Superei os obstáculos e dificuldades por nunca ter trabalhado com alunos na faixa etária de 9 a 10 anos, mas foi gratificante porque aprendi a ter mais paciência e aceitar a ser “tio”.

 

     Em 2009, para minha surpresa e satisfação, fui convidado pelo Colégio Graccho, ao maior desafio de minha vida profissional, depois de 20 anos de dedicação a esta instituição, de educar através da educação física escolar, alunos do 2º ao 5º ano do ensino fundamental, antigo primário. Este desafio foi difícil por causa da idade dos alunos que ia de 6 a 10 anos, pois precisavam de mais atenção, carinho e respeito; exigindo de mim ser “tio”, psicólogo, enfermeiro, segundo pai e principalmente, um educador com a responsabilidade de contribuir na formação integral destas crianças. Eu não era apenas o professor de basquete, mas também de voleibol, handebol, futsal e educação física escolar.

 

     Em 2010, recebi o convite do Colégio O saber para ensinar educação física aos alunos do 6º ao 9º Ano e como a escola não tinha uma quadra esportiva, uma das duas aulas semanais era dada no Ginásio do SESI e a outra na sala de aula, um novo desafio, já que durante 30 anos de vida profissional as minhas aulas eram praticamente na quadra. Implantei as aulas teóricas com conteúdos sobre os esportes esportivos e também ensinei aos alunos a jogar xadrez e dama. Atualmente, a escola já possui sua quadra esportiva e as aulas são práticas, abrangendo basquete, futsal, handebol e voleibol.

 

     Em julho de 2020, o Blog Professor José Costa atingiu a marca histórica de 7 milhões de acessos, um sonho que foi concretizado após muito trabalho diário, este realizado com perseverança, responsabilidade e determinação de passar informações com qualidade aos leitores. Tudo começou em 2009, quando o amigo Jackson Macedo me aconselhou a criar um blog para divulgar o meu trabalho nas escolas onde ensinava. Ele me ensinou os primeiros passos e depois disso, comecei a montar o blog do meu jeito, inicialmente, com muitas dificuldades, já que não tinha o conhecimento apropriado para esse novo desafio e a da minha limitação em usar o computador e a internet. Aos poucos, fui aprendendo e, hoje, o blog tornou-se para mim uma ferramenta de trabalho onde procuro passar aos leitores informações atualizadas sobre educação, esporte, saúde, cultura e cidadania. Se depender da minha perseverança e determinação, o blog alcançará em breve a marca de 8 milhões de acessos, aguardemos.

 

     Em 2020, concretizei um sonho antigo, dar aulas às turmas do 4º ano no Colégio Dom Bosco, mas infelizmente por causa da pandemia, acabei lecionando presencialmente apenas até março, e o restante das aulas, até 18 de outubro, pela internet, quando encerrei meu ciclo de trabalho na escola, após 27 anos e 7 meses. Continuo lecionando educação física no Colégio O Saber. Em 2021, com as graças de Deus, estarei disposto para continuar as minhas atividades como professor de educação física em outras instituições de ensino.

 

     Em 40 anos de trabalho, já ganhei mais de duzentas medalhas com meus alunos dos Colégios Murilo Braga, Graccho, Salesiano, Dom Bosco e O Saber. Todas tiveram um significado especial na minha carreira profissional, como a primeira medalha em cada colégio onde ensinei ou em cada competição que disputei. Algumas marcaram mais que outras, principalmente, a primeira em cada esporte como: em 1981, a medalha de Ouro no Basquete dos Jogos da Primavera com a categoria A feminino do Colégio Estadual Murilo Braga; em 1999, a medalha de Bronze no Voleibol dos Jogos das Crianças de Sergipe com a categoria mirim feminino do Colégio Dom Bosco; em 2008, a medalha de Ouro no Handebol da Seletiva dos Jogos da Primavera-Olimpíadas Escolares, com a categoria A masculino do Colégio Dom Bosco; em 2011, o título de campeão do Campeonato mirim masculino de futsal de Itabaiana, promovido pelo SESI, que foi disputado por 16 equipes das escolas das redes municipal, estadual e particular de ensino.

 

     Ao longo dos anos, o que vem me motivando a continuar trabalhando como quando iniciei em 1980, é a disposição de superar desafios em cada escola onde trabalhei ou em cada esporte que ensinei, seja no basquete, voleibol, handebol ou futsal. É através do esporte, na educação física, que espero estar contribuindo na formação integral dos meus alunos, inspirado na frase de Dom Bosco de “formar bons cristãos e honestos cidadãos”.

 

     Relato estes desafios da minha profissão e vida não para me enaltecer, mas para que sirvam de lições, motivações e exemplos a outras pessoas. Se aparecer desafios no percurso de sua vida, faça como eu: aceite-os, enfrente-os, não se intimide, não se desespere, não se acomode, tenha fé, encontre novos caminhos e soluções, recomece, aproveite as oportunidades, faça o melhor possível e compartilhe todas as experiências adquiridas.

 

     Em todos os desafios são encontradas dificuldades, problemas, incompreensões e obstáculos, mas nada que não possa ser resolvido ou superado com determinação, dedicação e força de vontade. Peça a Deus que ilumine e guie seus passos no caminho certo para superá-los quando forem surgindo na sua vida e Ele lhe atenderá, como faz comigo.

 

Professor José Costa

Escrever à mão torna você mais inteligente


Apesar de algumas preocupações com a luz azul-violeta dos celulares e tablets, outros estudos indicam que as crianças se desenvolvem mais com o uso da tecnologia.

 

Escrever à mão para ativar o cérebro

 

A tecnologia tem trazido grandes vantagens e facilitadores para a educação das crianças - incluindo benefícios cognitivos - mas algumas tarefas que estão sendo deixadas de lado podem anular esses ganhos.

 

É o caso de escrever à mão.

 

Na verdade, as perdas para as crianças parecem ser tão grandes que cientistas da Noruega estão defendendo a adoção de leis nacionais para garantir que as crianças recebam pelo menos um treinamento básico de caligrafia.

 

Os resultados de vários estudos mostraram que tanto crianças quanto adultos aprendem mais e lembram melhor do que estudaram quando escrevem à mão.

 

Agora, outro estudo confirmou esses resultados: Escolher a escrita à mão em vez de escrever usando um teclado resulta em melhor aprendizado e memória.

 

A professora Audrey van der Meer e seus colegas da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia investigaram isso várias vezes desde 2017, começando com análises da atividade cerebral dos estudantes.

 

Agora a equipe publicou um novo estudo no qual a atividade cerebral foi monitorada comparativamente em adultos jovens e crianças.

 

Viver uma vida autêntica

 

Os experimentos foram realizados usando um aparelho de EEG (eletroencefalograma) para registrar a atividade das ondas cerebrais, permitindo coletar dados objetivos.

 

O cérebro produz impulsos elétricos quando está ativo. Os sensores nos eletrodos do exame são muito sensíveis e captam essa atividade elétrica, eliminando os vieses que podem ocorrer quando as avaliações são realizadas por entrevistas ou provas.

 

Os resultados mostraram que o cérebro dos adultos jovens e das crianças ficou muito mais ativo ao escrever à mão do que ao digitar no teclado.

 

"O cérebro evoluiu ao longo de milhares de anos. Ele evoluiu para ser capaz de agir e navegar pelo comportamento apropriado. Para que o cérebro se desenvolva da melhor maneira possível, precisamos usá-lo naquilo que ele é melhor.

 

"Precisamos viver uma vida autêntica, temos que usar todos os nossos sentidos, estar ao ar livre, experimentar todos os tipos de clima e conhecer outras pessoas. Se não desafiarmos o nosso cérebro, ele não poderá atingir todo o seu potencial. E isso pode afetar o desempenho na escola," disse a professora Van der Meer.

 

Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=escrever-mao-torna-voce-mais-inteligente&id=14354&nl=nlds - Redação do Diário da Saúde - Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Idosos mais joviais: Funções físicas e cognitivas melhoraram em 30 anos


Embora há apenas 10 anos se indicasse que as pessoas passavam mais anos doentes ao envelhecer, agora os dados indicam que estamos vivendo mais e mais saudáveis.

 

Idade com saúde

 

A capacidade funcional dos idosos de hoje é melhor quando comparada com a de pessoas da mesma idade de três décadas atrás.

 

Pesquisadores compararam o desempenho físico e cognitivo de pessoas entre 75 e 80 anos com os mesmos indicadores das pessoas da mesma idade na década de 1990.

 

"As medições baseadas no desempenho descrevem como os idosos lidam com sua vida diária e, ao mesmo tempo, as medições refletem a idade funcional de uma pessoa," explicou a professora Taina Rantanen, da Universidade de Jyvaskyla (Finlândia).

 

Entre homens e mulheres com idades entre 75 e 80 anos, a força muscular, a velocidade de caminhada, a velocidade de reação, a fluência verbal, o raciocínio e a memória de trabalho mostraram-se significativamente melhores do que em pessoas que tinham a mesma idade em 1990.

 

Nos testes de função pulmonar, no entanto, não foram observadas diferenças entre os dois grupos.

 

"A maior atividade física e o aumento do tamanho corporal explicaram a melhor velocidade de caminhada e força muscular entre a coorte nascida mais tarde, enquanto o fator subjacente mais importante por trás das diferenças da coorte no desempenho cognitivo foi a educação mais longa," disse a pesquisadora Kaisa Koivunen.

 

Meia-idade mais longa

 

Os resultados sugerem que o aumento da expectativa de vida tem sido acompanhado por um aumento do número de anos vividos com boa capacidade funcional.

 

Segundo a equipe, isso pode ser explicado por uma taxa de mudança mais lenta com o aumento da idade, um desempenho físico melhor mais duradouro ou uma combinação dos dois.

 

"Os resultados sugerem que nossa compreensão da velhice está antiquada. Do ponto de vista de um pesquisador do envelhecimento, mais anos são adicionados à meia-idade, e não tanto ao fim da vida. O aumento da expectativa de vida nos fornece mais anos sem deficiência, mas, ao mesmo tempo, os últimos anos de vida chegam em idades cada vez maiores, aumentando a necessidade de cuidados. Entre a população que está envelhecendo, duas mudanças simultâneas estão ocorrendo: a continuação dos anos saudáveis até idades mais elevadas e um aumento do número de pessoas muito velhas que precisam de cuidados externos," disse Rantanen.

 

Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=idosos-mais-joviais-funcoes-fisicas-cognitivas-melhoraram-30-anos&id=14351&nl=nlds - Redação do Diário da Saúde - Imagem: Marg/Wikimedia

domingo, 18 de outubro de 2020

O melhor exercício para emagrecer e continuar magro foi descoberto pela ciência


Levantamento de peso, também conhecido como treinamento de resistência, é praticado há séculos como forma de aumentar a força muscular. Pesquisas mostram que o treinamento de resistência, seja feito por meio do peso corporal, elásticos ou máquinas de resistência, halteres ou pesos livres, não apenas nos ajuda a ganhar força, mas também melhora o tamanho do músculo e pode ajudar a neutralizar a perda muscular relacionada à idade.

 

Mais recentemente, tornou-se popular entre aqueles que procuram perder peso. Embora exercícios como corrida e ciclismo sejam realmente eficazes para reduzir a gordura corporal, essas atividades podem diminuir simultaneamente o tamanho do músculo, levando a músculos mais fracos e maior perda de peso percebida, pois o músculo é mais denso do que a gordura. Mas, ao contrário dos exercícios aeróbicos, as evidências mostram que o treinamento de resistência não só tem efeitos benéficos na redução da gordura corporal, mas também aumenta o tamanho e a força muscular.

 

O “efeito queima pós-treino”

Quando fazemos exercícios, nossos músculos precisam de mais energia do que quando descansamos. Essa energia vem da capacidade de nossos músculos de quebrar a gordura e os carboidratos (armazenados no músculo, fígado e tecido adiposo) com a ajuda de oxigênio. Portanto, durante o exercício, respiramos mais rápido e nosso coração trabalha mais para bombear mais oxigênio, gordura e carboidratos para os músculos em exercício.

 

O que é menos óbvio, no entanto, é que depois de terminarmos os exercícios, o consumo de oxigênio permanece elevado, a fim de restaurar os músculos ao seu estado de repouso, quebrando a gordura armazenada e os carboidratos. Este fenômeno é chamado de consumo excessivo de oxigênio pós-exercício (CEOPE), embora mais comumente conhecido como “efeito queima pós-treino”. Descreve quanto tempo a captação de oxigênio permanece elevada após o exercício para ajudar os músculos a se recuperarem.

 

A extensão e a duração do efeito queima pós-treino são determinadas pelo tipo, duração e intensidade do exercício, bem como pelo nível de aptidão e dieta. Um exercício de longa duração que usa vários músculos grandes, realizado até a fadiga ou próximo a ela, resulta em uma queima pós-treino maior e mais duradoura.

 

O treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT, na sigla em inglês) e o treinamento de resistência de alta intensidade são mais eficazes para elevar a queima pós-treino de curto e longo prazo. A razão pela qual exercícios do tipo HIIT são considerados mais eficazes do que exercícios de resistência em estado estacionário é por causa do aumento da fadiga associada ao HIIT. Essa fadiga leva a mais oxigênio e energia necessários por um período prolongado para reparar músculos danificados e repor os estoques de energia esgotados. Como tal, o exercício de resistência é uma forma eficaz de perder o excesso de gordura devido ao alto custo calórico da sessão de treinamento real e ao “efeito queima pós-treino”.

 

Perda de gordura de longo prazo

O treinamento de resistência também pode ser eficaz para o controle de peso a longo prazo. Isso ocorre porque o tamanho do músculo desempenha um papel importante na determinação da taxa metabólica de repouso (TMR), que é quantas calorias seu corpo necessita para funcionar em repouso. A taxa metabólica em repouso é responsável por 60-75% do gasto total de energia em pessoas que não praticam exercícios, e a gordura é a fonte de energia preferida do corpo em repouso.

 

O aumento do tamanho do músculo por meio do treinamento de resistência aumenta a TMR, aumentando ou sustentando a perda de gordura ao longo do tempo. Uma revisão de 18 estudos descobriu que o treinamento de resistência foi eficaz no aumento da taxa metabólica de repouso, enquanto o exercício aeróbio e exercícios combinados aeróbio e de resistência não foram tão eficazes. No entanto, também é importante controlar a ingestão de calorias para perder gordura e manter a perda de gordura.

 

Os exercícios de treinamento de resistência devem envolver os maiores grupos musculares, usar exercícios de corpo inteiro executados em pé e deve envolver duas ou mais articulações. Tudo isso torna o trabalho corporal mais difícil, aumentando assim a quantidade de músculo e, portanto, a TMR. Um programa de treinamento de resistência eficaz deve combinar intensidade, volume (número de exercícios e séries) e progressão (aumentando ambos conforme você fica mais forte). A intensidade deve ser alta o suficiente para que você se sinta desafiado durante o treino.

 

A maneira mais eficaz de fazer isso é usando o método de repetição máxima. Para fins de perda de gordura, deve-se realizar entre seis e dez repetições de um exercício com uma resistência que resulte em fadiga, de forma que você não consiga fazer confortavelmente outra repetição completa após a última. Recomenda-se três a quatro séries, duas ou três vezes por semana para cada grupo muscular.

 

O método de repetição máxima também garante a progressão, pois quanto mais forte você fica, mais você precisa aumentar a resistência ou carga para causar fadiga na décima repetição. A progressão pode ser alcançada aumentando a resistência ou intensidade, de modo que a fadiga ocorra após a realização de menos repetições, digamos oito ou seis.

 

O treinamento de resistência ajuda na perda de excesso de gordura, aumentando tanto a queima pós-treino após o exercício, quanto o tamanho do músculo, aumentando assim o número de calorias que queimamos em repouso. Combiná-lo com uma dieta saudável só aumentará ainda mais a perda de excesso de gordura corporal – e também pode fornecer outros benefícios positivos à saúde.

 

Fonte: https://hypescience.com/melhor-exercicio-para-emagrecer/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29  - Por Redação

sábado, 17 de outubro de 2020

Como eliminar o mau hálito na hora de usar máscara


O mau cheiro tem solução, basta adotar algumas dicas simples no dia a dia

 

Não adianta esbravejar: a máscara protetora de nariz e boca se tornou um item indispensável durante a pandemia do novo coronavírus. Isso porque, se usada de forma correta, ela é capaz de minimizar a transmissão do vírus por formar uma barreira física contra a disseminação de gotículas de saliva, bem como proteger quem a usa contra uma possível contaminação proveniente de outras pessoas.

 

Mas como contornar aquele mau hálito que incomoda quando ficamos um pouco mais de tempo com a máscara? Saiba desde já que esse é um problema comum, porém simples de se resolver.

 

Em primeiro lugar, é importante saber que, se você notou o mau hálito durante o uso das máscaras, muito provavelmente ele já estava presente antes disso. O fato que mudou é que o ar que respiramos fica maiormente contido dentro da máscara e faz com que sintamos o mau cheiro com mais intensidade.

 

O mau hálito pode acontecer por diversas razões, sejam elas o hábito de passar muitas horas sem comer ou de ter uma higiene bucal deficiente. O alívio desse mau odor, portanto, vem justamente de um cuidado maior com a boca.

 

Abaixo, veja sete dicas que separamos para tornar o uso das máscaras mais confortável para o seu olfato.

 

Evite jejuns prolongados: ficar sem se alimentar por longos períodos pode provocar mau hálito que, em tempos normais, talvez não fizesse diferença para você. Quando a máscara retém parte do ar exalado, o incômodo é notado. Por isso, procure se alimentar em média a cada três horas, pois essa regularidade ajuda a aliviar o problema.

 

Beba água: a boca seca também faz com que a halitose - como também é conhecido o mau hálito - se manifeste. E, como a máscara retém o ar expelido, sobra para o nariz sentir o mau hálito. Por isso, tenha o hábito de se hidratar regularmente, pois ela ajuda a normalizar a liberação de saliva, responsável também por um bom hálito. De quebra, beber água também enxagua a boca, retirando parte das bactérias presentes na região.

 

Fuja de determinados alimentos: quem nunca reclamou do coleguinha que exagerou no alho ou na cebola e ficou com um hálito bem característico? Pois saiba que em tempos de pandemia - se você exagerar nesses condimentos - será você a lidar com esse odor. Sempre que tiver de sair de casa e, consequentemente, usar máscara, pense bem no que colocará no prato na refeição anterior.

 

Escove os dentes cuidadosamente: a saúde bucal é fundamental para um hálito fresco. Por isso, não deixe de escovar os dentes cuidadosamente após cada refeição. Uma opção para manter o hálito agradável e ainda se proteger contra a formação de tártaro - aquela placa bacteriana endurecida - é usar diariamente a nova linha Colgate Total 12® Anti-Tártaro, pois ele possui uma tecnologia avançada antibacteriana e protege a boca contra esses microrganismos por até 12 horas.

 

Não se esqueça da língua: faça da escovação da língua um hábito. Isso porque bactérias e resíduos de alimentos também podem permanecer ali, o que confere um mau hálito que é intensificado quando a máscara cobre o nariz e a boca. Por isso, sempre depois de escovar os dentes, também dedique um momento na higienização da língua.

 

O uso da nova linha Colgate Total 12® Anti-Tártaro é uma opção eficaz para esses casos, pois a tecnologia antibacteriana também protege língua, bochechas, gengivas e dentes.

 

Use fio dental: depois de cada refeição, use também o fio ou fita dental. Isso porque ele remove resíduos de alimentos que porventura podem ter se acumulado entre os dentes. Se eles permanecerem ali, vão sofrer degradação e o resultado é bem aquilo que você deseja evitar: o mau hálito. Quando a máscara cobrir o nariz e a boca, o cheiro que você sentirá também virá daquele alimento não removido de entre os dentes há dias.

 

Enxaguante bucal é o melhor amigo: o enxaguante bucal é capaz de eliminar bactérias de toda a boca, não somente da superfície dos dentes. Por isso, é um grande aliado também durante a época atual, em que as máscaras são necessárias para prevenir a disseminação do novo coronavírus.

 

Com as bactérias eliminadas, o hálito tende a ficar fresco e delicado. Uma opção de enxaguante bucal que conta com diversas funcionalidades é o da nova linha Colgate Total 12® Anti-Tártaro. Além da sua potência antibacteriana, de quebra ainda tem um agradável sabor que permanece na boca.

 

Caso o mau hálito persistir, procure um médico, já que há alguns casos menos frequentes em que o odor desagradável pode vir do esôfago ou estômago.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/saude/materias/36839-como-eliminar-o-mau-halito-na-hora-de-usar-mascara?utm_source=news_mv&utm_medium=MS&utm_campaign=8756916 - Escrito por Informe Publicitário - Redação Minha Vida

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Atividades físicas e memória caminham lado a lado


Quer saber quais exercícios fazer para manter sua mente em forma? São muitos, inclusive exercitar-se com realidade virtual.

 

Física cerebral

 

Se o esporte é bom para o corpo, ele também parece ser bom para o cérebro.

 

Ao avaliar o desempenho da memória após uma sessão de atividade esportiva, neurocientistas da Universidade de Genebra (Suíça) demonstraram que uma sessão de exercício físico intensivo - 15 minutos em uma bicicleta ergométrica - melhora a memória, incluindo a aquisição de novas habilidades motoras.

 

Mas como isso funciona?

Por meio da ação dos endocanabinoides, moléculas conhecidas por aumentar a plasticidade sináptica.

Segundo a equipe, essa descoberta destaca as virtudes do esporte para a saúde e para a educação: Programas e estratégias escolares que visam reduzir os efeitos da neurodegeneração na memória podem de fato se beneficiar disso.

 

Esporte e memória

Muitas vezes, logo após um exercício esportivo - especialmente de resistência, como corrida ou ciclismo - a pessoa sente um bem-estar físico e psicológico. Essa sensação se deve aos endocanabinoides, pequenas moléculas produzidas pelo corpo durante o esforço físico.

"Eles circulam no sangue e cruzam facilmente a barreira hematoencefálica [a barreira que protege o cérebro]. Eles então se ligam a receptores celulares especializados e desencadeiam essa sensação de euforia. Além disso, essas mesmas moléculas se ligam a receptores no hipocampo, a principal estrutura cerebral para o processamento da memória," explicou a professora Kinga Igloi.

"Mas qual é a ligação entre esporte e memória? Isso é o que queríamos entender," prosseguiu.

 

Papel dos endocanabinoides

Além de submeter os voluntários a testes de memória, a equipe procurou por mudanças na ativação das estruturas cerebrais usando exames ressonância magnética funcional e realizou exames de sangue para medir os níveis de endocanabinoides.

As diferentes análises apontam todas na mesma direção: Quanto mais rápidos os indivíduos são, mais eles ativam o hipocampo (a área de memória do cérebro) e o núcleo caudado (uma estrutura cerebral envolvida nos processos motores).

Além disso, seus níveis de endocanabinoides seguem a mesma curva: quanto mais alto seu nível após um esforço físico intenso, mais o cérebro é ativado e melhor é o desempenho do cérebro.

"Essas moléculas estão envolvidas na plasticidade sináptica, ou seja, na forma como os neurônios se conectam entre si e, portanto, podem atuar na potencialização de longo prazo, o mecanismo de consolidação da memória," disse a pesquisadora Blanca Bosch.

 

Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=atividades-fisicas-memoria-caminham-lado-lado&id=14361 - Redação do Diário da Saúde - Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Gigantesco estudo de 24 mil sonhos mostra que eles realmente são uma continuação da realidade


Qual a origem dos sonhos? Sonhos tem significado? Essa pergunta é antiquíssima, repetida e teorizada há milhares de anos.

 

Antigamente a tendência era interpretar os sonhos como presságios e/ou conexões com o mundo espiritual. Hoje em dia tendemos a dar explicações mais tangíveis para os sonhos e conectá-los com a nossa vida durante a vigília, ou seja, sua relação com o que vivemos durante o dia.

 

Continuação da vida real

“A pesquisa forneceu repetidamente um forte apoio para o que os cientistas do sono chamam de “hipótese de continuidade dos sonhos“: a maioria dos sonhos é uma continuação do que está acontecendo na vida cotidiana. Acontece que a vida cotidiana afeta os sonhos (por exemplo, a ansiedade na vida leva a sonhos com afeto negativo) e vice-versa (por exemplo, sonhar afeta as habilidades de resolução de problemas)”, afirmam os pesquisadores coordenados por Alessandro Fogli, cientista da computação da Universidade Roma Tre, na Itália em estudo recente.

 

Essas teorias da psicologia tem origem na obra de Sigmund Freud, entre outros, no século passado. Esses trabalhos criaram a noção de que os sonhos possuem significados misteriosos que poderiam ser revelados quando observados junto aos acontecimentos ocorridos durante a vigília.

 

Sistema Hall & Van de Castle de análise do significado do sonho

Nessa modalidade de analisar os sonhos, especialistas auxiliam seus clientes na interpretação de seus sonhos usando relatos dos sonhos, pistas, símbolos e outras estruturas que possam estar ligadas a própria vida.

 

Um dos métodos com melhor reputação na interpretação dos sonhos é o sistema Hall & Van de Castle, que analisa os sonhos com base em seus personagens, as relações destes personagens e os efeitos de suas interações sobre ditos personagens, incluindo muitos outros aspectos.

 

Uma dificuldade do sistema Hall & Van de Castle é a lentidão do processo altamente trabalhoso e gradual para identificar os elementos dos sonhos. Por isso os pesquisadores tem buscado por soluções computacionais que possam agilizar a tarefa.

 

No último estudo os pesquisadores encontraram uma maneira de fazer exatamente isso: mapear os sonhos de muitas pessoas em larga escala ao analisar 24 mil sonhos de um enorme banco de dados de relatos de sonhos conhecido como DreamBank.

 

A ferramenta de análise de sonhos por computador

“Projetamos uma ferramenta que pontua relatórios de sonhos automaticamente, operacionalizando a escala de análise de sonhos amplamente usada por Hall & Van de Castle. Nós validamos a eficácia da ferramenta em relatórios de sonhos anotados à mão … e testamos o que os cientistas do sono chamam de “hipótese de continuidade” nesta escala sem precedentes”, disseram os cientistas.

 

O software que processa sonhos criado pela equipe simplificou o sistema Hall & Van de Castle, fazendo análise do texto dos relatos de sonhos com foco nos personagens, suas interações sociais e em palavras que evocam emoções.

 

A precisão do novo método em comparação com especialistas

“Essas três dimensões são consideradas as mais importantes para ajudar na interpretação dos sonhos pois definem a espinha dorsal do enredo de um sonho: quem estava presente, quais ações foram realizadas e quais emoções foram expressadas”, afirmam os pesquisadores.

 

Ao realizar a comparação do resultado da nova ferramenta com os resultados de especialistas em sonhos eles encontraram 75% de correspondência. Há margem para melhora, mas o resultado é muito promissor na pesquisa dos sonhos.

 

Os sonhos tem significado?

Os cientistas descobriram inclusive indicações que evidenciam a hipótese da continuidade, isto é, a idéia de que sonhos são uma extensão da vida cotidiana. Os cientistas dizem que os relatos dos sonhos possuíam inúmeros s “marcadores estatísticos” que evidenciam o que as pessoas haviam experimentado na vida durante enquanto acordados.

 

Se tiver curiosidade é possível navegar pelas análises dos cientistas através destes sonhos reais relatados neste website (em inglês).

 

Apesar de não ser a tecnologia definitiva para a análise dos sonhos e sua origem os cientistas afirmam que esse tipo de abordagem futuramente poderá “construir tecnologias que preenchem a lacuna atual entre a vida real e os sonhos”.

 

Fonte: https://hypescience.com/significado-sonhos/ - Por Marcelo Ribeiro

Orgulho de ser professor

 


     Convicto da importância do professor na educação de crianças e jovens, não apenas em 15 de outubro, mas em todos os dias do ano, gostaria de relatar em poucas palavras a minha trajetória como professor de educação física e a missão incansável de educar.

 

     Em 1976, quando estudava a 8ª série e praticava basquete no Colégio Estadual Murilo Braga, resolvi que iria fazer o vestibular para Educação Física e ser professor.

 

     Em janeiro de 1980, fiz o vestibular e fui aprovado. Era o início da concretização do sonho de ser professor. No mês de abril do mesmo ano, tive a oportunidade de ingressar no serviço público e, assim, dar aulas de educação física e basquete no Colégio Estadual Murilo Braga. No início da carreira, passei 5 anos estudando na UFS e ao mesmo tempo ensinando.

 

     Em 1988, insatisfeito com apenas um emprego, resolvi procurar o ex-colega da universidade e vice-diretor do Colégio Graccho, Abelardo Neto. Solicitei a ele um emprego como professor, e fui prontamente atendido. Ensinei basquete e no último ano de trabalho na escola lecionei aulas de educação física aos alunos do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Dediquei 22 anos de minha vida aos alunos e à instituição, a qual sou eternamente grato pela acolhida.

 

     Em 1989, recebi o convite para ensinar basquete no Colégio Salesiano pelo coordenador Pedagógico Jairton Guimarães (Cobrinha), que já conhecia o meu trabalho através do CEMB e do Graccho. Também lecionei educação física do 5º ano do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio. Trabalhei 21 anos e aprendi muito como educador através do sistema preventivo de Dom Bosco.

 

     Tenho orgulho de ter trabalhado em dois dos melhores colégios do Estado, Graccho e Salesiano. Em ambos, pedi para ser demitido por motivos pessoais e fica aqui o meu agradecimento pelo respeito ao meu trabalho por mais de duas décadas.

 

     Em 1993, a Irmã Auxiliadora me fez o convite para lecionar no Colégio Dom Bosco, inicialmente o basquete e depois o voleibol. Em 2020, ensinei educação física aos alunos do 4º e 5º ano do Ensino Fundamental e da 2ª série do Ensino Médio, No dia 18 de outubro, encerra o meu ciclo de trabalho no Dom Bosco, após 27 anos, 7 meses e 18 dias. Estou feliz por ter contribuído com a educação de milhares de crianças e jovens de Itabaiana e cidades circunvizinhas. Minha eterna gratidão a Irmã Auxiliadora (in memoriam) por ter me proporcionado trabalho em uma das maiores instituições de ensino de Itabaiana e de Sergipe.

 

     Em 2009, senti a necessidade de criar um blog para divulgar meu trabalho nas escolas relacionado à educação física e ao esporte, envolvendo com meus alunos e ex-alunos. Posteriormente, comecei também a publicar conteúdos pesquisados na internet sobre educação, esporte, saúde, cultura e cidadania. O blog já está com 7 milhões de acessos, uma demonstração de dedicação, compromisso e responsabilidade para com minha carreira de professor e com as pessoas que confiam em mim.

 

     Em 01 de março de 2010, o diretor do Colégio O Saber, Everton Oliveira, ex-aluno do basquete do CEMB, convidou-me para dar aulas de educação física aos alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Atualmente, também leciono aos alunos do ensino médio.

 

     Tenho orgulho de ter sido campeão por todas as escolas que trabalhei nas diversas competições escolares de voleibol, handebol, futsal e, principalmente, do basquete.

 

      Em 28 de fevereiro de 2017, foi publicada a portaria no Diário Oficial da minha aposentadoria após 37 anos de trabalho no funcionalismo público estadual como professor de educação física do Colégio Estadual Murilo Braga. Obrigado aos alunos, professores, diretores e funcionários que fizeram parte da minha vida profissional neste período.

 

     Em 02 de março de 2018, adquiri a concessão do INSS da minha aposentadoria após ter trabalhado como Professor de Educação Física por 30 anos nos Colégios Graccho Cardoso, Salesiano, Dom Bosco e O Saber. Obrigado aos alunos, professores, diretores e funcionários dos colégios onde trabalhei e que fizeram parte da minha vida profissional neste período.

 

     Que Deus, na sua infinita bondade, dê-me muita saúde e disposição para continuar trabalhando e contribuindo na formação integral dos alunos, como faço há mais de 40 anos. Trabalho esse realizado com respeito, dedicação e compromisso aos alunos e às instituições de ensino, sempre com Orgulho de ser Professor.

 

Foto criada no site Você na capa da Revista NOVA ESCOLA

 

Por Professor José Costa

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

12 dicas de como dormir bem para uma noite de sono merecida


Muitas pessoas não sabem como dormir bem e isso traz malefícios de uma maneira geral. Uma noite mal dormida pode causar estresse, dores no corpo, na cabeça e ainda atrapalha nossa rotina. Por isso, você vai conferir algumas dicas que podem te ajudar nessa batalha contra a insônia. Bons sonhos!

 

12 dicas de como dormir bem

Pequenas ações podem contribuir para uma noite de sono plena e confortável. Veja algumas delas:

 

1. Praticar atividades físicas

Sim, é clichê, mas, realmente, a prática de exercícios físicos só traz benefícios para nossa vida – inclusive para a hora de dormir.

Isso porque, com o nosso corpo mais cansado, é mais fácil relaxarmos e “desligarmos” a mente na hora de deitar. Sem contar que os exercícios são ótimos aliados na redução de estresse e ansiedade, como confirma esse estudo, e isso com certeza vai melhorar a qualidade do sono.

 

2. Ingerir alimentos leves e descafeinados à noite

A maioria já sabe que cafeína e sono são inimigos, certo? Mesmo que você sinta que o café não tira seu sono, ele pode acelerar seu metabolismo, dificultando o descanso e relaxamento do corpo.

Além disso, ingerir alimentos pesados e gordurosos atrasa a digestão, processo que demanda um alto nível de trabalho do organismo. Nesses casos, é mais difícil relaxar. Por isso, prefira aquele alimento mais leve e saudável no jantar, ok?

 

3. Deixar o celular de lado

Um estudo que analisou a relação entre o uso do celular antes de dormir e a qualidade do sono trouxe uma má notícia àquelas pessoas que possuem esse hábito. Há dois motivos pra isso:

A luz que o aparelho emite inibe a produção de melatonina, um hormônio que também é responsável por regular o sono;

O smartphone pode ser agente de estresse, visto que com ele vem a demanda de estarmos sempre online, disponíveis e antenados. Qualquer notificação, mesmo que silenciosa, pode despertar nosso cérebro, que exige a checagem imediata da “novidade”.

Por isso, é indicado que o celular fique distante, num balcão longe da cama, por exemplo, para que nosso cérebro se desligue do mundo digital também.

 

4. Seguir uma rotina de horários

Estabelecer horários para deitar e levantar é uma ótima ideia para regular nosso sono, já que isso ajuda nosso corpo a se acostumar com uma rotina. Ainda, o cérebro passa a exigir que o corpo descanse.

Além do mais, é válido levantar cedo – mesmo que não tenhamos nenhum compromisso – para aproveitarmos bem o dia. Assim, à noite, estaremos cansadas e ansiosas por uma noite bem dormida!

 

5. Criar um ambiente confortável

Essa é uma dica muito relativa, pois cada uma sabe o que traz conforto para si mesma. Há quem prefira dormir à meia-luz e quem precise de total escuro; músicas relaxantes ou silêncio absoluto; a sós ou com companhia… cabe a você definir o que melhor contribui para que seu ambiente de sono fique confortável.

Dito isso, invista no seu quarto! Ele é o seu lugar de descanso e plenitude. Decore-o de uma maneira que te satisfaça e procure os elementos que ajudem seu sono a durar a noite inteira.

 

6. Tomar chás calmantes

Antes de se deitar, um chá quentinho e calmante pode te ajudar a relaxar. Mas tome MUITO cuidado, pois muitos chás possuem cafeína, o que resultará num efeito contrário do desejado. Um chá de camomila, por exemplo, é uma ótima opção, já que possui efeito calmante.

 

7. Ler

A leitura pode te ajudar a cair no sono rapidinho, já que seu corpo entende que é hora de relaxar. Os batimentos cardíacos diminuem e as preocupações vão se esvaindo. Entretanto, é preferível que você escolha livros com enredos mais suaves e menos agressivos. Uma história de suspense ou ação, por exemplo, pode causar mais estresse que relaxamento.

 

8. Deixar as preocupações pra amanhã

Sabemos que não é simples assim, mas pensar nos afazeres do dia seguinte podem – e vão – atrapalhar seu sono. Para evitar que isso aconteça, vale listar todas as tarefas da semana previamente. Assim, você vai dormir já com tudo planejado.

 

9. Usar óleos essenciais ou cremes

Os óleos essenciais vêm ganhando espaço na medicina natural e eles podem ser aliados da sua noite de sono. O óleo de lavanda, camomila, e bergamota são alguns que possuem efeito calmante, diminuindo a ansiedade e o estresse do dia.

E se você for adepta ao skincare, um bom banho de creme hidratante pode ser o que você precisa para ter uma noite de sono de rainha. Ah, e é claro: se possível, peça uma massagem pro companheiro ou companheira, ou faça uma automassagem!

 

10. Evitar dormir durante o dia

Aquela cochilada inofensiva pode ser o motivo da sua noite mal dormida. Parece óbvio, mas quanto mais cansado seu corpo estiver, mais a fim de repousar ele vai ficar. Por isso, procure não dormir durante o dia e, aos poucos, crie sua rotina de horários.

 

11. Meditar

A meditação para dormir pode ser exatamente o que você precisa! Além de auxiliar na manutenção do sono, a prática promove bem-estar, combate depressão, desenvolve concentração e ajuda a regular a respiração.

 

12. Fazer sexo

É isso mesmo! O sexo e, até mesmo, a masturbação induzem um sono profundo e relaxante, já que estimulam a produção da ocitocina – o famoso “hormônio do amor” – e da dopamina – o hormônio do prazer.

Sem contar que a prática sexual faz o corpo inteiro trabalhar, e, por isso, ele vai procurar pelo descanso merecido em seguida. Então aproveite!

 

Já estamos relaxadas por aqui! Agora só falta colocar as dicas em práticas e cair no sono, né?

 

Fonte: https://www.dicasdemulher.com.br/como-dormir-bem/  - Escrito por Helena Montemezzo