Mostrando postagens com marcador 2021. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 2021. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Como ser mais feliz em 2021


Decisões esquecidas

 

Então você quer ter uma aparência mais elegante, desenvolver sua inteligência ou seus conhecimentos e ter sucesso profissional no próximo ano? Ou você pretende se esforçar mais para se exercitar, ligar mais para os seus amigos ou economizar um pouco?

 

Você não está sozinho. As resoluções de Ano Novo são tão onipresentes quanto difíceis de cumprir.

 

Será então que faz sentido definir metas tão elevadas para o Ano Novo, esperando novamente a cada primeiro de Janeiro que desta vez realmente algo será diferente?

 

Qualquer pesquisador motivacional teria "sentimentos ambivalentes" sobre as resoluções de Ano Novo, diz Richard Ryan, professor de psicologia da Universidade de Rochester (EUA): "As evidências mostram que, na maioria das vezes, as pessoas não têm sucesso com elas."

 

Decisões para serem lembradas

 

Mas não jogue a toalha ainda.

 

O professor Ryan afirma que qualquer ocasião que nos dê a oportunidade de refletir sobre nossas vidas é, em última análise, uma coisa boa - e nem precisa ser no Ano Novo, de forma que você pode rever seus votos se não tiver feito nada até o Carnaval, por exemplo.

 

"Sempre que isso acontecer, se for realmente uma mudança reflexiva - algo em que você coloca seu coração - pode ser bom para as pessoas," disse ele.

 

E Ryan tem outra dica: Não pense só em você mesmo - o que se prova mais satisfatório, e também pode ser o mais necessário, são metas que envolvem doar aos outros.

 

"Pense em como você pode ajudar," recomenda o psicólogo. "Há muita angústia por aí: Se pudermos definir metas que visam ajudar os outros, esses tipos de metas, por sua vez, também contribuirão para o nosso próprio bem-estar."

 

Satisfação em ajudar os outros

 

Não é por acaso que fazer o bem aos outros faz bem pra você: Atos de boa vontade para ajudar os outros satisfazem todas as três necessidades psicológicas básicas, as necessidades de autonomia, competência e relacionamento.

 

Autonomia, neste contexto, significa que você pode se envolver em atividades nas quais sinta verdadeira vontade e encontre valor pessoal na ação; competência significa sentir-se eficaz e ter um sentimento de realização; e, finalmente, relacionamento significa trabalhar e sentir-se conectado a outras pessoas.

 

"Se você deseja fazer uma resolução de Ano Novo que realmente o deixe feliz, pense em maneiras de contribuir com o mundo," recomenda Ryan. "Todas essas três necessidades básicas são atendidas. As pesquisas mostram que ajudar não é bom apenas para o mundo, mas também muito bom para você."

 

Checagem com artigo científico:

 

Artigo: A configural approach to aspirations: The social breadth of aspiration profiles predicts well-being over and above the intrinsic and extrinsic aspirations that comprise the profiles

Autores: Emma L. Bradshaw, Baljinder K. Sahdra, Joseph Ciarrochi, Philip D. Parker, Tamás Martos, Richard M. Ryan

Publicação: Journal of Personality and Social Psychology

DOI: 10.1037/pspp0000374

 

Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=como-ser-mais-feliz-ano-novo&id=14487%22 - Redação do Diário da Saúde - Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Confira as profissões que devem bombar em 2021


De desenvolvedor de games a gerente de RH e caçador de talentos, lista tem oportunidades em áreas diversas

 

O ano novo começou e, em meio a um momento conturbado da economia, mudar de ares no mercado de trabalho ou saber os rumos de sucesso pode ser essencial para você. De caça talentos e gerente de RH a desenvolvedor de games, confira as profissões que vão bombar em 2021, de acordo com levantamento foi feito pelo PageGroup, empresa especializada em recrutamento de executivos.

 

A pesquisa levou em conta as opiniões de  empresas de todos os portes (pequena, média e grande) em 14 setores do Brasil. Cargos de alto escalão, média e alta gerência, níveis técnico e de suporte à gestão, além de terceiros e temporários foram levados em conta. As oportunidades listadas têm remunerações de R$ 3 mil a R$ 45 mil.

 

Confira as oportunidades divididas entre as áreas de atuação


Recursos Humanos:

Cargo: Gerente de Recursos Humanos ;

Responsável por todas as ações da área de RH, como reestruturação organizacional da empresa. Salário: de R$ 25 mil a R$ 45 mil.

 

Cargo: Especialista em Aquisição de Talentos ( caça talentos );

Atrai talentos para a empresa, com programas como recrutamento interno e programa de trainee. Salário: de R$ 15 mil a R$ 20 mil.

 

TI:

Cargo: Data Protection Officer (DPO);

Com a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), fica encarregado de administrar e avaliar todos os indicadores da empresa, desde a coleta até o tratamento das informações, sendo ainda interlocutor com o órgão regulatório de fiscalização de dados. Salário: R$ 20 mil.

 

Cargo: Gerente de Cyber Security;

Lidera toda estrutura de segurança da informação, como área de riscos, governança e segurança cibernética. Salário: de R$ 25 mil a R$ 35 mil.

 

Cargo: Especialista em Cloud;

Garante que todos os sistemas em cloud (armazenamento na nuvem) funcionem e não atrapalhem o dia a dia da operação da empresa. Salário: de R$ 14 mil a R$ 19 mil.

 

Cargo: Gerente de Data Science;

Estrutura a base de dados e utiliza as análises dessas informações, o que orienta a empresa nas tomadas de decisões do negócio. Salário: de R$ 19 mil a R$ 29 mil.

 

Cargo:  Desenvolvedor de Games ;

Faz a programação de jogos online. Salários: de R$ 8.000 a R$ 15 mil.

 

Digital:

Cargo: Gerente de Produto;

Gerencia a comercialização e entrega dos produtos digitais, atuando junto a três áreas da empresa: experiência de usuários, tecnologia e negócios Salários: de R$ 25 mil a R$ 40 mil.

 

Finanças:

Cargo: Business Controller;

É uma espécie de consultor de finanças da empresa, com foco na economia de custos e ganho de eficiência. Salários: de R$ 15 mil a R$ 30 mil.

 

Cargo: Gerente Fiscal;

É responsável pela área tributária da empresa, como apuração e recolhimento de impostos federais, estaduais, municipais e demais taxas e contribuições, e elaboração de declaração de Imposto de Renda, entre outros. Salários: de R$ 14 mil a R$ 20 mil + bonificação vinculada à performance.

 

Agro:

Cargo: Gerente Territorial de Vendas;

Faz gestão da carteira de vendas da empresa em uma determinada região, incluindo a gestão da equipe de vendedores e representantes. Salário: de R$ 13 mil a R$ 16 mil + bonificação vinculada à performance.

 

Engenharia e Manufatura:

Cargo: Coordenador de Saúde, Segurança e Meio Ambiente;

É responsável pelo treinamento dos funcionários nas áreas de segurança do trabalho e gestão ambiental. Deve assegurar que as normas e leis de meio ambiente sejam devidamente seguidas. Salário: de R$ 9.500 a R$ 13 mil.

 

Logística:

Cargo: Coordenador de Suprimentos;

Responsável pela área de compras da empresa, planejando todo o fluxo no curto, médio e longo prazo. Salário: de R$ 9.000 a R$ 12 mil.

 

Saúde:

Cargo: Enfermagem Assistencial (hospitalar);

Supervisiona os procedimentos de cuidado ao paciente e realiza tarefas administrativas, como checagem de prescrições e atualização de informações no prontuário, entre outras. Salário: de R$ 3.500 a R$ 6.500.

 

Cargo: Médico Assistencial (hospitalar);

Responsável pelo atendimento assistencial dos pacientes, integrando todo o cuidado com a equipe multidisciplinar Salário: de R$ 15 mil a R$ 35 mil.

 

Cargo: Gerente de Assuntos Regulatórios;

Responsável pela gestão dos processos de registro e renovações de produtos/serviços, aprovações e renovações de licenciamentos e certificações regulatórias, entre outros. Salário: de R$ 20 mil a R$ 35 mil.

 

Cargo: Gerente Comercial (área médica);

Responsável pela estratégia e políticas comerciais da empresa, atuando com a sua equipe na linha de frente de vendas. Salário: de R$ 15 mil a R$ 30 mil.

 

Jurídico:

Cargo: Gerente Jurídico de Societário, M&A e Mercado de Capitais;

Responsável por gerir a rotina societária do dia a dia da companhia e suas subsidiárias. Atua também junto aos órgãos reguladores, como CVM (Comissão de Valores Mobiliários), e na estruturação de operações financeiras, como IPO (a primeira oferta pública de ações de uma empresa). Salários: de R$ 20 mil a R$ 35 mil + comissões.

 

Cargo: Gerente Jurídico;

Faz gestão de todo o departamento jurídico da empresa (questões cíveis, tributárias, societárias, entre outras). Salário: de R$ 15 mil a R$ 25 mil + comissões.

 

Vendas:

Cargo: Executivo Sênior de Vendas de Tecnologia (serviços financeiros);

Responsável pela venda de serviços, softwares ou produtos para o segmento de serviços financeiros. Salário: de R$ 15 mil a R$ 40 mil + comissões.

 

Pessoa com Deficiência (PCD):

Cargo: Analista de Planejamento/ BI (Business Intelligence);

Responsável pela análise, estruturação e apresentação de dados para áreas de negócios diariamente, com o foco em gerar insights por meio dos indicadores. Salário: de R$ 5.000 a R$ 7.000 (pleno) e de R$ 8.000 a R$ 10 mil (sênior). Segundo o PageGroup, muitas empresas têm uma divisão específica para recrutamento de vagas exclusivas para PCDs , e este cargo é uma tendência no setor.

 

Fonte: undefined - iG @ https://economia.ig.com.br/2021-01-03/com-salarios-de-ate-r-45-mil-confira-as-profissoes-que-devem-bombar-em-2021.html  - Por Brasil Econômico - shutterstock

quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

Como começar o ano bem: objetivos, hábitos e autoestima para 2021


Veja sugestões de como começar o ano bem!

 

Com a chegada de um novo ano, é quase inevitável questionarmos nossos hábitos, atitudes, pensamentos e a maneira como seguimos a vida, não é mesmo?

 

Por isso, podemos aproveitar esse momento para elegermos maneiras de sermos mais felizes: cuidando de si, aprendendo a se valorizar ou buscando como aumentar a autoestima.

 

São nos detalhes da rotina, ao realizar as atividades com mais calma, clareza e confiança, fazer pausas nas obrigações do cotidiano, eleger limites aceitáveis à autocrítica e escolher boas companhias, que transformamos nossa vida.

 

Depois de um ano tenso, Iniciar 2021 com motivação, energias renovadas e conseguir manter essa empolgação ao decorrer do tempo, entretanto, exige mudança de hábitos. 

 

Eleja um Objetivo

É comum criarmos uma lista extensa de resoluções que gostaríamos de cumprir. Mas, ao elegermos metas impalpáveis, que nos confundem e encurralam, podemos ter insucesso nas tarefas.

Nossa dica é: seja extremamente direta. Somos mais eficazes quando focados em uma coisa por vez. Escolha um objetivo e concentre sua atenção nele.

 

Crie um Novo Hábito


Pequenos passos permitem a concretização de grandes metas. Dedique um mês a consolidar um novo hábito e, se for preciso, peça suporte para pessoas próximas.

Este novo hábito, ao ser praticado, deve estar de alguma forma ligado à conquista do seu objetivo, já eleito anteriormente.

Hábitos simples, como levantar 30 minutos antes ou praticar exercícios físicos  – afinal, endorfina é fundamental para o bem-estar e pode ser uma dica de como aumentar a autoestima! –, podem transformar a rotina.

A maior parte das pessoas tem a rotina lotada, passam o tempo inteiro correndo. E, ao fim do dia, bate aquela sensação de desgaste, cansaço e falta de rumo.

Tornar as coisas mais simples mantém a sanidade e nos dá poder, eficácia, motivação e é uma dica essencial de como começar o ano bem.

Reflita sobre o que é mais importante para você. Simplifique seus compromissos e planos, diga “não” ao que lhe convém e alinhe suas prioridades à lista de afazeres.

 

Concentre-se em seu Bem-Estar


Ter tempo para si, fazer coisas prazerosas e relaxar é imprescindível para ser mais feliz. Por onde começar? Talvez investir em uma boa massagem, meditar, ouvir música ou assistir filmes.

Passar tempo de qualidade com as pessoas amadas também deve estar entre as dicas para relaxar!

 

Aprenda a se Concentrar

Para atingir metas, sejam pequenas tarefas ou o grande objetivo que traçou para o ano, concentre-se plenamente nos itens importantes diariamente.

É fácil se perder entre papéis, telefonemas, e-mails e internet. Por isso, detecte e elimine distrações.

Sugerimos uma pequena lista com coisas importantes para o dia. Concentre-se a executá-las com força de vontade. Tenha certeza que você é capaz!

 

Fonte: https://revistanovafamilia.com.br/como-comecar-o-ano-bem-objetivos-habitos-e-autoestima-para-2021 - Redação - Imagem : Reprodução Internet

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Metas de ano novo: 6 dicas para você alcançar seu objetivo fitness em 2021


Adote estas mudanças e conquiste uma vida ativa para valer no ano que vem.

 

Como muita gente teve que deixar alguns planos de lado por conta da pandemia (e da quarentena), vale repensar agora quais hábitos queremos adotar em 2021. Por isso, se nas suas metas de ano novo você deseja incluir mais movimento (e saúde!) na rotina, aqui vão algumas dicas para você fazer isso de uma forma mais fácil:

 

6 dicas para você alcançar suas metas de ano novo fitness

 

1. Reveja seus objetivos quando necessário

Muitas vezes, nós fixamos um plano na cabeça e insistimos na realização dele sem perceber que a jornada importa muito mais do que o destino. Se o processo de busca por uma meta está fazendo você infeliz, repense. Quer definir os músculos, mas acha as sessões de musculação uma tortura? Converse com seu personal trainer para encontrar uma outra alternativa. Acredite: chegar lá vai ser muito menos pesado.

 

2. Saiba que você é muito mais que um número na balança

Nada de ficar obcecado com seu peso — o mais importante é ter consciência dos hábitos saudáveis que você coloca em prática. “O ponteiro da balança não é o indicativo mais fidedigno de que você está evoluindo ou regredindo no treino e na dieta”, observa Wilson Pereira, personal trainer e professor de musculação da Bodytech Eldorado, em São Paulo. Se você está se exercitando com regularidade e se alimentando de forma equilibrada, provavelmente vai ganhar massa muscular e perder gordura — o que nem sempre significa que seu peso corporal vai cair drasticamente.

 

3. Não se culpe por querer sempre mais

Sempre haverá pendências a ser cumpridas. E tudo bem. Em vez de se frustrar por causa disso, encare as responsabilidades como uma oportunidade para continuar aprendendo. O segredo está em refletir sobre cada tarefa e tentar realizá-la de uma maneira melhor a cada dia. Isso vale inclusive para a atividade física, que deve ser levada como um processo de evolução constante.

 

4. Aprecie o presente

As sessões geralmente vêm acompanhadas de grandes expectativas (emagrecimento, corpo definido, mais fôlego…), mas experimente ver a hora da malhação de um jeito diferente. “O exercício pode funcionar como uma forma de descarregar o estresse e ainda aumentar a disposição e a motivação para enfrentar a rotina”, destaca Wilson. Então, nada de viver apenas no futuro: foque também nos benefícios imediatos que suas atividades trazem.

 

5. Você não é o que os outros pensam de você

Deixe para lá a opinião alheia (ainda que seja de alguém que você ama) e procure entender que você não deve se exercitar pela pressão estética. Excluir neuras desnecessárias é fundamental para concentrar energias no que importa, de fato: a sua saúde.

 

6. Vá devagar

2020 foi um ano atípico. Todo mundo se movimentou menos do que estava acostumado. Então, quando for retomar as atividades, lembre-se de não ir com muita sede ao pote e escutar seu corpo. O progresso deve acontecer aos poucos, a fim de evitar exageros, lesões e acidentes.

 

Transcrito: https://boaforma.abril.com.br/movimento/5-atitudes-que-vao-fazer-voce-alcancar-suas-metas-fitness-em-2018/ - Por: CAROLINE RANDMER (COLABORADORA) - GettyImages

terça-feira, 24 de março de 2020

Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio são oficialmente adiadas para 2021


Em nota divulgada nesta terça-feira, após conferência entre Thomas Bach e Shinzo Abe, Primeiro-Ministro do Japão, evento foi oficialmente adiado para acontecer, no mais tardar, no verão de 2021

As Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio 2020 foram oficialmente adiadas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) nesta terça-feira por causa da pandemia de coronavírus. A decisão foi tomada após uma teleconferência entre Thomas Bach, presidente do COI, e Shinzo Abe, Primeiro-Ministro do Japão, para resguardar a segurança de atletas, técnicos e de todos que participariam diretamente ou indiretamente das competições. A nota oficial não informa uma nova data para as competições, mas diz que deverão ocorrer até o verão de 2021.

- Nas atuais circunstâncias, e com base nas informações fornecidas hoje pela OMS, o Presidente do COI e o Primeiro-Ministro do Japão concluíram que os Jogos da XXXII Olimpíada de Tóquio devem ser remarcados para uma data posterior a 2020, mas o mais tardar no verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e na comunidade internacional - diz o comunicado do Comitê Olímpico Internacional divulgada nesta terça-feira.

O orçamento de todos os Jogos terá de ser revisto. O contrato com algumas das sedes esportivas também passará por uma renegociação. Há ainda a preocupação sobre como ficará a questão dos ingressos e devolução de dinheiro para quem não quiser mais ir aos Jogos. O evento, ainda que possa ser adiado para 2021, permanecerá com o mesmo nome: Tóquio 2020.

A pandemia de coronavírus já registrou mais de 390 mil casos e mais de 17 mil mortes por complicações da Covid-19 em todo o mundo. Um levantamento da universidade norte-americana Johns Hopkins apontou que até o último domingo, mais de 318 mil pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus. A maior parte das mortes mundiais está concentrada na Itália, são mais de 5,4 mil até o momento. O país registrou no último sábado um aumento de quase 800 mortes em apenas um dia. A Itália tem mais de 59,1 mil infectados pelo vírus, atrás apenas da China, que desde o início do surto, em dezembro de 2019, acumulou mais de 81 mil casos de Covid-19.

Em sua 32ª edição, a previsão era de que 11 mil atletas, de pelo menos 204 países, disputassem os Jogos, distribuídos por 33 esportes. Se não bastasse esse contingente de pessoas, o COI e o Comitê Organizador do Japão tinha por estimativa que as provas recebessem até cinco milhões de espectadores de todo o mundo, nos 43 locais de disputas.

No total, 178 atletas brasileiros já estavam classificados para as Olimpíadas de Tóquio. A previsão do Comitê Olímpico do Brasil (COB) era a de que o número de representantes do país ficasse entre 250 e 300 competidores.

Confira a nota oficial de adiamento:

"O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizaram uma conferência por telefone nesta manhã para discutir o ambiente de constantes mudanças com relação ao Covid-19 e as Olimpíadas de Tóquio de 2020.

Estiveram juntos ainda Mori Yoshiro, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020; o ministro olímpico, Hashimoto Seiko; o governador de Tóquio, Koike Yuriko; o presidente da Comissão de Coordenação do COI, John Coates; Diretor Geral do COI, Christophe De Kepper; e o diretor executivo dos Jogos Olímpicos do COI, Christophe Dubi.

Bach e Abe expressaram sua preocupação em comum com a pandemia mundial do Covid-19 e o que isso está fazendo na vida das pessoas e com o impacto significativo que está causando nos preparativos dos atletas em todo o mundo para os Jogos.

Em uma reunião muito amigável e construtiva, os dois líderes elogiaram o trabalho do Comitê Organizador de Tóquio 2020 e observaram o grande progresso que está sendo feito no Japão para lutar contra o Covid-19.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizaram uma conferência por telefone nesta manhã para discutir o ambiente de constantes mudanças com relação ao Covid-19 e as Olimpíadas de Tóquio de 2020.

Estiveram juntos ainda Mori Yoshiro, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020; o ministro olímpico, Hashimoto Seiko; o governador de Tóquio, Koike Yuriko; o presidente da Comissão de Coordenação do COI, John Coates; Diretor Geral do COI, Christophe De Kepper; e o diretor executivo dos Jogos Olímpicos do COI, Christophe Dubi.

Bach e Abe expressaram sua preocupação em comum com a pandemia mundial do Covid-19 e o que isso está fazendo na vida das pessoas e com o impacto significativo que está causando nos preparativos dos atletas em todo o mundo para os Jogos.

Em uma reunião muito amigável e construtiva, os dois líderes elogiaram o trabalho do Comitê Organizador de Tóquio 2020 e observaram o grande progresso que está sendo feito no Japão para lutar contra o Covid-19.

A propagação sem precedentes e imprevisível do surto viu a situação no resto do mundo se deteriorar. Ontem, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a pandemia do COVID-19 está "acelerando". Atualmente, existem mais de 375.000 casos registrados em todo o mundo e em quase todos os países, e seu número está aumentando a cada hora.

Nas atuais circunstâncias, e com base nas informações fornecidas hoje pela OMS, o Presidente do COI e o Primeiro-Ministro do Japão concluíram que as Olimpíadas de Tóquio devem ser remarcadas para uma data posterior a 2020, mas não depois do verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e a comunidade internacional.

Os líderes concordaram que os Jogos Olímpicos de Tóquio poderiam ser um farol de esperança para o mundo durante esses tempos difíceis e que a chama olímpica poderia se tornar a luz no fim do túnel em que o mundo se encontra atualmente. Portanto, foi acordado que a chama olímpica permanecerá no Japão. Também foi acordado que os Jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020".

Do lucro ao prejuízo
Antes do seu adiamento, os Jogos de Tóquio eram apontados como os mais lucrativos da história. Agora, a previsão é a de que haja um impacto negativo no Produto Interno Bruto (PIB) do país em 1,4%. Somente em contratos celebrados com patrocinadores, o Japão arrecadou a impressionante cifra de US$ 3,1 bilhões (R$ 15,5 bilhões), ao estabelecer parcerias com 65 empresas. Esse valor supera em três vezes o recorde anterior, que era dos Jogos de Londres 2012. O orçamento, agora, porém, terá de ser revisto. O contrato com algumas das sedes esportivas também passará por uma renegociação.

Com a venda de ingressos, a previsão era a de arrecadar US$ 800 milhões (R$ 4 bilhões). Para se ter uma ideia do sucesso da comercialização das entradas, os Jogos Rio 2016 chegaram ao total de R$ 1,2 bilhão.

As Olimpíadas japonesas já tinham consumido um total de US$ 18,2 bilhões (R$ 91 bilhões). Deste montante, US$ 5,6 bilhões (R$ 28 bilhões) foram usados pelo Comitê Organizador e US$ 12,6 bilhões (R$ 63 bilhões) aplicados nas obras de infraestrutura e construção das instalações esportivas.

Com a não realização dos Jogos na data prevista, o Japão começará a contabilizar os prejuízos. Em um primeiro momento, o principal deles se refere ao turismo, que foi apontado por especialistas Nomura Holdings, empresa de serviços financeiros e que patrocina as Olimpíadas de Tóquio.

Sem os Jogos, o Japão deixa de arrecadar US$ 2,2 bilhões (R$ 11 bilhões) somente com receitas previstas para gastos estrangeiros. O governo japonês estimou que 600 mil turistas estariam no país durante a realização das Olimpíadas.

A perspectiva da Nomura Holdings é que não realização do evento faça com que o Produto Interno Bruto (PIB) do país sofra uma retração de até 1,4%. Os números são semelhantes a que técnicos do governo têm trabalhado extraoficialmente.

O cancelamento dos Jogos significaria um prejuízo de US$ 66 bilhões (R$ 330 bilhões), que equivalem a 1,4% do PIB japonês.

Para organizar os Jogos de Tóquio, os japoneses construíram oito instalações permanentes, dez temporárias, além de terem reformado outras 25, como o Estádio Olímpico e o Ginásio Nacional de Yoyog, que foram utilizados em 1964, na primeira vez em que as Olimpíadas foram realizadas no país.

COI não resistiu à pressão
No início da pandemia de coronavírus, o COI se recusou a cogitar a possibilidade de cancelamento ou adiamento das Olimpíadas de Tóquio. Ao mesmo tempo em que a epidemia se alastrou pelo mundo, o presidente da entidade máxima do desporto olímpico, o alemão Thomas Bach, se esquivou das perguntas feitas sobre o futuro das competições.

Mas no início de março, em todo o mundo se intensificaram os cancelamentos das competições esportivas, classificatórias ou não para as Olimpíadas de Tóquio. E esse fato levou o COI a emitir uma nota oficial em 3 de março e, no dia seguinte, Bach teve de fazer um pronunciamento e reafirmar a realização dos Jogos.

Com a classificação a Tóquio 2020 prejudicada, por causa das provas canceladas, o COI convocou uma reunião no dia 17 de março com as federações esportivas para discutir o futuro das Olimpíadas. Ao término do encontro, Bach informou que a decisão que os Jogos estavam mantidos.

Ante a crescente pandemia de coronavírus, a decisão desagradou à comunidade esportiva. E, no dia seguinte ao anúncio, pela primeira, vez, atletas e Comitês Olímpicos Nacionais começaram a pedir pelo cancelamento ou adiamento dos Jogos.

- Não é sobre como as coisas serão em quatro meses. É sobre como as coisas estão agora. O COI está querendo que a gente se mantenha arriscando nossa saúde, a saúde da nossa família e a saúde pública treinando todos os dias? Estão nos colocando em perigo agora, hoje, não em quatro meses - escreveu a atual campeã olímpica do salto com vara, a grega Katerina Stefanidi, em um perfil de rede social.

Em uma videoconferência com outros presidentes de Comitês Olímpicos Nacionais, o comitê espanhol pediu pelo adiamento das Olimpíadas. O presidente da entidade Alejandro Blanco lembrou que a Espanha é um dos países mais afetados pela pandemia de coronavírus e, por isso, teme que seus esportistas participem da competição em situação de desigualdade.

E até os membros do COI passaram a pedir pelo cancelamento dos Jogos. Integrante da Comissão de Atletas do COI, a canadense Hayley Wickenheiser, tetracampeã olímpica de hóquei no gelo, classificou como irresponsável a decisão de não adiar os Jogos, diante do avanço do coronavírus no mundo.

Na tentativa de conter o inconformismo dos atletas, ainda no dia 18 de março, o presidente do COI realizou uma reunião por videoconferência com 220 atletas classificados para Tóquio. Ao término da reunião, ele se mostrou satisfeito com o resultado.

- Todos perceberam que ainda temos mais quatro meses pela frente. Há muitas perguntas a serem respondidas sobre as restrições e dificuldades do sistema de classificação - disse, na ocasião, Bach.

A pressão por um adiamento cresceu a partir do dia 20 de março, quando dirigentes esportivos da Itália fizeram coro aos atletas se posicionando contra a realização dos Jogos em julho. No Brasil, o Comitê Paralímpico (CPB) foi a primeira instituição do país a pedir o adiamento. No dia 21 de março, foi a vez de o Comitê Olímpico do Brasil (COB) defender o adiamento e foi seguido por diversas confederações esportivas nacionais. Reforçaram os pedidos entidades dos Estados Unidos, o Comitê Olímpico da Colômbia, da Noruega, da Austrália e de diversos países. Mas foi o Canadá que fez a pressão mais forte, ameaçando não enviar atletas aos Jogos caso mantivesse a programação inicial.

O COI reagiu com uma mudança de tom. Antes não havia data-limite para definir sobre adiar ou não as Olimpíadas. No dia 22 de março, o COI estabeleceu um prazo de quatro semanas para tomar uma decisão.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/rj/olimpiadas/noticia/olimpiadas-e-paralimpiadas-de-toquio-2020-sao-adiadas.ghtml  - Por GloboEsporte.com — Tóquio, Japão - Foto: Athit Perawongmetha/Reuters