domingo, 18 de maio de 2014

Futsal: história, regras e curiosidades

A história do futsal

Brasileiros e uruguaios disputam o título de inventores do futsal. Pela versão uruguaia, o professor Juan Carlos Ceriani foi o criador do futebol de salão na década de 30, na Associação Cristã de Moços (ACM) no Uruguai. Pela versão brasileira o esporte teria sido criado na ACM de São Paulo, nos anos 40.
Em 1971, foi fundada no Rio de Janeiro, a Federação Internacional de Futebol de Salão (FIFUSA) com a filiação de 32 países. Em 1979, é criada a Confederação Brasileira de Futebol de Salão com sede em Fortaleza-CE. Em 1991, a CBFS desliga-se da FIFUSA e filia-se à FIFA e passa a praticar o futsal.

A prática do futsal

O objetivo do jogo de futsal é marcar gol, sendo praticado entre duas equipes com 5 jogadores cada, com 4 na linha e 1 no gol. A equipe é orientada por um técnico e composta por 12 jogadores. A arbitragem é formada pelo árbitro principal, segundo árbitro, cronometrista e o anotador.  O tempo de duração de uma partida da categoria principal ou juvenil masculino é de 40 minutos cronometrados, divididos em dois tempos de 20 minutos com um intervalo de 10 minutos; o futsal feminino e o infantil masculino terão 30 minutos, divididos em dois tempos de 15 minutos com intervalo de 10 minutos. A bola oficial tem de 62 a 64 cm de circunferência e pesa entre 400 a 440 gramas; em categorias de base, a bola tem circunferência e peso menor; na categoria feminina, a bola deve ter entre 55 e 59 cm de circunferência e pesar entre 350 e 380 gramas. A quadra oficial tem as medidas  máximas de 22 metros na largura e 42 metros no comprimento. As metas devem ter 2 metros de altura por 3 metros de largura.

Glossário do futsal

- Bate-pronto – chute em que o jogador pega a bola de primeira, logo após ela ter tocado o solo.
- Bola ao solo – forma de reinício do jogo depois de uma interrupção temporária, provocada por uma causa não prevista nas regras.
- Caneta – drible no qual um jogador toca a bola por entre as pernas do adversário.
- Chapéu – também conhecido como lençol, é um drible de grande plasticidade, em que o jogador encobre o adversário com a bola.
- Elástico – drible que consiste em puxar a bola por um lado e sair pelo outro.
- Embaixadinha – forma de controle de bola em que o jogador a toca em seqüência sem deixá-la tocar no chão.
- Finta – é uma ação usada para enganar o adversário, com ou sem bola.
- Letra – toque em que a bola passa por trás de um dos pés do jogador que a executa.
- Pedalada – tipo de finta em que o jogador passa o pé por cima da bola diversas vezes.
- Trivela – efeito que se dá ao passe ou chute, usando a parte exterior do pé e fazendo com que a bola descreva uma trajetória.
- Subir – avançar, apoiar o ataque.
- Voleio – chute em que o jogador pega a bola de primeira, sem deixar que ela toque o chão.

O futsal brasileiro em competições internacionais

O Brasil é Pentacampeão mundial (1989, 1992, 1996, 2008, 2012); Campeão dos Jogos Pan-Americano (2007), 14 vezes campeão sul-americano; Tricampeão Pan-americano (1980, 1984, 1991); Pentacampeão em Mundialitos (1995, 1996, 1998, 2001, 2002); 19 vezes Campeão da Copa América.

Fundamentos técnicos do futsal

- Passe – é o meio de se passar a bola entre elementos da mesma equipe, tendo como objetivo atingir a meta adversária.
- Chute – é a maneira de golpear a bola, visando o gol ou de desviar a mesma, estando ela parada ou em movimentação.
- Domínio – é a habilidade de receber a bola, em diferentes partes do corpo, amortecendo-a e mantendo-a sob seu controle.
- Drible – é o ato pelo qual se engana o adversário, através de toques sucessivos, mudanças de direção e deslocamento rápido, mantendo o domínio da bola.
- Condução da bola – é a forma como o jogador progride com a bola no jogo. .Ela pode ser feita com a parte externa ou interna do pé.
- Finta - é o ato de enganar o adversário sem tocar na bola.
- Cabeceio - é a ação de cabecear a bola que tem como objetivo defender ou marcar um gol.

As posições dos jogadores em quadra

- Goleiro – precisa ser ágil e ter ótimos reflexos. Com a mudança de regra que permitiu o uso dos pés fora da área, os técnicos passaram a exigir que os goleiros também tenham um bom passe e chute forte.
- Fixo – é o jogador que normalmente atua mais recuado. Suas qualidades são: boa marcação, velocidade, habilidade e bom chute.
- Alas – atuam mais pelas laterais do campo, com funções defensivas e ofensivas. A maioria das equipes utiliza o ala esquerdo e o ala direito. Para melhor aproveitamento nos chutes, a maioria das equipes utiliza o “ala invertido”, canhoto jogando na direita e destro jogando na esquerda.
- Pivô – jogador de extrema importância para o time e para o qual a maioria das bolas converge. Atua na frente e, por ser o principal responsável pela distribuição das jogadas, deve ser habilidoso e ter bom passe e visão de jogo. Existem dois tipos de pivô: os de referência, que se movimentam menos, protegem bem a bola e geralmente servem os companheiros que vêm de trás; e os de movimentação, que rodam o tempo inteiro, se deslocando para receber o passe ou puxando a marcação a fim de abrir espaços para os companheiros.
- Ala/pivô – jogador que combina as características de ala e de pivô. Habilidosos e velozes movimentam-se o tempo todo em quadra. 

Curiosidades do futsal

- O futsal nunca foi disputado em uma Olimpíada.
- Brasil, Argentina e Espanha são os únicos países que jogaram todas as edições da Copa Mundial de futsal.
- O futsal era conhecido como o esporte da bola pesada.   
- Além do Brasil, merecem destaque no futsal mundial as seleções da Espanha e Itália.
- Atualmente, o futsal é um dos três esportes mais populares no Brasil.
- Muitos jogadores que hoje são conhecidos mundialmente em times de futebol de campo, começaram suas carreiras no futsal.
- O futsal é praticado em mais de cem países nos cinco continentes.

Principais regras do futsal

- O jogo é iniciado no meio da quadra com a bola sendo tocada para frente, e as equipes cada uma do seu lado.
- A cobrança do lateral deve ser feita com a bola parada e encima da linha.
- A partir da 6ª falta, a equipe adversária cobrará o tiro direto sem barreira na marca dos 10 metros.
- Se a bola for passada por um colega ao goleiro, este não poderá pegá-la com as mãos.
- Se a bola for chutada para fora, ela é reposta ao jogo pelo goleiro com as mãos.
- Nenhum jogador, exceto o goleiro, poderá tocar a bola com as mãos.

Por Professor José Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário