quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Descubra quais são as doenças do futuro

A revista Vivasaúde ouviu médicos de oito diferentes especialidades e descobriu as patologias de maior prevalência em 2020. Comece a se prevenir desde já!
Aids
A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, mais conhecida pela sigla Aids, é descrita pela primeira vez. Já no ano seguinte, são confirmados os primeiros casos no Brasil. 2009. O número de pacientes contaminados pelo vírus do HIV, que infecta e destrói os linfócitos (células responsáveis pela defesa do organismo), chega a 35 milhões no mundo. “Infelizmente, os problemas de hoje ainda não estarão solucionados em 2020. E o HIV é um deles”, analisa Marcelo Ferreira. “Diagnosticamos novos casos da doença todos os dias”, afirma. Quase 30 anos depois, a Aids continua a ser uma doença incurável. Mas a administração de remédios, como o AZT, dificulta a multiplicação do vírus, preserva as células do sistema imunológico, adia o início dos sintomas e, principalmente, aumenta a sobrevida dos pacientes. Outro forte aliado no combate ao HIV é o uso de preservativo.

Artrose
 A Artrose é daquelas doenças que não podem ser erradicadas. Quem explica o motivo é Nasson Cavanellas, coordenador da Unidade Hospitalar do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO). “A artrose é um processo degenerativo natural, que vem com a idade. O que pode ser feito é controla-la. Para tanto, devemos diminuir a dor e melhorar a função articular”, afirma. A  artrose inicia-se, em geral, a partir dos 40 ou 45 anos. Mas há, também, outros fatores de risco, além do envelhecimento. O sobrepeso e o sedentarismo são os mais preocupantes.

Asma
Doença inflamatória crônica, a asma é um mal que, segundo a Organização Mundial da Saúde, já atinge 150 milhões de pessoas em todo o mundo. E este número só tende a crescer. “A população das grandes cidades respira um ar altamente poluído e, infelizmente, não há qualquer perspectiva de melhora neste sentido”, avalia Bernardo Henrique Ferraz Maranhão, presidente da Sociedade de Pneumologia e Tisiologia do Rio de Janeiro. Ao contrário de outras doenças, não há como fugir da asma. Mas pode-se mantê-la sob controle com o uso contínuo dos broncodilatadores.

Câncer
Nenhuma outra doença é mais temida do que o câncer. E com razão. Por ano, ele mata 8 milhões de pessoas em todo o mundo, o que representa 13% do total de óbitos. Existem mais de 100 tipos de câncer, sendo 90% curáveis, desde que diagnosticados e tratados precocemente. “A expectativa é que, até 2020, o número de casos no Brasil deva subir. Afinal, a população brasileira está envelhecendo e o câncer é uma doença atrelada ao envelhecimento”, avalia Daniel Herchenhorn. “Entre as mulheres, o câncer de mamacontinuará a liderar o ranking. Já entre os homens, o de próstata deve superar o de pulmão, pela redução do tabagismo”, analisa Herchenhorn.

Depressão
Ela já compromete o estado físico e emocional de 121 milhões de pessoas e promete ser a doença psiquiátrica de maior prevalência em 2020. Segundo especialistas, fatores genéticos, psicossociais e neuroquímicos contribuem para desencadear o quadro. Mas eventos estressantes, como a morte de parentes, também podem causar depressão. “A depressão tem no estresse um de seus principais gatilhos”, afirma Marco Antonio Brasil, psiquiatra do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. Hoje, o tratamento  para depressão inclui psicoterapia e remédios antidepressivos. A melhora ocorre em 70% dos pacientes.

Estateose hepática
Das doenças que deverão tirar o sono da humanidade no futuro a menos conhecida é a esteatose hepática. Segundo José Augusto Messias, presidente da Sociedade de Gastroenterologia do Rio de Janeiro, trata-se do acúmulo anormal de gordura no fígado. “O mundo enfrenta uma verdadeira epidemia de obesidade decorrente de hábitos alimentares equivocados e altas taxas de sedentarismo”, resume Messias. Quanto maior e mais prolongado for o acúmulo de gordura no fígado, maiores serão os riscos de lesão hepática. Se não for tratada a tempo, a esteatose hepática pode evoluir para cirrose hepática.

Doença de Alzheimer
Primeiro, a pessoa sofre perda de memória. Depois, passa a sentir dificuldade para realizar tarefas banais do dia a dia. Por fim, tende a não reconhecer nem mesmo parentes e amigos mais chegados. Doença que cresce com o aumento da estimativa de vida da população, o Alzheimer atinge com mais frequência quem já passou dos 60 anos. Ainda não há consenso sobre suas causas, mas já se sabe que há fatores hormonais e genéticos envolvidos. “Evitar o estresse, não fumar, beber moderadamente, dormir bem e manter o peso sob controle são medidas preventivas”, afirma Rubens Gagliardi, vicepresidente da Academia Brasileira de Neurologia.

Obesidade
“Consumimos muito fast-food.” O alerta é de Ruth Clapauch, vice presidente do departamento de Endocrinologia Feminina e Andrologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). São vários os riscos que a obesidade pode trazer à saúde. Os principais estão relacionados a infarto,diabetes e hipertensão. De acordo com estimativas de Márcio Mancini, presidente do departamento de Obesidade da SBEM, 15% dos brasileiros são obesos. “Devemos começar a enxergar o paciente obeso como portador de uma doença crônica e não como alguém sem força de vontade”, enfatiza Mancini.

Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/clinica-geral/descubra-quais-sao-as-doencas-do-futuro/891/ - Texto: André Bernardo/ Foto:Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel

2 comentários:

  1. Também achei interessante esse artigo
    telminhabolosetortas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir