quinta-feira, 2 de julho de 2020

Quantas calorias é preciso queimar para perder 1kg?


Pequenas mudanças de hábito na rotina podem ajudar na perda de gordura

Quando alguém possui o objetivo de emagrecer, é importante entender que o número na balança nem sempre é o que vai determinar a perda de calorias. Ao medir nosso peso, também estamos incluindo elementos chamados de massa magra na conta, como a água corporal, músculos e ossos.

Já a redução de gordura corporal, que corresponde ao emagrecimento em si, é mais notável ao se olhar no espelho. Bianca Vilela, mestre em fisiologia do exercício, explica que quem pratica musculação, por exemplo, ganha massa muscular e perde gordura.

"Nesse caso, talvez a diferença na balança não seja tão grande, porque músculo tem uma densidade maior que gordura. Ou seja, visualmente, uma pessoa pode parecer mais magra, mas o peso da balança pode não reduzir tanto", conta a especialista.

Massa magra X gordura
De acordo com a fisiologista, o aumento de massa magra gera o aceleramento do metabolismo, o que causa uma perda de calorias mais veloz, a fim de manter os músculos adquiridos. Logo, os músculos ocupam menos espaço no corpo do que a gordura.

A mesma lógica deve ser utilizada na alimentação. Uma quantidade de 100 calorias encontradas em uma lata de refrigerante, por exemplo, não pode ser considerada da mesma forma que 100 calorias presentes em uma banana - já que os valores nutricionais são extremamente diferentes.

"Um bom exemplo disso é quando eliminamos os carboidratos da nossa dieta. Na balança, diminuímos o peso, mas, ao invés de perder gordura, podemos estar perdendo massa muscular", explica o personal trainer Márcio Gaefke.

Em termos gerais, para perder 1kg por semana, é necessário queimar cerca de 1.110 calorias por dia. Entretanto, os especialistas reforçam que focar na quantidade de quilos reduzidos não significa necessariamente que houve perda de gordura e emagrecimento.

Como queimar calorias de forma saudável

1- Substituição de alimentos
Fazer dietas focando no número de calorias consumidas pode fazer com que uma pessoa deixe de consumir nutrientes necessários para o corpo, como os carboidratos, proteínas e gorduras. Por isso, ao invés de restringir alguns alimentos, o ideal é que eles sejam substituídos por uma versão mais saudável.
No caso dos carboidratos, Márcio Gaefke conta que é importante dar preferência aos integrais e aos que contém uma grande quantidade de fibras, pois ajudam no emagrecimento e saciedade. Alguns exemplos são:
Batata doce
Mandioca
Mandioquinha
Arroz integral
Macarrão integral

2- Musculação
Bianca Vilela explica que, além da queima de calorias durante a própria atividade, a musculação acelera o metabolismo e mantém o organismo queimando calorias ao longo do dia, mesmo durante o repouso. "Isso acontece, pois o corpo acaba usando mais energia para recuperar as fibras musculares que são lesionadas durante o treino", conta.

3- Treino intervalado de alta intensidade
Isso significa treinar com maior intensidade, de forma mais "pesada", com intervalos de descanso curtos. "Um exemplo é alternar entre uma caminhada na esteira por um minuto e uma corrida em alta velocidade por três minutos", indica Bianca.

4- Fuja do sedentarismo
De acordo com a fisiologista, pequenas mudanças durante o dia, como passar mais tempo em pé do que sentado, podem ajudar a queimar entre 20 e 50 calorias a mais por hora. Para colocar isso em prática, é possível realizar alterações simples na rotina, como:
Atender ligações enquanto anda
Levantar para buscar água
Utilizar a escada em vez do elevador
Levantar para mudar o canal da televisão sem usar o controle remoto

5- Termogênicos
Os alimentos termogênicos auxiliam na perda de gordura por serem capazes de acelerar o metabolismo. Para inclui-los no dia a dia de forma natural, procure consumir:
Pimenta vermelha
Chá verde
Canela
Gengibre
Chá de hibisco
Cafeína
Água gelada


quarta-feira, 1 de julho de 2020

Os sintomas mais comuns de coronavírus agora


O Covid-19 é uma doença muito nova, e as informações que temos sobre ela estão em constante atualização.

Conforme os médicos aprendem mais sobre o coronavírus que a causa, novos sintomas e possíveis tratamentos são adicionados a uma lista para que o público possa ficar por dentro.

Uma coisa é certa: as pessoas podem sentir de tudo quando infectadas, não apenas sintomas comumente associados a uma gripe. Elas também podem ter somente um ou dois sintomas, ou até mesmo nenhum.

Se parece complicado, é porque é. Os especialistas estão intrigados com esse vírus desde o início da pandemia. Isso não significa que não iremos vencê-lo. Conhecimento é chave; ficar bem informado é necessário.

Lista de sintomas mais comuns de Covid-19
Desde o primeiro surto de Covid-19, os médicos têm incluído e vetado uma série de sintomas em uma lista abrangente, como a dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Abaixo, veja o que você pode esperar sentir caso esteja infectado. Lembre-se de que você não precisa ter todos os sintomas, e de que eles podem aparecer dois a 14 dias após a infecção.

Febre
A maioria dos casos da doença, sejam moderados ou graves, apresentam febre com uma temperatura média de 38°C. Febres mais altas podem indicar casos mais sérios, ou necessidade imediata de ver um médico. Os indivíduos podem continuar experimentando febre durante o processo de recuperação.

Dores no corpo, fadiga e calafrios
Dores musculares e um mal-estar que leva a fadiga e calafrios foram relatados como sintomas de Covid-19 desde o início da pandemia. Até hoje, são listados como um dos efeitos colaterais mais comuns do vírus.

Tosse ou dificuldade de respirar
Uma vez que o Covid-19 é uma doença respiratória, outros sintomas comuns são tosse ou dificuldade de respirar. Em alguns casos, pessoas infectadas podem ter dificuldade em caminhar curtas distâncias sem perder o fôlego. Nos mais sérios, indivíduos podem ter muita dificuldade para respirar e dor aguda no peito, o que requer atenção médica imediata.

Diarreia, náusea ou outros sintomas digestivos
Pode até parecer estranho, mas problemas estomacais foram relacionados ao Covid-19 desde o início da pandemia. Em março, um estudo descobriu que perda de apetite, diarreia, vômito e/ou dor abdominal estavam entre os sintomas observados em pessoas infectadas. Em maio, o CDC os adicionou à sua lista oficial.
Curiosamente, problemas digestivos podem ser os primeiros a aparecer em um indivíduo. Logo, é importante ficar atento se você experimentar algum deles, levantando a suspeita de coronavírus antes mesmo de surgirem sintomas respiratórios.

Perda de olfato ou paladar
Esse é um dos sintomas mais bizarros de Covid-19: uma alteração nos sentidos de olfato e paladar. Em outras palavras, você pode parar de sentir o cheiro ou o gosto das coisas. Os médicos sabem desse possível efeito colateral desde março, mas ele tem ficado mais conhecido conforme figuras públicas afirmaram o ter experimentado. Faz parte da lista oficial do CDC desde maio.

Congestão ou coriza
Enquanto nariz escorrendo é um sintoma mais associado com resfriado ou gripe (ou até mesmo alergias, como a rinite), pode ser um sinal de Covid-19 também. Logo, se esse é o seu caso, lembre-se de cobrir a boca e o nariz enquanto espirra e de descartar os lencinhos adequadamente, uma vez que gotículas respiratórias são a principal forma de transmissão do vírus.

Dor de cabeça e outros sintomas neurológicos
Dor de cabeça é um dos sintomas oficiais de Covid-19 desde maio. Um pequeno estudo chinês, no entanto, descobriu que os indivíduos também podem experimentar outros problemas relacionados ao sistema nervoso central, como tontura e dor nos nervos. Existem até relatórios de problemas mais sérios, como psicose e demência, mas estes efeitos colaterais são muito mais raros e precisam ser muito mais bem estudados.

Problemas de pele
Problemas de pele, como urticárias ou erupções cutâneas (manchas ou bolhas), já foram relatados em vários pacientes, inclusive crianças. Esses sintomas geralmente lembram as erupções cutâneas da doença de Kawasaki, uma condição inflamatória, e não fazem parte da lista oficial do CDC. Dito isto, especialistas vêm notando este efeito colateral há meses.
“Problemas de pele em pacientes com Covid-19 podem ser extraordinariamente diversos. Erupções cutâneas, com coceira ou não, são as mais comuns. Vermelhidão também foi observada, juntamente com áreas que parecem eczema inflamado, dermatite seborreica ou dermatite perioral”, contou o dermatologista Harold Lancer ao HuffPost.

Coágulos sanguíneos, pneumonia e outras complicações graves
Os casos mais sérios de Covid-19 têm culminado em pneumonia, coágulos sanguíneos ou derrame, mesmo em pessoas jovens sem risco para esses problemas. Um estudo descobriu que até um terço das pessoas internadas em UTIs (unidades de tratamento intensivo) tem coágulos.

Nada
O mais perturbante sintoma da doença é não ter nenhum. Casos assintomáticos podem ser muito comuns – algumas estimativas afirmam que casos leves ou assintomáticos representam até 80% do total, enquanto outras mostram que cerca de 41% das infecções podem ser atribuídas a indivíduos sem sintomas – e isso é péssimo porque as pessoas podem espalhar o vírus sem ter a menor ideia de que estão doentes.
Para complicar ainda mais, indivíduos assintomáticos podem desenvolver sinais da doença mais tarde, principalmente inflamação pulmonar menor, semelhante à pneumonia ambulante (uma pneumonia leve que não requer hospitalização ou repouso).

Fique seguro!
Infelizmente, ainda não existe um tratamento eficaz ou uma vacina para Covid-19. Até lá, todos precisamos tomar cuidados para evitar consequências graves da pandemia. Isso inclui usar máscara facial, lavar bem as mãos e manter o distanciamento social. [HuffPost]


terça-feira, 30 de junho de 2020

Uso prolongado de máscaras de proteção não causa hipóxia, hipoxemia ou hipercapnia


Entre as medidas de combate à disseminação do novo coronavírus, autoridades do Brasil e outros países têm recomendado o uso de máscaras. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o uso de máscaras de tecido pelo público em geral onde há muitas pessoas infectadas e não é possível manter o distanciamento físico, como meios de transporte público, lojas e outros ambientes fechados. No Brasil, diversos estados e municípios determinaram a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos para diminuir a disseminação da Covid-19.

Publicações em redes sociais alegam que o uso prolongado das máscaras de proteção causam hipóxia, falta de oxigênio sobre um tecido do organismo (baixa disponibilidade de oxigênio para determinado órgão), ou hipoxemia, que é a baixa concentração de oxigênio no sangue arterial. Mas os especialistas defendem que as máscaras não impedem a passagem de oxigênio.

 As alegações não se sustentam porque tanto as máscaras cirúrgicas quanto as de tecido são porosas, permitindo que o ar atravesse o material. No entanto, elas dificultam a passagem de gotículas. Assim, as máscaras funcionam como uma barreira mecânica, que pode provocar a sensação de que é preciso maior esforço para respirar ou de que menos ar é inalado, mas os níveis de oxigênio não são afetados.

Pessoas saudáveis não devem ter problemas
Já o excesso de dióxido de carbono no sangue é chamado de hipercapnia e pode provocar dor de cabeça, sonolência e até perda de consciência em casos extremos. Ela pode ter muitas causas, entre as quais estão doença pulmonar obstrutiva crônica e apneia do sono. Mas não há evidências de que a máscara de proteção poderia evitar que o ar exalado se dissipasse, levando a pessoa a inalar novamente o mesmo ar. 

Mesmo que isso ocorra de forma parcial, para a maioria das pessoas não é preocupante respirar pequenas quantidades de dióxido de carbono devido ao uso das máscaras. Inclusive trabalhadores que usam máscaras cirúrgicas ou de tecido por um turno inteiro, não deveriam ter problemas relacionados à retenção de dióxido de carbono.

A quantidade de dióxido de carbono respirada novamente deve ser eliminada pelos sistemas respiratório e metabólico de pessoas saudáveis. O uso da máscara por período prolongado pode causar dor de cabeça, mas não intoxicação.

Darrell Spurlock Jr, pesquisador e professor da Universidade de Widener, considera que pessoas com doenças respiratórias crônicas específicas devem checar com seus médicos antes de usar a máscara de proteção. Quem já tem dificuldade para manter a oxigenação e equilíbrio de dióxido de carbono, pode ser mais sensíveis a esses níveis. Além disso, o uso de máscara não é recomendado para crianças com menos de dois anos.

O uso da máscara N95 por profissionais da saúde por períodos prolongados foi associado à hipoventilação, redução de frequência e profundidade da respiração. Como essas máscaras apresentam maior resistência para a respiração, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos recomenda intervalos para os trabalhadores da saúde que precisam usá-las.

Uso de máscaras
Autoridades de saúde recomendam o uso das máscaras de pano para a população em geral para deixar as mascaras cirúrgicas para quem precisa delas. A Organização Mundial da Saúde considera que apenas o uso de máscara não é suficiente para a proteção contra a Covid-19, por isso precisa ser aliada a outras medias de proteção.
Ainda de acordo com a organização, as evidências sobre a eficácia das máscaras de tecido são limitadas. Mas aconselha os governos a incentivarem seu uso pela população em geral em lugares onde o distanciamento físico não é possível. As máscaras cirúrgicas devem ser utilizadas por trabalhadores da saúde, pessoas com sintomas de Covid-19, pessoas que cuidam de casos suspeitos ou confirmados de Covid-19, pessoas com mais de 60 anos ou com comorbidades de base. [Mental Floss, Healthline, OPAS]


segunda-feira, 29 de junho de 2020

Vitamina D e covid-19: entenda a relação

Nutriente é obtido pela simples exposição ao Sol, e tem benefícios inúmeros na imunidade

Não é de hoje que venho falando dos benefícios da vitamina D na prevenção de doenças. E é preocupante vermos que num país tropical, com sol disponível o ano todo, muitas pessoas ainda tenham níveis baixos dessa vitamina. Ela é a mais fácil de se obter, e mesmo assim se enfrenta esse problema.

Milhares de genes do nosso corpo são afetados pela presença da vitamina D. Em tempos de COVID-19, ela é ainda mais importante, pois está relacionada à imunidade. Dentre as funções e formas de proteção relativas ao nutriente, podemos citar:

Aumento da produção da molécula CD31, reduzindo o risco de doenças autoimunes
Redução do risco de vários tipos de câncer em até 60%
Redução do risco de doença de Parkinson
Melhora a saúde óssea e muscular
Mantém bons níveis de testosterona nos homens.
Com todos esses benefícios, não é de se espantar que a vitamina seja vista como uma aliada na luta contra o novo coronavírus. Uma pesquisa recente parece comprovar essa afirmativa.

Vitamina D e COVID-19
Pesquisadores da Anglia Ruskin University, no Reino Unido, avaliaram em pacientes que foram infectados com o novo coronavírus qual era a relação da doença com seus níveis de vitamina D. Ficou claro que em pessoas com baixo nível dessa vitamina, tanto a COVID-19 quanto outras doenças agudas do trato respiratório, podem ser mais perigosas.

Os cientistas lembram de um dado importante: Itália e Espanha, dois dos países com taxas mais altas de mortes pela COVID-19, são também onde a população tem níveis de vitamina D mais baixos do que em outros países europeus. Nesses dois países, mais ao sul do continente, o Sol é mais forte, e principalmente os idosos tendem a evitá-lo.

Por outro lado, no norte da Europa, com o Sol mais fraco, as pessoas costumam se expor mais. Ao mesmo tempo, nesses locais a população consome mais óleo de fígado de bacalhau, rico em vitamina D, e suplementos da vitamina. Não por acaso, é a região onde a mortalidade da doença foi menor.

Como a vitamina D atua na prevenção ao coronavírus?
A resposta não é complicada, nem se trata de um milagre. Um efeito conhecido da vitamina D é sua influência nos glóbulos brancos, os agentes ativos da nossa imunidade. Os bons níveis da vitamina impedem os glóbulos de liberarem citocinas inflamatórias em grandes quantidades.

As pesquisas mais recentes mostram que a COVID-19 causa justamente a mesma coisa: o excesso de liberação dessas citocinas. Em conjunto com a atividade dos glóbulos brancos, os efeitos são perigosíssimos. Já com a vitamina D em dia seu organismo saberá lidar melhor com a situação se for infectado pelo vírus. E o melhor: você já sabe como melhorar os seus níveis da vitamina!

Tome sol com consciência e seu corpo a produzirá adequadamente. Você deve expor grandes porções de pele ao Sol, sem protetor solar, nos horários entre 10 e 15 horas. Eu sei que lhe disseram que isso fazia mal, mas é completamente o oposto.

A consciência que se pede é com relação ao tempo. Fique somente até sua pele adquirir um aspecto róseo, ou no máximo 20 minutos, já que isso depende do tom de pele de cada pessoa. Você pode ainda proteger com filtro solar áreas mais frágeis, como o rosto e ao redor dos olhos, o que não prejudicará a produção da vitamina.

Então, aproveite o Sol! Ele é fundamental para se obter bons níveis de vitamina D e lhe garantir um fator a mais de proteção contra a COVID-19.

Referências bibliográficas:
Saul L, Mair I, Ivens A, Brown P, Samuel K, Campbell JDM, Soong DY, Kamenjarin N and Mellanby RJ (2019) 1,25-Dihydroxyvitamin D3 Restrains CD4+ T Cell Priming Ability of CD11c+ Dendritic Cells by Upregulating Expression of CD31. Front. Immunol. 10:600.
Ilie, P.C., Stefanescu, S. Smith, L. The role of vitamin D in the prevention of coronavirus disease 2019 infection and mortality. Aging Clin Exp Res (2020). Doi: 10.1007/s40520-020-01570-8
https://www.drrondo.com/exposicao-solar-vitamina-d/
https://www.drrondo.com/testosterona-vitamina-d/
https://www.drrondo.com/deficiencia-vitamina-d-parkinson/
https://www.drrondo.com/vitamina-d-melhora-hipertensao/

Dr. Rondó é médico, Cirurgião Vascular com ampla expertise em nutrologia. (CRM 47078)

Fonte: https://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/36327-vitamina-d-e-covid-19-entenda-a-relacao?utm_source=news_mv&utm_medium=MS&utm_campaign=8567244 - Escrito por Especialistas - Por Dr. Rondó, nutrólogo - Por Soloviova Liudmyla / Shuttestock

domingo, 28 de junho de 2020

Imunidade: quanto tempo dura os anticorpos de Covid-19?


Duas pesquisas recentes analisaram quanto tempo os anticorpos desenvolvidos como resposta a uma infecção por Covid-19 duram no corpo de uma pessoa, a fim de tentar entender se é possível ficar imune à doença ou não.

A imunidade ao Covid-19 é uma questão muito importante durante a pandemia mundial que estamos vivendo porque, se as pessoas podem ser infectadas novamente, isso significa uma quarentena mais longa até que haja uma vacina eficaz contra o vírus.

Infelizmente, ainda não temos respostas concretas sobre esse tópico. Um dos estudos indicou que pessoas infectadas e assintomáticas retêm anticorpos por apenas dois a três meses, enquanto o outro sugeriu que formas mais poderosas de anticorpos são encontradas nessas mesmas pessoas.

No geral, isso significa que indivíduos infectados que tiveram sintomas fracos ou nenhum sintoma podem ficar imunes por um curto período, mas provavelmente não a longo prazo.

Estudo chinês
Cientistas da Universidade Médica Chongqing (China) compararam a resposta imune ao vírus SARS-CoV-2, que causa Covid-19, em pessoas assintomáticas e sintomáticas infectadas entre janeiro e fevereiro deste ano.

Durante o desenvolvimento da doença, níveis de anticorpos específicos contra o Covid-19 foram significativamente menores em pessoas assintomáticas, o que sugere que a doença, em sua forma moderada, causou menos resposta imune nessas pessoas.

Pacientes assintomáticos também apresentaram níveis mais baixos de 18 citocinas pró e anti-inflamatórias, proteínas de sinalização celular, o que indica uma resposta imunológica mais fraca.

Além disso, o “derramamento viral” (quando o corpo libera o vírus pronto para potencialmente infectar outras pessoas) ocorreu por mais tempo em pessoas assintomáticas – 19 dias, versus 14 para pessoas com sintomas. Isso indica que pessoas que talvez nem saibam que possuem o vírus podem ser infecciosas por mais tempo.

Por fim, oito semanas após a cura da doença, os níveis de anticorpos neutralizadores de Covid-19 diminuíram 81% em pacientes assintomáticos, comparado com 62% em pacientes sintomáticos.
Um artigo com essas descobertas foi publicado na revista científica Nature Medicine.

“Passaporte da imunidade”: uma ilusão?
Alguns governos levantaram a hipótese de usar “passaportes de imunidades” para permitir que pessoas imunes circulem mais livremente e acessem mais áreas públicas com potencial de aglomeração.

No entanto, além de não termos informações definitivas sobre a imunidade à Covid-19, o novo estudo chinês indica que não podemos assumir que pessoas infectadas ficam imunes, pelo menos não a longo prazo.

Especialistas em doenças infecciosas disseram que a descoberta não é surpreendente; na verdade, está alinhada com o que sabemos sobre infecções moderadas de qualquer causa (como a gripe, para a qual não desenvolvemos imunidade. Provavelmente, qualquer pessoa lendo este artigo já ficou gripada mais de uma vez).

“Isso sugere fortemente que a imunidade pode diminuir em poucos meses após a infecção em uma proporção substancial de pessoas. Precisamos de estudos maiores com acompanhamento mais longo em mais populações, mas essas descobertas indicam que não podemos confiar em pessoas que tiveram infecções comprovadas nem em testes de anticorpos como forte evidência de imunidade a longo prazo”, afirmou Liam Smeeth, professor de epidemiologia clínica da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, que não esteve envolvido na pesquisa.

Estudo americano
Enquanto não temos certeza sobre a imunidade a longo prazo, pessoas que tiveram o vírus parecem estar protegidas de uma nova infecção pelo menos a curto prazo.

Além do estudo chinês ter identificado anticorpos nos corpos de pacientes por alguns meses, uma outra pesquisa americana descobriu que pessoas assintomáticas possuem poucos anticorpos neutralizadores, porém eles são de um dos tipos mais poderosos que existem.

Isso significa que mesmo os níveis baixos de anticorpos nesses indivíduos devem protegê-los de uma segunda infecção, pelo menos por um período curto. A longo prazo, simplesmente ainda não sabemos.

Um artigo sobre este estudo foi publicado na revista científica Nature. [IFLS]


sábado, 27 de junho de 2020

Como entender a tabela nutricional dos alimentos


A tabela nutricional possui a composição do alimento, quantidades de nutrientes fornecidos e quanto isso representa na ingestão diária

Quando você está no supermercado, tem o costume de se atentar às informações nutricionais por trás de cada alimento que você escolheu pro seu carrinho? A resposta de muitas pessoas pode ser negativa, porque a maioria não sabe o que significa cada item da tabela nutricional.

Mas, acredite, é naquelas letrinhas bem pequenas no verso das embalagens que contém as principais informações sobre o alimento. A tabela nutricional foi regulamentada pela Anvisa e contém a composição do alimento, quantidades de nutrientes fornecidos e quanto isso representa na ingestão diária.

Para te ajudar a ler essas informações, a nutricionista do Instituto EndoVitta, Angélica Grecco, explica cada item. Confira abaixo quais são as características medidas de cada nutriente:

Porção
Começando de cima para baixo na tabela, o primeiro item é a porção. Trata-se quantidade média do alimento a ser consumido na refeição por uma pessoa sadia, de forma a manter uma alimentação saudável.

Valor diário de referência
À direita do item anterior, está a coluna do valor diário de referência. Atribuído a cada nutriente da tabela, este número corresponde ao percentual que indica o quanto o produto apresenta de energia e nutrientes em relação à quantidade ideal em uma dieta de 2000 calorias.

Quanto os valores diários não estão estabelecidos, significa que não tem um valor ideal daquele nutriente para a pessoa consumir por dia.

O que é o valor energético?
Logo abaixo da porção na tabela se encontra o valor energético. Para simplificar, consideramos que é a mesma energia que o corpo recebe a partir da digestão dos alimentos, mais especificamente a partir da digestão dos carboidratos, proteínas e gorduras.

No rótulo dos alimentos, o valor energético é expresso na forma de quilocalorias (comumente chamadas de calorias- kcal) ou quilojoules (kJ). Esse cálculo avalia o valor energético do alimento, ou seja, proteínas e carboidratos representam 4 kcal/g e gorduras representam 9 kcal/g.

O que deve ter em uma tabela nutricional
Além do valor energético, uma tabela nutricional inclui o valor diário de referência e a quantidade em gramas dos seguintes nutrientes:

Carboidratos: Os carboidratos são também chamados de açúcares, glicídios ou hidratos de carbonos. Eles geram energia ao organismo.
Sacarose: É também conhecida como açúcar de mesa. Encontra-se em abundância na cana-de-açúcar, frutas e na beterraba.
Lactose: A lactose é o açúcar presente no leite e seus derivados.
Glicose: carboidrato considerado uma das principais fontes de energia. Quando o pâncreas está comprometido, ocorre uma deficiência na produção de insulina, o que resulta no aumento da glicose no sangue. Assim, se não forem tomadas as medidas corretas, a pessoa pode desenvolver diabetes mellitus.
Proteínas: as proteínas são compostas por moléculas de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio. Elas são fundamentais na formação massa muscular do organismo.
Gorduras totais: é o resultado da soma de todos os tipos de gordura presentes em um determinado alimento - sejam eles de origem vegetal ou animal. Além de ajudar na absorção de vitaminas, ela é uma das principais fontes de energia para o corpo, junto com os carboidratos e as proteínas.
Gorduras saturadas: A gordura saturada aparece nos alimentos de origem animal - como carnes vermelhas e derivados do leite. Ela é prejudicial para a saúde por aumentar o colesterol ruim e, consequentemente, as chances de problemas no coração. Deve ser consumida com moderação.
Gorduras trans: presente na maior parte dos alimentos industrializados, ela não tem nenhum benefício comprovado para o organismo, pelo contrário: pode aumentar o colesterol ruim, e ainda diminuir os níveis de colesterol bom se for consumida em excesso.
Fibra alimentar: As fibras alimentares compreendem as partes comestíveis dos vegetais presentes nas frutas, legumes, verduras e hortaliças.Também não têm valor nutritivo, nem energético (não têm calorias). Elas são fundamentais para o bom funcionamento do intestino e ajudam a promover saciedade.
Sódio: é um mineral, normalmente encontrado na natureza com um outro elemento químico, o cloreto. O cloreto de sódio é o famoso sal de cozinha e possui 40% de sódio em cada grama. A principal função do sódio é equilibrar a quantidade de água no organismo, juntamente com o potássio.
Vitamina B2: é chamada de riboflavina, é importante para o organismo porque participa de funções como estimular a produção de sangue e manter o metabolismo adequado.
Vitamina C: é uma vitamina encontrada em vários alimentos e vendida como um suplemento dietético. É usado para prevenir e tratar o escorbuto. A vitamina C é um nutriente essencial envolvido no reparo do tecido e na produção enzimática de certos neurotransmissores.
Vitamina E: A vitamina E ajuda a melhorar o sistema imune, pele e o cabelo, assim como prevenir doenças como aterosclerose e o Alzheimer.
Cálcio: O cálcio é um mineral essencial para a construção e manutenção dos ossos e dos dentes, além de ser muito importante para a contração muscular e transmissão dos impulsos nervosos.
Ferro: A falta do mineral ferro faz com que o organismo produza menos células vermelhas, o que irá caracterizar o quadro de anemia.
Fósforo: é um elemento de origem mineral, existindo em grande quantidade em todos os alimentos, principalmente os de origem animal.
Magnésio: é fundamental para a produção de energia no organismo e para a metabolização da glicose. Junto ao cálcio, ele também auxilia na contração muscular, facilitando o relaxamento do músculo.
Selênio: é um mineral presente no solo e, por isso, a sua quantidade nos alimentos varia de acordo com a riqueza do solo nesse mineral.
Glutamina: é o aminoácido que está presente em maiores quantidades no organismo.
Glicina: é um aminoácido encontrado em alimentos como a ovos, peixe, carne, leite, queijo e iogurtes.
Cisteína: aminoácido com características antioxidantes e detoxificantes. Também auxilia na beleza e força da pele, cabelos e unhas e no ganho de massa muscular.
Taurina: aminoácido que permite que o fígado sintetize os sais biliares, que são muito importantes para uma boa digestão de gorduras no intestino delgado.
Enxofre: é encontrada exclusivamente em proteínas animais.


sexta-feira, 26 de junho de 2020

Quais são os riscos e benefícios de tomar aspirina preventivamente?


Tomar pequenas doses de aspirina preventivamente reduz o risco de doença cardiovascular, mas aumenta muito mais significativamente o risco de sangramento.

Esta é a palavra mais recente da ciência sobre o assunto, de acordo com uma revisão sistemática da literatura médica publicada no British Journal of Clinical Pharmacology.

Nicola Veronese e um time de várias instituições europeias conduziram a revisão porque o equilíbrio geral entre riscos e benefícios de tomar aspirina é um dos assuntos mais controversos da medicina atualmente.

A equipe reuniu informações de análises de todos os estudos observacionais relevantes e ensaios clínicos randomizados feitos no passado recente.

O uso de aspirina em baixa dose por pessoas sem doença cardiovascular mostrou-se associado a uma incidência 17% menor de eventos cardiovasculares, como ataques cardíacos não fatais, derrames não fatais ou mortes relacionadas a doenças cardiovasculares.

Por outro lado, o uso preventivo de aspirina em baixa dose também foi associado a um risco 47% maior de sangramento gastrointestinal e um risco 34% maior de sangramento intracraniano.

"Esses riscos e benefícios precisam ser ponderados em análises formais de decisão para orientar o uso de aspirina na prevenção primária," ponderou o professor Lee Smith, da Universidade Anglia Ruskin (Reino Unido).

Os autores da meta-análise observam que, embora tenham sido avaliadas muitas dezenas de efeitos na saúde - além das doenças cardiovasculares e dos sangramentos -, as evidências para esses outros efeitos permanecem fracas e, portanto, não devem ser uma consideração importante ao decidir se se deve usar aspirina preventivamente, mesmo em baixas doses.


quinta-feira, 25 de junho de 2020

Bebidas alcoólicas engordam? Veja a melhor alternativa


Metabolismo do álcool favorece acúmulo de gorduras, além de aumentar a percepção do apetite

O consumo de bebida alcoólica, mesmo que socialmente ou esporadicamente, costuma trazer uma dúvida: será que álcool engorda? Uma questão aflige principalmente quem está controlando o peso e tem algum evento social ou festa, por exemplo. Infelizmente, a resposta a essa pergunta é: sim, álcool ajuda a ganhar peso.

Toda bebida alcoólica vem do processo de destilação ou fermentação a partir do açúcar. Durante esse processo de transformação da molécula de açúcar (4 kcal) em álcool (7 kcal) há um ganho de três calorias. O que significa que o álcool não só é mais calórico que o açúcar, como tem quase o dobro de calorias.

Metabolismo do álcool
Além disso, quando há a ingestão da bebida alcoólica, além de consumir o dobro das calorias do açúcar, nosso metabolismo vai priorizar a eliminação do álcool do organismo. Isso significa que ele acaba deixando de lado o processo normal de queima calórica do corpo, proveniente dos alimentos que ingerimos, como se atrasasse o metabolismo.

De forma resumida, enquanto o metabolismo luta para eliminar o álcool do organismo, a gordura dos alimentos vai ficando acumulada no corpo, inibindo sua oxidação e gerando assim o ganho de peso.

Pesquisas também sugerem que o álcool parece "amplificar" a percepção do apetite, podendo influenciar em uma série de hormônios responsáveis pela sensação de saciedade e inibindo, por exemplo, a ação do GLP 1 e das leptinas, substâncias responsáveis pelo controle da ingestão alimentar.

Uma caloria que nunca vem sozinha
Em alguns casos, dependendo de como a bebida é preparada em coquetéis, as calorias são ingeridas em dobro. Uma caipirinha, por exemplo, contém açúcar, uma batida pode conter leite condensado, e ainda há quem misture vodca com energético que, além do alto valor energético, ainda tem o problema do excesso de cafeína.

Mesmo entre as pessoas que já sabem disso, muitas até acreditam em mitos que afirmam que certas bebidas alcoólicas podem ser mais inofensivas e com menos calorias. Essa fama foi colocada no gin, por exemplo. Trata-se de uma impressão falsa, pois o coquetel mais clássico com essa bebida, o gin tônica, não levar açúcar e tem um paladar mais leve e fresco.

O problema do gin tônica é que a água tônica, principal ingrediente, é um dos refrigerantes mais calóricos que existem. O quinino em sua composição demanda uma grande adição de açúcar para que o sabor fique mais equilibrado.

Existem alternativas para reduzir essa caloria, como utilizar água tônica com zero açúcar ou substituir o açúcar branco de uma caipirinha por adoçante. Não podemos afirmar que estas versões dos coquetéis alcoólicos não engordam, porém são opções mais adequadas para o consumo de quem está controlando o ganho de peso.

Para emagrecer com saúde e não deixar o álcool atrapalhar o processo, o ideal é sempre evitar o excesso de bebida, consumindo com moderação e buscando fazer misturas que tenham o mínimo de açúcar possível.


quarta-feira, 24 de junho de 2020

18 coisas que acreditávamos sobre o coronavírus que não são verdade


Quando as primeiras notícias sobre casos da “nova pneumonia” na China começam a circular, em janeiro de 2020, todos queriam respostas sobre o que estava por trás daquilo e como resolver o problema.

Infelizmente, a demanda por respostas imediatas causou uma avalanche de supostas curas milagrosas e teorias da conspiração. A constante atualização de recomendações oficiais dos órgãos de saúde também contribuiu para desinformação generalizada. 

Confira 18 mitos e recomendações ultrapassadas que circularam ou ainda estão passeando pelos grupos de WhatsApp:

18. Mito: quem já teve COVID-19 está a salvo
Ainda não sabemos se ter o vírus uma vez garante imunidade vitalícia, então mesmo quem já se recuperou do vírus deve se cuidar e se comportar como se não tivesse imunidade.

17. Mito: o verão acaba com o problema
Como a epidemia do SARS-CoV-2 começou no inverno na China, muitos especularam que se tratava de um vírus típico de clima frio e úmido, e que o verão faria o problema desaparecer.
Esse mito se sustentou por mais tempo do que deveria, em partes porque as transmissões comunitárias demoraram um pouco para se iniciar na América do Sul e na África. Esse atraso está mais relacionado à conexão dessas áreas com a China: há um trânsito entre a China e a América do Sul muito menor do que entre a China e a Europa.


Estudos das cepas do vírus que se espalharam pelo planeta mostraram que as cepas dominantes no Brasil vieram da Europa e Estados Unidos, e não diretamente da China. Esse caminho em zigue-zague atrasou a transmissão por aqui, mas agora que as Américas são responsáveis por metade dos casos globais diários confirmados, ninguém mais tem dúvida da transmissibilidade do vírus no calor.

16. Mito: máscaras são inúteis
No início da pandemia houve uma grande discussão sobre quem, quando e onde deveria usar máscaras para prevenir a transmissão do vírus. Em alguns momentos a recomendação era apenas tampar a boca com o cotovelo ao tossir ou espirrar, além de lavar as mãos com frequência. Em outros, a orientação era que apenas as pessoas doentes deveriam usar máscara, enquanto mais tarde ficou definido que todas as pessoas maiores de dois anos devem usá-la quando saem de casa.
A máscara do público geral deve ser de tecido, para que as cirúrgicas e os respiradores fiquem reservados aos profissionais de saúde. É importante trocar de máscara a cada quatro horas de uso caso você não esteja conversando ou a cada duas horas se estiver falando bastante. Portanto, não se esqueça de levar dois saquinhos quando sair de casa: um com as máscaras limpas e outro para guardar as que já foram usadas até o momento de lavá-las.

15. Mito: máscaras garantem que você não vá pegar o vírus
As máscaras atrasam a transmissão do vírus em populações, mas isso por si só não é garantia de que o vírus não passe de uma pessoa para outra. As outras medidas como higienização frequente das mãos, distanciamento social e evitar tocar o seu rosto são importantes.

14. Mito: o vírus foi feito em laboratório
No início da crise muitos acusaram a China de ter desenvolvido o vírus em laboratório e tê-lo liberado de propósito ou sem querer no mercado perto de um laboratório que estuda patógenos em Wuhan. Mas várias pesquisas já confirmaram que o vírus é resultado de evolução natural, e não foi feito em laboratório.

13. Mito: pacotes transmitem o vírus
A compra de produtos pela internet aumentou com o fechamento de várias lojas no início do isolamento, e muitos se perguntaram se os produtos transportados dentro das caixas e envelopes estariam contaminados. É muito improvável que o vírus do Covid sobreviva a dias ou semanas em superfícies, portanto não há razão para imaginar que o vírus pegou carona dentro das caixas de entrega. Quanto à superfície externa, você pode usar uma luva ou passar um álcool na hora de abrir a caixa.
Mesmo compras recentes ou entrega de comida são consideradas seguras, já que a transmissão por superfícies é relativamente baixa.

12. Mito: ingerir água sanitária mata o vírus
Depois da fala do presidente americano Donald Trump sobre o uso interno de água sanitária para matar o vírus, dezenas de pacientes chamaram o serviço de ambulância de diferentes cidades por terem ingerido o produto desinfetante. Beber, injetar ou espirrar água sanitária em uma pessoa é extremamente perigoso, nunca faça isso.

11. Mito: crianças são imunes ao vírus
A Organização Mundial da Saúde destaca que pessoas mais velhas e com problemas de saúde pré-existentes têm mais chance de desenvolver sintomas piores da doença, mas pessoas de todas as idades podem ter o vírus. Até recém-nascidos já tiveram Covid-19.
Apesar de a maioria das crianças ter sintomas leves da doença, algumas têm uma síndrome inflamatória multissistêmica que é considerada grave. Órgãos diferentes do corpo podem ter inflamação, como coração, pulmão, rins, cérebro, olhos e órgãos gastrointestinais.

10. Mito: pets espalham o vírus
No início do ano muitos questionaram se cachorros e gatos poderiam contrair e transmitir o vírus entre pessoas da mesma casa ou entre outros animais de estimação. Estudos mostraram que esse risco é muito baixo, mas a recomendação oficial ainda é se isolar até dos animais de estimação caso a pessoa tenha o vírus.

9. Mito: Ibuprofeno piora os sintomas
Durante o mês de março esse medicamento contra dor foi atacado por supostamente piorar os sintomas da doença. Mas não foram encontradas evidências científicas disso.

8. Mito: se você não tem sintomas, você não tem o vírus
Os sintomas do Covid-19 são variados e incluem febre, tosse, dificuldade para respirar, fadiga, dores musculares, dor de cabeça, perda de paladar ou de olfato, dor de garganta, náusea, vômito e diarreia.
Mas mesmo pessoas sem esses sintomas pode ter e transmitir o vírus. É possível ser assintomático durante a doença toda ou passar por um período anterior ao aparecimento dos sintomas. Esse segundo grupo é o que mais transmite o vírus.

7. Mito: beber álcool mata o vírus
Não existe nenhuma evidência que comprove essa afirmativa. Pelo contrário, o consumo de álcool aumenta a chance de se ter problemas de saúde.

6. Mito: câmeras de temperatura detectam o vírus
Esses sensores detectam apenas a febre, mas esse sintoma pode ser indicação de centenas de problemas de saúde diferentes, não necessariamente ligados ao vírus. Por outro lado, também é possível que uma pessoa contaminada pelo covid-19 não apresente febre porque está pré-sintomático, assintomático ou simplesmente porque tomou medicamento antitérmico.
Portanto, as câmeras térmicas são apenas uma precaução para tentar identificar pessoas que possam estar com o vírus e que ainda não perceberam que estão com febre.

5. Mito: antibióticos podem prevenir e matar o vírus
Antibióticos matam bactérias, e não vírus. Eles até podem ser usados no tratamento contra algumas complicações do Covid-14, mas não são a solução para todos que contraem o vírus.

4. Mito: redes 5G espalham o vírus
As redes de 5G são o alvo favorito de alguns grupos que gostam de teorias da conspiração. Eles colocam a culpa de todos os problemas do mundo nessas redes, afirmando que a radiação originada dela causaria o vírus.
Outras mentes mais criativas ainda dizem que o lockdown de algumas regiões foi uma mentira contada pelo governo para que ninguém testemunhasse a instalação de torres de 5G.

3. Mito: se você puder prender a respiração por 5 segundos, você não tem o vírus
Durante o mês de março a afirmação de que quem conseguiria segurar a respiração sem tossir estaria livre do vírus circulou nas redes sociais. Esse suposto “autodiagnóstico” instantâneo na realidade é inútil, uma vez que são necessários exames médicos, de imagem ou de laboratório para isso.

2. Mito: tomar um banho quente mata o vírus
Tanto a água quente quanto a água gelada são incapazes de matar o vírus por si só. É necessário usar sabão para matá-lo, mas se o vírus já estiver dentro do corpo, lavar a pele com água e sabão não vai impedir a infecção que já está em curso.

1. Mito: secadores de mão matam o vírus
Secadores de mão não matam o vírus mas há notícias promissoras sobre a luz UV para desinfecção de superfícies. Entre as opções de secar as mãos com papel descartável ou com secador de mão em um banheiro público, escolha o papel, e seque bem as dobrinhas. Mãos molhadas transmitem com mais facilidade vírus e bactérias. [Huffpost]


terça-feira, 23 de junho de 2020

6 atividades prazerosas para fazer durante a quarentena


Aproveite o tempo livre para descansar, cozinhar algum prato gostoso e assistir a uma nova série na TV

É fato: ninguém gosta de ter de - obrigatoriamente - ficar recluso em casa, certo? No entanto, essa é uma atitude essencial para minimizar o contágio durante a pandemia causada pelo novo coronavírus. Que tal, então, aproveitar esse momento forçado em casa para fazer alguma coisa bacana? Abaixo, traremos dicas de algumas atividades prazerosas para fazer durante a quarentena.

Aprenda uma nova receita: muitas pessoas tinham o hábito de apenas comer fora, ou, quando em casa, preparar alguma coisa já semi-pronta ou fazer um lanche rápido. Durante a quarentena, porém, pode ser uma atividade relaxante aprender a preparar um prato diferente - ou até mesmo o favorito - e saborear uma boa refeição juntamente com o orgulho de ter sido o responsável por ela.

Para isso, conte com a ajuda da internet: há inúmeros sites e vídeos com as mais diversas instruções para fazer uma nova receita, e englobam desde conteúdos para principiantes como para aqueles que já têm mais experiência na cozinha. Se dê uma chance!

Ressignifique o seu olhar: você já ouviu falar do hygge (lê-se "ruga"), um conceito dinamarquês de felicidade em que um dos pilares contempla tornar a sua casa o mais aconchegante possível? Já que temos de ficar reclusos neste momento, é a oportunidade ideal para colocar esse estilo de vida em prática.

Por isso, procure sempre manter a sua casa organizada de um jeito confortável para você e aproveite o friozinho para tirar do armário aquelas mantas gostosas e o seu pijama mais aconchegante. Um chocolate quente, uma vela acesa à noite, a luz baixa e uma música confortável completam o clima que esse momento propõe.

Mexa seu corpo: maratonar séries é uma delícia, mas é preciso também fazer alguma atividade física. Que tal aprender e treinar uma coreografia de uma música que você sempre gostou? Outra ideia é combinar com seus amigos ou família de fazer uma videoconferência para praticar uma dança para que vocês possam realizar juntos depois que passar toda essa fase difícil. Assim, você movimenta o corpo, libera endorfinas que trazem sensação de bem-estar e se diverte muito!

Medite: é normal se sentir mais ansioso durante a quarentena, afinal, estamos atravessando um período de incertezas. No entanto, a meditação pode auxiliar a passar por esses momentos de dificuldade exatamente por ajudar a acalmar os pensamentos.

Por isso, separe um momento do dia - e pode ser o mais conveniente para você - para se sentar no local mais silencioso da sua casa e se concentrar apenas na sua respiração. Se preferir, coloque uma música calma de fundo, e permaneça inspirando e expirando calmamente, e com a atenção focada nesses movimentos, por pelo menos 15 minutos.

Se perder o foco, não desista. Volte a se concentrar na sua respiração quantas vezes forem necessárias. E, claro, repita a prática diariamente.

Tenha um dia de beleza: o uniforme da quarentena tem sido, para muitos, o pijama ou uma confortável calça de moletom. E isso é ótimo, pois não tem nada melhor do que ficar confortável dentro de casa. No entanto, que tal separar um tempo do seu dia para cuidar mais de você? Um dia de beleza cai como uma luva nos momentos mais difíceis, pois o autocuidado é capaz de elevar a autoestima e trazer o bem-estar.

Por isso, programe no dia anterior quais atividades você gostaria de fazer. Uma esfoliação caprichada na pele? Uma máscara para os cabelos e outra para o rosto? As unhas? Dar um trato nas sobrancelhas, caso isso seja importante para você? Um banho de banheira? Aromaterapia? Tenha um dia de beleza só seu e cuide-se para você. Um carinho faz um bem danado para a alma!