sábado, 29 de fevereiro de 2020

Queimaduras? Não corra para o hospital, corra para a torneira


Água melhor que qualquer outro produto contra queimadura

Se seu filho sofreu uma queimadura, é melhor manter o autocontrole e mantê-lo em casa por um tempo que, a princípio, pode parecer longo demais.

Ocorre que o resfriamento com água corrente é o melhor tratamento inicial para as queimaduras.

"Se uma criança se queimou, o primeiro ciclo de tratamento deve ser de 20 minutos de água corrente fria. A água corrente fria é mais eficaz imediatamente após a queima, mas as evidências sugerem que ela permanece benéfica por até três horas após uma lesão," afirma a Dra Bronwyn Griffin, da Universidade de Queensland (Austrália).

A água fria da torneira, aplicada continuamente, deu melhores resultados do que todas as alternativas, como aloe, géis, compressas, pasta de dente, manteiga ou claras de ovos, por exemplo.

Tudo melhor

Os pesquisadores constataram que a água corrente fria reduz as chances de precisar de um enxerto de pele, acelera a cicatrização e diminui a chance de uma vítima de queimadura jovem exigir internação no hospital ou precisar passar por um procedimento cirúrgico.

O estudo comparativo mostra que as crianças que receberam primeiros socorros adequados, envolvendo 20 minutos ou mais de resfriamento com água corrente, tiveram as chances de enxerto de pele reduzidas em mais de 40%.

O fornecimento de qualquer quantidade de água corrente fria foi associado a uma chance reduzida de admissão hospitalar em 35,8% e à chance de exigir tratamento em uma sala de cirurgia em 42,4%.

Queimaduras? Não corra para o hospital, corra para a torneira
A administração de pulsos elétricos reduz as cicatrizes de queimadura em 58%, embora este seja um tratamento hospitalar.

Entre os pacientes que não necessitaram de enxerto de pele, a velocidade de cicatrização foi mais rápida com a administração de água fria corrente, qualquer que tenha sido o tempo. Isso é importante porque a cura mais rápida reduz o risco de cicatrizes, observam os autores.

Tempo para manter queimadura sob a água

A duração ideal da terapia com água corrente fria permanece em discussão.

As associações australianas, britânicas e europeias de queimaduras recomendam 20 minutos de água corrente fria. A Associação Norte-Americana de Queimados, por sua vez, pede cinco ou mais minutos, enquanto a Cruz Vermelha prescreve 10 minutos ou mais.

Este novo estudo dá mais suporte à recomendação de 20 minutos completos, observam os autores.

"Se você é um pai ou um paramédico, é altamente recomendável administrar 20 minutos de água corrente fria na queimadura de uma criança. Essa é a maneira mais eficaz de diminuir a gravidade dos danos nos tecidos de todas as queimaduras térmicas," salientou a Dra Griffin.


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

10 fatos fascinantes sobre cães


Novas pesquisas sobre comportamento e fisiologia canina estão revelando pistas valiosas sobre o que acontece entre as duas orelhas dos caninos. Nunca vamos conhecer todos os detalhes do pensamento dos cães, mas temos cada vez melhores informações sobre a cognição canina. Veja dez fatos interessantes sobre a mente de um cachorro:

10. Cães também têm depressão e ansiedade
Os sintomas da depressão nos cães são parecidos com os humanos: eles podem perder o apetite, ficam apáticos, perdem interesse nas atividades favoritas e se isolam do mundo.
Entre as causas de depressão em cães estão a partida de alguém da família ou a chegada definitiva de alguém que o pet não gosta.

9. São exímios processadores de cheiros
Cães têm até 300 milhões de receptores olfativos, comparado com seis milhões em humanos.
Eles têm conchas nasais muito maiores e profundas que as nossas e o cérebro deles é especializado em identificar aromas, motivo pelo qual cães confiam em seus narizes para ajudá-los a interpretar o mundo ao redor deles. A área de processamento olfativo nos cães é quatro vezes maior que dos humanos.
Eles também conseguem inspirar e expirar ao mesmo tempo, criando uma circulação de ar sem interrupções, enquanto nós precisamos revezar essas duas habilidades.

8. Cães leem expressões faciais humanas
Se você sorri para um cão, ele processa essa informação e associa que você está feliz. Ele sorri de volta, mas da maneira dele: pulando animadamente, abanando a cauda ou correndo loucamente pela casa.
Evidências sugerem que os batimentos cardíacos deles aumentam quando percebem que alguém está bravo, com medo ou feliz. Uma pesquisa mostrou que eles conseguem reconhecer expressões faciais da mesma forma que uma criança entre seis meses a dois anos faz.

7. Eles gostariam de dizer o que pensam, mas não conseguem
Apesar de não falarem, os cães ainda conseguem se comunicar conosco. Eles se expressam pela linguagem corporal. Já conhecemos seis grupos de sinais comunicacionais diferentes (medo, empolgação, ansiedade, agressão e calma), mas às vezes esses sinais são tão sutis que passam batido.

6. Cães entendem o que você diz
Cães entendem, em média, 165 palavras que dizemos. Eles podem aprender até mais delas com treinamento. O cérebro dos cães processa a língua de forma semelhante ao do ser humano, com o lado direito lidando com emoções e com o esquerdo trabalhando o significado. Eles aprendem da mesma forma que uma criança que certas palavras significam certas coisas.

5. Cães percebem alteração de humor pelo som
Já sabemos há algum tempo que os cães conseguem captar o tom dos sons, incluindo a nossa voz. Isso é facilmente observável com o simples experimento de dar uma bronca em um cão com uma voz gentil e sorriso no rosto. A reação dele fatalmente será abanar o cabo.

4. Humanos influenciaram o cérebro dos cães
Cientistas já provaram que com a seleção de cães podemos controlar, em linhas gerais, o formato, cor ou personalidade dos cães. O cérebro dos cães varia de raça para raça, e muito dessa variação se deve à seleção de certos comportamentos e características físicas.

3. Cães são bastante críticos
Desde bebês nós aprendemos através da imitação, e nem sempre temos a visão crítica para perceber que determinado comportamento é desnecessário ou até negativo. Já os cães também aprendem por imitação, mas decidem com mais facilidade o que vão copiar ou não.
Em experimentos com quebra-cabeças para cães, eles observam como outros resolvem o problema e copiam, mas fazem pequenas alterações para adaptar o que viram ao que eles acreditam que o problema necessita.

2. Eles são bons em matemática
Um cachorro nunca vai aprender a resolver uma equação de segundo grau, mas eles são bons em continhas simples de soma e até acertam mais desafios desse tipo do que crianças.
Se um retriever treinado para caça percebe que três patos foram abatidos, ele traz três aves para o dono dele, sem precisar voltar para conferir se algum ficou para trás. Depois de buscar um, eles sabem que ainda faltam mais dois. Depois de pegar o segundo, eles sabem que tem mais um.
Outro experimento apresentou dois pratinhos de biscoitos caninos com quantias diferentes, e os cães sempre atacam primeiro o prato com mais biscoito.

1. Eles sentem ciúmes
Eles podem sentir ciúmes dos seus donos e de outros cães. Quando um recém-nascido chega em casa, alguns deles se isolam ou agem com um pouco mais de agressividade.
Resumindo, cães podem ser animais simples, mas o cérebro deles é bastante complexo. Ainda há vários mistérios a serem solucionados sobre algumas coisas que eles fazem. Enquanto isso, podemos aproveitar esta ótima companhia. [Listverse]


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Coronavírus: 10 mitos sobre prevenção e tratamento


De superdoses de vitamina D a chá de erva-doce, conheça métodos veiculados por aí para proteger contra o coronavírus que não têm respaldo da ciência

O novo coronavírus (que agora recebeu o nome de covid-19) já criaram dezenas de fake news sobre ele. De uma origem em laboratório orquestrada pelo empresário Bill Gates para lucrar com vacinas a estratégias simples e milagrosas para tratar e evitar a infecção, sobram informações inverídicas.

Elencamos os boatos que mais estão se disseminando sobre esse vírus e conversamos com especialistas para esclarecê-los de uma vez por todas. Confira:

1) Tomar uma superdose de vitamina D evita o coronavírus
Uma mensagem assinada por um médico diz que a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) indica um reforço na imunidade para prevenir essa doença. Para isso, seria preciso injetar uma dose alta de vitamina D, que teria o poder de modular as defesas do corpo.
Só que a notícia é completamente falsa. A SBI emitiu um comunicado afirmando que jamais fez tal recomendação. “Tomar uma vitamina não vai mudar sua resposta a um agente estranho”, comenta Nancy Bellei, infectologista consultora da entidade e pesquisadora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Um estudo bem robusto, realizado em 2019 com mais de 5 mil adultos, mostra que mesmo uma dose enorme, de 100 mil UI de vitamina D, não previne infecções respiratórias, como o coronavírus. A pesquisa foi feita pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, e publicada no periódico Clinical Infectious Diseases.
Isso vale também para suplementos de vitamina C e minerais como zinco. A suplementação só deve entrar em cena com orientação profissional e em caso de deficiência de nutrientes comprovada.
Manter uma alimentação equilibrada ao longo da vida é a única recomendação nutricional dos médicos para reforçar as defesas. “Vender qualquer boost de imunidade beira o charlatanismo”, destaca João Prats, infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

2) Chá de erva-doce mata o vírus originário da China
Esse é um boato reaproveitado há pelo menos dez anos. Verdade que, até então, essa fake news se restringia ao vírus influenza, causador da gripe.
No WhatsApp, o texto alega que um médico do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo recomenda tomar o chá de erva-doce para curar o coronavírus, porque a planta tem o mesmo princípio ativo do Tamiflu, um remédio usado contra casos de H1N1 e outros subtipos do influenza.
Mas atenção: tal composto não existe na erva-doce. Aliás, o Ministério da Saúde ressalta que nenhum chá é capaz de tratar o coronavírus ou a gripe.

3) Alho, gengibre e outros fitoterápicos como forma de prevenção
Ainda na seara alimentar, as correntes recomendam comer alho cru e tomar chá de gengibre, entre outras bebidas e alimentos, para reforçar a imunidade e matar o vírus.
“Embora moléculas dessas plantas demonstrem resultados positivos quando se estuda a ação delas em uma célula isolada no laboratório, não dá para extrapolar esse efeito para o corpo humano”, comenta Prat.
Isso não significa que comer um vegetal rico em nutrientes, como o alho ou mesmo o gengibre, fará mal. Na verdade, eles até podem aliviar sintomas como coriza e irritação nas vias aéreas. Só não espere que, isoladamente, previnam ou curem um caso de coronavírus ou de qualquer outra infecção respiratória.

4) Já ter pego gripe protege contra o coronavírus
O influenza é diferente do coronavírus. Quando somos infectados por um subtipo do vírus da gripe, nosso organismo aprende a se defender especificamente contra ele, em um processo chamado de resposta imune adquirida.
O raciocínio é o mesmo para a vacina da gripe. O fato de ter recebido essa injeção não quer dizer que o organismo está mais resguardado do coronavírus. E nem contra o próprio influenza daqui um ano. Isso porque esse agente infeccioso sofre mutações constantes, que exigem modificações na vacina.
Agora, imunizar-se contra gripe pode evitar que o coronavírus cause complicações. Explica-se: esse novo vírus pode se aproveitar do fato de o organismo estar enfraquecido pelo influenza para provocar estragos graves.

5) O coronavírus é semelhante ao vírus da aids
Uma montagem mostra porções iguais do DNA de dois vírus lado a lado, supostamente o HIV e o coronavírus. Segundo os autores, são semelhanças “nunca encontradas em outro coronavírus do passado”, o que indicaria que o novo inimigo da saúde foi criado com fins escusos em um laboratório – olha aí o Bill Gates de novo.
Mas não há nenhum registro científico dessa similaridade. O periódico The Lancet publicou recentemente um artigo que sequencia os genes do covid-19, mostrando que ele é cerca de 80% similar ao vírus SARS, que causou uma epidemia na década passada. Não há qualquer menção ao HIV.

6) O novo vírus pode ser tratado com remédios para HIV, influenza ou antibióticos
Até agora, não existe um tratamento específico contra o coronavírus além de observar e remediar os sintomas e as complicações da infecção. Entretanto, com o avanço dos casos, os médicos estão fazendo testes com medicamentos originalmente criados para enfrentar outras enfermidades.
Na China, médicos vêm receitando o lopinavir e o ritonavir, antirretrovirais que tratam o HIV, combinados com o oseltamivir, o princípio ativo do Tamiflu, que é prescrito em gripes severas. A CNN noticiou também que um médico tailandês declarou ter curado um caso grave de coronavírus com a mistura.
A estratégia, entretanto, carece de comprovação científica. “Faltam evidências clínicas da eficácia contra o covid-19. Também precisamos compreender o mecanismo pelo qual atuariam esses medicamentos”, destaca Prats.

7) Carregar bolsas de cânfora afasta o coronavírus
“Uma boa dica, meus queridos amigos: bolsinhas medicinais de cânfora ajudam a evitar a propagação da gripe coronavírus”, afirma uma mensagem espalhada pelos grupos de WhatsApp. Primeiro, vale dizer que a infecção provocada pelo coronavírus não é uma gripe, o que já levanta suspeitas.
E a cânfora, embora empregada há séculos como tratamento alternativo, não tem nenhuma ação antiviral atestada por estudos. “É uma planta famosa por ser descongestionante e analgésica. Ela até atenua os sintomas de gripe e resfriado, mas não reduz o risco de infecção nem evita casos graves”, pontua Prats.

8) Lavar nariz com frequência evita o coronavírus
A higienização frequente das narinas é a melhor maneira de desentupir o nariz, além de amenizar os sintomas da rinite. Só que seus benefícios param por aí, uma vez que a higiene do local não impede que um vírus entre pela mucosa e acesse o organismo.

9) Comprar mercadorias da China é perigoso
Ter contato com produtos chineses não representa ameaça de contágio pelo coronavírus. Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde (OMS) e a comunidade médica rejeitam essa hipótese.
 “Há a possibilidade de o vírus ‘sobreviver’ no ambiente por alguns dias, mas, em geral, ele se torna incapaz de infectar alguém após algumas horas fora do organismo”, destaca Nancy.

10) Ozonioterapia para tratar coronavírus
Uma clínica de estética publicou em suas redes sociais que a ozonioterapia — técnica que administra os gases oxigênio e ozônio no nosso corpo para diferentes fins — preveniria a infecção. A notícia, embora falsa, espalhou-se rapidamente.
Em comunicado, a SBI avisa que não há nenhuma evidência científica de que o método proteja contra o covid-19.

Uma polêmica: o calor brasileiro deixa o coronavírus menos ameaçador?
Com base em estudos já feitos com o influenza, que apontam para uma maior transmissão nos meses frios e secos, imagina-se que o coronavírus perderá força no clima tropical do Brasil em pleno Carnaval. Acontecimentos dos últimos anos, contudo, desafiam esse conceito.

“Existe um conhecimento clássico sobre o assunto, mas há muitos dados que apontam para surtos de vírus causadores de doenças respiratórias fora do frio e em regiões mais úmidas”, diz Nancy. “Tivemos, por exemplo, uma epidemia de H1N1 nos Estados Unidos em julho, um período muito quente naquele país, e também enfrentamos casos no verão brasileiro”, complementa a médica.

A especialista completa: “Não dá para afirmar que o clima diminuirá a velocidade de transmissão, especialmente se tratando de um vírus para o qual ninguém tem imunidade ainda”, completa.

No entanto, outras versões de coronavírus especialmente agressivos, como o SARS, de fato tiveram maior dificuldade de se espalhar no verão. Isso porque, no calor, as pessoas não ficam tanto tempo em ambientes fechados, que facilitam a disseminação de infecções respiratórias. E é possível que o próprio vírus não responda tão bem ao clima tropical.

Nesse ponto, portanto, devemos esperar mais pesquisas.

Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/coronavirus-mitos-prevencao-tratamento/  - Por Chloé Pinheiro - Foto: Fabio Castelo/SAÚDE é Vital

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

A ciência descobre o que torna os cachorros tão especiais


O que torna os cães tão especiais? A ciência tem uma ideia: o amor que sentem por seus donos.

De acordo com o psicólogo animal Clive Wynne, da Universidade Estadual do Arizona (EUA), pesquisas interdisciplinares sugerem que é a hiper sociabilidade ou a “gregariedade” (necessidade de companhia, de pertencer) dos cachorros que os diferencia.

Hormônio do amor
Wynne começou a estudar o comportamento dos cães nos anos 2000. Na época, como a maioria de seus colegas, ele era cético quanto a atribuir emoções complexas a esses animais. Isso seria o equivalente a antropomorfizá-los, ou seja, tratá-los como se fossem seres humanos.
Ao longo do tempo, no entanto, o cientista foi convencido por uma série de evidências de estudos sérios quanto a características que realmente diferenciam os cães de outros animais, incluindo sua vontade de estar perto de pessoas.
Wynne cita, por exemplo, pesquisas que analisaram o papel da ocitocina, também chamada de hormônio do amor. Essa substância química é liberada pelo cérebro para criar e reforçar laços entre pessoas. Diversos estudos, no entanto, descobriram que ela desempenha um papel nas relações entre humanos e cães também.
Por exemplo, um estudo conduzido por Takefumi Kikusui da Universidade Azabu (Japão) mostrou que níveis de ocitocina disparam quando humanos e seus cães se olham, um efeito muito semelhante ao observado entre mães e seus bebês. Incrível, não?

Genética
Outro estudo conduzido pela geneticista Bridgett vonHoldt, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA), descobriu que cães possuem uma mutação em um gene responsável pela síndrome de Williams em seres humanos.
Essa condição é representada por uma série de características, incluindo desenvolvimento motor mais lento e problemas de coordenação. O que chama mais a atenção, no entanto, é a maneira como afeta a personalidade e o comportamento: crianças portadoras desta síndrome possuem grande sociabilidade, entusiasmo e sensibilidade.
“O essencial dos cães, assim como das pessoas com síndrome de Williams, é o desejo de estabelecer conexões íntimas, de ter relacionamentos pessoais calorosos – de amar e ser amado”, argumenta Wynne.

Relações muito, muito próximas
Diversos experimentos comportamentais já confirmaram essa “necessidade” de relacionamento dos cães com seus donos. Por exemplo, em um deles, feito por Wynne e por outras equipe, um pote com comida é colocado a mesma distância de um cão que seu dono. Quando o animal é liberado, em quase todos os casos corre primeiro em direção à pessoa, e não à comida.
Para tentar entender esse impulso, os pesquisadores usaram imagens de ressonância magnética e descobriram que os cérebros dos cães respondem a elogios e exaltações de seu dono tanto quanto – ou mais – respondem à comida.

Ame seu cão
Para Wynne, esses achados têm implicações importantes na forma como educamos e lidamos com nossos cães.
Muitos treinadores famosos utilizam métodos às vezes dolorosos para ensinar comportamentos a cachorros, enquanto o cientista rejeita essas formas brutais de adestramento, como colares de choque.
Segundo ele, os cães não querem ser dominados, e sim amados. “Tudo o que seu cão quer é que você mostre o caminho a ele, por meio da liderança compassiva e reforço positivo. Isso também significa arranjar tempo para atender às suas necessidades sociais, em vez de deixá-lo isolado a maior parte do dia”, diz Wynne.
Em outras palavras: cães apenas precisam de nossa companhia, precisam estar com pessoas.

Domesticação: como o cão se tornou melhor amigo do homem
Para Wynne, o futuro da ciência, no que concerne os cães, são estudos genéticos. Estes podem nos ajudar a entender o misterioso processo de domesticação desses animais, que começou 14.000 anos atrás.
Wynne crê na teoria que dita que cães antigos se reuniam em torno de áreas de despejo humano (como “lixões” rudimentares), lentamente se juntando às pessoas até estabelecerem a parceria duradoura que conhecemos por meio de expedições conjuntas de caça.
Essa ideia é menos romântica que a noção popular de caçadores que capturaram filhotes de lobo para treiná-los – algo que Wynne considera altamente improvável, uma vez que a ferocidade natural dos lobos os levaria a se voltar contra os humanos mais tarde.
O cientista pensa que novos avanços em sequenciamento de DNA antigo irão permitir que determinemos quando certas mutações importantes ocorreram nos cães, como no gene que controla a síndrome de Williams, a fim de identificarmos quando esse processo de domesticação se tornou favorável – algo que Wynne acredita ter acontecido entre 8.000 e 10.000 anos atrás, no fim da Idade do Gelo, quando humanos começaram a caçar regularmente na companhia de cães. [Phys, Fiocruz]


terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Empatia e cuidado com o próximo são ações reforçadas na Campanha da Fraternidade


Quarta-feira de Cinzas marca o início da Quaresma e da campanha. Tema faz homenagem à Irmã Dulce, canonizada pelo papa Francisco.

Com o tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso”, será lançada no Brasil, nesta quarta-feira de Cinzas (26), a Campanha da Fraternidade 2020. O cartaz da campanha, além de fazer referência a uma parábola bíblica do bom samaritano, homenageia Irmã Dulce, canonizada no dia 13 de outubro de 2019, e que agora é chamada de Santa Dulce dos Pobres.

A campanha deste ano incentiva todos os cidadãos a exercitarem a empatia e desenvolverem a capacidade de cuidar do próximo. Segundo o padre Fabiano Roberto, pároco da igreja São Geraldo Majela, em Uberaba, a campanha resgata a preocupação do cuidado com a vida, assim como Irmã Dulce fez.

Santa Dulce dos Pobres, conhecida popularmente como Anjo Bom da Bahia, foi uma das religiosas mais populares do Brasil graças ao trabalho social prestado aos mais pobres e necessitados, principalmente na Bahia.

"A imagem de Irmã Dulce no cartaz da CF revela uma mulher que, na simplicidade de seu coração, quebrou as regras de seu tempo e não abriu mão de ser diferente e fazer a diferença. As obras sociais dela ajudam, e muito, o nosso povo. Ela se tornou referência na campanha deste ano como uma boa samaritana do nosso tempo. Uma referência sólida, já que recentemente ela foi canonizada, sendo um grande orgulho para o nosso país", comentou o padre.


16 maneiras gratuitas de cuidar de si mesmo


O que você pensa quando ouve a palavra “autocuidado”?

Sim, estamos falando de cuidar de si mesmo. E não, não estamos falando de ir ao salão de beleza, fazer uma massagem, comprar uma máscara facial ou algum produto corporal caro, nem de planejar uma mega viagem em um resort para relaxar.

A era das redes sociais pode até lhe ter feito acreditar que autocuidado é isso, mas existem maneiras muito melhores (e que não custam quase nada) de sentir-se bem.

 “Todo o conceito de autocuidado realmente se desviou da intenção original e se tornou um meme. Quando falo com meus clientes sobre autocuidado, raramente incentivo práticas e hábitos que custam dinheiro. De fato, gastar dinheiro excessivamente ou fundos que não temos em nome do ‘autocuidado’ pode ser angustiante, destrutivo e trabalhar contra nosso bem-estar mental e emocional”, explicou a psicoterapeuta americana Kathleen Dahlen deVos.

Pensando nisso, o The Huffington Post pediu dicas de formas praticamente gratuitas de praticar o autocuidado a especialistas de bem-estar. Fique atento!

1 – Passe um tempo fora de casa
Não importa onde você mora, você pode facilmente passar um tempo ao ar livre. Sente-se na grama, tome alguns minutos de sol no seu quintal, dê uma volta em um parque ou mesmo faça uma caminhada em torno de seu quarteirão.
“Sair de casa e se afastar de nossos dispositivos acalma nosso sistema nervoso dos efeitos negativos dos estressores do cotidiano”, afirmou a médica Tiffany Lester, de São Francisco (EUA).

2 – Limpe e organize seus espaços
Quando sua casa ou seu escritório está bagunçado, isso pode afetar seu estado mental, fazendo você se sentir mais estressado e ansioso, por exemplo.
“Para alguns, um espaço bagunçado ou desorganizado pode ativar seu sistema nervoso e afetar o bem-estar mental. Se esse é o seu caso, reservar um tempo para limpar seu espaço pode ser um ato de autocuidado e amor próprio, e pode parecer uma terapia ao invés de uma tarefa que você não quer fazer”, disse o terapeuta Jesse Kahn, diretor do Centro de Terapia de Gênero e Sexualidade em Nova York (EUA).

3 – Reduza o tempo que você passa nas redes sociais
Além de te privar de realizar outras tarefas mais importantes ou satisfatórias, diversas pesquisas já mostraram que passar muito tempo nas redes sociais é um ato associado a baixa autoestima, problemas de sono e um medo irracional de estar “perdendo” alguma coisa extraordinária.
Claro, existem vantagens em se navegar pela internet e em conectar-se com amigos através de redes sociais, mas este também é um ambiente que muitas vezes estimula o consumo em excesso e a distração, além de agir como um “entorpecente” que nos faz esquecer o que realmente importa em nossas vidas, explica o nutricionista McKel Hill Kooienga, de Nashville (EUA).
Se você tem dificuldade em largar o celular, pode utilizar truques como as funções que os apps têm de te lembrar quanto tempo você já gastou neles, bem como desligar as notificações.

4 – Mantenha um diário
Mesmo que você não queira ter um diário, pode simplesmente pegar um papel e uma caneta e tentar escrever sobre seus pensamentos e emoções às vezes, bem como refletir sobre eventos de sua vida ou cultivar gratidão pelo que você tem.
“Às vezes, escrever ajuda tanto quanto terapia. Manter um diário nos auxilia a externalizar o que está se passando em nossas mentes, a olhar para nossos pensamentos com mais objetividade”, afirma Lauren Donelson, escritora e professora de yoga em Seattle (EUA).

5 – Durma melhor
A importância do sono já foi abordada por inúmeros estudos científicos. Fazer um esforço para dormir sete a nove horas por noite de forma consistente pode fazer toda a diferença em sua vida, inclusive melhorar seu humor e seu desempenho no trabalho.
“Talvez autocuidado seja dormir um número determinado de horas por noite, não exceder determinado número de horas, dormir em determinado horário para ser capaz de levantar-se em determinado horário ou criar um ritual que te ajuda a relaxar e acalmar seu corpo para dormir”, argumenta Kahn.

6 – Medite
A meditação é comprovadamente uma das melhores formas de restauração e reconexão com a mente e o corpo.
“Há um valor muito grande em se dar tempo e espaço para trocar do modo ‘fazer’ para o modo ‘ser’. A meditação permite que as pessoas se reconectem com as necessidades de seu corpo e mente”, diz Tamara Levitt, instrutora de meditação em Toronto (Canadá).
Se você não é fã de meditar em silêncio, pode utilizar aplicativos (gratuitos ou pagos) para te guiar nesse processo.

7 – Questione-se sobre seu próprio bem-estar
Pelo menos uma vez por dia, separe um tempinho para ver como você está indo. Faça uma pausa para questionar-se se você está com fome, cansado, satisfeito, que emoções está sentindo e que partes de seu corpo precisam de atenção.
“Apenas fazer a si mesmo a pergunta: ‘como estou indo agora?’ é um lembrete gentil de cuidar de si mesmo”, opina Hill Kooienga.

8 – Mexa-se
Exercitar-se faz bem não só para a saúde física, mas também para a mental. Se você não tem dinheiro para ir à academia ou fazer aulas pagas, pode dançar sozinho em seu quarto ouvindo suas músicas preferidas, buscar por atividades gratuitas em sua cidade (como aulas comunitárias de ritmos musicais, lutas marciais, alongamento), correr em um parque e até assistir vídeos instrutivos na internet, como aulas de yoga.

9 – Conecte-se com pessoas queridas na vida real
Mandar um e-mail ou uma mensagem de texto é certamente muito conveniente e parece “diminuir” a distância entre as pessoas, ou conectá-las, por assim dizer.
Mas tirar um tempinho para realmente se encontrar com amigos e família é muito melhor no que diz respeito a satisfazer nossas necessidades de conexão interpessoal, de uma maneira que a internet não consegue fazer.
“Ligue para um amigo, faça uma caminhada com um colega ou prepare um jantar com um membro da família. Conectar-se com outras pessoas de quem gostamos nos ajuda a espairecer, regula o sistema nervoso e melhora o humor”, conta Dahlen deVos.

10 – Invista em um hobby
A vida não deve ser só trabalho e obrigações domésticas e familiares, certo? É preciso reservar um tempo para fazer aquilo que realmente apreciamos, para investir em um hobby.
“A maioria de nós é muito ocupada para separar um tempo para atividades que dão alegria e trazem conforto. Encontre tempo toda semana para se desligar dos eletrônicos e se engajar em um hobby que rejuvenesça seu espírito; toque um instrumento, escreva em um diário, faça uma aula de culinária. Enquanto os eletrônicos nos esgotam, nossas atividades favoritas nos nutrem”, explica Levitt.

11 – Respire fundo
Em períodos muito estressantes, podemos passar horas ou um dia inteiro sem respirar profunda e corretamente, a menos que façamos isso intencionalmente. E talvez você não tenha ideia do bem que isso pode te causar.
“Eu gosto de respirar profundamente de manhã e ao longo do dia porque me ajuda a me recentrar e me conectar mais com o momento presente. Uma estratégia que eu uso é me lembrar de fazer três respirações profundas toda vez que vou ao banheiro e lavo minhas mãos. É fácil, gratuito e faz uma enorme diferença nos meus níveis diários de estresse”, argumenta Jessica Jones, nutricionista em São Francisco (EUA).

12 – Seja voluntário               
Escolhe uma causa, uma organização ou uma ideia e voluntarie seu tempo a ela.
“Engajar-se em atos altruístas e ver suas ações tendo um impacto direto e positivo na vida de outras pessoas é uma forma certeira de melhorar o humor e sentir-se parte de algo maior do que si mesmo. Isso pode ajudar a colocar seus problemas em contexto, ou pelo menos te dar uma pausa dos estressores do dia a dia sem ser uma atividade entorpecente”, esclarece Dahlen deVos.

13 – Coma mais vegetais
Tenha como meta diminuir o consumo de comidas ultraprocessadas e aumentar o de vegetais e outros lanchinhos saudáveis.
“A maioria de nós não consome alimentos integrais suficientes e muito menos vegetais, que nos mantêm de bom humor e satisfeitos por causa da saciedade prolongada oferecida pelas fibras. Os vegetais nutrem nosso corpo físico em um nível celular com fibras, minerais, vitaminas e antioxidantes, e podem ter um sabor delicioso também”, afirma Hill Kooienga.

14 – Abrace pessoas (e bichinhos) amados
Dormir de conchinha com a pessoa amada ou abraçar um amigo, um filho e até um cachorro pode ser muito importante para seu bem-estar. Entre outras coisas, pode aliviar a ansiedade e a depressão, bem como diminuir sentimentos de solidão.
 “O abraço libera ocitocina, um hormônio que nos faz nos sentirmos bem, e também ajuda a reduzir o estresse”, explica Lynsie Seely, terapeuta em São Francisco (EUA).

15 – Aprenda a dizer não
Autocuidado não é sempre sobre fazer algo “a mais” em sua rotina; às vezes, é sobre saber escolher aquilo que você não quer fazer.
“Muitos de nós gostam de agradar aos outros e passam muito tempo fazendo coisas por causa de sentimentos de culpa e obrigação, o que por sua vez deixa as pessoas sem energia e sem a capacidade de focar em si mesmas e em suas reais necessidades”, diz a nutricionista e terapeuta de hábitos alimentares Sara Groton, de São Francisco (EUA).
Sempre que você se pegar pensando “tenho que fazer isso”, “preciso fazer aquilo”, tire um momento para desafiar esse pensamento – tem mesmo? Precisa mesmo?

16 – Pratique autocompaixão
Nem mesmo todos os procedimentos de beleza, cirurgias plásticas e massagens do mundo poderiam consertar aquela voz interior que nos julga e critica o tempo todo.
Seja gentil consigo mesma; se perdoe, se ame, não se culpe. Isso é autocuidado da maior qualidade.
Se você não sabe por onde começar, pode aproveitar o conselho da terapeuta americana Allison Hart, colocar sua mão em seu coração e repetir: “Estou com dificuldades agora. Estou sofrendo, estou com raiva ou me sentindo fora do fluxo. Que eu seja gentil e flexível comigo mesma. Que eu seja bondosa comigo mesma e que eu faça uma pausa na resolução de problemas por um momento”. [HuffPostBrasil]


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Copa e Copinha O Saber de futsal masculino 2020


Sono da beleza repõe colágeno e atrasa envelhecimento


Uma noite de sono bem dormida pode trazer diversos benefícios para saúde da pele

Você já teve uma noite de sono bem dormida e acordou achando que a pele estava mais bonita e renovada? Era real. De acordo com estudo realizado por biólogos da Universidade de Manchester, o "sono da beleza" tem relação com a reposição de colágeno.

A pesquisa, publicada na revista científica Nature Cell Biology, conseguiu provar que dormir bem traz diversos benefícios estéticos. Isso porque o nosso organismo está abastecido com muitas fibras de colágeno - que são as proteínas que garantem a elasticidade e a força do tecido conjuntivo.

Ainda segundo o estudo, essas proteínas podem ser divididas em dois tipos: as grossas, produzidas até os 17 anos de idade e que ficam no corpo por toda a vida; e as finas, que se quebram durante o dia e são reabastecidas à noite.

Dessa forma, durante o sono, o relógio biológico trabalha para repor as fibras que foram quebradas e perdidas no dia, protegendo também as permanentes.

Como o estudo foi feito
O estudo foi realizado com ratos, que eram analisados a cada quatro horas, durante dois dias. Os biólogos notaram que ao retirar os genes ligados ao relógio biológico, as fibras eram misturadas.

Quando o relógio funcionava corretamente (acontece quando dormimos bem), as fibras finas morriam e as grossas permaneciam - a forma correta e natural para que a pele tenha elasticidade por mais tempo.


domingo, 23 de fevereiro de 2020

Descubra como caminhar pode emagrecer mais do que academia


Trinta minutos de caminhada rápida diariamente é mais eficaz do que malhar

Com a rotina agitada, a melhor forma de perder os quilinhos extra é buscar a prática que gaste menos tempo do seu dia e mais calorias. Nesse sentido, um estudo da Escola de Economia de Londres, no Reino Unido, apontou que caminhar de forma acelerada pelo menos 30 minutos por dia é mais eficaz na perda de peso do que malhar ou praticar outros esportes.

A médica Grace Lordan, responsável pelo estudo, analisou os relatórios da Pesquisa Anual de Saúde da Inglaterra dos últimos quatro anos, com o foco em atividades que aumentem o condicionamento físico da população. Assim, ela identificou um padrão entre as pessoas que praticavam caminhada rápida todos os dias por no mínimo meia hora: elas tinham o Índice de Massa Corporal (IMC) menor e a cintura mais fina, sem gorduras localizadas, especialmente entre as mulheres e pessoas acima de 50 anos em geral.

Se esses motivos ainda não convenceram você a começar a caminhar, veja abaixo mais algumas razões para incluir essa atividade na sua vida:

1. Melhora a circulação
Um estudo feito pela USP, de Ribeirão Preto, provou que caminhar durante aproximadamente 40 minutos é capaz de reduzir a pressão arterial durante 24 horas após o término do exercício. Isso acontece porque durante a prática do exercício, o fluxo de sangue aumenta, levando os vasos sanguíneos a se expandirem, diminuindo a pressão.

2. Aumenta a sensação de bem-estar
Uma breve caminhada em áreas verdes, como parques e jardins, pode melhorar significativamente a saúde mental, trazendo benefícios para o humor e a autoestima, de acordo com um estudo feito pela Universidade de Essex, no Reino Unido.

3. Diminui a sonolência
A caminhada durante o dia faz com que o nosso corpo tenha um pico na produção de substâncias estimulantes, como a adrenalina. Essa substância deixa o corpo mais disposto durante as horas subsequentes ao exercício. Somado a isso, a caminhada melhora a qualidade do sono de noite.

4. Controla a vontade de comer
Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Exeter, na Inglaterra, sugere que fazer caminhadas pode conter o vício pelo chocolate. Durante a pesquisa, foram avaliadas 25 pessoas que consumiam uma quantidade de pelo menos 100 gramas por dia de chocolate. Os chocólatras tiveram que renunciar ao consumo do doce e foram divididos em dois grupos, sendo que um deles faria uma caminhada diária.
Os pesquisadores perceberam que não comer o chocolate, juntamente com o estresse provocado pelo dia a dia, aumentava a vontade de consumir o doce. Mas, uma caminhada de 15 minutos em uma esteira proporciona uma redução significativa da vontade pela guloseima.


sábado, 22 de fevereiro de 2020

10 coisas muito perigosas que você ainda pode comer


Você poderia pensar que, a essa altura do campeonato, seres humanos já sabem o que podem e o que não devem colocar na boca. Mas não é o caso. Comidas muito perigosas continuam populares no mundo todo, e são até consideradas iguarias em alguns locais.

Sim, as pessoas a consomem de propósito. Também não sei o que dizer disto.

10 – Marisco sanguinário
Comer marisco sempre traz riscos de saúde, especialmente porque esses animais são filtradores, ou seja, se alimentam por filtragem. Mas os sanguinários – apelido que vem do inglês “blood clam” – são particularmente perigosos. Um dos mais consumidos é o Tegillarca granosa.
O nome tem origem no fato de que eles possuem grandes quantidades de hemoglobina no sangue, o que lhes dá uma tonalidade vermelho escura. Outras espécies de marisco possuem sangue claro, então a diferença é bastante visível.
O problema em comer mariscos com sangue vermelho jorrando é que você provavelmente pegará hepatite A, E, disenteria ou febre tifoide. Isso se deve à habilidade do animal em filtrar até 40 litros de água por dia – enquanto se alimenta de organismos nessa água, também absorve vírus, bactéria e sabe-se lá mais o quê. Ou seja, em águas particularmente poluídas, os mariscos podem vir com presentes nada generosos. 
Em Xangai, na China, em 1988, cerca de 300.000 pessoas ficaram gravemente doentes ao comer mariscos sanguinários. 31 morreram. Estima-se que 15% de todos aqueles que comem esses animais ganham alguma infecção. E ainda assim eles são uma iguaria em muitas partes da região indo-pacífica. Ok, né…

9 – Sabugueiros
Os frutos e bagas dos sabugueiros – árvores do gênero Sambucus – são em geral comestíveis. A baga de sabugueiro (Sambucus nigra), por exemplo, é frequentemente utilizada na preparação de doces e bebidas e comercialmente cultivada no centro e leste da Europa. Algumas espécies também são consideradas medicinais e cultivadas para o fabrico de remédios homeopáticos.
No entanto, encontrar esses frutos e comê-los na natureza pode ser perigoso. Isso porque as folhas, galhos, ramos, sementes e raízes dessas plantas contêm um glicosídeo cianogênico. Se as pessoas o ingerirem em quantidade suficiente, podem ter uma acumulação tóxica de cianeto no corpo. Claro, comer essas partes da planta não é proposital; o fruto em si não é venenoso, mas pode ser que algum pedaço indesejado seja consumido junto.
É por esse motivo que brinquedos feitos com madeira de sabugueiro são desencorajados, e chás feitos com folhas e outras partes da árvore devem ser tomados com cautela.

8 – Baiacu
Baiacus podem até parecer fofos, mas também são mortais. O que (aparentemente) não impede as pessoas de comê-los.
A arte japonesa de preparar o baiacu, chamado por lá de fugu, é perigosa e demorada. Qualquer chef que queira servi-lo precisa de uma licença que depende de um treinamento de pelo menos três anos.
Isso porque o baiacu contém tetrodotoxina, uma neurotoxina 200 vezes mais fatal que o cianeto. O veneno fica nos órgãos reprodutivos, fígado e intestino do peixe, partes que normalmente não são consumidas, mas é necessário confiar muito no fato de que o chef limpou o animal corretamente.
Se qualquer pingo de tetrodotoxina restou no baiacu, as chances de sobrevivência são mínimas. A morte pode ocorrer de 20 minutos até 24 horas depois da ingestão. Primeiro, você sentirá um formigamento na boca, seguido de paralisia e por fim morte – enquanto permanece consciente o tempo todo. Quer arriscar?

7 – Rã-touro-africana
Embora não sejam tão populares no Brasil, pernas de sapos e rãs são consumidas em diversas partes do mundo. Geralmente, comer esses anfíbios não é perigoso. Exceto no caso da rã-touro-africana, consumida inteira em algumas partes do continente africano, especialmente na Namíbia, onde a iguaria é chamada de “efuma”.
No leste do vale de Luangwa, o povo Nsenga chama a rã de “kanyama kaliye fupam”, o que significa “o animal sem ossos”. Ele pode até ser gostoso, mas a pele e outros órgãos desse anfíbio contêm toxinas prejudiciais que podem levar à insuficiência renal e até à morte. Ou seja, eu passaria.
Não que o povo Nsenga não tome nenhuma precaução – ao que tudo indica, rãs jovens que ainda não acasalaram são muito mais letais do que as mais velhas, de forma que é importante evitar comê-las antes do início da estação de acasalamento.

6 – Água-viva de Nomura
A água-viva de Nomura, conhecida também como Echizen Kurage, é uma espécie de água-viva que pode chegar a dois metros de comprimento e pesar até 200 kg. Não é um animal conhecido por dar uma bela refeição, mas é considerado uma iguaria no Japão.
Sei o que você está pensando: é uma água-viva, logo é tóxica. Sim e não. Tipicamente, carne de água-viva não é tóxica desde que você coma as partes certas. No caso da Echizen Kurage, no entanto, o problema é que ela precisa ser cozida apropriadamente. Jamais pode ser ingerida crua, e se não for corretamente preparada pode carregar níveis tóxicos de nematocistos, o veneno das águas-vivas.
Quando você é queimado por uma, pode sentir coceira, inchaço, dor e inflamação. Quando você ingere uma Echizen Kurage ainda venenosa, no entanto, pode morrer. Apesar disso, se bem cozida, ela é segura. Uma companhia japonesa até serve um sorvete de água-viva com baunilha feito da carne da Echizen Kurage.

5 – Castanha-de-caju
Eu sei, você come e não acontece nada. Mas isso é porque você só come castanhas-de-caju torradas, nunca cruas.
Se você quiser colher um caju e ingerir a castanha ali no mesmo, no pé, você pode. Mas não deveria. Isso porque essas sementes contêm urushiol, uma substância semelhante aos químicos encontrados em plantas como hera venenosa.
Fique tranquilo: uma castanha-de-caju crua não irá te matar. Mas, se você ingerir suficientes delas, isso pode acontecer. É difícil, uma vez que a irritação e a dor provavelmente lhe impediriam de continuar comendo.
Felizmente, o vapor retira a toxina das castanhas, e assim podemos comer um balde delas sem medo ou culpa. Até porque fazem muito bem para a saúde.

4 – Kæster Hákarl
Kæster Hákarl, ou simplesmente Hákarl, é um prato tradicional islandês feito da carne e da pele do tubarão-da-groenlândia.
Se você já não está achando muito apetitoso, espere até eu te contar que o tubarão não tem rim nem trato urinário. Logo, seus “resíduos”, que contêm níveis altos de ácido úrico e óxido de trimetilamina, são filtrados por sua pele.
Para tornar a coisa toda remotamente comestível e segura, ela precisa ser fermentada e pendurada para secar por seis meses. Menos que isso não impede o risco de transmissão de doenças derivadas da ingestão dos resíduos e da toxicidade natural do animal.
Hoje em dia, é muito difícil alguém ficar doente ou morrer por comer Hákarl, uma arte já dominada. Ainda assim, os estrangeiros que comem a iguaria costumam a descrever como a pior e mais nojenta refeição que já tiveram. Ou seja, o gosto de carne fermentada de tubarão coberto de xixi deve ser suficiente para te manter longe desse prato.

3 – Ackee
Ackee ou akee é a fruta nacional da Jamaica. É muito consumida, mas se você não a conhece bem, é melhor esperar por instruções antes de enfiá-la na boca.
Isso porque a fruta possui níveis altos de um veneno chamado hipoglicina. Para ingeri-la com segurança, é necessário esperar seu amadurecimento completo. Enquanto as sementes são sempre tóxicas, a carne da fruta pode ser apreciada quando ela se abre naturalmente.
Se você comer a polpa amarela antes do momento certo, contudo, será acometido pelo que é chamado de “doença jamaicana do vômito”. Sim, é tão ruim quanto parece. Além de vômitos severos, as pessoas podem sofrer de convulsões, delírio, hepatite tóxica, choque e coma.
Isso é raro, no entanto. Em 1988, a intoxicação por ackee resultou em morte 29 vezes, com mais de 50 ocorrendo em 2001.

2 – Polvo “vivo”
Esse prato, chamado de san-nakji e considerado uma iguaria na Coréia, consiste em um filhote de polvo recém-morto. Os tentáculos continuam a se contorcer após tal morte recente e, o que é pior, balançam violentamente quando entram em contato com óleo de gergelim.
Não sei qual é a graça de comer um animal bebê se contorcendo em sua garganta, mas tem gente (não posso atestar sobre sua saúde mental) que gosta.
Mesmo um polvo morto sabe se defender, no entanto. Aparentemente, muitas pessoas acabam morrendo quando suas vias aéreas são bloqueadas por um tentáculo sacolejante. Estima-se que até seis pessoas faleçam por ano ao tentar comer a “iguaria” (ou tortura, para o polvo e para o comedor).

1 – Mandioca
Mais um alimento muito consumido no Brasil, só que nunca cru. Isso porque contém níveis perigosos de uma toxina chamada linamarina, que por sua vez pode gerar cianeto no nosso organismo. É isso mesmo que você leu.
A preparação da mandioca exige várias etapas, incluindo descascamento, secagem ao sol e fervura, para livrá-la do veneno. Fique tranquilo – a maioria dos produtos à base de mandioca que você compra já vem processados e são seguros.
Dito isto, mandioca mal processada pode ocasionalmente levar à morte. Em 2005, 27 crianças de uma escola filipina faleceram devido à ingestão de mandioca tóxica. [Listverse]


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

9 remédios caseiros que você encontra na sua cozinha


É possível diminuir os sintomas de enjoo, febre e azia com alimentos fáceis de encontrar em casa e nos mercados

É sempre indicada consulta e recomendação de um médico especialista, mas também existem maneiras de aliviar diversos sintomas por meio de métodos mais naturais. E melhor: com alimentos que você encontra em casa.

Veja a seguir a lista de 9 alimentos que podem servir como remédios caseiros para o tratamento de condições menores, segundo a nutricionista Ana Paula Gava:

Remédios caseiros

1 - Maçã para azia
A maçã tem um forte potencial para quem sofre de azia, úlcera e gastrite por causa de seus agentes cicatrizantes, que ajudam a recuperar a mucosa estomacal. Outro ponto relevante do alimento é que também auxiliam o funcionamento do intestino, o que o torna indicado para diversos pontos da saúde do sistema digestório.

2 - Hibisco para febre
Os benefícios do hibisco vão muito além do auxílio no emagrecimento. O consumo de hibisco, assim como do gengibre, pode auxiliar no controle e redução da febre, já que tem efeito anti inflamatório.

No entanto, como explica a nutricionista Thais Conte, é indicado que se busque atendimento num pronto socorro médico, já que a febre é apenas um sintoma de uma infecção instalada. No caso de estados febris como uma gripe comum ou virose comum, já não existe grande problema, como explica a especialista.

3 - Gengibre para cólica menstrual
O gengibre leva substância chamada gingerol, responsável pelo sabor picante do alimento. O gingerol é um ótimo antimicrobiano, antioxidante e anti-inflamatório; justamente por conta do poder anti-inflamatório, essa substância é capaz de aliviar as dores advindas da cólica menstrual.

4 - Ameixa seca para constipação
A ameixa seca é rica em fibra solúveis e insolúveis, frutose e sorbitol, que aceleram os movimentos do intestino, facilitando a evacuação. Além disso, elas também são fontes de vitamina a, b e k, o que traz uma nutrição maior para as microbiotas intestinais, mantendo a saúde da flora intestinal.

5 - Alho para imunidade baixa
Dentro do alho existe uma substância chamada alicina, que tem diversos potenciais, como por exemplo, seu poder anti-inflamatório, antimicrobiano, antiviral e anticoagulante. Dessa forma, ela reforça de diversos pontos do sistema imunológico. "Como é muito potente, tende a ter resultados bem rápidos", explica a nutricionista Ana Paula Gava.

6 - Alimentos ricos em cálcio para TPM
Estudos que observaram os sintomas de quem sofre deficiência de cálcio constataram a semelhança desses impactos aos de quem sofre de TPM. Alguns dos alimentos ricos em cálcio que podem trazer benefícios nesses casos são: espinafre, chia, linhaça e brócolis.
A relação entre foi feita a partir de análises da suplementação de cálcio que duraram cerca de três meses. Ela o consumo do cálcio com a redução e amenização de até 54% dos sintomas da TPM, como irritabilidade, cólica, sintomas de depressão.

7 - Aveia para dermatite atópica
A aveia carrega uma substância chamada aveia coloidal, que é rica em ácidos graxos poli insaturados, além de conter silício e mucilagem. Por meio dessas substâncias, o indivíduo consegue cuidar melhor de uma pele sensível e seca, que são sintomas da dermatite atópica. Além disso, a aveia também consegue amenizar a coceira da pele.

8 - Sal marinho para pele seca
Para usufruir desse benefício é necessário o uso tópico do sal marinho, ou seja, do contato direto do alimento com a parte do corpo em que se deseja "tratar". Ele serve como uma forma de "água termal", por ser extremamente rico em minerais. O sal marinho também pode ter uma função esfoliante, livrando a pele de todas as células mortas e a renovando.

9 - Hortelã para enjoo
A associação da hortelã com o gengibre é indicado pelo estímulo maior das enzimas digestivas, dando suporte para a digestibilidade e, consequentemente, diminuindo o possíveis enjoos.

10 - Cúrcuma para dores articulares
A ação anti inflamatório e anti reumática da cúrcuma é extremamente benéfica para pessoas com muitos dores articulares ou com pouco lubrificação nas articulações. As propriedades da cúrcuma também ajudam a carrear o colágeno. Dessa maneira, a cúrcuma é uma grande aliada na diminuição da dor reumática articular.