Mostrando postagens com marcador Ideal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ideal. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Frequência cardíaca no treino: qual é a ideal?


O ritmo do coração está relacionado com a intensidade e com o desempenho nas atividades físicas. Entenda

 

Quando o corpo é posto em exercício, o coração passa por alterações em sua frequência cardíaca que ajudam a monitorar a intensidade do treino.

 

Mas como saber qual é a frequência cardíaca ideal para que o treino tenha bons resultados? Consultamos especialistas em medicina do esporte para obter a resposta.

 

Por que a frequência cardíaca é importante?

De acordo com o médico Fernando Torres, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), existe uma relação entre a intensidade dos exercícios físicos e a frequência cardíaca - logo, o ritmo do coração está ligado ao desempenho e à qualidade do treino.

 

Por isso, o treino pode ser monitorado e controlado pelo nível de batimentos por minuto (bpm) da pessoa, fazendo com que ela se exercite dentro de um ritmo que pretende realizar a atividade (leve, moderada ou intensa).

 

Qual é a frequência cardíaca ideal para treino?

Exames fisiológicos, como o teste ergoespirométrico, ajudam a determinar os limites individuais e as respectivas frequências cardíacas para o treino.

 

"Na ausência ou inacessibilidade do exame, outras estratégias podem ser usadas, como tabelas de intensidade de exercício, que são baseadas em níveis percentuais de Frequência Cardíaca (FC). A mais simples delas é a que utiliza percentuais da frequência cardíaca máxima da pessoa", diz Torres.

 

Para calcular a frequência cardíaca máxima, há fórmulas como a chamada "207 - (0,7 x idade em anos)" ou "220 - idade em anos".

 

Mas é importante lembrar que, por serem equações que mexem com estimativa, essas tabelas nunca dão um número exato sobre a frequência cardíaca a ser alcançada.

 

Torres cita, ainda, a tabela do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), que dá um panorama sobre possíveis frequência adotadas durante os treinos:

 

Intensidade e porcentagem da FCmax

Muito leve: menos de 57

Leve: 57 a menos de 64

Moderada: 64 a menos de 77

Intensa: 77 a menos de 96

Máximo de 96


Smartwatches: bons monitores de frequência cardíaca

Atualmente, os aparelhos eletrônicos inteligentes, como smartwaches, vêm com dispositivos que permitem o monitoramento da frequência cardíaca.

 

Segundo João Felipe Franca, médico do exercício e do esporte, diretor da Clinimex e da Sociedade de Medicina do Exercício e do Esporte do Estado do Rio de Janeiro, os relógios inteligentes são uma boa ferramenta para observar como anda o ritmo do coração.

"Os smartwatches são melhores do que frequencímetros ou pulsômetros porque cruzam com informações de GPS, análise do sono, pedômetro e calorímetro", diz o médico.

 

Sinais para se preocupar no treino

Franca lembra que exercícios físicos não devem ocasionar dores no corpo durante sua execução. "O sinal mais simples a ser percebido quando um exercício está intenso é a respiração. Quando a pessoa fica mais ofegante e usa a boca para respirar, ou se torna difícil para falar, significa que o exercício se tornou intenso", diz o especialista.

 

Quando os limites da frequência cardíaca são ultrapassados, o corpo também começa a manifestar as consequências da exigência física com dores musculares e, em casos extremos, mal-estar, tontura e lesões.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/fitness/materias/37194-frequencia-cardiaca-no-treino-qual-e-a-ideal - Escrito por Maria Beatriz Melero - Redação Minha Vida

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

5 mudanças que acontecem no corpo quando você atinge um peso saudável


O sobrepeso pode facilitar o aparecimento de doenças como a hipertensão

 

Ter mais qualidade de vida e se manter saudável é o desejo de muitas pessoas, mas isso implica em que? Sem dúvidas, investir em uma boa alimentação, realizar exercícios físicos, além de praticar atitudes que promovem o bem-estar mental, dormir bem, fazer check-up e evitar hábitos nocivos são alguns pilares fundamentais para essa busca1.

 

Mas para algumas pessoas adaptar a rotina - que está cada vez mais agitada - e manter um peso, bem como a vida saudável também se torna mais difícil. Desse modo, todos os cuidados importantes acabam ficando em segundo plano e então o médico só é procurado quando algo não vai bem.

 

Este hábito, porém, pode fazer com que determinados quadros de saúde avancem e se tornem mais graves, como é o caso da obesidade e outras doenças relacionadas a ela, caso da hipertensão e das doenças cardiovasculares2.

 

De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas (2018), 55,7% da população adulta do país está com excesso de peso e 19,8% está obesa2. Sendo que a obesidade é uma doença crônica, multifatorial, caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal, que leva à complicações e compromete a qualidade de vida3.

Portanto, evitar o sobrepeso é benéfico para a saúde como um todo. Veja abaixo o que muda em seu corpo quando você está no peso saudável!

 

1. Ganha mais saúde: ao falar de peso saudável, a preocupação está para com a saúde. Isso porque, como visto acima, o sobrepeso e a obesidade podem causar outros problemas além do acúmulo de gordura. E entre eles estão quadros sérios, como hipertensão e risco de doenças cardíacas3. Portanto, a busca por um peso adequado deve ser sinônimo de saúde!

 

2. O sono passa a ter mais qualidade: durante o sono o corpo se recupera de um dia cansativo, se prepara para outro, além de cumprir funções importantes, como a síntese de hormônios, por isso dormir bem é fundamental para a saúde4.

Aliás, manter o sono em dia também é importante para evitar sobrepeso, uma vez que dormir pouco, no longo prazo, pode causa alterações endócrinas, que geram o aumento do apetite e da fome5. E, ao manter o peso regulado, o sono se torna melhor porque o excesso de peso pode causar apneia de sono e outros distúrbios6.

 

3. Respira melhor: em quadros de sobrepeso e obesidade o acúmulo de gordura pode acontecer em todo o corpo, incluindo na região do pescoço, impactando a respiração. Além disso, determinadas funções respiratórias podem ser afetadas, como a mobilidade do diafragma7. Portanto, manter o peso saudável também é respirar melhor!

 

4. Tem mais disposição: o excesso de peso, além de sobrecarregar as articulações e trazer a sensação de dor, impacta a mobilidade e a disposição3. Além disso, a apneia do sono, distúrbio que atrapalha o descanso, aumenta a indisposição, o cansaço e falta de energia6.

 

5 - Elimina dores: os joelhos, o quadril, a coluna e as articulações podem ficar sobrecarregadas com o excesso de peso, fazendo com que dores apareçam e dificultando até mesmo a prática de atividades físicas3. Ou seja, investir no controle de peso de forma saudável ajuda a eliminar dores que foram causadas pelo excesso de peso

 

Como investir em novos hábitos e perder peso?

Caso você esteja acima do peso, a primeira atitude deve ser buscar ajuda de um médico ou nutricionista. Neste caso, vale lembrar que tanto o sobrepeso quanto a obesidade são preocupações de saúde, uma vez que desencadeiam outros quadros, portanto, o auxílio médico é necessário3.

 

Profissionais como médicos e nutricionistas, são responsáveis pela medição da circunferência abdominal, bem como do Índice de Massa Corporal (IMC), que divide o peso (kg) pela altura ao quadrado (m2), e avalia a relação do peso e o risco de doenças3.

 

Após avaliar esses e outros aspectos que esses profissionais, obtém um diagnóstico e traça estratégias para a chegar ao peso saudável, que geralmente são de longo prazo, e incluem medidas como3:

 

- Adequação da dieta: a nutricionista é a responsável por passar um plano alimentar para ajudar com a dieta e nesta etapa ela pode indicar Glucerna Fit. A novidade é uma ótima opção para o seu lanche saudável, já que tem tripla ação e age para o controle de peso, promoção de energia e oferece nutrição balanceada8.

 

Essa ação é possível, pois Glucerna Fit conta com 15g de proteína de alta qualidade por porção, que te ajuda no controle de peso. Além disso, Glucerna Fit é fonte 20 vitaminas e minerais que dão mais energia e são benéficos para o sistema imune e para a saúde intestinal8.

 

- Prática de atividades físicas3: as atividades físicas, quando praticadas com regularidade e aliadas a uma boa alimentação, aceleram o metabolismo, o que auxilia a perda de peso. Além disso, movimentar o corpo promove outros benefícios, como: melhora do sono, regulação da pressão arterial, entre outros.

 

- Acompanhamento psicológico3: como essa fase é marcada por muitas mudanças, o acompanhamento psicológico é indicado para tornar o entendimento do processo mais leve;

 

Lembre-se que esses são apenas alguns exemplos de medidas para perda de peso, mas o ideal é sempre seguir o tratamento indicado pelo seu médico ou nutricionista.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/saude/materias/37028-5-mudancas-que-acontecem-no-corpo-quando-voce-atinge-um-peso-saudavel?utm_source=news_mv&utm_medium=B&utm_campaign=8846642 - Escrito por Informe Publicitário - Redação Minha Vida

terça-feira, 14 de julho de 2020

Qual destas modalidades de dança é a ideal para você?


Desafiar o corpo e a mente no seu ritmo preferido é bom demais. Escolha entre forró, samba, balé, dança de salão e outras

Música tem tudo a ver com exercício: além de determinar a intensidade do treino, o som certo aumenta a motivação, distrai do esforço e da dor e te faz render mais. Um estudo da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, mostrou que praticar atividades físicas ouvindo música acelera o metabolismo dos lipídeos e a remoção do ácido lático (responsável pelas dores musculares), mais do que em silêncio. Mas ela não precisa ser coadjuvante na prática de exercícios. A melhor maneira de aproveitar o embalo da música e seus efeitos positivos é… testar diferentes modalidades de dança!

Benefícios das modalidades de dança

Boas para a cabeça
De que dançar faz bem para o corpo, ninguém duvida. Flexibilidade, tônus muscular, força e condicionamento físico extras são só algumas vantagens. Quer mais motivos para praticar? A atividade estimula o hipocampo, área do cérebro responsável pela memória. “Dançar ainda requer concentração para o processamento e a coordenação dos movimentos”, explica a treinadora da Body Systems Márcia Angely. “Pesquisas já mostraram que dançar regularmente aumenta em 15% o número de células no hipocampo e reduz o risco de demência, doença comum do envelhecimento”, completa. A prática ainda melhora a oxigenação do cérebro e a conexão entre os neurônios, fala o médico Jomar de Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e do Exercício (SMBEE).

Mais músculos, menos calorias
A boa notícia é que ninguém precisa ser pé de valsa ou bailarino profissional para sair dançando. Diversas modalidades de dança são destinadas a alunos de todos os perfis, idades e níveis de condicionamento. A fisiologista Luciana Mankel, da academia Curves, em São Paulo, dá uma sugestão: as aulas como zumba e sh’bam têm coreografias que misturam ritmos. Nelas, você pode experimentar de tudo um pouco e descobrir o que mais gosta. “Como a movimentação é constante, você queima calorias, fortalece os músculos e trabalha a mobilidade das articulações”, diz Luciana. Um estudo da Universidade Sheffield Hallam, na Inglaterra, confirma: exercícios sincronizados com a música têm maior consumo de oxigênio – e, consequentemente, de calorias.

Força e consciência corporal
Dançar deixa o corpo mais solto, os movimentos fluidos e a postura ereta — e isso tudo dá para perceber também no dia a dia fora dos treinos! Ao mesmo tempo que você garante uma estrutura forte e músculos resistentes, ganha mais alongamento. “Isso porque as coreografias exigem bastante da musculatura para a sustentação do próprio corpo nos saltos, giros e deslocamentos”, fala Luciana Mankel. Com tantas vantagens, o melhor negócio é mexer o corpo no ritmo da sua música preferida. Dançar em casa despretensiosamente também vale muito desde que com uma condição: beba muita água para hidratar o organismo e deixe a vergonha de lado. Quanto mais transpiração, melhor!

Entre no ritmo com as modalidades de dança
Conheça um pouco e veja quantas calorias você vai queimar em 30 minutos mexendo o corpo em algumas modalidades de dança.

1 – Sh’bam/zumba
O que é: Mescla movimentos de danças latinas como o samba, salsa, merengue, mambo e reggaeton. Ou mesmo outros estilos, como hip hop e dança do ventre, com exercícios próprios do treino cardiovascular.
Calorias em 30 minutos: 250 cal.

2 – Samba rock
O que é: Surgiu da criatividade dos frequentadores dos bailes — em casas de família e salões da periferia de São Paulo — no final da década de 1950 e começo da década de 1960. Mescla os movimentos do rockabilly com o gingado brasileiro de se dançar samba.
Calorias em 30 minutos: 255 cal.

3 – Forró universitário
O que é: É um subgênero musical do forró surgido no Ceará. Foi exportado para todo o país durante o terceiro movimento da diáspora cearense. Este ritmo revive o estilo pé-de-serra de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro.
Calorias em 30 minutos: 236 cal.

4 – Samba de gafieira
O que é: O samba de gafieira é um estilo de dança de salão derivado do maxixe dançado no início do século XX.
Calorias em 30 minutos: 236 cal.

5 – Street dance
O que é: Ou dança de rua, é um estilo que se desenvolveu a partir do dance studio. Consiste em uma forma de dança em um contexto urbano.
Calorias em 30 minutos: 175 cal.

6 – Dança do ventre
O que é: É uma famosa dança praticada originalmente em diversas regiões do Oriente Médio e da Ásia Meridional.
Calorias em 30 minutos: 175 cal.

7 – Balé
O que é: Originou-se nas cortes da Itália renascentista durante o século XV, e se desenvolveu ainda mais na Inglaterra, Rússia e França como uma forma de dança de concerto.
Calorias em 30 minutos: 173 cal.

8 – Dança de salão
O que é: A expressão dança de salão refere-se a diversos tipos de danças em casal, que são executadas com práticas técnicas e artísticas.
Calorias em 30 minutos: 144 cal.

9 – Dançar em casa despretensiosamente
Calorias em 30 minutos: 100 cal.

Fonte: https://boaforma.abril.com.br/fitness/escolha-sua-modalidade-de-danca-para-queimar-calorias/ - Por Redação Boa Forma - Laura Fuhrman, Unsplash/Reprodução

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Como melhorar sua capacidade de tomar decisões?


Embora cientes de que as memórias servem como ferramenta para tomada de decisão, outros pesquisadores foram por outro caminho, sugerindo que ao tomar uma decisão, é melhor não pensar muito.

Estratégia de escolha ideal

Estamos constantemente confrontados com diferentes opções: Devo comer chocolate ou biscoito? Devo pegar o ônibus ou ir de carro? Devo vestir uma roupa leve ou um agasalho?

Quando a diferença de qualidade entre duas opções é grande, a escolha é feita muito rapidamente. Mas, quando essa diferença é insignificante, podemos ficar presos por alguns minutos - ou até mais - antes de sermos capazes de tomar uma decisão.

Por que é tão difícil decidir quando confrontados com duas ou mais opções? Será que nosso cérebro não está otimizado para tomar decisões?

Na tentativa de responder a essas perguntas, neurocientistas da Universidade de Genebra (Suíça) e Harvard (EUA) desenvolveram um modelo matemático da estratégia de escolha ideal.

Tipos de tomada de decisão

Satohiro Tajima e seus colegas demonstraram que as decisões ótimas devem se basear não no valor real das escolhas possíveis, mas na diferença de valor entre elas. Segundo a equipe, essa estratégia de tomada de decisão maximiza a quantidade de recompensa obtida com a decisão.

O trabalho parte do pressuposto da existência de dois tipos de tomada de decisão: Primeiro, há a tomada de decisão perceptiva, baseada em informações sensoriais: "Tenho tempo para atravessar a rua antes que o carro se aproxime?", por exemplo. Segundo, há uma tomada de decisão baseada em valor, quando não existe uma decisão boa ou ruim, mas é necessário fazer uma escolha entre várias propostas: "Eu quero comer uma maçã ou uma pera?"

Ao tomar decisões baseadas em valor, as escolhas são feitas muito rapidamente se houver uma grande diferença de valor entre as diferentes possibilidades. Mas, quando as possibilidades são semelhantes, a tomada de decisão se torna muito complexa, embora, na realidade, nenhuma das opções seja realmente pior que a outra.

Decisões matemáticas

O modelo matemático desenvolvido por Tajima demonstra que a estratégia ideal, quando alguém se confronta com duas proposições, é somar os valores associados às memórias que você tem de cada escolha e então calcular a diferença entre essas duas somas.

A decisão é tomada quando essa diferença atinge um valor limite, previamente fixado, que determina o tempo gasto na tomada da decisão.

Esse modelo leva a uma tomada de decisão mais rápida quando os valores das duas possibilidades estão muito distantes. Mas, quando duas opções têm quase o mesmo valor, precisamos de mais tempo, porque precisamos juntar mais memórias para que essa diferença atinja o limiar de decisão.

O modelo matemático ficou elegante e exato, e talvez até possa ser usado na prática em grandes decisões, como na compra de um apartamento ou casa. Mas certamente não servirá para você decidir se vai sair de camiseta ou de casaco, a menos que você queira ficar fazendo contas até muito tempo do horário do seu compromisso ter passado.

Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=como-melhorar-sua-capacidade-tomar-decisoes&id=13709 - Redação do Diário da Saúde - Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Qual a intensidade de exercício físico ideal para você?


Acertar o ritmo da atividade física faz muita diferença para alcançar seus objetivos no treino e multiplicar os ganhos à saúde

O Colégio Americano de Medicina do Esporte, uma das entidades mais respeitadas na área, recomenda em suas últimas diretrizes 150 minutos de exercícios moderados ou 75 minutos de atividades vigorosas por semana a todo mundo que busca uma vida saudável. Esqueça a quantidade por um momento e repare nos termos “moderados” e “vigorosas”. Eles não aparecem em vão: a intensidade do exercício também influencia bastante nos seus efeitos pelo corpo e na sua cota de benefícios.

“O esforço dedicado à atividade física promove diversos ajustes metabólicos que tornam o organismo mais eficiente em vários sentidos”, explica o professor de educação física Paulo Gentil, da Universidade Federal de Goiás.

Do ponto de vista biológico, faz sentido que um treino comece tranquilo e se intensifique com os meses. Segundo o médico do esporte Paulo Zogaib, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), como nosso corpo tenta se adaptar a novas condições, ao aumentarmos o ritmo na academia ou no parque trabalhamos o condicionamento cardiorrespiratório e a resistência, além de promover a queima de gordura e um melhor controle nas taxas de colesterol e açúcar no sangue.

É claro que ninguém deve sair por aí pegando pesado ou turbinando o treino da noite para o dia. Aumentar a intensidade exige tempo e dedicação, sob pena de aparecerem as lesões.

Mas dá pra dizer que exercícios leves já fazem bem à saúde? Ora, eles seriam a porta de entrada para qualquer pessoa, independentemente da idade, pisar no mundo esportivo. São mais fáceis de executar, não fazem o coração disparar, evitam machucados e, ainda que os resultados demorem a vir, ajudam a torrar calorias.

Um novo estudo da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos, revela que as atividades leves já conferem proteção cardiovascular. Em análise com 5 861 mulheres mais velhas, a prática foi associada a um risco significativamente menor de infarto e morte por doenças do coração.

“Mas, para ter efeitos na prática, é indicado realizar acima de 40 minutos por dia”, orienta Zogaib. O professor de educação física Antonio Arruda, do Instituto Valorize, em Linhares, no Espírito Santo, conta que existem evidências de que exercícios leves colaboram para o equilíbrio da microbiota intestinal, o conjunto de micro-organismos do aparelho digestivo. E isso se reflete no melhor funcionamento e na proteção do órgão. Pois é, pense com carinho naquela caminhada pela vizinhança.

A atividade torna-se moderada quando passa a elevar a frequência de batimentos cardíacos e deixa a pessoa um tanto ofegante. Com isso salta o gasto calórico e se acentuam as vantagens cardiovasculares. Só que já é preciso ter certo preparo dos músculos e das articulações, bem como o acompanhamento de um profissional.

Uma pesquisa da Unifesp constatou que exercícios em solo ou água nessa intensidade são bem-vindos, por exemplo, na prevenção e no controle da osteoporose em mulheres após a menopausa.

O ritmo vigoroso, por sua vez, é aquele que depende de muito esforço — acelerando o coração e botando energia para queimar — e continua agindo sobre o corpo mesmo após o fim do treino. “O gasto calórico é maior durante a atividade e se mantém elevado na fase de recuperação, fazendo o corpo utilizar a própria gordura como combustível”, explica o educador físico Diego Barretti, do Laboratório de Adaptação ao Treinamento de Força da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. É por isso que essa intensidade é imbatível em termos de perda de peso.

Acontece que o ritmo vigoroso tem seu preço: demanda empenho extra, orientação de perto de um profissional da área e, obviamente, está ligado a uma maior exposição a lesões. “Os treinos intensos costumam ser mais curtos e exigem um bom preparo físico para evitar problemas. Mesmo assim, podem derrubar a imunidade se realizados em dias consecutivos”, avisa Arruda.

Prós e contras dos três tipos de intensidade

Atividades leves

Não exige preparo físico prévio
Possibilita conversar e interagir mais durante o exercício
Oferece baixíssimo risco de lesões
O gasto calórico é bem limitado
Exige mais tempo e treinos longos diários para dar resultados
Para algumas pessoas, pode ser desestimulante

Moderado

É tolerada pela maioria das pessoas
Tem um bom perfil de segurança
Queima calorias e melhora a capacidade cardiorrespiratória
Requer supervisão, e nem todo mundo gosta disso
Há um aumento no risco de lesões
Já demanda mais preparo físico

Vigoroso

A queima de calorias é alta e persiste após o treino
Resultados alcançados em menos tempo
Promove mudanças fisiológicas bem-vindas à saúde
Depende de bastante dedicação no dia a dia
Apresenta maior risco de lesões musculares e articulares
Pode abalar a imunidade

A evolução do treino
O ponto é que a maior parte dos benefícios terapêuticos da atividade física destrinchados pela ciência está relacionada aos exercícios moderados e intensos. De acordo com o professor de educação física Vandré Casagrande Figueiredo, pesquisador da Universidade de Kentucky, nos Estados Unidos, eles atuam tanto na prevenção como no tratamento de condições crônicas como hipertensão, colesterol alto e diabetes. “Inclusive já fazem parte das recomendações da Associação Americana de Diabetes, uma vez que melhoram a resposta do corpo à insulina e ajudam a controlar o peso”, destaca.

Um fato unânime entre os experts é que alcançar um ritmo mais intenso sem colocar a saúde em risco não acontece num zás-trás. “Em geral, uma pessoa leva de três a seis meses para conseguir avançar de um treino leve para um vigoroso”, estima Barretti. “E ela deve passar por um checkup cardiológico para evitar qualquer susto”, lembra Zogaib. Sem paciência e sem supervisão para evoluir gradativamente, o corpo vai sofrer.

Uma ideia bacana para aumentar a intensidade sem impor sacrifícios demais ao organismo é mesclar os ritmos. Na esteira, por exemplo, vale alternar a caminhada, o trote e a corrida. “Essa é a proposta dos treinos intervalados de alta intensidade, conhecidos como HIIT na sigla em inglês, e que oferecem ótimos resultados”, nota Barretti. Essa mistura recorda o que acontece mais espontanemente em jogos como futebol e basquete.

A essa altura, você deve se perguntar: ok, mas como eu meço a intensidade do exercício? No dia a dia, há duas táticas mais usadas, tanto para atividades aeróbicas como treinamentos de força. A primeira é o Teste da Fala, que mensura o esforço avaliando se a pessoa consegue falar ou cantar enquanto sua a camisa. “Apesar de subjetivo, ele é prático e permite que o indivíduo se autoajuste no exercício”, diz Barretti. A outra é a Escala de Borg, em que se atribui uma nota de 0 a 10 a um esforço realizado — essa mais interessante para quem já treina há um tempo.

Para corrida, ciclismo e afins, ainda tem a fórmula da frequência cardíaca, que, a exemplo dos outros testes, você confere como fazer logo abaixo. Não são medidas milimetricamente precisas, mas já nos guiam para saber se estamos prontos a dar o próximo passo no treino.


(Ilustração: Daniel Almeida/SAÚDE é Vital)



(Ilustração: Daniel Almeida/SAÚDE é Vital)


(Ilustração: Daniel Almeida/SAÚDE é Vital)

Fonte: https://saude.abril.com.br/fitness/qual-a-intensidade-de-exercicio-fisico-ideal-para-voce/ - Por Diana Cortez  - Ilustração: Daniel Almeida/SAÚDE é Vital

domingo, 10 de setembro de 2017

Bicicleta: confira 5 dicas de como pedalar de forma correta!

Seja para retas, subidas, distâncias curtas ou longas: encontre a posição adequada em sua bike e garanta um melhor desempenho na hora de pedalar!

A bike não parou de somar adeptos e é considerada por um grupo crescente de ativistas como alternativa ao caos instalado nos grandes centros urbanos, que sofrem com poluição e com um trânsito praticamente colapsado. Assim, nada melhor do que aprender a colocar-se sobre ela corretamente para que seu uso seja 100% saudável. Afinal, já é provado que não é tão “matemático” determinar a postura correta para pedalar. Alguns estudos, por exemplo, descartam a medição antropométrica como método eficaz para um ajuste padrão, já que as fórmulas não garantem uma posição correta sobre a bike.

Mais do que prender-se a regras fixas, a regulagem deve ser feita de modo dinâmico e ser resultado de testes que permitem avaliar como o ciclista se sente em cima da bicicleta. A chamada posição ótima para pedalar não só deve estar ligada a alguns aspectos relacionados com a ergonomia, para que os esforços desnecessários e lesivos sejam reduzidos, mas deve privilegiar a eficiência mecânica, sem esquecer a segurança e a comodidade do ciclista.

Confira as dicas e encontre a posição ideal para pedalar:

A posição do corpo: quanto mais inclinado o tórax estiver em relação ao guidão, menor a resistência ao deslocamento e maior o ganho de eficiência, já que o gasto energético cai. Por outro lado, sacrifica-se o conforto, já que a posição exige maior flexão da lombar e maior extensão da cervical. O importante é manter as costas o mais reto possível, conservando as curvaturas fisiológicas e mantendo como limite recomendável de flexão do corpo sobre o guidão um ângulo não maior que 90º entre o corpo e os braços. Uma inclinação maior do tronco aumenta de maneira significativa a atividade dos músculos eretores do tronco, sobrecarregando a lombar, fazendo recair mais peso sobre pulsos e braços, obrigando o pescoço a ficar mais estendido e estressando a cervical. A recomendação para a posição do tórax sobre a bike de MTB é que a perpendicular do eixo do pedal passe pela metade da escápula, como mostrado na imagem. Pedalar de pé proporciona maior transmissão de força sobre os pedais, graças à melhor disposição biomecânica, mas exige maior atividade muscular. Assim, é menos eficiente energeticamente que pedalar sentado. (Foto: Shutterstock)

Número de pedaladas por minuto: já se demonstrou que pedalar com uma cadência acima de 90 rpm por minuto rende mais que em cadências baixas, abaixo de 70 rpm por minuto, pois resulta em mais economia muscular. Ainda que para chegar lá seja necessário um período de adaptação progressiva, já que exige maior coordenação neuromuscular – em médio e longo prazos os benefícios são inegáveis.

Movimento das pernas: observe o movimento que os seus joelhos fazem. Ele deve ser o mais reto possível. Estudos biomecânicos mostraram que uma pedalada ótima é aquela em que as pernas sobem e descem perfeitamente alinhadas, como um pistão. Todo movimento que saia desse padrão leva a uma perda da força transmitida aos pedais, o que pode levar a lesões. Se as suas pernas ficam abertas para fora ou os seus joelhos tendem a “entrar” durante a pedalada, você estará gerando tensões desenecessárias nas articulações do joelho e do quadril, já que o movimento de pedalada é repetido cerca de 5 000 vezes por hora. Boa parte dos ciclistas têm as pernas arqueadas, o que está associado ao movimento de pronação do pé que, ao pedalar, tende a se equilibrar, levando os joelhos para dentro. Estabilizando a posição do pé sobre o pedal por meio do uso de palmilhas, por exemplo, ou por meio do uso de um calçado específico para ciclismo, consegue-se fazer uma correção biomecânica, alinhar as pernas e pedalar mais e de uma forma saudável.

Pé no pedal: usar calçado específico, de sola rígida, o ajudará a transmitir melhor as forças. Colocar corretamente os taquinhos e encaixá-los no pedal leva a uma melhora substancial da técnica. Para tanto, é importante que o centro do taquinho esteja alinhado e centralizado com o osso da “bola do pé”. Mas atenção, quem tem joelhos valgos, as chamadas pernas para dentro, ou em X, ou varos (pernas arqueadas), pode ter de fazer alguma correção na sapatilha a fim de equilibrar o pé, assegurando que ele fique bem disposto sobre o pedal.

Altura do selim: levar o selim baixo implica maior atividade muscular e maior desgaste articular dos joelhos. A medição do ângulo do joelho para determinar a altura do selim é um método muito mais adequado do que aplicar qualquer fórmula matemática que considere o comprimento das pernas, mas que não leve em conta outros parâmetros. O ângulo do joelho, estando o pé sobre o pedal e a biela alinhada com o tubo do selim, deve ser em torno de 150º, angulação média que otimiza o rendimento e ajuda a prevenir lesões.


Fonte: https://sportlife.com.br/5-dicas-pedalar/ - Redação Sport Life - Foto: Shutterstock

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Saiba qual é a circunferência abdominal ideal

Descubra qual é o peso ideal para você. Se não estiver em dia com a balança, veja o que fazer para perder os quilos a mais

gordura abdominal é um tipo de gordura visceral, que envolve os órgãos, como os intestinos, o pâncreas e o fígado. O problema é que esse tipo de gordura também produz substâncias pró-inflamatórias, que aumentam o risco de aterosclerose. Daí a ser usada como mais um dado na avaliação de risco cardíaco.

Número ideal
Até 102 cm para homens e até 88 cm para mulheres.

Como medir
Basta posicionar uma fita métrica em volta do abdômen, na altura do umbigo, mantendo a barriga relaxada e tendo o cuidado de verificar se em toda a sua extensão a fita está paralela ao plano do chão.

Como atingir essa meta
Emagrecer é a única maneira eficiente de fazer sumir a barriguinha. Para se ter ideia, diminuindo 10% do peso corporal, quase 30% da gordura abdominal vai embora de carona.

Alerta vermelho
Quem está acima da medida ideal deve passar pelo médico, para verificar a necessidade de realizar exames complementares ou mesmo de iniciar um tratamento. Afinal, quanto mais gordura acumulada no abdômen, maior o risco de doenças cardiovasculares e complicações fatais.


Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/clinica-geral/saiba-qual-e-a-circunferencia-abdominal-ideal/971/ - Texto: Rita Trevisan e Louise Vernier/ Foto: Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Como escolher o top ideal para malhar

Descubra qual é o melhor modelo para o seu tipo de seio

Faça o seu esporte favorito com o tênis errado e veja o que acontece. O mesmo se passa quando você se arrisca a praticar a sua modalidade preferida com um top errado. E acredite, a maioria das mulheres anda errando na escolha do seu. Um levantamento feito nos EUA com especialistas em atividade física e fitness apontou que a mulherada peca ao comprar tops que apertam exageradamente os seios, mas cujas faixas peitorais (aquela que circunda a base dos seios e costas) são frouxas.

A Sport Life conversou com alguns feras nesse assunto para que você saia da loja com o top ideal para o seu corpo conforme o seu esporte. Saiba no que você deve estar atenta:

Sustentação sob medida
Compressão não é o mesmo que sustentação e aqui vem um dos principais erros na hora da compra. O top precisa sustentar os seios e não esmagá-los. A sustentação é proporcionada por três itens: o bojo, a faixa peitoral e as alças. “Os seios precisam estar firmes e muito bem sustentados, mas confortáveis dentro do bustiê”, explica Karina Hatano, médica do esporte da Seleção Brasileira de Natação. Segundo a especialista, os tops cujas alças fazem um “X” nas costas são os que mais dão suporte às mamas.
Pergunte à vendedora se o modelo de sua preferência é de leve, média ou alta sustentação. Cada um deles se presta a um tipo de atividade física e tem a ver com o grau de impacto que ela gera. Estudos já mostraram que a dor nos seios sentida pelas mulheres durante a prática de um esporte é proporcional à intensidade do exercício.
Leve: para atividades como Pilates, ioga ou caminhada.
Média: para modalidades como bike e tênis.
Alta: para esportes como corrida e basquete (no qual as chances de um encontrão com outra jogadora são altas).


Na medida certa

No Brasil, é dificílimo encontrar um top com as medidas americanas, que levam em consideração tanto o bojo (tamanho do seio) quando a faixa peitoral (tamanho do tórax). O top não pode estar nem apertado demais, achatando os seus seios, nem demasiado largo. Confira algumas dicas de como saber se ele tem um bom tamanho para você:

1. A faixa peitoral tem de ficar paralela ao chão e não pode estar apertada a ponto de irritar a pele. “O atrito intenso impede que o calor se dissipe da região, podendo machucar a pele, especialmente nos pontos de costura e pelo tecido molhado em contato com o suor”, alerta Karina.
2. As alças devem estar confortáveis sobre os ombros e não podem ser finas demais, com o risco de elas ferirem o seu ombro. Pelo contrário: quanto mais largas, mais proteção. Se você tiver de apertá-las no talo, é bem provável que aquele top esteja grande. Uma boa dica é colocar dois dedos sob a alça e passá-los por baixo dela da parte da frente até atrás. Se você puder fazer isso, o tamanho está bom.
3. Se parte dos seus seios sair pelas laterais do top, com certeza ele está pequeno demais. Agora, se ele enrugar, é quase certo que ele é muito grande.

Para cada tamanho, um tipo

Há três tipos de top, cada um deles mais adequado a um tamanho de seio:

1. Compressão
São aqueles que você veste pela cabeça e não têm fecho atrás. São os mais comuns. A ideia é que eles comprimam os seios contra o peito, reduzindo a sua movimentação ao máximo. São os mais indicados para quem tem seios pequenos a médios.

2. Encapsulamento
São os que apresentam um recorte na base do seio, que agem como se estivessem encapsulando os seios individualmente ao invés de comprimir os dois juntos contra o peito. Muitos deles apresentam um fecho atrás. São ideais para quem tem seios grandes.

3. Uma mescla dos dois
Encapsulam e trazem os seios junto ao peito. São bons para os de tamanho médio a grande. “Até há pouco tempo, achava-se que os de compressão fossem os melhores, mas estudos mostraram que todos os tipos os protegem igualmente, reduzindo a movimentação das mamas para baixo e para cima”, diz Joanna Scurr, especialista em biomecânica dos seios da Universidade Portsmouth (Reino Unido).

O tecido
Escolha materiais com tecnologias que acelerem a secagem do tecido e facilitem a transpira- ção. Molhado de suor, o tecido pode irritar a sua pele. Evite os feitos de algodão, que absorvem o suor, especialmente se você sua bastante. Mas lembre-se: todas essas dicas só valem se você também se sentir confortável ao vestir o top. Portanto, evite comprá-los pela internet. Vá a uma loja e experimente vários. O mesmo vale para o sutiã.

Seus seios na corrida
Os seus seios não se movimentam só para baixo e para cima à medida que você engata as passadas, mas para os lados também, num movimento que lembra o número oito deitado. O complicador disso é que estudos recentes feitos por um grupo da Universidade de Portsmouth (Reino Unido) mostraram que, sem a devida proteção, o balançar das mamas acaba alterando a passada, pois o centro de equilíbrio do corpo tende a “seguir” essa movimentação.
Resumindo, a aterrissagem do pé é mais pesada quando os seios não têm a devida proteção e esse impacto acaba recaindo sobre a parte de dentro do pé. “Nossos estudos ainda são preliminares, mas as evidências sugerem que, no longo prazo, isso pode levar à queda da performance e a lesões”, diz à Sport Life Jenny White, especialista em biomecânica do esporte da Universidade de Portsmouth. Segundo Joanna Scurr, um bom top é capaz de diminuir o balançar dos seios em aproximadamente 53%, reduzindo, inclusive, a dor, principal queixa das mulheres ao correr. A movimentação das mamas durante a corrida pode afetar os ligamentos de Cooper, estruturas fibrosas que ligam as mamas à pele, resultando em dor ou num risco maior de ficar com os seios mais “caídos” (no caso de esses ligamentos se romperem).

Observe como o top fica em você
Nicola Brown, pesquisadora da Escola de Saúde do Esporte e Ciências Aplicadas da Universidade St. Mary, no Reino Unido, ajudou a conduzir um estudo com 1 285 mulheres em atividade física. “Vimos que 90% das participantes usam top, e quase todas reclamaram em algum momento de dor no peito por causa da escolha do tamanho inadequado”, relata. Mesmo tendo mais opções de numeração lá na Europa, a mulherada erra porque não experimenta o top! “É muito importante saber o tamanho do tórax, o volume das mamas e a distância dos ombros e mamilos para não errar no top”, orienta Karina Hatano.

Fonte: http://www.sportlife.com.br/equipamento/top-ideal-para-malhar - Fotos: Shutterstock

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Saiba qual é intensidade certa do exercício para você

Confira dicas para saber qual é a intensidade ideal de cada exercício para você

A intensidade do exercício
Como educadora física, respeito a individualidade. Por isso, quando falamos em intensidade de treino, sei que cada caso é um caso. Mas para responder a essa questão, vamos pensar em pessoas comuns e ativas – não em atletas, ok?

Leve, para iniciantes

Exemplos de atividade leve: uma caminhada de 10 a 40 minutos de duração, um nado tranquilo ou uma pedalada suave. Ponto de partida para quem começa a se mexer, mesmo com baixa intensidade, já traz vantagens para o corpo: a circulação e a capacidade respiratória ficam em dia, ajuda na prevenção e no tratamento da osteoporose, na proteção do coração e na produção da endorfina (que dá aquela sensação de bem-estar maravilhosa e até melhora os sintomas da depressão). Além disso, mesmo o exercício leve contribui para uma boa noite de sono e para a diminuição da fome. É o pontapé inicial para quem quer emagrecer, aliado à alimentação balanceada.

Evolução, sempre

Depois de certo tempo – que varia de pessoa para pessoa –, o corpo se adapta e exige mais desafios. Daí, é necessário passar para a intensidade moderada: uma corrida tranquila, trotes de 30 a 45 minutos ou uma aula de dança. Ela recruta os diversos sistemas do seu organismo, como o cardiovascular, o neuroendócrino e o imunológico, convidando-os a trabalhar em sincronia, de forma benéfica e dosada para suprir as necessidades energéticas e metabólicas do seu corpo. Essa intensidade melhora ainda mais a perda de peso quando comparada à leve e, em minha opinião, é a mais recomendada para a sua saúde, pois entrega muitos resultados positivos com menor ônus.

Intensidade: alta

Nesta categoria entram exercícios de longa duração, como corridas prolongadas, e os de curta duração, caso dos sprints e treinos no estilo HIIT. No primeiro caso, seu sistema imunológico despenca. Por isso, a supervisão é fundamental. Já os intensos de curta duração melhoram a coordenação, agilidade, aptidão cardiorrespiratória e resistência física, além de queimar gordura. Em suma, o American College of Sports Medicine e a American Heart Association recomendam que adultos saudáveis de 18 a 25 anos pratiquem pelo menos 30 minutos de atividades aeróbicas moderadas cinco vezes por semana (até caminhar no shopping e cozinhar está valendo!), ou 20 minutos de treino vigoroso três vezes por semana.

Combinar as intensidades também é uma ótima maneira de permanecer ativa. Na dúvida, respeite os limites de seu corpo e faça sua escolha!

Fonte: http://corpoacorpo.uol.com.br/fitness/treino-sob-medida/saiba-qual-e-intensidade-certa-do-exercicio-para-voce/8506  - Texto Paola Machado | Adaptação Rebecca Nogueira Cesar - Foto: Caio Mello

quinta-feira, 23 de abril de 2015

9 dicas para chapar a barriga

Confira 9 dicas de alimentação e exercícios para acabar de vez com a barriga

No processo de emagrecimento, a barriga saliente é uma as áreas que mais incomodam as mulheres, e uma das mais difíceis de perder. Reeducação alimentar e exercícios físicos são fundamentais para ajudar nesse processo. “Os resultados só aparecem quando as mudanças alimentares e os exercícios começam a fazer parte da rotina. Se há gordura acumulada nessa região, é porque tem calorias sobrando e falta de nutrientes.”, explica Cinthia Leitão, nutricionista funcional.

Para de livrar dessa barriguinha saliente, o primeiro passo é procurar um nutricionista, fazer uma avaliação e estabelecer quais alimentos devem ser incluídos ou eliminados no cardápio, e quais hábitos alimentares são benéficos. A postura também tem uma influencia direta na aparência. Além dos exercícios para queimar gordura, ter boa postura diminui a aparência da barriga pochete.

“Reduzir as porções, mastigar com calma e tomar chás digestivos, ajuda todo processo digestivo e evita o estufamento. Fracionar as refeições ao longo do dia ajuda a manter a saciedade e com isso reduzir a ingestão de lanches rápidos ou doces”, ressalta Leitão.

Segundo a nutricionista, o ideal é evitar alimentos muito doces, pois possuem alto índice glicêmico, que faz a insulina subir e aumenta os depósitos de gordura. Alimentos com alta densidade calórica, como frituras, também devem ser excluídos do cardápio.

“Os alimentos termogênicos dão uma força para quem quer perder barriga. Adicione no cardápio: gengibre, canela, limão, chá verde ou chá branco, chá de hibiscus e alimentos naturalmente termogênicos, que contribuem com a queima de gordura. Inclua também alimentos integrais, pois repõem vitaminas e minerais e aumentam a sensação de saciedade para evitar que a pessoa belisque outros alimentos ao longo do dia, como os doces”, revela.

Para acabar com a barriga, além da alimentação saudável, é preciso aliar ao treino correto. Exercícios aeróbicos promovem um grande gasto calórico e, consequentemente, o emagrecimento, pois utilizam as gorduras como fonte de energia.

“Correr e caminhar são exercícios aeróbicos, que utilizam gordura como fonte energética e, portanto, promovem emagrecimento. São excelentes modalidades quando o objetivo é aperda de peso e de gordura”, explica Eduardo Netto, diretor técnico da BodytechCompany.

“Atualmente, estudos têm mostrado que a musculação realizada de forma correta e com intensidades altas, ou outros tipos de exercícios físicos similares, como o treinamento funcional, faz com que o percentual de gordura corporal reduza, pois esses tipos de exercícios aceleram o metabolismo no momento da atividade e fazem com que o seu metabolismo fique aumentado por mais tempo após o término do exercício físico”, afirma Sandro Napoli, personal trainer e coordenador da SP FIT Club.

*Especialistas consultados: Cinthia Leitão, nutricionista funcional; Luis Claudio Barbosa, cirurgião-plástico; Eduardo Netto, diretor técnico da BodytechCompany; Daniel Coimbra e Marcella Alves, dermatologistas da Clínica LesPeaux; Sandro Napoli, personal trainer e coordenador da SP FIT Club

Fonte: http://corpoacorpo.uol.com.br/blogs/mulher-de-corpo/9-dicas-para-chapar-a-barriga/8347 - Por Rebecca Nogueira Cesar - Foto: SXC